Car­to­on de re­vo­lu­ção, no quar­to vo­lu­me da co­lec­ção De­sig­ners Por­tu­gue­ses

Edição Público Lisboa - - INICIATIVAS - De­sign

“O abai­xo as­si­na­do, ar­tis­ta plás­ti­co de pro­fis­são e por­tu­guês de na­ci­o­na­li­da­de, vem so­li­ci­tar au­to­ri­za­ção pa­ra, em li­ber­da­de, pre­en­cher se­ma­nal­men­te es­te rec­tân­gu­lo. Lem­bra, em abo­no do seu pe­di­do, que só es­sa li­ber­da­de tor­nou pos­sí­vel a exis­tên­cia des­se im­por­tan­te sec­tor das Ar­tes Plás­ti­cas que se cha­ma ‘Ca­ri­ca­tu­ra’. E sem pre­ten­der de mo­do al­gum es­ta­be­le­cer qual­quer pa­ra­le­lis­mo va­lo­ra­ti­vo lem­bra ain­da que foi des­te ex­pres­si­vo ra­mo da ac­ti­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca que sur­gi­ram gran­des ar­tis­tas co­mo Ho­no­ré Dau­mi­er, Je­an-Louis Fo­rain, John He­art­fi­eld, Ge­or­ge Grosz, Ro­bert Os­born, Fe­liks To­pols­ki, Saul Stein­berg, An­dré Fran­çois, Da­vid Le­ni­ne, etc.”, po­de ler-se num re­que­ri­men­to que é re­cor­da­do no vo­lu­me da co­lec­ção De­sig­ners Por­tu­gue­ses de­di­ca­do a João Abel Man­ta e que tão bem ex­pres­sa o es­pí­ri­to de um dos mais re­pu­ta­dos cri­a­do­res na­ci­o­nais con­tem­po­râ­ne­os.

Fi­lho dos pin­to­res Abel Man­ta e Ma­ria Cle­men­ti­na Carneiro de Mou­ra Man­ta, João Abel Man­ta nas­ceu na ca­pi­tal lis­bo­e­ta em 1928. Com 22 anos for­mou-se em Ar­qui­tec­tu­ra pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or de Be­las-Ar­tes de Lis­boa, mas ao lon­go do seu per­cur­so per­cor­reu di­fe­ren­tes áre­as de cri­a­ção co­mo a pin­tu­ra, a ce­râ­mi­ca, a ta­pe­ça­ria, o mo­sai­co, a ilus­tra­ção, as ar­tes grá­fi­cas e o car­to­on, pe­lo que a sua obra é mui­to di­ver­si­fi­ca­da.

Co­mo ar­qui­tec­to con­ce­beu, com Al­ber­to Pes­soa e Her­nâ­ni Gan­dra, os blo­cos ha­bi­ta­ci­o­nais da Ave­ni­da In­fan­te San­to, pro­jec­to que lhe va­leu o Prémio Mu­ni­ci­pal de Ar­qui­tec­tu­ra em 1957. Mas foi en­quan­to de­sig­ner e car­to­o­nis­ta que ha­ve­ria de con­ce­ber imagens que fi­ca­ri­am pa­ra sem­pre as­so­ci­a­das à lu­ta pe­la de­mo­cra­cia e li­ber­da­de. “Nas­ci­do em ple­no Es­ta­do No­vo, es­te mol­da­ra ine­vi­ta­vel­men­te a cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca de João Abel Man­ta, e mes­mo se a sua ac­ti­vi­da­de de pre­mi­a­do ar­qui­tec­to ou ar­tis­ta plás­ti­co po­li­fa­ce­ta­do con­se­gui­ra man­ter a veia con­tes­ta­tá­ria em ní­veis mais sub­ter­râ­ne­os e con­tro­lá­veis, a ir­rup­ção do car­to­o­nis­ta na im­pren­sa diá­ria por al­tu­ras do ar­ran­que do con­su­la­do de Mar­ce­lo Ca­e­ta­no dei­xa­ra cla­ro que es­sa veia es­ta­va mais for­te e im­pla­cá­vel do que nun­ca”, re­la­ta Pe­dro Pi­e­da­de Mar­ques, au­tor dos tex­tos do quar­to vo­lu­me da co­lec­ção, que ago­ra é edi­ta­do com o PÚ­BLI­CO, ao re­cor­dar o dia 27 de Ju­nho de 1973 em que o ar­tis­ta foi cha­ma­do a de­por co­mo réu num tri­bu­nal, em Lis­boa, por “ofen­sas ao res­pei­to de­vi­do à ban­dei­ra na­ci­o­nal” e “abu­so da li­ber­da­de de Im­pren­sa”.

“O jo­vem ac­ti­vis­ta de 1948 era ago­ra um ar­tis­ta ama­du­re­ci­do e as su­as de­cla­ra­ções pe­ran­te o juiz re­flec­ti­am-no. Com as­tú­cia, Man­ta não usou nun­ca o ter­mo ‘cen­su­ra’, pre­fe­rin­do apon­tar o de­do à ‘to­tal au­sên­cia de cul­tu­ra e trei­no vi­su­al’ em Por­tu­gal e cen­tran­do o caso nu­ma má in­ter­pre­ta­ção que os agen­tes da acu­sa­ção ti­nham fei­to do seu car­to­on, re­sul­tan­do nu­ma ‘to­tal in­ver­são do sen­ti­do’ do mes­mo. Pon­to de che­ga­da de qua­tro anos de in­ten­sa pro­du­ção vi­su­al co­mo co­men­ta­dor da re­a­li­da­de do Por­tu­gal da ‘Pri­ma­ve­ra mar­ce­lis­ta’ nas pá­gi­nas do diá­rio de re­fe­rên­cia de uma cer­ta cul­tu­ra ur­ba­na, cos­mo­po­li­ta e li­be­ral que, des­de a saí­da de Sa­la­zar, ti­ve­ra al­gum espaço de res­pi­ra­ção, pa­ra o ar­tis­ta aque­la era, so­bre­tu­do, uma ra­ra oca­sião de ver­ba­li­zar fria e ob­jec­ti­va­men­te (…) o seu des­gos­to cul­tu­ral e in­te­lec­tu­al (su­ben­ten­den­do-se o po­lí­ti­co) com um país que se man­ti­nha pre­so ao las­tro dos fas­cis­mos dos anos 20 e 30”, ex­pli­ca Pe­dro Pi­e­da­de Mar­ques.

Efec­ti­va­men­te, o no­me de João Abel Man­ta fi­ca­rá na his­tó­ria por­tu­gue­sa as­so­ci­a­da à lu­ta an­ti­fas­cis­ta, não só pe­la crí­ti­ca que le­vou a ca­bo com os seus car­to­ons du­ran­te a di­ta­du­ra sa­la­za­ris­ta, mas tam­bém por­que fa­zem par­te já do ima­gi­ná­rio po­pu­lar os seus vá­ri­os car­ta­zes do Mo­vi­men­to das For­ças Ar­ma­das no pe­río­do pós-25 de Abril.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.