O que an­da­mos a en­si­nar (ou não) às nos­sas cri­an­ças?

Caes & Companhia - - Nesta Edição - Tâ­nia Mar­ques Di­as Mé­di­ca Ve­te­ri­ná­ria

Co­mo mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria e mãe te­nho vá­ri­as pre­o­cu­pa­ções: umas que se pren­dem com a pro­fis­são, o fac­to de to­dos os ser­vi­ços pres­ta­dos na me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria se­rem co­ta­dos com um IVA de 23%, ao con­trá­rio da me­di­ci­na hu­ma­na, o que le­va a que uma prestação de ser­vi­ço de ex­ce­lên­cia não es­te­ja ao al­can­ce de to­dos; e ou­tra co­mo mãe, que se pren­de com o fac­to de tu­do ho­je em dia se tor­nar ou ser des­car­tá­vel, des­de os sen­ti­men­tos e/ou re­la­ções pes­so­ais, aos ani­mais, brin­que­dos e/ou tecnologia.

No âm­bi­to do te­ma “Cri­an­ças & Ani­mais de Com­pa­nhia” des­ta edi­ção da re­vis­ta, in­te­res­sa fo­car a re­la­ção que te­mos com os nos­sos ani­mais, a im­por­tân­cia que lhes é da­da quer na co­mu­ni­da­de quer na fa­mí­lia, e co­mo is­so po­de in­ter­fe­rir na ge­ra­ção que es­ta­mos a cri­ar.

O que le­va, na mai­or parte das ve­zes, uma fa­mí­lia a ter um ani­mal?

Co­mo mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria, não te­nho dú­vi­das que, nem sem­pre, mas fre­quen­te­men­te, é o fa­tor cri­an­ça que le­va a fa­mí­lia a pon­de­rar ad­qui­rir um ani­mal. Ou por­que um ami­go ou fa­mi­li­ar tem ou por­que de­ter­mi­na­das ra­ças es­tão as­so­ci­a­das a gru­pos que fa­zem a cri­an­ça, ou mais co­mu­men­te o ado­les­cen­te, in­te­grar-se nu­ma so­ci­e­da­de for­ma­ta­da para o efei­to.

No ou­tro ex­tre­mo, es­tão os Cães Guia e os Cães Te­ra­peu­tas, es­tes úl­ti­mos usa­dos co­mo parte de uma te­ra­pêu­ti­ca se­ja as­so­ci­a­do ao Au­tis­mo, ao Sín­dro­me de As­per­ger, ao Sín­dro­me de Down, en­tre ou­tros, co­mo em trans­tor­nos de com­por­ta­men­to, do­en­ças men­tais e do­en­ças ter­mi­nais.

Nem sem­pre, mas fre­quen­te­men­te, é o fa­tor cri­an­ça que le­va a fa­mí­lia a pon­de­rar ad­qui­rir um ani­mal

Que fa­to­res de­vem ser pen­sa­dos an­tes de ad­qui­rir um ani­mal?

Mui­tas ve­zes re­fi­ro aos tu­to­res que a de­ci­são de ter um ani­mal de­ve ser se­me­lhan­te à de­ci­são de ter um fi­lho e acre­di­to mes­mo nis­to, não pe­lo fac­to de te­rem o mes­mo sig­ni­fi­ca­do, mas pe­lo fac­to de a de­ci­são ter de ser to­ma­da em cons­ci­ên­cia, ten­do em con­ta a ine­ren­te res­pon­sa­bi­li­da­de acer­ca da saú­de e bem-es­tar do ani­mal, no que diz res­pei­to à sua hi­gi­e­ne, ao seu ha­bi­tat, à sua ali­men­ta­ção, pla­no de va­ci­na­ção e pre­ven­ção de do­en­ças, e de­ver para com o mes­mo em ca­so de do­en­ça. Além des­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e cus­tos as­so­ci­a­dos, de­ve ser ti­do em con­ta a lon­ge­vi­da­de do mes­mo, que é se­gu­ra­men­te mai­or com a evo­lu­ção da me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria.

Pre­o­cu­pa­ções que de­ve­mos ter re­la­ci­o­na­das com a saú­de e bem-es­tar do ani­mal?

É de ex­tre­ma im­por­tân­cia, na de­ci­são de ad­qui­rir um ani­mal, ter em con­ta:

As ca­rac­te­rís­ti­cas que o ani­mal de­ve ter, ten­do em con­ta o ha­bi­tat, es­pa­ço fí­si­co, ca­rac­te­rís­ti­cas do es­pa­ço, aces­so ou não ao ex­te­ri­or;

A dis­po­ni­bi­li­da­de dos di­ver­sos mem­bros da fa­mí­lia, is­to é, se o ani­mal vai fi­car mui­tas ho­ras so­zi­nho ou, pe­lo con­trá­rio, vai es­tar gran­de parte do dia acom­pa­nha­do, ho­rá­ri­os de re­fei­ção e de pas­sei­os à rua, tem­po que po­de­rá ser des­pen­di­do para es­sas ta­re­fas, en­tre ou­tras.

Al­guns exem­plos

Ten­do em con­ta es­tes fa­to­res há ra­ças que se ade­quam mais à vi­da em apar­ta­men­to do que ou­tras, que ne­ces­si­tam por seu tur­no de es­pa­ço e, por con­se­guin­te, se adap­tam me­lhor a vi­ver nu­ma mo­ra­dia com jar­dim.

Ra­ças que apre­sen­tam pro­ble­mas ine­ren­tes ao sis­te­ma res­pi­ra­tó­rio, no­me­a­da­men­te as ra­ças bra­qui­ce­fá­li­cas, não es­tão pre­pa­ra­das para es­ta­rem sub­me­ti­das a exer­cí­cio fí­si­co cons­tan­te ou a tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das, pe­lo que não são as ide­ais para quem pre­ten­de ter um cão que o acom­pa­nhe para to­do o la­do.

Ra­ças con­dro­dis­tró­fi­cas, com pro­ble­mas fre­quen­tes de co­lu­na e risco de hér­nia(s) de dis­co tam­bém não mui­to acon­se­lha­das se­rem sub­me­ti­das a exer­cí­cio ex­tre­mo ou exer­cí­ci­os que pro­mo­vam im­pac­to na co­lu­na.

Ra­ças que têm uma gran­de ten­dên­cia a pro­ble­mas de pe­le/ato­pia e que, por is­so, te­rão ne­ces­si­da­des acres­ci­das em ter­mos de cui­da­dos de hi­gi­e­ne e qua­li­da­de dos pro­du­tos usa­dos na mes­ma, as­sim co­mo uma ali­men­ta­ção mui­to cui­da­da.

Es­tes fa­to­res, co­mo inú­me­ros ou­tros, de­vem ser pon­de­ra­dos na de­ci­são de ter um ani­mal. A par­tir do mo­men­to em que

o ad­qui­ri­mos, é da nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de as­se­gu­rar a sua qua­li­da­de de vi­da e bem-es­tar.

E quan­do o ani­mal cres­ce de­mais? Ado­e­ce? Ou a mo­ti­va­ção que le­vou a ad­qui­ri-lo já não exis­te?

Is­to é uma ques­tão que le­va in­va­ri­a­vel­men­te ao aban­do­no ou à eu­ta­ná­sia, ca­so o ani­mal ado­e­ça e a sua fa­mí­lia não pos­sa ou não quei­ra com­por­tar os cus­tos as­so­ci­a­dos à sua re­cu­pe­ra­ção, que mui­tas ve­zes pas­sa por ci­rur­gia e hos­pi­ta­li­za­ções pro­lon­ga­das.

E é aqui que en­tram as ques­tões éti­cas, no­me­a­da­men­te se é jus­to para o ani­mal de­ci­dir-se pe­la eu­ta­ná­sia ca­so os cus­tos as­so­ci­a­dos à sua re­cu­pe­ra­ção não se­jam su­por­ta­dos pe­la sua fa­mí­lia.

Co­mo mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria não o fa­ço, sem­pre que o ani­mal tem re­cu­pe­ra­ção pos­sí­vel. Ou­tros co­le­gas têm opi­nião di­fe­ren­te da mi­nha, não sei se mais cor­re­ta ou não, pois re­cu­pe­ra­ções pro­lon­ga­das são in­va­ri­a­vel­men­te acom­pa­nha­das de des­con­for­to e dor, mes­mo que a anal­ge­sia e ma­neio da dor se­jam uma das pre­o­cu­pa­ções mais atu­ais em me­di­ci­na ve­te­ri­ná­ria.

Ou­tro pro­ble­ma bas­tan­te me­diá­ti­co são os ani­mais de tu­to­res di­vor­ci­a­dos, is­to é, ani­mais em que a mo­ti­va­ção que le­vou a fa­mí­lia a ad­qui­rir o mes­mo pro­va­vel­men­te já não exis­te. Ou­tra si­tu­a­ção que não é re­gra, mas que mui­tas ve­zes le­va ao aban­do­no. To­das es­tas ques­tões le­vam à per­gun­ta se­guin­te que, na mi­nha opi­nião, é a mais im­por­tan­te.

Ad­qui­rir um ani­mal é uma res­pon­sa­bi­li­da­de que de­ve ser as­su­mi­da na sua ple­ni­tu­de, de­ve ser pen­sa­da e de­ci­di­da em cons­ci­ên­cia

O que es­ta­mos a trans­mi­tir às nos­sas cri­an­ças quan­do so­mos ne­gli­gen­tes?

É aqui que, co­mo mãe, mais do que co­mo mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria, que­ria che­gar. O que es­ta­mos a trans­mi­tir às nos­sas cri­an­ças sem­pre que de­ci­di­mos que o ani­mal ad­qui­ri­do pe­la fa­mí­lia se tor­nou des­car­tá­vel? Co­mo que­re­mos que a men­ta­li­da­de mu­de se a ge­ra­ção que es­ta­mos a cri­ar tem maus exem­plos? Ad­qui­rir um ani­mal é uma res­pon­sa­bi­li­da­de que de­ve ser as­su­mi­da na sua ple­ni­tu­de, de­ve ser pen­sa­da e de­ci­di­da em cons­ci­ên­cia, para que es­se ani­mal te­nha uma exis­tên­cia o mais lon­ga pos­sí­vel, com qua­li­da­de de vi­da e com aces­so a to­do e qual­quer ser­vi­ço mé­di­co-ve­te­ri­ná­rio que se jus­ti­fi­que du­ran­te to­da a sua vi­da.

É na re­la­ção de res­pei­to por aque­le ani­mal, de em­pa­tia com o mes­mo e mes­mo de amor que nós trans­mi­ti­mos o que há de me­lhor para se trans­mi­tir a uma cri­an­ça: amor, ca­ri­nho, pre­o­cu­pa­ção, cui­da­do… Tu­do o que se es­tá a tor­nar su­pér­fluo ou des­car­tá­vel na nos­sa so­ci­e­da­de! ■

Ho­je em dia há a ten­dên­cia de tu­do se tor­nar ou ser des­car­tá­vel, des­de os sen­ti­men­tos e/ou re­la­ções pes­so­ais, aos ani­mais, brin­que­dos e/ou tecnologia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.