Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

Se­eds for the Fu­tu­re. Pro­gra­ma per­mi­tiu a es­tu­dan­tes na­ci­o­nais es­prei­tar o fu­tu­ro

- —FRAN­CIS­CO DE AL­MEI­DA FERNANDES

A quin­ta edi­ção da ini­ci­a­ti­va da Hu­awei adap­tou-se aos tem­pos e de­cor­reu em for­ma­to di­gi­tal, sem dei­xar de fo­ra ações de for­ma­ção com es­pe­ci­a­lis­tas em áre­as co­mo o IoT, In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al ou 5G.

Os cons­tran­gi­men­tos tra­zi­dos pe­la pan­de­mia obri­ga­ram a Hu­awei a adap­tar o for­ma­to do pro­gra­ma edu­ca­ti­vo Se­eds for The Fu­tu­re, cu­ja quin­ta edi­ção acon­te­ceu es­ta se­ma­na, tro­can­do a vi­si­ta de cam­po à se­de da em­pre­sa, na Chi­na, por cur­sos di­gi­tais so­bre as prin­ci­pais ten­dên­ci­as tec­no­ló­gi­cas. A ini­ci­a­ti­va, que jun­tou 15 dos me­lho­res es­tu­dan­tes de cin­co uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas, quer for­mar os lí­de­res do fu­tu­ro na área das Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção (TIC) e com­ple­men­tar a for­ma­ção aca­dé­mi­ca com ex­pe­ri­ên­cia no se­tor.

A em­pre­sa, co­nhe­ci­da pe­los avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos anu­ais em in­ves­ti­ga­ção e de­sen­vol­vi­men­to – só na úl­ti­ma dé­ca­da, fo­ram mais de 77 mil mi­lhões de eu­ros alo­ca­dos a es­ta área -, se­le­ci­o­nou es­tu­dan­tes de en­ge­nha­ria ele­tró­ni­ca, co­mu­ni­ca­ções e in­for­má­ti­ca da Uni­ver­si­da­de de Avei­ro, Fa­cul­da­de de En­ge­nha­ria da Uni­ver­si­da­de do Por­to, Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co, Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Lei­ria e Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Bra­gan­ça (IPB) pa­ra uma se­ma­na de for­ma­ção in­ten­si­va em tec­no­lo­gi­as co­mo o 5G, a In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al, Cloud Com­pu­ting, Ci­ber­se­gu­ran­ça ou In­ter­net das Coi­sas (IoT).

“O Se­eds for the Fu­tu­re é, des­de há vá­ri­os anos, um pro­gra­ma ban­dei­ra pa­ra a Hu­awei Por­tu­gal, as­su­min­do-se co­mo uma mais-va­lia pa­ra os es­tu­dan­tes par­ti­ci­pan­tes, que, atra­vés des­ta ex­pe­ri­ên­cia, têm aces­so a um con­jun­to de co­nhe­ci­men­tos va­li­o­sos pa­ra a sua for­ma­ção e a sua fu­tu­ra en­tra­da no mer­ca­do de tra­ba­lho”, ex­pli­ca Di­o­go Ma­dei­ra da Sil­va, res­pon­sá­vel de co­mu­ni­ca­ção da mar­ca.

O co­nhe­ci­men­to que re­fe­re foi, du­ran­te a ini­ci­a­ti­va, ad­qui­ri­do com con­tac­to di­re­to com os es­pe­ci­a­lis­tas da tec­no­ló­gi­ca chi­ne­sa, que pro­cu­ra­ram apro­xi­mar os es­tu­dan­tes da re­a­li­da­de das em­pre­sas e abrir a por­ta pa­ra as ten­dên­ci­as do fu­tu­ro na área das TIC.

Nu­ma al­tu­ra em que a trans­for­ma­ção di­gi­tal pas­sou de apos­ta lon­gín­qua pa­ra a re­a­li­da­de do pre­sen­te, e em que se re­for­ça a im­por­tân­cia da rein­dus­tri­a­li­za­ção, o CEO da em­pre­sa em Por­tu­gal acre­di­ta que o pro­gra­ma é “uma ala­van­ca pa­ra a cri­a­ção dos fu­tu­ros lí­de­res das TIC”. Tony Li la­men­ta não ter si­do pos­sí­vel re­pe­tir o mo­de­lo de 2019, quan­do a Hu­awei “le­vou dez dos mais bri­lhan­tes es­tu­dan­tes de en­ge­nha­ria a ní­vel na­ci­o­nal pa­ra um pro­gra­ma de du­as se­ma­nas na Chi­na”. Ain­da as­sim, su­bli­nha, foi pos­sí­vel, atra­vés do for­ma­to di­gi­tal, dar aces­so a “uma ex­pe­ri­ên­cia en­ri­que­ce­do­ra”.

“Se­ma­na ines­que­cí­vel”

O tes­te­mu­nho é de Ri­car­do Bas­tos, que fre­quen­ta a li­cen­ci­a­tu­ra em En­ge­nha­ria In­for­má­ti­ca, que ga­ran­te que a ex­pe­ri­ên­cia per­mi­tiu “apri­mo­rar co­nhe­ci­men­tos das TIC, co­mo 5G, In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al e Cloud Com­pu­ting, mas tam­bém be­ne­fi­ci­ar de uma apren­di­za­gem so­bre a cultura ori­en­tal”. A opi­nião é par­ti­lha­da por Lu­cas Men­des, es­tu­dan­te de mes­tra­do em Sis­te­mas de In­for­ma­ção no IPB, que ex­pli­ca que o Se­eds for the Fu­tu­re “ofe­re­ce uma vi­são do que acon­te­ce na in­dús­tria e de tec­no­lo­gi­as que se­rão o fu­tu­ro da nos­sa co­mu­ni­ca­ção”, al­go que o co­le­ga Ra­fa­el Oli­vei­ra con­si­de­ra “uma ex­pe­ri­ên­cia al­ta­men­te en­ri­que­ce­do­ra tan­to pro­fis­si­o­nal co­mo pes­so­al­men­te”.

A ini­ci­a­ti­va pro­mo­vi­da pe­la Hu­awei en­qua­dra-se na es­tra­té­gia de apro­fun­da­men­to da li­ga­ção en­tre a em­pre­sa e as uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas, que se tem con­cre­ti­za­do atra­vés de ações co­mo o lan­ça­men­to da ICT Aca­demy, em ju­nho, que fo­men­ta a trans­fe­rên­cia de co­nhe­ci­men­to pa­ra a aca­de­mia, mas tam­bém com a ins­ta­la­ção de um la­bo­ra­tó­rio 5G em Por­tu­gal com o apoio da Uni­ver­si­da­de de Avei­ro e o Ins­ti­tu­to de Te­le­co­mu­ni­ca­ções. “O país dis­cu­te os de­sa­fi­os da tran­si­ção di­gi­tal e a sua es­tra­té­gia pa­ra a rein­dus­tri­a­li­za­ção, o con­tri­bu­to pa­ra a ca­pa­ci­ta­ção das no­vas ge­ra­ções de ta­len­to faz par­te da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al de uma em­pre­sa co­mo a Hu­awei”, afi­an­ça Di­o­go Ma­dei­ra da Sil­va. O res­pon­sá­vel diz ain­da que “as uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas têm fei­to um óti­mo tra­ba­lho na for­ma­ção de en­ge­nhei­ros” e que “a apro­xi­ma­ção das em­pre­sas à aca­de­mia traz be­ne­fí­ci­os de lon­go pra­zo pa­ra to­da a so­ci­e­da­de”.

15 es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os ti­ve­ram aces­so a cur­sos

so­bre as prin­ci­pais ten­dên­ci­as no se­tor tec­no­ló­gi­co.

 ?? FO­TO: TO­BI­AS SCHWARZ / AFP ?? Es­te ano, por cau­sa da pan­de­mia, os es­tu­dan­tes par­ti­ci­pan­tes no pro­gra­ma de for­ma­ção da Hu­awei não pu­de­ram ir à Chi­na.
FO­TO: TO­BI­AS SCHWARZ / AFP Es­te ano, por cau­sa da pan­de­mia, os es­tu­dan­tes par­ti­ci­pan­tes no pro­gra­ma de for­ma­ção da Hu­awei não pu­de­ram ir à Chi­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal