Pro­va zero te­rá si­do con­sen­ti­da

Correio da Manhã - Weekend - - Portugal - J.T.

A de­fe­sa de al­guns dos on­ze ar­gui­dos (do to­tal de 19) que abri­ram ins­tru­ção à acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co no caso da mor­te de dois ins­tru­en­dos dos Co­man­dos, em 2016, di­zem que es­tes es­ta­vam ci­en­tes da du­re­za da pro­va zero, du­ran­te a qual se de­ram os óbi­tos. Es­se su­pos­to con­sen­ti­men­to vai ser um dos ar­gu­men­tos da de­fe­sa.

O ad­vo­ga­do Va­re­la Ma­tos avan­ça, no ‘Pú­bli­co’, que “os ho­mens são le­va­dos ao li­mi­te das su­as for­ças fí­si­cas, até en­tra­rem em exaus­tão, an­tes de se­rem con­du­zi­dos para uma si­mu­la­ção de com­ba­te”. Já Alexandre La­fayet­te, de­fen­sor de um sar­gen­to, ex­pli­ca que os ins­tru­to­res foram sur­pre­en­di­dos pe­la on­da de ca­lor. Os ins­tru­en­dos mor­re­ram devido à exaus­tão e ca­lor ex­tre­mo.n

For­ma­ção de Co­man­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.