É o fu­te­bol que te­mos

Destak - - DESPORTO - LÍDIA PARALTA GO­MES Jor­na­lis­ta do se­ma­ná­rio ‘Ex­pres­so’

Éo que me ape­te­ce di­zer a ca­da api­to fi­nal de ca­da jo­go en­tre os três gran­des do nos­so cam­pe­o­na­to. É o fu­te­bol que te­mos. Os jo­gos en­tre Spor­ting, Ben­fi­ca e FC Por­to de­ve­ri­am ser a cre­me de la cre­me do nos­so fu­te­bol. Eles são os me­lho­res, por­tan­to de­vi­am dar-nos os me­lho­res jo­gos, o me­lhor fu­te­bol, o me­lhor espetáculo. Na­da mais er­ra­do. Nu­ma al­tu­ra em que tan­tas equi­pas di­tas mais pe­que­nas co­me­çam a mos­trar “bo­as pro­pos­tas de fu­te­bol”, co­mo os trei­na­do­res gos­tam de di­zer, os gran­des, quan­do co­lo­ca­dos fren­te a fren­te com um ad­ver­sá­rio de valia se­me­lhan­te, pre­fe­rem o con­trá­rio. Pre­fe­rem fe­char-se, res­guar­dar-se, não so­frer an­tes de ten­tar mar­car.

Bas­ta olhar pa­ra os re­sul­ta­dos dos úl­ti­mos clás­si­cos ou dér­bis. A úl­ti­ma vez que o Ben­fi­ca-fc Por­to te­ve três ou mais go­los foi há mais de dois anos. Nos der­ra­dei­ros seis en­con­tros en­tre os en­car­na­dos e o Spor­ting hou­ve três 1-1 e um 0-0.

Mas is­so nem quer di­zer mui­to: há nu­los que são gran­des jo­gos de fu­te­bol. Só que is­so não é coi­sa que se pos­sa di­zer dos úl­ti­mos jo­gos en­tre os gran­des, prin­ci­pal­men­te no cam­pe­o­na­to – as Ta­ças, co­mo sa­be­mos, são ou­tra coi­sa, na me­di­da em que é pre­ci­so ha­ver um ven­ce­dor. Bem sei que os cam­pe­o­na­tos tam­bém se ga­nham com ma­trei­ri­ce e prag­ma­tis­mo, mas cus­ta ver um jo­go co­mo o Ben­fi­ca-fc Por­to da úl­ti­ma jor­na­da. Um jo­go sem idei­as, com opor­tu­ni­da­des pí­fi­as, com de­ma­si­a­da bo­la no ar, mui­tos re­cei­os e pou­ca co­ra­gem. Mas é o fu­te­bol que te­mos, não é?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.