To­xo­plas­mo­se: A Zo­o­no­se mais co­nhe­ci­da

A Zo­o­no­se mais co­nhe­ci­da

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Fi­li­pa Man­tei­gas Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

De to­das as Zo­o­no­ses Fe­li­nas a to­xo­plas­mo­se é, sem dú­vi­da, das mais co­nhe­ci­das. Exis­tem, po­rém, ain­da mui­tas idei­as er­ra­das so­bre a do­en­ça em si e so­bre o pa­pel que o ga­to de­sem­pe­nha.

Ato­xo­plas­mo­se é uma do­en­ça pro­vo­ca­da pe­lo pa­ra­si­ta To­xo­plas­ma gon­dii. O ci­clo de vi­da des­te pa­ra­si­ta é com­ple­xo e en­vol­ve dois ti­pos de hos­pe­dei­ros: um hos­pe­dei­ro de­fi­ni­ti­vo (o ga­to) e um hos­pe­dei­ro in­ter­mé­dio (ou­tros ani­mais, in­cluin­do o Ho­mem). Va­mos aqui ex­por o ci­clo de vi­da de for­ma sim­pli­fi­ca­da de mo­do a des­ta­car as prin­ci­pais vi­as de con­ta­mi­na­ção.

En­tre 20-60% dos ga­tos se­rão in­fe­ta­dos com o pa­ra­si­ta, mas mui­to pou­cos irão de­mons­trar si­nais clí­ni­cos

A to­xo­plas­mo­se e o ga­to

A in­fe­ção com To­xo­plas­ma gon­dii é mais co­mum em ga­tos com aces­so ao ex­te­ri­or e que são ca­ça­do­res ati­vos e em ga­tos que são ali­men­ta­dos com car­ne mal co­zi­nha­da ou crua. Em ge­ral, de­pen­den­do do seu es­ti­lo de vi­da, en­tre 20-60% dos ga­tos se­rão in­fe­ta­dos com o pa­ra­si­ta, mas mui­to pou­cos irão de­mons­trar si­nais clí­ni­cos.

O ga­to é o hos­pe­dei­ro de­fi­ni­ti­vo, por­que é ape­nas ne­le que o pa­ra­si­ta con­se­gue pro­du­zir oo­cis­tos (ovos), que são de­pois ex­cre­ta­dos nas fe­zes e po­dem in­fe­tar ou­tros ani­mais, in­cluin­do o Ho­mem.

Quan­do um ga­to in­ge­re uma pre­sa ou car­ne con­ta­mi­na­da, o pa­ra­si­ta é li­ber­ta­do no tra­to di­ges­ti­vo, mul­ti­pli­ca-se na pa­re­de in­tes­ti­nal e pro­duz oo­cis­tos. Es­tes oo­cis­tos são de­pois ex­cre­ta­dos, du­ran­te um pe­río­do cur­to de tem­po (ge­ral­men­te me­nos de 14 di­as), nas fe­zes.

Os oo­cis­tos ex­cre­ta­dos nas fe­zes do ga­to não são ime­di­a­ta­men­te in­fe­ci­o­sos para ou­tros ani­mais, pre­ci­sam pri­mei­ro de so­frer um pro­ces­so de­sig­na­do de es- po­ru­la­ção que de­mo­ra en­tre 1 a 5 di­as. Uma vez es­po­ru­la­dos, os oo­cis­tos são in­fe­tan­tes para ga­tos, pessoas e ou­tros hos­pe­dei­ros in­ter­me­diá­ri­os.

É ra­ro um ga­to vol­tar a ex­cre­tar oo­cis­tos nas fe­zes após a pri­mei­ra in­fe­ção e, quan­do is­to ocor­re, é ge­ral­men­te em quan­ti­da­de mui­to me­nor.

Si­nais no ga­to

Se o ga­to não de­sen­ca­de­ar uma res­pos­ta imu­ni­tá­ria efi­caz, po­de de­sen­vol­ver si­nais de do­en­ça, que po­dem in­cluir fe­bre, per­da de ape­ti­te, per­da de pe­so, le­tar­gia, pneu­mo­nia, pro­ble­mas of­tal­mo­ló­gi­cos, he­pa­ti­te, si­nais neu­ro­ló­gi­cos, en­tre ou­tros.

A in­fe­ção nu­ma ga­ta ges­tan­te pro­duz si­nais se­ve­ros de do­en­ça, co­mo mor­te fe­tal, abor­to, na­dos-mortos e mor­te dos ga­ti­nhos jo­vens.

A to­xo­plas­mo­se e o Ho­mem

Es­ti­ma-se que mun­di­al­men­te mais de 500 mi­lhões de pessoas es­te­jam in­fe­ta­das, po­rém a mai­o­ria não apre­sen­ta sin­to­mas. Pessoas que te­nham si­do in­fe­ta­das com es­te pa­ra­si­ta de­sen­vol­vem an­ti­cor­pos con­tra o or­ga­nis­mo que po­dem ser de­te­ta­dos em aná­li­ses de san­gue. Na mai­o­ria dos ca­sos as pessoas

são in­fe­ta­das por uma de du­as vi­as: in­ges­tão de oo­cis­tos do am­bi­en­te (por con­tac­to com so­lo con­ta­mi­na­do com oo­cis­tos já es­po­ru­la­dos, ou por in­ges­tão de fru­tas ou ve­ge­tais con­ta­mi­na­dos); ou in­ges­tão de car­ne mal co­zi­nha­da que es­te­ja con­ta­mi­na­da com quis­tos.

Ou­tras vi­as me­nos co­muns são: in­ges­tão de oo­cis­tos es­po­ru­la­dos em água con­ta­mi­na­da; in­ges­tão de lei­te não pas­teu­ri­za­do; ina­la­ção de oo­cis­tos es­po­ru­la­dos em par­tí­cu­las de pó (ex­tre­ma­men­te ra­ro).

Si­nais no Ho­mem

No Ho­mem com um sis­te­ma imu­ni­tá­rio com­pe­ten­te, os si­nais de to­xo­plas­mo­se são ge­ral­men­te li­gei­ros, se­me­lhan­tes a uma gri­pe. Em gru­pos de risco, cu­jos in­di­ví­du­os pos­su­em uma imu­ni­da­de com­pro­me­ti­da (be­bés, cri­an­ças, ido­sos, grá­vi­das ou pessoas imu­no­de­pri­mi­das), po­de ocor­rer uma do­en­ça se­ve­ra que in­clui en­ce­fa­li­te, abor­to, na­dos-mortos, de­fei­tos con­gé­ni­tos e ou­tros pro­ble­mas do fo­ro neu­ro­ló­gi­co e of­tal­mo­ló­gi­co.

A to­xo­plas­mo­se e a gra­vi­dez

Em mu­lhe­res in­fe­ta­das pe­la pri­mei­ra vez (pri­moin­fe­ção) du­ran­te a gra­vi­dez, a in­fe­ção po­de pas­sar para o fe­to. Em mui­tos ca­sos, mes­mo o fe­to es­tan­do in­fe­ta­do, vai per­ma­ne­cer as­sin­to­má­ti­co, mas nu­ma mi­no­ria de ca­sos a in­fe­ção po­de con­du­zir ao abor­to, de­fei­tos con­gé­ni­tos no re­cém-nas­ci­do, pro­ble­mas neu­ro­ló­gi­cos e ocu­la­res. Po­rém é im­por­tan­te res­sal­var que is­to só acon­te­ce se a pri­moin­fe­ção for du­ran­te a gra­vi­dez, sen­do que in­fe­ções an­te­ri­o­res não en­vol­vem es­te risco.

O con­tac­to com o ga­to au­men­ta o risco de in­fe­ção?

Pes­qui­sas in­di­cam que o con­tac­to com ga­tos (ou pos­suir um ga­to) não au­men­ta o risco de in­fe­ção para o Ho­mem. O que di­zem os es­tu­dos:

• A pro­ba­bi­li­da­de de con­tac­tar com um ga­to que es­te­ja a ex­cre­tar oo­cis­tos nas fe­zes é mui­to bai­xa (num es­tu­do com 206 ga­tos, 25% ti­nham si­do in­fe­ta­dos com o pa­ra­si­ta, mas ne­nhum es­ta­va a eli­mi­nar oo­cis­tos nas fe­zes);

• Ve­te­ri­ná­ri­os que tra­ba­lham com ga­tos não têm mai­or risco de ser in­fe­ta­dos em com­pa­ra­ção com a po­pu­la­ção em ge­ral;

• O con­tac­to di­re­to com ga­tos, ge­ral­men­te, tem pe­que­na ou ne­nhu­ma in­fluên­cia na pro­ba­bi­li­da­de de a pes­soa ser in­fe­ta­da com T. gon­dii, en­quan­to o con­su­mo de car­ne crua au­men­ta sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o risco de ad­qui­rir a in­fe­ção;

• A mai­o­ria das pessoas são in­fe­ta­das atra­vés de car­ne mal co­zi­nha­da ou le­gu­mes e fru­ta mal la­va­dos;

• Tam­bém se de­ve ter em con­ta o risco das cri­an­ças con­traí­rem a in­fe­ção quan­do brin­cam em ter­re­nos con­ta­mi­na­dos com oo­cis­tos es­po­ru­la­dos.

Co­mo re­du­zir o risco de con­trair to­xo­plas­mo­se atra­vés do ga­to?

Ape­sar de o risco de trans­mis­são da do-

en­ça, de um ga­to para um hu­ma­no ser mui­to bai­xo, po­dem ser to­ma­das me­di­das para o di­mi­nuir ain­da mais:

• Os gru­pos de risco não de­vem en­trar em con­tac­to ou ma­nu­se­ar a li­tei­ra do ga­to;

• A li­tei­ra de­ve ser lim­pa di­a­ri­a­men­te, para que os oo­cis­tos não pos­su­am tem­po su­fi­ci­en­te para fi­car “ati­vos”;

• Usar lu­vas quan­do se ma­ni­pu­la a li­tei­ra e la­var bem as mãos após a lim­pe­za da mes­ma;

• Lim­par pe­ri­o­di­ca­men­te a li­tei­ra com de­ter­gen­te e água a fer­ver (eli­mi­na os oo­cis­tos);

• Eli­mi­nar a areia da lei­tei­ra de for­ma se­gu­ra, por exemplo, den­tro de um sa­co de plás­ti­co fe­cha­do, an­tes de co­lo­car den­tro de ou­tro li­xo do­més­ti­co;

• Ta­par as cai­xas de areia onde brin­quem cri­an­ças para que ne­nhum ga­to de­fe­que nes­se lo­cal;

• Não per­mi­tir que o ga­to te­nha aces­so à rua;

• Ali­men­tar o ga­to com co­mi­da pró­pria e não ali­men­tar com co­mi­da crua ou mal co­zi­nha­da.

Ou­tras me­di­das pre­ven­ti­vas

• Usar lu­vas quan­do se faz jar­di­na­gem e la­var as mãos mui­to bem após con­tac­to com ter­ra (que po­de es­tar con­ta­mi­na­da com oo­cis­tos);

• An­tes e após ma­nu­se­ar co­mi­da la­var sem­pre mui­to bem as mãos;

• A fru­ta e os le­gu­mes de­vem ser mui­to bem la­va­dos an­tes de in­ge­ri­dos para re­mo­ver pos­sí­veis oo­cis­tos da sua su­per­fí­cie;

• A car­ne de­ve ser co­zi­nha­da a um mí­ni­mo de 58ºc por 10 mi­nu­tos ou 61ºc por 4 mi­nu­tos para eli­mi­nar quis­tos te­ci­du­la­res. O uso de mi­cro­on­das não é uma for­ma se­gu­ra de eli­mi­nar quis­tos;

• To­das as su­per­fí­ci­es e uten­sí­li­os usa­dos na pre­pa­ra­ção de co­mi­da de­vem ser lim­pos com de­ter­gen­te e água quen­te, an­tes e de­pois da uti­li­za­ção, para ina­ti­var quis­tos te­ci­du­la­res;

• Re­fri­ge­rar a car­ne en­tre -12ºc a -20ºc por 3 di­as eli­mi­na os quis­tos;

• A água não po­tá­vel de­ve ser fer­vi­da ou fil­tra­da an­tes de in­ge­ri­da;

• Con­tro­lar a po­pu­la­ção de ro­e­do­res e ou­tros po­ten­ci­ais hos­pe­dei­ros in­ter­me­diá­ri­os.

Di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to em ga­tos

Es­ta do­en­ça é ge­ral­men­te di­ag­nos­ti­ca­da com ba­se na his­tó­ria, si­nais clí­ni­cos, aná­li­ses san­guí­ne­as (co­mo ti­tu­la­ção de an­ti­cor­pos) e, por ve­zes, aná­li­se de fe­zes.

O prog­nós­ti­co va­ria con­so­an­te o es­tá­dio em que a do­en­ça se en­con­tra, po­den­do ser fa­tal em ca­sos ex­tre­mos. No en­tan­to, na mai­o­ria das ve­zes o uso de an­ti­bió­ti­cos es­pe­cí­fi­cos re­sul­ta na cu­ra clí­ni­ca do ga­to.

Não exis­te va­ci­na para es­ta do­en­ça.

Es­ti­ma-se que mun­di­al­men­te mais de 500 mi­lhões de pessoas es­te­jam in­fe­ta­das, po­rém a mai­o­ria não apre­sen­ta sin­to­mas

Em jei­to de conclusão

O risco de ad­qui­rir to­xo­plas­mo­se atra­vés de um ga­to é mui­to bai­xo, vis­to que os ga­tos in­fe­ta­dos ex­cre­tam o or­ga­nis­mo nas fe­zes ape­nas al­guns di­as, du­ran­te to­da a vi­da. A mai­o­ria das pessoas são in­fe­ta­das por ou­tras for­mas, no­me­a­da­men­te, atra­vés da in­ges­tão de car­ne mal co­zi­nha­da.

Ser do­no de um ga­to não sig­ni­fi­ca ex­po­si­ção à do­en­ça, uma vez que é mui­to pou­co pro­vá­vel que exis­ta in­fe­ção atra­vés do pe­lo, de ar­ra­nha­de­las ou den­ta­das; e vis­to que ga­tos de in­te­ri­or que nun­ca ca­ça­ram e que nun­ca fo­ram ali­men­ta­dos com co­mi­da crua não pos­su­em pro­ba­bi­li­da­de de se­rem in­fe­ta­dos com es­te pa­ra­si­ta.

Sim­ples me­di­das de hi­gi­e­ne po­dem, no en­tan­to, ser to­ma­das para re­du­zir es­tes ris­cos e tor­nar a re­la­ção ga­to-do­no o mais se­gu­ra pos­sí­vel. ■

Ar­ti­go gen­til­men­te ce­di­do pe­lo Hos­pi­tal do Ga­to Fo­tos: Shut­ters­tock

Ser do­no de um ga­to não sig­ni­fi­ca ex­po­si­ção à do­en­ça, uma vez que é mui­to pou­co pro­vá­vel que exis­ta in­fe­ção atra­vés do pe­lo, de ar­ra­nha­de­las ou den­ta­das.

Se es­tá a pla­ne­ar uma gra­vi­dez fa­le com o seu mé­di­co so­bre o as­sun­to.

A in­fe­ção com To­xo­plas­ma gon­dii é mais co­mum em ga­tos com aces­so ao ex­te­ri­or e que são ca­ça­do­res ati­vos, e em ga­tos que são ali­men­ta­dos com car­ne mal co­zi­nha­da ou crua.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.