«Fe­liz­men­te, por cau­sa da arte dra­má­ti­ca, te­nho po­di­do ali­men­tar a mi­nha fa­mí­lia»

Destak - - Arte&lazer -

ja­ne­la da co­zi­nha e vês gente a ace­nar, com pa­péis na mão. Há em nós uma par­te do co­ra­ção que morre quan­do es­tas coi­sas nos acon­te­cem. Mas, se­ja co­mo for, o melhor que po­de­mos fa­zer é es­pe­rar que o vi­zi­nho não cons­trua uma mons­tru­o­si­da­de que nos es­tra­gue a vis­ta. É sem­pre bom ter vi­zi­nhos que se­jam com­pre­en­si­vos e nos tra­gam uma ener­gia po­si­ti­va na vida que le­va­mos.

Quais foram al­gu­mas das fases mais di­fí­ceis da sua vida, an­tes de vir pa­ra a Califórnia? Re­fi­ro-me a ex­pe­ri­ên­ci­as que o for­ma­ram. Que his­tó­ri­as tem pa­ra con­tar, as­sim num jan­tar de ami­gos?

Meu deus, acho que di­vul­guei tu­do que era pes­so­al nos pri­mei­ros anos após a mi­nha che­ga­da. Nessa al­tu­ra eu era de­ma­si­a­do ir­lan­dês. De­ma­si­a­do con­fes­si­o­nal. Fa­la­va mui­to. Mas a his­tó­ria é co­nhe­ci­da: o meu pai aban­do­nou-nos quan­do eu era be­bé, fui cri­a­do pe­la mi­nha mãe e por um pai­nel ex­ten­so de ti­os e ti­as nu­ma casa que tam­bém ti­nha pen­são. Sei o que é sen­tir es­sa coi­sa da er­rân­cia, não ter lu­gar, a eter­na so­li­dão. É daí que me vem mui­ta ins­pi­ra­ção pa­ra mui­tas coi­sas que fa­ço. Fe­liz­men­te, por cau­sa da arte dra­má­ti­ca, te­nho po­di­do ali­men­tar a mi­nha fa­mí­lia. Mas é negócio ca­pri­cho­so. Um ator po­de ser ti­do co­mo ide­al à se­gun­da e per­fei­ta­men­te dis­pen­sá­vel à ter­ça.

Ain­da so­bre as suas ori­gens e a sua fa­mí­lia: co­mo é que ser pai mu­dou a sua ma­nei­ra de es­tar no mun­do?

Ser pai, ter fi­lhos, é cer­ta­men­te a eta­pa mais con­se­gui­da da mi­nha vida. Há um gran­de or­gu­lho nis­so. E no tra­ba­lho que fi­ca fei­to. Te­nho ago­ra uma ne­ta. Qu­a­se dois anos de ida­de, da­qui a uns di­as. Tem si­do uma alegria vê-la cres­cer. É de­les que so­mos fei­tos. O meu pa­pel é ser o melhor pai que me é pos­sí­vel ser. Is­so quer dizer, ba­si­ca­men­te, uma coi­sa mui­to sim­ples: mi­mo-os de­mais. Es­tra­go-os com mi­mos. Não lhes dou dis­ci­pli­na su­fi­ci­en­te. Há momentos em que tro­pe­ço e em­ba­to no fu­tu­ro, quan­do eles an­dam por perto. Fe­liz­men­te, te­nho a es­po­sa per­fei­ta. Mãe ab­so­lu­ta­men­te bri­lhan­te. Co­mo pai e co­mo ho­mem es­pe­ro ter fei­to al­go de me­ri­tó­rio com a mi­nha vida, al­go que os meus fi­lhos en­ten­dam. Foi sem­pre mui­to im­por­tan­te pa­ra mim, por exem­plo, que eles apren­des­sem a li­dar com to­da as pes­sa­os. Quan­do o mo­men­to do gran­de re­co­nhe­ci­men­to che­gar -e mes­mo que se­ja­mos bons na­qui­lo

«Ser pai, ter fi­lhos, é cer­ta­men­te a eta­pa mais con­se­gui­da da mi­nha vida. Há um gran­de or­gu­lho nis­so»

que nos ocu­pa pro­fis­si­o­nal­men­te -o que in­te­res­sa no fundo é sa­ber vi­ver com os ou­tros, com a re­a­li­da­de do que nos ro­deia. É mui­to im­por­tan­te sa­ber co­mu­ni­car com os ou­tros, com­pre­en­der, dizer, fa­lar. É vi­tal dar alen­to ao que é no­bre nos ou­tros. Não ha­ve­rá au­ten­ti­ci­da­de na nos­sa vida até que com­pre­en­da­mos o que é vi­ver a vida que cou­be a ou­tras pes­so­as. Te­mos que ten­tar ver as coi­sas pelo pri­ma de­les, en­trar-lhes na pe­le, per­ce­ber que cons­ci­ên­cia têm na nos­sa gran­de equa­ção co­mum. Sem is­so, qual­quer vida é ape­nas vi­vi­da a meia for­ça -- em de­tri­men­to de nós mes­mos e dos fi­lhos que nos se­guem.

© FOTOS DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.