O jan­tar no pan­teão

Destak - - Leitor - ADEMAR COS­TA Pó­voa do Var­zim

«A uti­li­za­ção do Pan­teão Na­ci­o­nal pa­ra even­tos fes­ti­vos é ab­so­lu­ta­men­te in­dig­na». Cus­ta a acre­di­tar que An­tó­nio Cos­ta não sou­bes­se que es­tá den­tro da lei efec­tu­ar ac­ti­vi­da­des do gé­ne­ro no Cor­po Cen­tral do mo­nu­men­to me­mo­ri­al. Des­ta vez o che­fe do Go­ver­no an­te­ci­pou-se ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Eu gos­ta­va de ver An­tó­nio Cos­ta pro­tes­tar quan­do o robô ci­da­dão “Sophia” dis­se na Web Sum­mit : «Va­mos rou­bar os vos­sos em­pre­gos». (...). So­bre o jan­tar de en­cer­ra­men­to no Pan­teão, respondeu o fun­da­dor do en­con­tro: «Te­mos uma abor­da­gem mui­to di­fe­ren­te em re­la­ção à mor­te».

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.