Por­que não fa­ze­mos mais se­gu­ros?

Destak - - Atualidade - JOÃO MO­RAIS BAR­BO­SA jo­ao.mo­rais.bar­bo­sa@re­or­ga­ni­za.pt

So­mos co­nhe­ci­dos co­mo o po­vo do desenrasca. Ten­de­mos a não gos­tar de pre­ve­nir. Não acau­te­la­mos o fu­tu­ro, mui­tas ve­zes por di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, mas ou­tras ve­zes por des­co­nhe­ci­men­to ou mes­mo por de­sin­te­res­se.

Por que mo­ti­vo não gos­ta­mos de pa­gar o se­gu­ro de vi­da do cré­di­to ha­bi­ta­ção? Por que mo­ti­vos pa­ga­mos o mí­ni­mo pos­sí­vel no se­gu­ro au­to­mó­vel? A tran­qui­li­da­de tem um va­lor in­cal­cu­lá­vel. Sim, po­de­mos não ter di­nhei­ro pa­ra con­tra­tar al­guns des­tes pro­du­tos, mas se os con­si­de­rás­se­mos co­mo fun­da­men­tais pa­ra a se­gu­ran­ça das nos­sas fa­mí­li­as, tal­vez en­con­trás­se­mos al­gum es­pa­ço no or­ça­men­to.

No ca­so es­pe­cí­fi­co dos Se­gu­ros Fi­nan­cei­ros, sa­be­mos que te­mos de per­cor­rer um gran­de ca­mi­nho. A so­ci­e­da­de es­tá em pro­fun­das al­te­ra­ções. Vi­ve­mos mais anos e te­re­mos de acau­te­lar as nos­sas re­for­mas (mes­mo que nos ten­tem con­ven­cer que a Se­gu­ran­ça So­ci­al es­ta­rá cá pa­ra nós). Vi­ve­mos com mais ris­cos e tal­vez se­ja pru­den­te co­me­çar a pen­sar co­mo ge­rir es­tes ris­cos. Tal­vez se­ja pru­den­te au­men­tar as nos­sas pou­pan­ças de lon­go pra­zo. E cer­ta­men­te que te­mos de olhar pa­ra es­te pro­ble­ma co­mo pri­o­ri­tá­rio.

Uma das for­mas mais uti­li­za­das nou­tros paí­ses pas­sa por subs­cre­ver se­gu­ros que nos aju­dem a passar o ris­co pa­ra com­pa­nhi­as de se­gu­ros. Sim, te­re­mos de pa­gar um prémio e te­re­mos al­guns cus­tos, mas são cus­tos que nos aju­da­rão a pre­ve­nir con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas nas nos­sas vi­das.

E o mais im­por­tan­te é que exis­tem se­gu­ros pa­ra to­dos os gos­tos e ne­ces­si­da­des. Bas­ta que quei­ra­mos atu­ar de for­ma pre­ven­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.