O mi­la­gre de Chi­ang Rai

Correio da Manha - - Opinião - PAU­LO JOÃO SAN­TOS DI­RE­TOR-ADJUNTO

A his­tó­ria dos ‘Ja­va­lis Sel­va­gens’ ti­nha tu­do pa­ra cor­rer mal. Pas­sar no­ve di­as às es­cu­ras, à fo­me e à se­de num lu­gar ab­so­lu­ta­men­te inós­pi­to é al­go que ul­tra­pas­sa a ca­pa­ci­da­de de ima­gi­na­ção de qual­quer um. A ação do trei­na­dor da jo­vem equi­pa, mon­ge bu­dis­ta du­ran­te uma dé­ca­da, foi cer­ta­men­te de­ter­mi­nan­te pa­ra man­ter a tran­qui­li­da­de na ca­ver­na e, mais tar­de, na pre­pa­ra­ção psi­co­ló­gi­ca pa­ra o re­gres­so à su­per­fí­cie. Mas a sen­sa­ção de que al­go de trans­cen­den­te se pas­sou em Chi­ang Rai per­ma­ne­ce. Não é nor­mal. A mor­te não se dei­xa ven­cer em ter­re­no e cir­cuns­tân­ci­as tão pro­pí­ci­as. É de­ma­si­a­do fria, in­sen­sí­vel e im­pla­cá­vel pa­ra abrir ex­ce­ções.

A pró­pria Ma­ri­nha tai­lan­de­sa fo­ge da ver­da­de ab­so­lu­ta, abrin­do to­das as por­tas e dei­xan­do a res­pos­ta à cons­ci­ên­cia e con­vic­ção de ca­da um: “Não te­mos a cer­te­za se is­to é um mi­la­gre, ci­ên­cia ou ou­tra coi­sa qual­quer.” Se­ja co­mo for, o cer­to é que os ra­pa­zes fo­ram res­ga­ta­dos com vi­da, nu­ma ope­ra­ção es­pe­ta­cu­lar, al­ta­men­te com­ple­xa, que a his­tó­ri­ca se en­car­re­ga­rá de pre­ser­var na me­mó­ria dos tem­pos.

Mas a men­sa­gem que fi­ca, so­bre­tu­do, é a de que nun­ca se de­ve per­der a es­pe­ran­ça, por mais ne­gra que a re­a­li­da­de se apre­sen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.