Dar ou não dar­me­sa­da ao seu fi­lho?

Destak - - ATUALIDADE - JOÃO MO­RAIS BAR­BO­SA jo­ao.mo­rais.bar­bo­sa@re­or­ga­ni­za.pt

Otem­po e o afe­to têm si­do subs­ti­tuí­dos nas re­la­ções fa­mi­li­a­res pe­lo di­nhei­ro. A fal­ta de tem­po e as pres­sões so­ci­ais têm fei­to a sua mos­sa, nu­ma so­ci­e­da­de que ca­da vez desvaloriza mais a re­la­ção de au­to­ri­da­de em ca­sa. Cri­a­mos miú­dos mi­ma­dos que se sen­tem no di­rei­to de exi­gir dos pais uma me­sa­da e já ago­ra que lhes pa­gue­mos por aqui­lo que é sua obri­ga­ção. Quan­tos pais não se con­fron­tam com exi­gên­ci­as de me­sa­das ou com a ten­ta­ção de pa­gar aos fi­lhos pa­ra te­rem bo­as no­tas?

Nes­te am­bi­en­te aves­so à edu­ca­ção, é im­por­tan­te que nos ques­ti­o­ne­mos so­bre a im­por­tân­cia das me­sa­das na edu­ca­ção dos fi­lhos. De fac­to, uma me­sa­da po­de ser um óti­mo ins­tru­men­to de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra na me­di­da em que res­pei­te al­gu­mas re­gras: (1) ser um va­lor es­cas­so e que obri­gue à to­ma­da de op­ções; (2) ser um va­lor fi­xo e que não é com­ple­men­ta­do por pe­di­dos adi­ci­o­nais qu­an­do o va­lor for gas­to; (3) não ser con­si­de­ra­do um di­rei­to mas sim um pri­vi­lé­gio que de­ve ser agra­de­ci­do e (4) con­si­de­rar a obri­ga­to­ri­e­da­de de pou­pan­ça de par­te des­se va­lor pa­ra o fu­tu­ro.

Co­mo pais não nos de­ve­mos sen­tir obri­ga­dos a dar uma me­sa­da. Po­de­mos an­tes usar a me­sa­da pa­ra edu­car os nos­sos fi­lhos, pa­ra os aju­dar a per­ce­ber pa­ra que ser­ve o di­nhei­ro e o que cus­ta con­quis­tar. Mas de­ve­mos re­sis­tir à ten­ta­ção de ce­der a to­das as exi­gên­ci­as dos nos­sos fi­lhos mes­mo que pos­sa­mos dar mais. Nun­ca es­que­cer que o cri­té­rio de­ve ser “qual o bem” e nun­ca “qual o mal”, por­que edu­ca­mos os miú­dos pa­ra o bem. Pa­ra se­rem me­lho­res. E te­mos es­sa obri­ga­ção gra­ve que não de­ve­mos re­pu­di­ar. Por­que os edu­ca­do­res so­mos nós!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.