Bru­xe­las pá­ra dé­fi­ce nos 1,4% até 2019

Correio da manhã - - Política - DÉ­BO­RA CAR­VA­LHO* *COM LU­SA

PRE­VI­SÕES REAÇÕES Co­mis­são Eu­ro­peia va­li­da cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, mas não acre­di­ta em con­so­li­da­ção Mar­ce­lo e Cos­ta re­co­nhe­cem a ne­ces­si­da­de de fa­zer alguns ajus­tes no Or­ça­men­to

ACo­mis­são Eu­ro­peia va­li­dou on­tem a mai­or parte das pre­vi­sões eco­nó­mi­cas do­go­ver­no.aex­ce­ção­foi­a­des­ci­da do dé­fi­ce e a con­ti­nu­a­ção da con­so­li­da­ção or­ça­men­tal. As pre­vi­sões de ou­to­no de Bru­xe­las an­te­ci­pam um cres­ci­men­to da eco­no­mia de 2,6% pa­ra es­te ano, mas a par­tir de 2018 é sem­pre a des­cer; 2,1% e 1,8 % em 2019.

Também em re­la­ção ao de­sem­pre­go, as pre­vi­sões são oti­mis­tas com a a ta­xa de de­sem­pre­go a re­cu­ar pa­ra 9,2% em 2017 e 8,3% em 2018.

Quan­to ao dé­fi­ce or­ça­men­tal es­ta­bi­li­za­rá em 1,4% do PIB em 2017 e 2018 em vez de bai­xar pa­ra 1%, co­mo an­te­ci­pa o Go­ver­no no Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano.

Bru­xe­las pre­vê a ma­nu­ten­ção do de­se­qui­lí­brio das con­tas pú­bli­cas e o fim do es­for­ço de con­so­li­da­ção, o que vai pro­vo­car uma des­ci­da mais len­ta da dí­vi­da pú­bli­ca so­bre o PIB; 126,4% es­te ano e 124,1% pa­ra o ano.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não an­te­vê pro­ble­mas com a União Eu­ro­peia em re­la­ção ao Or­ça­men­to. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa con­si­de­rou on­tem que o Go­ver­no e a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca es­tão cons­ci­en­tes em re­la­ção “àqui­lo que po­de ha­ver de cha­ma­da de aten­ção re­la­ti­va­men­te à ri­gi­dez or­ça­men­tal”. Pa­ra o Che­fe de Es­ta­do, se is­so acon­te­cer, “é ine­vi­tá­vel que o Or­ça­men­to te­nha de se ajus­tar a es­sa no­va re­a­li­da­de”.

Também o pri­mei­ro-mi­nis­tro ma­ni­fes­tou-se “tran­qui­lo” em re­la­ção à ca­pa­ci­da­de de exe­cu­ção da pro­pos­ta de Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano. “Se com­pa­rar­mos o que a Co­mis­são Eu­ro­peia dis­se ho­je com aqui­lo que afir­mou no pas­sa­do, ve­mos que nes­te mo­men­to, fe­liz­men­te, os re­cei­os são me­no­res”, re­fe­riu An­tó­nio Cos­ta.

A pri­mei­ra re­a­ção ao re­la­tó­rio de Bru­xe­las sur­giu do la­do dos co­mu­nis­tas. O se­cre­tá­rio-ge­ral do PCP lem­brou que “Bru­xe­las es­tá sem­pre a fa­zer avi­sos” e que “fa­lhou ro­tun­da­men­te”, por vá­ri­as ve­zes, as su­as pre­vi­sões

JE­RÓ­NI­MO LEM­BRA QUE “BRU­XE­LAS ES­TÁ SEM­PRE AFAZERAVISOSEFALHOU”

CO­MIS­SÃO EU­RO­PEIA Má­rio Cen­te­no (à esq.) ou­viu on­tem o co­mis­sá­rio Pi­er­re Mos­co­vi­ci di­zer que o cres­ci­men­to por­tu­guês vai de­sa­ce­le­rar a par­tir de 2018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.