Diario de Noticias - DN + Dinheiro Vivo

Cor­ri­gir as as­si­me­tri­as das ci­da­des é o pas­so se­guin­te na pós-pan­de­mia

- Portugal · Summit · Como · Cascais · Lisbon · York · United States of America · Mary J. Blige

—AN­TÓ­NIO PE­DRO PE­REI­RA e ANA MEIRELES

Se a mo­bi­li­da­de é o te­ma fi­xo do Por­tu­gal Mo­bi Sum­mit, a co­vid-19 foi a va­riá­vel que en­trou nes­ta ter­cei­ra edi­ção pa­ra dar no­vas pis­tas so­bre o ru­mo das ci­da­des do fu­tu­ro. Co­mo mu­dar o pla­ne­a­men­to na era da pan­de­mia ou até mes­mo co­mo de­se­nhar de raiz ecos­sis­te­mas se­gu­ros pa­ra peões e ci­clis­tas fo­ram dois pai­néis dis­tin­tos des­ta ci­mei­ra, que jun­ta­ram es­pe­ci­a­lis­tas es­tran­gei­ros e na­ci­o­nais a olhar pa­ra quais vão ser os pas­sos se­guin­tes dos cen­tros ur­ba­nos.

Em Cas­cais, em Lis­boa ou em Bar­ce­lo­na, a pan­de­mia foi co­mo uma “lu­pa a am­pli­fi­car as fra­gi­li­da­des so­ci­ais, eco­nó­mi­cas e am­bi­en­tais”, avi­sou Ja­vi­er Aya­la, ar­qui­te­to-che­fe do mu­ni­cí­pio de Bar­ce­lo­na. A co­vid-19 alas­trou-se pe­lo mun­do sem olhar a fron­tei­ras, mas os im­pac­tos, es­ses, fo­ram mai­o­res pa­ra as po­pu­la­ções com ren­di­men­tos mais bai­xos, ad­ver­te, por seu tur

“Hou­ve um ata­que à saú­de pú­bli­ca e um ata­que à eco­no­mia na­ci­o­nal e lo­cal, obri­gan­do os paí­ses a al­te­rar as pri­o­ri­da­des.” Mui­tas con­vul­sões ao mes­mo tem­po que trou­xe­ram in­cer­te­zas, mas tam­bém opor­tu­ni­da­des pa­ra equi­li­brar as as­si­me­tri­as acen­tu­a­das com a pan­de­mia: “O te­ma work from Por­tu­gal de­via ser uma apos­ta do go­ver­no”, pro­põe o es­pe­ci­a­lis­ta da con­sul­to­ra

Pla­ne­ar as ci­da­des não é ta­re­fa de ur­ba­nis­tas en­fi­a­dos nos ga­bi­ne­tes a de­ci­dir co­mo é que os ou­tros de­vem vi­ver as ci­da­des. De­se­nhar bair­ros, de­ter­mi­nar a lo­ca­li­za­ção dos trans­por­tes, dos ser­vi­ços pú­bli­cos, do co­mér­cio, das pra­ças ou dos es­pa­ços ver­des só re­sul­ta se fo­rem pro­je­ta­dos em con­jun­to com as comunidade­s. “Os es­pe­ci­a­lis­tas têm de des­cer à ter­ra e en­vol­ve­rem-se nos pro­ble­mas e ne­ces­si­da­des dos seus ha­bi­tan­tes”, ad­ver­te Nidhi Gu­la­ti, di­re­to­ra de pro­gra­mas da Pro­jects for Pu­blic Spa­ces, uma ONG que, des­de 1975, apoia bair­ros de No­va Ior­que no pla­ne­a­men­to de es­pa­ços sus­ten­tá­veis.

Ci­da­des in­clu­si­vas é o que Gu­la­ti de­fen­de pa­ra evi­tar bar­ris de pól­vo­ra pres­tes a re­ben­tar nas áre­as me­tro­po­li­ta­nas. Sa­ben­do que ori­gens so­ci­ais, eco­nó­mi­cas, ra­ci­ais e até de gé­ne­ro in­ter­fe­rem na vi­vên­cia dos es­pa­ços pú­bli­cos, a al­ter­na­ti­va é cons­truir cen­tros ur­ba­nos ca­pa­zes de in­te­grar di­fe­ren­tes back­grounds e pro­por­ci­o­nar bem-es­tar en­tre as comunidade­s: “Pre­ci­sa­mos de al­dei­as nas nos­sas ci­da­des”, con­clui a ar­qui­te­ta in­di­a­na. Re­du­zir a es­ca­la é o ca­mi­nho e is­so pas­sa por lem­brar que, mais do que vi­ver num cen­tro ur­ba­no, im­por­ta “ha­bi­tar num cen­tro hu­ma­no” com co­mér­cio, ser­vi­ços ou lu­ga­res de con­ví­vio a não mais do que 10-15 mi­nu­tos de dis­tân­cia: “Quan­do co­me­çar­mos a cons­truir es­sas al­dei­as, te­re­mos de pen­sar em to­da a gen­te.” E to­da a gen­te in­clui os mar­gi­na­li­za­dos, re­lem­bra Nidhi Gu­la­ti.

Trans­por­tes se­xis­tas

A mo­bi­li­da­de co­mo es­tá de­se­nha­da nem se­quer tem em con­ta as ne­ces­si­da­des das mu­lhe­res, diz a di­re­to­ra da Pro­jects for Pu­blic Spa­ces. Nos EUA, por exem­plo, os trans­por­tes pú­bli­cos vão do cen­tro ao su­búr­bio, “ser­vin­do uma mo­bi­li­da­de ti­pi­ca­men­te mas­cu­li­na”. Mas o es­ti­lo de vi­da da mu­lher tí­pi­ca é tu­do me­nos li­ne­ar. Ela tem de dei­xar os fi­lhos na es­co­la, no pon­to A, fa­zer com­pras, no pon­to B, ir pa­ra o tra­ba­lho, no pon­to C, ou cor­rer pa­ra a la­van­da­ria à ho­ra do al­mo­ço, no pon­to D. “Não há sis­te­ma de trans­por­te pú­bli­co pre­pa­ra­do pa­ra es­tas ne­ces­si­da­des”, diz. E is­to sem con­tar que os sis­te­mas de se­gu­ran­ça do au­to­mó­vel es­tão pen­sa­dos pa­ra o cor­po mas­cu­li­no, cor­ren­do elas mais ris­cos do que eles em ca­so de aci­den­te: “A pi­a­da de que as mu­lhe­res são ase­lhas ao vo­lan­te po­de ter, afi­nal, mo­ti­vos mais trá­gi­cos do que có­mi­cos.”

To­da a mo­bi­li­da­de pre­ci­sa de ser re­pen­sa­da e na­da mais atu­al do que a co­vid-19 pa­ra apro­vei­tar a opor­tu­ni­da­de. “A for­ma co­mo se vi­a­ja vai ter de mu­dar pa­ra ser pos­sí­vel pro­te­ger as po­pu­la­ções de ou­tras pan­de­mi­as que, com as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, vão ser mais fre­quen­tes.” Vi­a­jar me­nos, per­cor­rer dis­tân­ci­as cur­tas e ado­tar trans­por­tes sus­ten­tá­veis te­rão de en­trar no no­vo pa­ra­dig­ma, de­fen­de a ar­qui­te­ta.

E afas­tar o au­to­mó­vel das ci­da­des é o que “pre­ci­sa­mos fa­zer já” an­tes que to­dos re­gres­sem ao “ve­lho nor­mal”. Es­sa é a via pa­ra as ru­as vol­ta­rem à fun­ção pa­ra a qual fo­ram fei­tas, diz Gu­la­ti, afas­tan­do-se do cen­tro do pal­co pa­ra mos­trar as ima­gens se­le­ci­o­na­das pa­ra con­cluir a apre­sen­ta­ção. São fo­tos de ru­as com cri­an­ças a ca­mi­nhar pa­ra as es­co­las, ido­sos a dor­mi­tar à por­ta das lo­jas, miú­dos a jo­gar bas­que­te­bol, cães a apro­vei­tar o ca­lor do fim da tar­de, uni­ver­si­tá­ri­os a be­ber um co­po e gen­te a re­gres­sar a ca­sa: “As ru­as são pa­ra as pes­so­as”, re­ma­ta a ar­qui­te­ta.

 ??  ??
 ??  ??
 ??  ?? Os ur­ba­nis­tas têm de co­nhe­cer as comunidade­s an­tes de pla­ne­ar, diz Gu­la­ti.
Os ur­ba­nis­tas têm de co­nhe­cer as comunidade­s an­tes de pla­ne­ar, diz Gu­la­ti.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal