Co­mo apre­sen­tar o no­vo be­bé ao ga­to

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Ma­ria João Di­nis da Fon­se­ca Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

O nas­ci­men­to de um be­bé é um mo­men­to úni­co para to­da a fa­mí­lia. Mas tu­do o que é mu­dan­ça de ro­ti­na, per­tur­ba o ga­to. Para que a adap­ta­ção do ga­to ao no­vo mem­bro da fa­mí­lia cor­ra da me­lhor for­ma, há al­guns as­pe­tos que de­vem ser acau­te­la­dos.

Er­ra­da­men­te cer­tos com­por­ta­men­tos do ga­to são ape­li­da­dos de “ciú­mes” quan­do na re­a­li­da­de o que se pas­sa é que o ga­to es­tá con­fu­so e per­tur­ba­do com to­das as al­te­ra­ções aos seus há­bi­tos. Dei­xo aqui vá­ri­os con­se­lhos e, ape­sar de ser na­tu­ral que se sin­ta pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à re­a­ção do seu ga­to, com o de­vi­do bom sen­so vai tu­do cor­rer bem.

Ain­da an­tes do nas­ci­men­to

Pe­lo me­nos 2 me­ses an­tes da da­ta pre­vis­ta para o nas­ci­men­to do be­bé, an­te­ci­pe as mu­dan­ças que vão acon­te­cer na ca­sa.

• Se o seu ga­to tem aces­so à rua é pru­den­te que evi­te as saí­das du­ran­te os 3 pri­mei­ros me­ses de vi­da do be­bé, des­te mo­do, 2 me­ses an­tes da da­ta pre­vis­ta para o nas­ci­men­to, o ga­to de­ve ser im­pe­di­do de ir à rua.

• Ca­so não se­ja pos­sí­vel evi­tar o aces­so do ga­to à rua, de­ve­rá ter mais cui­da­do em ter­mos de pro­xi­mi­da­de do ga­to ao be­bé, por­que os ga­tos são pe­ri­tos em an­dar por lo­cais que nós não co­nhe­ce­mos!

• O ga­to não de­ve as­so­ci­ar a che­ga­da do be­bé a per­da de ter­ri­tó­rio ou de aten­ção. As­sim, no ca­so de op­tar por

As aler­gi­as aos ga­tos di­fi­cil­men­te sur­gem an­tes dos 18 me­ses; fa­le com o pe­di­a­tra so­bre o as­sun­to

o ga­to não ace­der ao quar­to do be­bé, de­ve acos­tu­má-lo com es­sa li­mi­ta­ção tam­bém pe­lo me­nos 2 me­ses an­tes.

• Dei­xe o ga­to ou­vir cho­ro do be­bé, bem co­mo a mú­si­ca dos brin­que­dos, de mo­do a que se vá ha­bi­tu­an­do.

• Co­lo­que uma lo­ção do fu­tu­ro be­bé nas su­as mãos e ini­cie uma ati­vi­da­de agra­dá­vel com o ga­to. Des­te mo­do es­ta­be­le­ce uma as­so­ci­a­ção po­si­ti­va com o chei­ro do be­bé.

• En­ri­que­ça mais o am­bi­en­te. É pro­vá---

vel que não vá con­se­guir dar a mes­ma aten­ção ao seu ga­to, co­mo por exemplo tê-lo ao co­lo. As­sim para evi­tar que o seu ga­to es­tra­nhe tan­to es­se fac­to, ar­ran­je mais ca­mas ou lo­cais agra­dá­veis, co­mo mais uma pra­te­lei­ra à ja­ne­la.

• Dei­xe o seu ga­to chei­rar a ca­mi­nha do be­bé, mas en­si­ne-o que não de­ve ir lá para den­tro. Um tru­que que po­de usar é 2 me­ses an­tes dei­xar, por exemplo, gar­ra­fas de plás­ti­co va­zi­as den­tro da ca­ma, de mo­do a que o ga­to as­so­cie o ber­ço a uma su­per­fí­cie de­sa­gra­dá­vel e não se sin­ta ten­ta­do a ir lá para den­tro.

• Uti­li­ze fe­ro­mo­nas sin­té­ti­cas em di­fu­sor um mês an­tes e man­te­nha-as nos me­ses se­guin­tes. As fe­ro­mo­nas são inó­cu­as para o be­bé e vão aju­dar o seu ga­to a sen­tir mais “paz de es­pí­ri­to”.

Nos pri­mei­ros di­as do be­bé em ca­sa não os dei­xe so­zi­nhos; até per­ce­ber que seu ga­to já não es­tá cu­ri­o­so, o me­lhor é vi­gi­ar!

Ain­da na ma­ter­ni­da­de

Ain­da na ma­ter­ni­da­de pe­ça para le­va­rem para ca­sa rou­pa que te­nha es­ta­do com o be­bé (por exemplo, fral­das de pa­no que use pro­po­si­ta­da­men­te para es­te efei­to).

Re­a­li­ze es­te pro­ce­di­men­to vá­ri­as ve­zes, co­lo­que es­sas pe­ças de rou­pa jun­to a lo­cais que se­jam agra­dá­veis ao ga­to para que es­ta­be­le­ça uma as­so­ci­a­ção po­si­ti­va. Com es­ta in­tro­du­ção de chei­ros pre­ten­de­mos que o seu ga­to co­nhe­ça o be­bé mes­mo an­tes de o ver.

Os pri­mei­ros di­as em ca­sa

Nos pri­mei­ros di­as do be­bé em ca­sa não os dei­xe so­zi­nhos. Até per­ce­ber que seu ga­to já não es­tá cu­ri­o­so, o me­lhor é vi­gi­ar! Nun­ca cas­ti­gue o seu ga­to por ati­tu­des que lhe pa­re­çam de­sa­jus­ta­das. Ao fa­zê-lo o ga­to vai es­ta­be­le­cer uma as­so­ci­a­ção do cas­ti­go ao be­bé. Pre­fi­ra o re­for­ço dos bons com­por­ta­men­tos, ou se­ja, sem­pre que o ga­to se apro­xi­ma de um mo­do tran­qui­lo do be­bé re­com­pen­se-o com fes­tas ou mes­mos bis­coi­tos. Con­ti­nue a dei­xar pe­ças de rou­pa com o cheio do be­bé ao aces­so do seu ga­to em lo­cais tran­qui­los e agra­dá­veis.

Uns me­ses mais tar­de

A fa­se em que o be­bé co­me­ça a ga­ti­nhar é pro­va­vel­men­te a mais de­sa­fi­an­te. O be­bé po­de ter ten­dên­cia para mo­vi­men­tos mais brus­cos ou de­sa­pro­pri­a­dos (co­mo por exemplo, pu­xar a cau­da) que nem to­dos os ga­tos to­le­ram.

Ob­ser­ve as re­a­ções do seu ga­to, se ele for do ti­po “quan­do o abor­re­cem fo­ge” (a mai­o­ria dos ga­tos), a si­tu­a­ção tem ten­dên­cia a fi­car con­tro­la­da, mas se tem um ga­to do ti­po “res­pon­dão”, en­tão fi­que de olho.

Cui­da­dos adi­ci­o­nais

As va­ci­nas e as des­pa­ra­si­ta­ções in­ter­na e ex­ter­na são cui­da­dos bá­si­cos de saú­de, que de­vem es­tar sem­pre em dia. Es­ta ne­ces­si­da­de é ain­da mais per­ti­nen­te quan­do exis­te pro­xi­mi­da­de a um re­cém-nas­ci­do.

Se por al­gum mo­ti­vo o pe­di­a­tra lhe re­co­men­dou cui­da­dos acres­ci­dos com o seu be­bé, co­mo por exemplo fi­car mais tem­po em ca­sa até po­der sair (ca­so dos be­bés pre­ma­tu­ros), en­tão o seu ga­to tam­bém de­ve evi­tar ir à rua du­ran­te es­se pe­río­do.

As cri­an­ças ado­ram os ga­tos e com eles apren­dem o res­pei­to pe­los ani­mais de for­ma exem­plar. Des­fru­tem e di­vir­tam-se, fil­mem e fo­to­gra­fem, afi­nal são tem­pos úni­cos!

Bons mo­men­tos fe­li­nos! ■

Pe­lo me­nos 2 me­ses an­tes da da­ta pre­vis­ta para o nas­ci­men­to do be­bé, an­te­ci­pe as mu­dan­ças que vão acon­te­cer na ca­sa.

Uti­li­ze fe­ro­mo­nas sin­té­ti­cas em di­fu­sor um mês an­tes e man­te­nha-as nos me­ses se­guin­tes, as fe­ro­mo­nas são inó­cu­as para o be­bé e vão aju­dar o seu ga­to a sen­tir mais “paz de es­pí­ri­to”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.