For­ma­ção de­fi­ci­en­te po­ten­cia aci­den­tes

As­so­ci­a­ção de­fen­de uma re­for­mu­la­ção do en­si­no dos mo­to­ci­clis­tas pa­ra bai­xar a sinistralidade, de­pois de em 2017 o nú­me­ro de mor­tos ter au­men­ta­do 114%.

Destak - - ATUALIDADE - JOÃO MONIZ jmo­niz@des­tak.pt

Os da­dos da Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Ro­do­viá­ria, que con­tem­plam só as ví­ti­mas nas 24 ho­ras após um aci­den­te, in­di­cam que o nú­me­ro de mor­tos en­tre os mo­to­ci­clis­tas pas­sou de 43 em 2016 pa­ra 92 em 2017. Um au­men­to de 114% na mor­ta­li­da­de que con­tra­ria a ten­dên­cia da dé­ca­da an­te­ri­or. Ou se­ja, as ví­ti­mas mor­tais em veí­cu­los de du­as ro­das ti­nham des­ci­do 64% de 120 em 2006 pa­ra 43 em 2016, quan­do no mes­mo pe­río­do o nú­me­ro de mo­tas au­men­tou 70% de 164 763 pa­ra 280 412.

A Pre­ven­ção Ro­do­viá­ria Por­tu­gue­sa (PRP) ex­pli­ca a «su­bi­da bru­tal» em 2017 com dois fa­to­res: o nú­me­ro mui­to bai­xo de mor­tes em 2016 e um au­men­to do vo­lu­me de cir­cu­la­ção dos mo­to­ci­clos sig­ni­fi­ca­ti­vo em 2017. Di­to de ou­tra for­ma, quem tem mo­ta uti­li­zou-a mais, de­vi­do ao me­nor nú­me­ro de di­as de chu­va, ao fo­men­to do uso des­te ti­po de veí­cu­los (lu­ga­res de es­ta­ci­o­na­men­to, por exem­plo) e aos me­no­res cus­tos de trans­por­te.

Só que a PRP não se con­ten­ta com es­ta ex­pli­ca­ção e en­ten­de que, até fa­ce à «ex­pec­tá­vel ten­dên­cia de au­men­to da uti­li­za­ção des­tes veí­cu­los», da­do que «a sua uti­li­za­ção re­gu­lar é ain­da in­fe­ri­or à de paí­ses eu­ro­peus com ca­ra­te­rís­ti­cas cli­ma­té­ri­cas se­me­lhan­tes», ur­ge «re­du­zir a sinistralidade nes­tes uten­tes da estrada». E pa­ra is­so é pre­ci­so «re­for­mu­lar to­do o sis­te­ma de for­ma­ção de mo­to­ci­clis­tas».

Ao Des­tak, o pre­si­den­te da PRP cri­ti­ca que os alu­nos só apren­dam a fa­zer um oi­to, da­do ser es­ta a úni­ca ma­no­bra exi­gi­da em exa­me. «Não exis­te ne­nhu­ma exi­gên­cia no exa­me, de for­ma a que a for­ma­ção con­tem­ple a cor­re­ta po­si­ção de con­du­ção pa­ra ca­da ti­po de mo­to­ci­clo, a for­ma cor­re­ta de se po­si­ci­o­nar na via pa­ra cur­var, a for­ma cor­re­ta de cur­var (in­cluin­do on­de tra­var e on­de ace­le­rar) e, prin­ci­pal­men­te, a for­ma cor­re­ta de uti­li­zar o sis­te­ma de tra­va­gem».

Jo­sé Mi­guel Tri­go­so tam­bém qu­er in­cen­ti­var a uti­li­za­ção de equi­pa­men­tos de se­gu­ran­ça por par­te do con­du­tor (lu­vas, blu­são, dor­sais ou equi­pa­men­tos com sis­te­mas de air­bags).

Es­pe­ci­a­lis­tas de­fen­dem que mo­to­ci­clis­tas de­vem ter con­du­ção de­fen­si­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.