Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

“Pa­ra ace­der ao IVAu­cher bas­ta as­so­ci­ar o NIF no mul­ti­ban­co ou na

- Business · Banking · Finance · Personal Finance · Eurostat · Thing (comics) · Portugal

prir. Ago­ra, te­mos tam­bém de ter pre­sen­te que o país mu­dou em mar­ço.

Por­tan­to, a re­for­ma do IRS po­de não acon­te­cer nes­ta le­gis­la­tu­ra.

A in­ten­ção man­tém-se, mas te­mos de ava­li­ar o mo­men­to pa­ra a fa­zer. Eu não sei se em 2021 a pan­de­mia vai man­ter-se to­do o ano e que res­pos­tas se­rão ade­qua­das.

Mui­tas fa­mí­li­as usam a de­vo­lu­ção de IRS pa­ra pa­gar cer­tas des­pe­sas. Não te­me que ha­ja di­fi­cul­da­des pa­ra quem com es­ta al­te­ra­ção vai re­ce­ber me­nos?

uma es­ti­ma­ti­va que tem em con­si­de­ra­ção o efei­to da cri­se. Ao mes­mo tem­po, ad­mi­ti­mos que uma par­ce­la im­por­tan­te não vai be­ne­fi­ci­ar. Mes­mo as­sim, ad­mi­tin­do que ape­nas uma par­te vai que­rer ti­rar par­ti­do, ape­sar de ser qua­se au­to­má­ti­co – bas­ta li­gar o car­tão mul­ti­ban­co ao nú­me­ro con­tri­buin­te, ou fa­zer o down­lo­ad da app, não pre­ci­sa de fa­zer mais na­da, mais ne­nhum es­for­ço – a es­ti­ma­ti­va é de 200 mi­lhões.

Só pa­ra fi­car cla­ro, é pos­sí­vel con­ver­ter um cré­di­to fis­cal de um bi­lhe­te do te­a­tro nu­ma ida a um res­tau­ran­te ou ho­tel?

ne­nhum es­for­ço. A al­ter­na­ti­va é fa­zer o down­lo­ad de uma app e ao fa­zer is­so tam­bém be­ne­fi­cia sem­pre que pa­gar atra­vés do car­tão.

Es­sa app po­de es­tar dis­po­ní­vel lo­go em ja­nei­ro?

Sim.

Va­mos ima­gi­nar que as coi­sas correm mui­to bem e que se atin­ge os 200 mi­lhões. A me­di­da aca­ba nes­se mo­men­to?

O com­pro­mis­so é de pe­lo me­nos um tri­mes­tre. Es­pe­ra­mos con­se­guir exe­cu­tar es­ses va­lo­res.

E de­pois re­no­va-se por mais um tri­mes­tre?

za­dor por Bru­xe­las acha­mos que va­mos con­cre­ti­zar nes­te ano. Da­rá mar­gem à com­pa­nhia pa­ra as su­as ne­ces­si­da­des até o iní­cio do ano que vem, e de­pois há du­as gran­des ques­tões que vão con­di­ci­o­nar o va­lor que te­rá de ser con­cre­ti­za­do. Por um la­do, há um pla­no de re­es­tru­tu­ra­ção em cur­so. É um pla­no am­bi­ci­o­so de me­lho­ria da efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal pa­ra aju­dar a em­pre­sa a adap­tar-se ao no­vo con­tex­to. A di­men­são des­se pla­no e a for­ma co­mo for apro­va­do vai con­di­ci­o­nar os mon­tan­tes que o go­ver­no po­de ou não au­to­ri­zar de­pois do pró­xi­mo ano. Nes­te mo­men­to o go­ver­no não tem au­to­ri­za­ção pa­ra em­pres­tar mais ver­bas à TAP ou pa­ra dar mais em­prés­ti­mos com ga­ran­ti­as do Es­ta­do.

E quan­do é que vai ser pe­di­da es­sa au­to­ri­za­ção a Bru­xe­las ?

Vai ser fei­ta em de­zem­bro, quan­do apre­sen­tar­mos o pro­gra­ma de re­es­tru­tu­ra­ção. Já vai ter de ter pre­vis­to o fu­tu­ro da TAP no pró­xi­mo ano. Ao mes­mo tem­po, aqui­lo de que a TAP vai pre­ci­sar vai es­tar al­ta­men­te con­di­ci­o­na­do pe­la pró­pria evo­lu­ção da pan­de­mia. É al­go que te­mos que acom­pa­nhar.

E que for­ma­to po­de ter es­sa aju­da ex­tra?

São em­pre­sas que es­tão em con­cor­rên­cia, o go­ver­no não tem au­to­ri­za­ção pa­ra as apoi­ar sem apro­va­ção da Con­cor­rên­cia eu­ro­peia.

Po­de ser em­prés­ti­mo di­re­to?

Os 500 mi­lhões que te­mos pre­vis­tos no or­ça­men­to são em­prés­ti­mos, não do Es­ta­do, co­mo acon­te­ceu em 2020, mas atra­vés de uma ga­ran­tia do Es­ta­do pa­ra a TAP se fi­nan­ci­ar jun­to do se­tor fi­nan­cei­ro.

E se for pre­ci­so mais, re­pe­te-se?

Nes­te mo­men­to o que te­mos pre­vis­to são es­tes 500 mi­lhões. É um va­lor bas­tan­te ele­va­do que so­ma aos 1200 mi­lhões des­te ano. Es­pe­re­mos que não se­ja pre­ci­so mui­to mais, mas é mui­to in­cer­to.

No pró­xi­mo ano não vai ha­ver em­prés­ti­mo do Es­ta­do ao Fun­do de Re­so­lu­ção pa­ra in­je­tar no No­vo Ban­co. Se­rão os ban­cos a fa­zê-lo. Con­se­gue ga­ran­tir que no mé­dio/lon­go pra­zo não se­rão os con­tri­buin­tes a pa­gar es­tes 275 mi­lhões?

A ques­tão co­lo­ca­da ao go­ver­no so­bre o Fun­do de Re­so­lu­ção, até por par­te dos par­cei­ros par­la­men­ta­res, era não se que­rer que o Es­ta­do fi­zes­se um em­prés­ti­mo di­re­to. Nós con­se­gui­mos ga­ran­tir que no pró­xi­mo ano não es­tá pre­vis­to nem au­to­ri­za­do no OE ne­nhum em­prés­ti­mo di­re­to do Es­ta­do. O IGCP ou os im­pos­tos por­tu­gue­ses não vão fi­nan­ci­ar di­re­ta­men­te ne­nhu­ma ver­ba pa­ra o Fun­do.

Vão fi­nan­ci­ar in­di­re­ta­men­te?

Nem por via dos im­pos­tos nem pe­la via di­re­ta do Es­ta­do. Não vai ha­ver ne­nhum em­prés­ti­mo di­re­to do Es­ta­do ao Fun­do de Re­so­lu­ção. O Es­ta­do, no pas­sa­do o que fez foi em­pres­tar, nun­ca trans­fe­riu, em­pres­tou. O que es­tá pre­vis­to nes­tes 275 mi­lhões é um em­prés­ti­mo dos ban­cos ao Fun­do de Re­so­lu­ção pa­ra fa­zer, em fun­ção das ne­ces­si­da­des, a tal in­je­ção ao No­vo Ban­co com o li­mi­te ins­cri­to no or­ça­men­to de 475 mi­lhões. As ne­ces­si­da­des de amor­ti­zar es­ta dí­vi­da tem si­do sa­tis­fei­ta ao lon­go dos anos pe­los ban­cos. Os ban­cos to­dos os anos pa­gam uma ver­ba sig­ni­fi­ca­ti­va em ju­ros ao Es­ta­do e vão fi­nan­ci­an­do as ne­ces­si­da­de do Fun­do de Re­so­lu­ção. Não es­tá pre­vis­to nem nes­te nem nos pró­xi­mos anos qual­quer apoio di­re­to.

Nem nes­te, nem nos pró­xi­mos?

O que o Es­ta­do fez no pas­sa­do fo­ram ape­nas em­prés­ti­mos.

Mas o Fun­do de Re­so­lu­ção não tem ti­do ca­pi­tal pa­ra as in­je­ções do No­vo Ban­co, por is­so é que o Es­ta­do tem em­pres­ta­do. Ga­ran­te que o Es­ta­do não te­rá num mé­dio/lon­go pra­zo de em­pres­tar mais?

Em re­la­ção ao Fun­do de Re­so­lu­ção e da evo­lu­ção que se faz das ne­ces­si­da­des de hon­rar os em­prés­ti­mos, não an­te­ve­mos ne­nhu­ma ne­ces­si­da­de. O Fun­do con­se­gue amor­ti­zar a dí­vi­da que con­traiu.

Te­mos um em­prés­ti­mo que vai até 2046, se não es­tou em er­ro, e ou­tro que ain­da uns anos de­pois.

Não há ris­co de o Fun­do ter de pe­dir em­pres­ta­do ao Es­ta­do?

O Fun­do de Re­so­lu­ção vi­ve das pró­pri­as con­tri­bui­ções dos ban­cos. As si­mu­la­ções fei­tas não an­te­ve­em ne­nhu­ma ne­ces­si­da­de.

O ris­co po­de ser na des­pe­sa. No OE2021 ain­da va­mos pa­gar 50 mi­lhões de des­pe­sas de re­pri­va­ti­za­ção do BPN, que foi na­ci­o­na­li­za­do em 2008. O re­ceio é que es­te em­prés­ti­mo não se tor­ne nu­ma des­pe­sa cons­tan­te. Ga­ran­te que não se­rá as­sim?

O que é cer­to é que vai ser uma des­pe­sa pa­ra mui­tos anos dos pró­pri­os ban­cos. Os ban­cos vão ter aqui en­car­gos sig­ni­fi­ca­ti­vos ano após ano pa­ra su­por­tar. E têm ti­do. Pa­ra os ou­tros ban­cos não é fá­cil te­rem de fi­nan­ci­ar as ne­ces­si­da­des de ca­pi­tal do No­vo Ban­co. São eles, ano após ano que têm de con­tri­buir com ver­bas sig­ni­fi­ca­ti­vas pa­ra o Fun­do de Re­so­lu­ção, pa­ra fa­zer fa­ce às ne­ces­si­da­des des­te.

Os ban­cos têm es­se pa­pel mas de­pois há o fi­nan­ci­a­men­to da dí­vi­da e há 275 mi­lhões que irão a dé­fi­ce. No fim, não há aqui uma in­je­ção in­di­re­ta pa­ga pe­lo Es­ta­do por es­ta via?

É uma ques­tão me­ra­men­te es­ta­tís­ti­ca. Por de­ci­sões das au­to­ri­da­des de es­ta­tís­ti­ca do INE, se­guin­do as re­gras es­ta­be­le­ci­das pe­lo Eu­ros­tat. O Fun­do, sen­do uma en­ti­da­de do se­tor fi­nan­cei­ro, foi re­clas­si­fi­ca­da e en­tra no pe­rí­me­tro das con­tas pú­bli­cas. Ape­nas por es­se efei­to es­ta­tís­ti­co es­ta en­ti­da­de afe­ta a dí­vi­da e o dé­fi­ce.

As me­di­das que to­mar pa­ra re­du­zir o dé­fi­ce são in­di­fe­ren­tes ao fac­to de es­tes 275 mi­lhões, es­ta­tis­ti­ca­men­te, se­rem co­mo aca­ba de des­cre­ver...

Por aca­so até is­so aju­da nes­te as­pe­to por­que pa­ra 2021 não es­ta­mos con­di­ci­o­na­dos com um va­lor es­pe­cí­fi­co do dé­fi­ce. Pa­ra 2022 não é cer­to, va­mos es­tar com a ne­ces­si­da­de de cum­prir abai­xo dos 3%...

E vol­tam as re­gras de Bru­xe­las a ser im­pos­tas...

Em 2021 es­tão sus­pen­sas, pa­ra 2022 fa­la-se em re­por de for­ma fa­se­a­da as re­gras do Tra­ta­do Or­ça­men­tal. Mas o que es­ta­mos aqui a fa­lar é de 2021. Pa­ra 2022 não es­tá pre­vis­ta es­sa ne­ces­si­da­de.

In­jec­ção na TAP. “500 mi­lhões é um va­lor in­di­ca­ti­vo” e “pe­di­do de au­to­ri­za­ção a Bru­xe­las vai ser fei­to em De­zem­bro”

E que par­ce­la vai ca­ber à CGD?

A Cai­xa vai ter uma par­te des­te em­prés­ti­mo, tem que ver com a sua pro­por­ção no se­tor ban­cá­rio – não te­nho aqui o va­lor pre­ci­so mas vai ter al­gu­ma ex­pres­são.

A Cai­xa é um ban­co im­por­tan­te mas há vá­ri­os ou­tros no sis­te­ma fi­nan­cei­ro por­tu­guês. Es­ta­mos a fa­lar de um em­prés­ti­mo ao Fun­do de Re­so­lu­ção. No fun­do os ban­cos es­tão a em­pres­tar-se a si pró­pri­os, não ve­mos aqui ne­ces­sa­ri­a­men­te

um ris­co. A Cai­xa es­tá mui­to bem ca­pi­ta­li­za­da, é um ban­co mui­to for­te e não an­te­ve­mos ne­nhum apoio por par­te do Es­ta­do à Cai­xa nos pró­xi­mos anos.

O Es­ta­do vai tor­nar-se aci­o­nis­ta do No­vo Ban­co?

O Fun­do de Re­so­lu­ção é um dos aci­o­nis­tas do No­vo Ban­co, mas o Es­ta­do não pre­ten­de ser aci­o­nis­ta.

Ain­da so­bre a par­ti­ci­pa­ção da Cai­xa po­de­mos es­tar a fa­lar em qua­se me­ta­de dos 275 mi­lhões?

Não, se­rá mui­to in­fe­ri­or a me­ta­de.

Es­te em­prés­ti­mo tam­bém vai di­fi­cul­tar a vi­da dos ban­cos. Is­to não vai ter con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas na re­cu­pe­ra­ção do país?

Es­te em­prés­ti­mo é de 275 mi­lhões: sen­do ele­va­do, é com­por­tá­vel pe­los ban­cos, foi fei­to em diá­lo­go com os ban­cos pa­ra per­ce­ber co­mo po­de­ria ser im­ple­men­ta­do, mas não an­te­ci­pa­mos que tra­ga di­fi­cul­da­des. No to­tal dos em­prés­ti­mos, é um va­lor mui­to re­si­du­al. Coi­sa di­fe­ren­te era se afe­tas­se di­re­ta­men­te os re­sul­ta­dos dos ban­cos, aí já se­ria ex­pres­si­vo, mas es­tan­do den­tro dos em­prés­ti­mos e ati­vos, é re­si­du­al no to­tal.

Os ban­cos têm-se quei­xa­do da obri­ga­ção de te­rem de em­pres­tar ao Fun­do de Re­so­lu­ção. Não te­me que is­to te­nha con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas no fi­nan­ci­a­men­to do te­ci­do em­pre­sa­ri­al?

Nes­te mo­men­to não an­te­ve­mos ne­nhum ris­co.

O no­vo apoio ex­tra­or­di­ná­rio aos tra­ba­lha­do­res mais atin­gi­dos pe­la cri­se po­de ser alar­ga­do na dis­cus­são na es­pe­ci­a­li­da­de do OE?

A pro­pos­ta que te­mos é bas­tan­te am­bi­ci­o­sa, tem um va­lor es­ti­ma­do de 450 mi­lhões – é uma des­pe­sa mai­or do que al­gu­mas das pres­ta­ções exis­ten­tes mui­to co­nhe­ci­dos dos por­tu­gue­ses co­mo RSI e com­ple­men­to so­li­dá­rio pa­ra ido­sos. Fo­mos ao en­con­tro de uma pre­o­cu­pa­ção do BE. Eram os 501 eu­ros co­mo re­fe­rên­cia e te­mos uma pres­ta­ção que é de ban­da mui­to lar­ga por­que não só tem o va­lor mais al­to do que o sub­sí­dio so­ci­al de de­sem­pre­go, que é 438 eu­ros, co­mo na con­di­ção de re­cur­sos não é des­con­ta­do o efei­to da ha­bi­ta­ção pró­pria. Por ou­tro la­do, é uma pres­ta­ção que qual­quer pes­soa que es­te­ja a per­der o sub­sí­dio de de­sem­pre­go ou o em­pre­go

No nos­so en­ten­der, hou­ve aqui um mai­or es­for­ço da par­te do go­ver­no e ape­sar das con­di­ções fi­nan­cei­ras mais di­fí­ceis, ti­ve­mos em con­ta as pre­o­cu­pa­ções dos par­cei­ros. Sa­bía­mos que era um con­tex­to exi­gen­te e fo­mos sur­pre­en­den­do os nos­sos par­cei­ros, que nu­ma fa­se ini­ci­al es­ta­vam mais in­cer­tos so­bre que ti­po de or­ça­men­to ía­mos apre­sen­tar

Es­pe­ra­vam aus­te­ri­da­de.

Re­ce­a­vam aus­te­ri­da­de.

E ha­via um mi­nis­tro no­vo.

Mas con­se­gui con­ti­nu­ar a apre­sen­tar o meu or­ça­men­to, que era bom pa­ra Por­tu­gal e pa­ra os por­tu­gue­ses, sem aus­te­ri­da­de, que não acres­cen­ta cri­se à cri­se, an­tes apos­ta na re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, na ma­nu­ten­ção de em­pre­go e na pro­te­ção dos ren­di­men­tos. Fo­mos in­do ao en­con­tro das pre­o­cu­pa­ções. Mas tam­bém sen­ti­mos que sem­pre que nós dá­va­mos apro­xi­ma­ções eram le­van­ta­das no­vas ques­tões, eram des­va­lo­ri­za­das pro­pos­tas, al­gu­mas de gran­de al­can­ce, co­mo a mo­ra­tó­ria que abran­ge um uni­ver­so po­ten­ci­al de tra­ba­lha­do­res mui­to ele­va­do e foi des­va­lo­ri­za­do co­mo se aqui­lo só abran­ges­se 40 mil pes­so­as – o que é to­tal­men­te fal­so. Fi­ze­mos um es­for­ço bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­vo, mas tam­bém sen­ti­mos que as exi­gên­ci­as au­men­ta­vam.

Es­tá a di­zer que não po­de ha­ver mais es­for­ço, que che­gou ao seu li­mi­te, à sua li­nha ver­me­lha?

Na­da dis­so. Quan­do apre­sen­tá­mos

Is­so tam­bém é a nos­sa per­ple­xi­da­de. Um or­ça­men­to que é ma­ni­fes­ta­men­te re­co­nhe­ci­do de to­dos co­mo o or­ça­men­to so­ci­al, com gran­des pre­o­cu­pa­ções, quer na par­te do apoio ao ren­di­men­to quer na renovação do SNS, um or­ça­men­to que to­dos re­co­nhe­cem que in­cor­po­ra mui­tas pre­o­cu­pa­ções dos par­cei­ros lo­go na ge­ne­ra­li­da­de... Es­ta­mos sem­pre dis­po­ní­veis pa­ra con­ver­sar, es­cla­re­cer.

Po­de ser con­cre­to e dar-nos um exem­plo de al­go que…

Nun­ca per­de­mos de vis­ta que é fun­da­men­tal pa­ra o país ter um or­ça­men­to apro­va­do que é um si­nal im­por­tan­te de es­ta­bi­li­da­de e de con­fi­an­ça num con­tex­to de tan­ta in­cer­te­za e di­fi­cul­da­des.

E não te­me que, com a dis­cus­são

É na­tu­ral que no or­ça­men­to ha­ja vá­ri­as par­tes a rei­vin­di­car. Há uma apos­ta mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va na saú­de e na edu­ca­ção e is­to faz au­men­tar o nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res da fun­ção pú­bli­ca em mais de 1% – o que ex­pli­ca par­te des­se au­men­to. Ou­tra vem do au­men­to do sa­lá­rio mé­dio na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Es­ti­ma­mos que no pró­xi­mo ano o au­men­to do sa­lá­rio mé­dio da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca pe­lo efei­to da evo­lu­ção nas car­rei­ras, por efei­to da re­cu­pe­ra­ção do tem­po das car­rei­ras es­pe­ci­ais e por efei­to da con­cre­ti­za­ção ple­na das car­rei­ras dos pro­fes­so­res, se­ja de cer­ca de 2%. Pa­ra além dis­so, o au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal (SMN), mui­to im­por­tan­te pa­ra os tra­ba­lha­do­res mas tam­bém pa­ra o es­tí­mu­lo que dá na pro­cu­ra in­ter­na.

E vai ha­ver su­bi­das nos dois pri­mei­ros ní­veis re­mu­ne­ra­tó­ri­os?

Nes­te mo­men­to se­ria an­te­ci­par-me a qual­quer dis­cus­são. O im­por­tan­te é ga­ran­tir que há um uni­ver­so de tra­ba­lha­do­res na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca que vai be­ne­fi­ci­ar des­se efei­to do SMN.

De que for­ma é que o SMN po­de aju­dar as con­tas pú­bli­cas?

De­pen­de da for­ma co­mo se for con­cre­ti­zar na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca que tem um efei­to di­re­to na des­pe­sa, são al­gu­mas de­ze­nas de

Te­mos de ter am­bos os la­dos da equa­ção pre­sen­tes. Por is­so, de­ci­di­mos op­tar por es­te va­lor e não por um ain­da mais ele­va­do. Per­mi­te o au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo do ren­di­men­to des­ses tra­ba­lha­do­res. Sa­be­mos que é al­go que tam­bém tem efei­tos po­si­ti­vos na eco­no­mia...

E tam­bém agra­da ao BE.

Ad­mi­to que es­ses par­ti­dos pu­des­sem que­rer mais, faz par­te de uma vi­são mais de cen­tro-es­quer­da. E é im­por­tan­te pa­ra ga­ran­tir di­na­mi­za­ção da ati­vi­da­de. Tem de ser fei­to com equi­lí­brio, sa­be­mos que há em­pre­sas que es­tão mui­to afe­ta­das pe­la cri­se, que têm um con­jun­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de tra­ba­lha­do­res com sa­lá­ri­os mí­ni­mos e te­mos de pen­sar num pa­co­te que tam­bém aju­da es­sas em­pre­sas.

Mas ad­mi­te abrir ex­ce­ções pa­ra os se­to­res mais afe­ta­dos?

Não a es­se ní­vel. Te­mos de aju­dar as em­pre­sas a su­por­tar as con­sequên­ci­as da pan­de­mia. Acha­mos que se­ria er­ra­do con­ge­lar o sa­lá­rio mí­ni­mo nes­te con­tex­to, se­ria dar um si­nal ne­ga­ti­vo, se­ria en­trar no ci­clo de vi­são de­pres­si­va so­bre a eco­no­mia.

No­vo Ban­co.“O IGCP ou os im­pos­tos dos por­tu­gue­ses não vão fi­nan­ci­ar di­re­ta­men­te ne­nhu­ma ver­ba do Fun­do de Re­so­lu­ção”

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal