Res­cal­do

Correio da Manhã - - PORTUGAL - AU­DI­TOR DE SE­GU­RAN­ÇA IN­TER­NA Manuel Ma­ria Rodrigues

OV Con­gres­so de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal or­ga­ni­za­do pe­la ASFIC, que, du­ran­te dois di­as, co­lo­cou o ter­ro­ris­mo em fo­co, foi um mar­co in­con­tor­ná­vel em ter­mos de abor­da­gem ao fe­nó­me­no.

Os con­gres­sos da ASFIC sem­pre pro­vo­ca­ram um im­pac­to for­te, um agi­tar de águas. Es­te V Con­gres­so foi mais lon­ge. Foi de ex­ce­lên­cia o ní­vel e ob­je­ti­vi­da­de com que os ora­do­res abor­da­ram o te­ma e as su­as ví­ti­mas (uma de­las co­ra­jo­sa­men­te pre­sen­te com o seu tes­te­mu­nho de hor­ror), a aná­li­se das su­as ori­gens e ca­rac­te­rís­ti­cas, as in­ter­li­ga­ções com o cri­me or­ga­ni­za­do, os seus efei­tos, as ar­mas pa­ra o com­ba­ter, a im­pres­cin­dí­vel

CON­GRES­SO FOI UM MAR­CO PE­LA FOR­MA DE ABOR­DA­GEM AO TER­RO­RIS­MO

con­fi­an­ça e co­o­pe­ra­ção das po­lí­ci­as e ser­vi­ços de in­for­ma­ção, as di­fe­ren­tes vi­as de abor­da­gem à pro­ble­má­ti­ca do re­gres­so de com­ba­ten­tes ra­di­ca­li­za­dos, os mei­os ne­ces­sá­ri­os (hu­ma­nos, téc­ni­cos e for­ma­ção), quer no com­ba­te ao fe­nó­me­no, quer na aju­da às ví­ti­mas. Es­te con­gres­so dei­xou-nos es­ma­ga­dos, des­de a hu­ma­nís­ti­ca aber­tu­ra de Ri­car­do Va­la­das até à emo­ti­va in­ter­ven­ção fi­nal de Gil Car­va­lho, emer­gin­do as van­ta­gens da mes­cla en­tre o sa­ber ci­en­tí­fi­co da aca­de­mia e o sa­ber prá­ti­co da PJ, que há 36 anos en­fren­ta es­te fe­nó­me­no. Pe­na que res­pon­sá­veis má­xi­mos das po­lí­ci­as e do go­ver­no não te­nham ti­do tem­po ou in­te­res­se em acom­pa­nhar os tra­ba­lhos na ín­te­gra. Te­ri­am apren­di­do mui­to.n

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.