O turismo exa­cer­ba­do

Destak - - Leitor - JO­SÉ AMA­RAL Vi­la No­va de Gaia

Tu­do que ‘é de mais é mo­lés­tia’, ou co­mo ‘nem oi­to nem oi­ten­ta’, são con­cei­tos que nos avi­sam não ser o mais cor­re­to se­guir. De­ve ha­ver tem­pe­ran­ça e equi­lí­brio que sus­ten­te a vi­da nor­mal das pes­so­as, das coi­sas e do am­bi­en­te em que se in­se­rem. É mui­to bo­ni­to e bas­tan­te ren­tá­vel (???) ter­mos mui­tos tu­ris­tas a vi­si­tar-nos, mas em de­ma­sia po­de ser tão fu­nes­to ou mais, co­mo ser­mos um de­ser­to, sem vi­si­tan­tes. Não de­ve­mos des­ca­ra­te­ri­zar o que di­fe­ren­cia um lo­cal do ou­tro, pois, as­sim, tu­do se ba­na­li­za­rá e tu­do se­rá igual, num amor­fis­mo al­ta­men­te do­en­tio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.