Odi­ad

Destak - - Leitor - JO­A­QUIM A. MOURA Pe­na­fi­el

A ca­da 24 ho­ras que pas­sam, pa­re­ce apro­xi­mar-se o dia D. O dia da ge­rin­gon­ça se des­man­te­lar. São ca­da vez mais du­ras e mais re­pe­ti­das as rei­vin­di­ca­ções das clas­ses pri­vi­le­gi­a­das e com pe­so que se ma­ni­fes­tam ou ame­a­çam a com­po­si­ção de es­quer­da, e pa­rar o país na con­tra mão. Elas são juí­zes, pro­fes­so­res, mé­di­cos e en­fer­mei­ros a que­re­rem mai­or re­co­nhe­ci­men­to e li­cen­ci­a­tu­ras ad­mi­nis­tra­ti­vas – ou na mo­da­li­da­de Relvas e se­me­lhan­tes, ou mem­bros da Pro­tec­ção Ci­vil –, en­tre ou­tras re­ga­li­as. Ain­da guar­das pri­si­o­nais, agen­tes do SEF, au­tar­cas sob fo­go, bom­bei­ros com man­guei­ras chei­as de quei­xas, agri­cul­to­res en­tre a se­ca e a fal­ta de pas­to e de som­bra, e de­pois os da ci­da­de sob bra­sas e à mín­gua, en­ta­la­dos en­tre fac­tu­ras a pa­gar no pra­zo, e sa­lá­ri­os an­ti­qua­dos, co­mo ad­mi­te e re­co­nhe­ce Bru­xe­las.

To­dos em­pu­nhan­do a cha­ve de por­cas e de pa­ra­fu­sos, pa­ra des­fa­zer a ge­rin­gon­ça em pe­da­ços, que já dá de si de­no­tan­do al­gu­ma fal­ta de lu­bri­fi­ca­ção e a ca­mi­nho de gri­par. A pres­são mai­or vem das clas­ses com mai­or im­pac­to na vi­da do po­vo, e na sua saú­de, e nos efei­tos que o su­jei­tam ao sa­cri­fí­cio quan­do re­cor­rem aos ser­vi­ços de tais gru­pos e ins­ti­tui­ções, agi­ta­dos e apos­ta­dos ago­ra em fa­zer a vi­da ne­gra ao go­ver­no. O mi­nis­tro que fa­la bem ten­ta des­po­le­tar e sen­si­bi­li­zar a cons­ci­ên­cia dos for­tes e re­tra­ta o país dos fra­cos, ve­lhos e do­en­tes, que qua­se não gri­tam, pe­din­do a Deus e aos ho­mens a sua go­ta de água, a que têm di­rei­to e lhes é de­vi­do. O mi­nis­tro das con­tas bo­as es­for­ça-se por cum­prir as me­tas es­ta­be­le­ci­das e aque­las a que es­tá obri­ga­do, e não quer der­ra­pa­gens. O go­ver­nan­te che­fe do exe­cu­ti­vo vai con­du­zin­do a má­qui­na, pro­cu­ran­do que ela não saia do tri­lho es­trei­to por on­de ro­la, de so­la­van­co em so­la­van­co por en­tre tra­gé­di­as de san­gue e lá­gri­mas e er­ros “pan­teó­ni­cos”. Mas as clas­ses fa­vo­re­ci­das não de­sar­mam e ou­vem-se num tom ame­a­ça­dor pela voz dos seus sin­di­ca­tos, fa­zer pa­ra­li­sar o país po­bre e sem re­cur­sos. Que­rem mais e me­lhor. A co­li­ga­ção que sus­ten­ta o go­ver­no, ti­tu­be­an­te ajus­ta o equi­lí­brio que a pa­la­vra per­mi­te, en­saia re­cu­pe­rar e de­vol­ver os ga­nhos re­ti­ra­dos no pas­sa­do pe­lo go­ver­no an­te­ri­or a man­do da troi­ka e por von­ta­de pró­pria. A coi­sa e o país en­tra­ram em des­gas­te. A ge­rin­gon­ça ca­da vez mais sen­te as pe­ças rui­do­sas e os pe­dre­gu­lhos pos­tos no ca­mi­nho pe­las or­ga­ni­za­ções e clas­ses com do­mí­nio e im­pac­to na so­ci­e­da­de, a cri­a­rem obs­tá­cu­los, que a im­pe­dem de che­gar in­tei­ra ao fi­nal da cor­ri­da que ini­ci­ou mon­ta­da de for­ma sur­pre­en­den­te. Tu­do aponta pa­ra uma in­ter­rup­ção na mar­cha que co­me­çou com es­pe­ran­ça e que al­guns apos­tam tor­ná-la su­ca­ta, pa­ra fa­zer re­gres­sar à di­rei­ta po­lí­ti­ca ao po­der, se a porta se es­can­ca­rar. O que não acon­te­ce­rá: va­lha-nos o sen­sa­to juí­zo na es­tra­té­gia en­con­tra­da, ve­dan­te e em mo­vi­men­to de­mo­crá­ti­co!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.