Já não so­mos coi­ta­di­nhos

Destak - - Desporto - LÍDIA PARALTA GO­MES Jornalista do se­ma­ná­rio ‘Ex­pres­so’

Um dos sen­ti­men­tos mais com­pli­ca­dos de li­dar quan­do so­mos ga­ro­tos (e bem, no res­to da nos­sa vi­da) é o da in­jus­ti­ça. Lem­bro-me bem de o sen­tir na­que­le Ale­ma­nha-por­tu­gal que nos co­lo­cou fo­ra do Mun­di­al de 98, um dos epi­só­di­os mais trau­má­ti­cos da his­tó­ria re­cen­te do fu­te­bol por­tu­guês. Não há mui­ta gen­te que não sai­ba quem é Marc Bat­ta, o ár­bi­tro fran­cês que ex­pul­sou Rui Cos­ta, pre­ci­pi­tan­do o em­pa­te da Ale­ma­nha cam­peã da Eu­ro­pa, quan­do Por­tu­gal é que jo­ga­va bem. Não me pa­re­ce que tal coi­sa fos­se ho­je possível, por­que ga­nhá­mos es­ta­tu­to, Bo­las de Ou­ro e um tí­tu­lo de cam­peões da Eu­ro­pa. Mas o es­ta­tu­to, na ver­da­de, o que in­te­res­sa? Po­de dar-nos aque­le res­pei­to­zi­nho que Bat­ta não nos te­ve, mas o que in­te­res­sa mes­mo é ter uma equi­pa pre­pa­ra­da pa­ra to­das as si­tu­a­ções, co­mo aque­la que Fer­nan­do San­tos tem vin­do a cri­ar nos úl­ti­mos anos. De­pois de um per­cal­ço ini­ci­al na qua­li­fi­ca­ção, com uma der­ro­ta na Suí­ça, era pre­ci­so ga­nhar os jo­gos todos pa­ra che­gar ao Mun­di­al de 2018. Fer­nan­do San­tos dis­se que ía­mos ga­nhar. E ga­nhá­mos. O úl­ti­mo jo­go da qua­li­fi­ca­ção foi bem pa­ra­dig­má­ti­co da­qui­lo que é esta Se­le­ção Na­ci­o­nal: uma equi­pa que sa­be mol­dar-se aos acon­te­ci­men­tos, que con­se­gue, no mes­mo jo­go, jo­gar de for­ma bri­lhan­te e de for­ma prag­má­ti­ca. Uma equi­pa mo­der­na. O bilhete pa­ra a Rús­sia, fren­te a uma equi­pa que ape­nas per­deu um jo­go, foi al­go qua­se na­tu­ral e que às tan­tas pa­re­cia que nun­ca ha­via es­ta­do em cau­sa. Por­que a con­fi­an­ça que Fer­nan­do San­tos pas­sa aos jo­ga­do­res também já pas­sou pa­ra todos nós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.