CÓ­DI­GO DE ÉTI­CA PA­RA A AD­MI­NIS­TRA­ÇÃO PÚ­BLI­CA VAI FI­CAR NA GA­VE­TA

Pro­ve­dor de Jus­ti­ça diz que a pu­bli­ca­ção de nor­mas de con­du­ta apli­cá­veis a to­dos os agen­tes pú­bli­cos é uma obri­ga­ção do Es­ta­do des­de 2007, que de­cor­re da Con­ven­ção con­tra a Cor­rup­ção da ONU

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Trans­pa­rên­cia José An­tó­nio Ce­re­jo

O Có­di­go de Con­du­ta e Éti­ca pa­ra a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca — que em De­zem­bro de 2011 a mi­nis­tra da Jus­ti­ça anun­ci­ou ter pron­to, e cu­ja apro­va­ção em Con­se­lho de Mi­nis­tros che­gou a es­tar pre­vis­ta pa­ra Fe­ve­rei­ro de 2012 — nun­ca foi apro­va­do e o Go­ver­no já de­sis­tiu de o fa­zer. A al­ter­na­ti­va en­con­tra­da, se­gun­do o ga­bi­ne­te da mi­nis­tra Pau­la Tei­xei­ra da Cruz, foi a in­te­gra­ção des­sa ma­té­ria no Có­di­go do Pro­ce­di­men­to Ad­mi­nis­tra­ti­vo, ac­tu­al­men­te em fa­se de re­vi­são.

A cri­a­ção de um có­di­go de con­du­ta pa­ra os agen­tes pú­bli­cos, diz há vá­ri­os anos o pro­ve­dor de Jus­ti­ça, Al­fre­do José de Sou­sa, tor­nou­se uma obri­ga­ção do Es­ta­do por­tu­guês em 2007. No en­ten­di­men­to do pro­ve­dor, es­sa obri­ga­ção sub­sis­te in­de­pen­den­te­men­te da “enun­ci­a­ção dos de­ve­res ge­rais dos tra­ba­lha­do­res da fun­ção pú­bli­ca con­ti­da no res­pec­ti­vo es­ta­tu­to dis­ci­pli­nar” e da exis­tên­cia de ou­tras nor­mas dis­per­sas so­bre os di­rei­tos e de­ve­res dos fun­ci­o­ná­ri­os. Pa­ra fa­ci­li­tar a sa­tis­fa­ção des­se com­pro­mis­so in­ter­na­ci­o­nal do Es­ta­do, Al­fre­do de Sou­sa já di­ri­giu mes­mo du­as re­co­men­da­ções ao pre­si­den­te do Par­la­men­to, na an­te­ri­or e na pre­sen­te le­gis­la­tu­ra, mas ne­nhu­ma de­las te­ve qual­quer re­sul­ta­do até ao mo­men­to.

A de­cla­ra­ção da mi­nis­tra

“O Go­ver­no tem pron­to um có­di­go de con­du­ta e bo­as prá­ti­cas que se­rá adap­ta­do sec­to­ri­al­men­te”, de­cla­rou a mi­nis­tra Pau­la Tei­xei­ra da Cruz em De­zem­bro de 2011, num en­tre­vis­ta ao PÚ­BLI­CO.

A ideia vi­nha de trás e já em Abril de 2009, ain­da com o Par­ti­do So­ci­a­lis­ta no Go­ver­no, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Pre­ven­ção da Cor­rup­ção, Gui­lher­me d’Oli­vei­ra Mar­tins, ha­via anun­ci­a­do que es­ta­va a ser pre­pa­ra­do um “có­di­go de­on­to­ló­gi­co” a que fi­ca­ri­am su­jei­tos os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. Nes­sa al­tu­ra, o tam­bém pre­si­den­te do Tri­bu­nal de Contas acres­cen­tou que os fun­ci­o­ná­ri­os pas­sa­ri­am a cir­cu­lar en­tre os ser­vi­ços, não per­ma­ne­cen­do mais do que um cer­to tem­po na mes­ma fun­ção, pa­ra mi­ni­mi­zar os ris­cos de cor­rup­ção, e que se­ria es­ta­be­le­ci­do um tec­to má­xi­mo pa­ra o va­lor das pren­das que po­de­ri­am acei­tar.

Foi, aliás, uma no­tí­cia re­fe­rin­do a fi­xa­ção des­se tec­to em cer­ca de 1500 eu­ros que le­vou o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça a di­vul­gar uma no­ta, em Fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, con­fir­man­do ter já ela­bo­ra­do uma lei-qua­dro “pa­ra a cri­a­ção de um có­di­go de con­du­ta e éti­ca pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca” — aque­le que a mi­nis­tra ha­via anun­ci­a­do dois me­ses an­tes.

O tex­to es­cla­re­cia que, afi nal, es­se có­di­go es­ti­pu­la­va o va­lor má­xi­mo de 150 eu­ros pa­ra as “ofer­tas de bens e ser­vi­ços re­ce­bi­das em vir­tu­de das fun­ções de­sem­pe­nha­das” pe­los fun­ci­o­ná­ri­os, as quais te­ri­am de ser re­gis­ta­das. De acor­do com a no­ta do ga­bi­ne­te da mi­nis­tra, o pro­jec­to de­ve­ria ir a Con­se­lho de Mi­nis­tros na se­ma­na se­guin­te.

Pa­ra­le­la­men­te, o pro­ve­dor de Jus­ti­ça re­to­ma­ra du­as se­ma­nas an­tes uma di­li­gên­cia que o ti­nha le­va­do em 2010, ain­da no tem­po do Go­ver­no so­ci­a­lis­ta, a re­co­men­dar à As­sem­bleia da República a adop­ção de um có­di­go de boa con­du­ta ad­mi­nis­tra­ti­va com os mes­mos ob­jec­ti­vos. No ofí­cio que di­ri­giu à pre­si­den­te da As­sem­bleia, As­sun­ção Es­te­ves, em Ja­nei­ro de 2012, o pro­ve­dor re­cor­da que a adop­ção de um ins­tru­men­to le­gal des­te gé­ne­ro cons­ti­tui um “com­pro­mis­so” do Es­ta­do por­tu­guês que de­cor­re da ra­ti­fi­ca­ção par­la­men­tar, em 2007, da Con­ven­ção con­tra a Cor­rup­ção apro­va­da pe­la As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das em 2003 (Con­ven­ção de Mé­ri­da).

Pro­ve­dor sem res­pos­ta

Em ane­xo a es­ta re­co­men­da­ção, Al­fre­do José de Sou­sa en­vi­ou uma pro­pos­ta de có­di­go da sua res­pon­sa­bi­li­da­de, que re­pli­ca o Có­di­go Eu­ro­peu de Boa Con­du­ta Ad­mi­nis­tra­ti­va, pro­pos­to pe­lo pro­ve­dor de Jus­ti­ça eu­ro­peu e apro­va­do pe­lo

Có­di­go es­ti­pu­lan­do va­lor má­xi­mo de 150 eu­ros pa­ra ofer­tas de bens e ser­vi­ços aos fun­ci­o­ná­ri­os nun­ca foi apr

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.