Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

AEP pe­de “co­ra­gem po­lí­ti­ca” pa­ra ma­jo­rar apoi­os às em­pre­sas

- Texto: Ilí­dia Pin­to Business · Portugal · Europe · Morocco · Australia · Plano · Peru · Colombia · Chile · Brazil · Americas · Latina · Panama · Costa Rica · Guatemala · Honduras · Fernando Henrique Cardoso · China · Caribbean Community Secretariat

Em ano de pan­de­mia, hou­ve que re­cor­rer às fei­ras e mis­sões vir­tu­ais, ago­ra é pre­ci­so pro­mo­ver “o re­gres­so ao ter­re­no”.

A As­so­ci­a­ção Em­pre­sa­ri­al de Por­tu­gal (AEP) quer que os in­cen­ti­vos à internacio­nalização se­jam ma­jo­ra­dos, de mo­do a in­cen­ti­var as em­pre­sas a “vol­ta­rem ao ter­re­no” e a au­men­ta­rem a sua ba­se ex­por­ta­do­ra. Pau­lo Vaz, ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo da AEP, lem­bra que es­sa ma­jo­ra­ção acon­te­ceu já na cri­se de 2008 e, de­pois, na de 2011, com “gran­de êxi­to”, não só le­van­do mais em­pre­sas a par­ti­ci­par em fei­ras no ex­te­ri­or e a di­ver­si­fi­ca­rem mer­ca­dos. Uma di­nâ­mi­ca “que se man­te­ve mes­mo quan­do os in­cen­ti­vos aca­ba­ram”, ga­ran­te. Com a pan­de­mia de co­vid-19, é tem­po de re­e­di­tar a me­di­da, de­sig­na­da­men­te na re­for­mu­la­ção do Por­tu­gal 2020 que, ape­sar de ter as ver­bas to­das ca­ti­va­das, tem uma exe­cu­ção aquém dos 50%. “Há ain­da mui­to a fa­zer pa­ra re­ver e alo­car ver­bas, e se há in­cen­ti­vos re­pro­du­ti­vos são os apoi­os à internacio­nalização. Há es­tu­dos que com­pro­vam que ca­da eu­ro in­ves­ti­do na internacio­nalização mul­ti­pli­ca por seis”, de­fen­de.

Em se­de de Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2021, o Go­ver­no pro­põe-se já con­ce­der um be­ne­fí­cio fis­cal às em­pre­sas que es­te­jam en­vol­vi­das em pro­je­tos con­jun­tos de pro­mo­ção ex­ter­na. Uma boa me­di­da, mas Pau­lo Vaz diz que é pre­ci­so mui­to mais, so­bre­tu­do à luz do no­vo Pro­gra­ma

In­ter­na­ci­o­na­li­zar 2030, apro­va­do em ju­lho, e que pre­ten­de que me­ta­de da ri­que­za na­ci­o­nal, no fi­nal da dé­ca­da, ad­ve­nha das ex­por­ta­ções. “Não po­de­mos che­gar a es­tes nú­me­ros com bo­as in­ten­ções. Tem que ha­ver cla­ra­men­te um in­ves­ti­men­to nas em­pre­sas, e nas as­so­ci­a­ções que pro­mo­vem os pro­je­tos con­jun­tos de internacio­nalização, pa­ra que is­to se­ja con­se­gui­do”, re­fe­re o res­pon­sá­vel. Os pro­je­tos con­jun­tos co­brem 50% das des­pe­sas de pre­sen­ça em fei­ras e mis­sões em­pre­sa­ri­ais, mas o ob­je­ti­vo se­ria ma­jo­rar es­sa par­ce­la pa­ra os 75%, a par da in­clu­são no bo­lo de ou­tras des­pe­sas que ago­ra não são ele­gí­veis, co­mo as vi­a­gens, os in­ves­ti­men­tos nas co­le­ções, no mar­ke­ting ou nos es­tu­dos pre­pa­ra­tó­ri­os.

“Co­ra­gem po­lí­ti­ca”

“É com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te le­var amos­tras de con­fe­ção, que po­dem se­guir nu­ma ma­la, de le­var bens de equi­pa­men­to que exi­gem uma se­ma­na pa­ra o trans­por­te e res­pe­ti­va mon­ta­gem à che­ga­da”, diz Pau­lo Vaz, lem­bran­do que as re­gras atu­ais têm ape­nas “pe­que­nas di­fe­ren­ças” en­tre o cus­to do ho­tel e as vi­a­gens na Eu­ro­pa e fo­ra de­la. “Fa­zer uma fei­ra em Mar­ro­cos ou na Aus­trá­lia é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te e is­so de­ve­ria ser con­tem­pla­do”, fri­sa. O ob­je­ti­vo é que es­tas me­di­das pos­sam vir a ser ti­das em con­ta já na re­for­mu­la­ção do que res­ta do Por­tu­gal 2020, mas tam­bém no Pla­no de Re­cu­pe­ra­ção e Re­si­li­ên­cia e no fu­tu­ro qu­a­dro co­mu­ni­tá­rio de apoio.

“Mui­tas ve­zes usa-se a des­cul­pa de Bru­xe­las pa­ra não al­te­rar re­gu­la­men­tos, mas, ao con­trá­rio dos au­xí­li­os de mi­ni­mis, que te­re­mos de es­pe­rar pe­lo fim de 2021, quan­do os re­gu­la­men­tos co­mu­ni­tá­ri­os vi­e­rem a ser ana­li­sa­dos, o RECI (Re­gu­la­men­to Es­pe­cí­fi­co do Do­mí­nio da Com­pe­ti­ti­vi­da­de e Internacio­nalização) é uma adap­ta­ção dos re­gu­la­men­tos co­mu­ni­tá­ri­os à re­a­li­da­de na­ci­o­nal, por via de uma por­ta­ria. Bas­ta a von­ta­de po­lí­ti­ca de quem go­ver­na pa­ra fa­zer es­sa al­te­ra­ção”, de­fen­de Pau­lo Vaz. Pa­ra o di­ri­gen­te, os tem­pos de ex­ce­ção que atra­ves­sa­mos “exi­gem co­ra­gem po­lí­ti­ca”. Es­te é um ape­lo que tem vin­do a ser fei­to pe­las as­so­ci­a­ções em­pre­sa­ri­ais jun­to do Mi­nis­té­rio da Eco­nó­mi­ca, da AICEP e do pro­gra­ma Com­pe­te, e pa­ra a qual Pau­lo Vaz es­pe­ra que ha­ja “sen­si­bi­li­da­de”, mui­to em bre­ve. “Acha que os es­pa­nhóis es­tão pre­o­cu­pa­dos com Bru­xe­las?”, ati­ra.

O Pla­no de Re­cu­pe­ra­ção e Re­si­li­ên­cia na­ci­o­nal tam­bém não con­ven­ce Pau­lo Vaz. “O gros­so do di­nhei­ro vai pa­ra a ini­ci­a­ti­va pú­bli­ca. Não es­ta­mos con­tra as ques­tões de na­tu­re­za so­ci­al, nin­guém de boa fé dis­cor­da dis­so, mas fal­ta equi­lí­brio da distribuiç­ão das ver­bas. É pre­ci­so não es­que­cer que é a ini­ci­a­ti­va pri­va­da que pro­mo­ve o cres­ci­men­to do em­pre­go e da eco­no­mia que ge­ra re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do”, sus­ten­ta.

Des­de 1990, que a AEP se de­di­ca, de for­ma sis­te­má­ti­ca, ao apoio à internacio­nalização, ten­do re­a­li­za­do, in­di­vi­du­al­me­te ou atra­vés de par­ce­ri­as com ou­tras en­ti­da­des, mais de 500 ações em mer­ca­dos ex­ter­nos. Em 2019, fo­ram 34 as mis­sões em­pre­sa­ri­ais, pre­sen­ça em fei­ras ou or­ga­ni­za­ção de mis­sões in­ver­sas em 30 mer­ca­dos dis­tin­tos, en­vol­ven­do 258 em­pre­sas.

Es­te ano, o ca­len­dá­rio pre­via a pas­sa­gem por 33 mer­ca­dos, num to­tal de 41 ações, sen­do 23 fei­ras e 16 mis­sões em­pre­sa­ri­ais. Com a pan­de­mia, tam­bém a área de Ne­gó­ci­os da AEP, que in­clui a internacio­nalização, foi obri­ga­da a rein­ven­tar-se. De­sig­na­da­men­te, por via de di­gi­ta­li­za­ção for­ça­da. Tem vin­do a re­a­li­zar mis­sões vir­tu­ais, uma ex­pe­ri­ên­cia que ini­ci­ou com o Pe­ru, Colôm­bia, Chi­le e Bra­sil, “com re­sul­ta­dos mui­to pro­mis­so­res” pa­ra as em­pre­sas, e es­tá ago­ra a co­or­de­nar ações vir­tu­ais pa­ra os Bal­cãs, os paí­ses nór­di­cos e Mar­ro­cos. E tem no ho­ri­zon­te re­a­li­zar no­va mis­são vir­tu­al à Amé­ri­ca La­ti­na, abor­dan­do mer­ca­dos co­mo o Pa­na­má, Cos­ta Ri­ca, Gu­a­te­ma­la, Hon­du­ras e Co­mu­ni­da­de do Ca­ri­be, e à Ásia, bem co­mo a par­ti­ci­pa­ção de em­pre­sas na­ci­o­nais em mo­do vir­tu­al em fei­ras co­mo a Me­di­ca Dus­sel­dorf ou a FHC Fo­od & Hos­pi­ta­lity Chi­na. “Não é a mes­ma coi­sa, co­mo é evi­den­te, mas va­mos pro­cu­ran­do não dei­xar as em­pre­sas sem ne­nhu­ma res­pos­ta quan­do pro­cu­ram no­vos mer­ca­dos”, diz Pau­lo Vaz.

O no­vo mun­do di­gi­tal

A ló­gi­ca vir­tu­al “fun­ci­o­na, mas não subs­ti­tui” o con­tac­to di­re­to. Mes­mo as­sim, veio pa­ra fi­car. E, por is­so, em­bo­ra a gran­de pri­o­ri­da­de da

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal