100 anos da re­vo­lu­ção rus­sa

Gor­bat­chov, o fim do co­mu­nis­mo so­vié­ti­co en­quan­to obra de ar­te

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Jor­ge Al­mei­da Fer­nan­des ja­fer­nan­des@pu­bli­co.pt

A Re­vo­lu­ção de Ou­tu­bro de 1917 re­per­cu­tiu-se em to­do o mun­do e mar­cou o des­ti­no do sé­cu­lo XX. O fim do co­mu­nis­mo so­vié­ti­co e a de­sin­te­gra­ção da URSS en­cer­ra­ram es­sa fa­se da His­tó­ria. An­tes de ocor­re­rem, os “gran­des acon­te­ci­men­tos” pa­re­cem im­pos­sí­veis aos olhos dos con­tem­po­râ­ne­os. A se­guir, há ten­dên­cia a acre­di­tar que eram uma “ne­ces­si­da­de his­tó­ri­ca”. É uma armadilha que os his­to­ri­a­do­res co­nhe­cem bem e que se po­de apli­car à Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa ou à Re­vo­lu­ção Rus­sa. O mes­mo acon­te­ce com o fim do co­mu­nis­mo eu­ro­peu, em 1988-91.

Em 1985, ano em que Mikhail Gor­bat­chov as­cen­de ao po­der, o mun­do não era co­mo ho­je. Vi­via em Guer­ra Fria, po­la­ri­za­do em dois blo­cos, o oci­den­tal e o so­vié­ti­co, em “co­e­xis­tên­cia pa­cí­fi­ca” mas sob o “equi­lí­brio do ter­ror”. Nos anos 1970, a URSS pa­re­cia ter atin­gi­do o zé­ni­te da ex­pan­são, alar­gan­do a in­fluên­cia na Ásia e Áfri­ca. No Oci­den­te, exa­ge­ra­va-se o seu po­de­rio e che­gou a di­zer-se — du­ran­te a cri­se dos eu­ro­mís­seis (1982-83) — que Mos­co­vo já ti­nha ga­nho a “ter­cei­ra guer­ra mun­di­al não de­cla­ra­da”.

Ra­ras vo­zes (co­mo o fran­cês Em­ma­nu­el Todd, em 1976) pre­vi­am o co­lap­so do “co­los­so com pés de bar­ro”. Tam­bém o es­cri­tor Ale­xan­der Sol­je­nit­sin di­ria em 1979: “Na Rús­sia, o co­mu­nis­mo é um cão mor­to, en­quan­to pa­ra mui­tas pes­so­as no Oci­den­te é ain­da um leão vi­vo.”

Gor­bat­chov foi mal re­ce­bi­do pe­los so­vi­e­tó­lo­gos. Avi­sa­vam que um to­ta­li­ta­ris­mo, de que a URSS se­ria o pa­ra­dig­ma, era por de­fi­ni­ção ir­re­for­má­vel. Os mais hos­tis pre­ve­ni­am que as be­las pa­la­vras de Gor­bat­chov eram “con­ver­sa de tre­ta” pa­ra o Oci­den­te bai­xar a guar­da. Ao con­trá­rio, Ro­nald Re­a­gan, que em 1983 de­fi­ni­ra o co­mu­nis­mo co­mo o “Im­pé­rio do Mal”, de­pres­sa le­vou Gor­bat­chov a sé­rio. O seu en­tu­si­as­mo na ci­mei­ra de Mos­co­vo de 1988 pro­vo­cou crí­ti­cas nos EUA: cri­a­va uma “fal­sa eu­fo­ria”, dan­do oxi­gé­nio a “um ini­mi­go imu­tá­vel”. O co­lu­nis­ta con­ser­va­dor Ge­or­ge Will não o pou­pou: “Re­a­gan ace­le­rou o de­sar­ma­men­to mo­ral do Oci­den­te.” Mas ele ti­nha ou­tra per­cep­ção: pen­sa­va que Gor­bat­chov lhe da­va “um pre­sen­te” e apres­sou-se a agar­rá-lo. Pro­cla­mou em Ja­nei­ro de 1989: “A Guer­ra Fria aca­bou.”

A emer­gên­cia de Gor­bat­chov

Em 1985, é pa­ten­te a es­cle­ro­se da ge­ron­to­cra­cia so­vié­ti­ca. Brej­nev mor­reu em 1982, ao fim de 18 anos de po­der e 12 de do­en­ça. O seu su­ces­sor, An­dro­pov, du­rou até Fe­ve­rei­ro de 1984. Tcher­nen­ko, de 74 anos, pas­sou a mai­or par­te do tem­po no hos­pi­tal e mor­reu a 10 Mar­ço de 1985. No dia se­guin­te, Gor­bat­chov, 54 anos, é elei­to se­cre­tá­rio-ge­ral do PCUS. Anun­cia a pe­res­troi­ka (re­es­tru­tu­ra­ção) e a glas­nost (trans­pa­rên­cia, que vai ser li­be­ra­li­za­ção).

Qu­em era? O so­vi­e­tó­lo­go Ri­chard Pi­pes foi ca­te­gó­ri­co: “É um pro­du­to tí­pi­co da no­men­kla­tu­ra so­vié­ti­ca.” Pou­co ou na­da ha­via a es­pe­rar. O ana­lis­ta rus­so Andrei Grat­chov, co­la­bo­ra­dor de “Gorby”, cor­ri­ge: “Era um se­cre­tá­rio-ge­ral atí­pi­co, uma es­pé­cie de er­ro ge­né­ti­co num sis­te­ma que se re­pro­duz por clo­na­gem.”

Gor­bat­chov ti­nha uma agu­da cons­ci­ên­cia do de­clí­nio da URSS. Era ur­gen­te fa­zer re­for­mas e, pa­ra is­so, uma pro­gres­si­va li­be­ra­li­za­ção po­lí­ti­ca. Por ou­tro la­do, era um “in­ter­na­ci­o­na­lis­ta ide­a­lis­ta”. Te­rá si­do tam­bém o úl­ti­mo re­pre­sen­tan­te dos oci­den­ta­lis­tas rus­sos que, des­de Pe­dro, o Gran­de, am­bi­ci­o­na­vam an­co­rar a Rús­sia na Eu­ro­pa.

Em seis anos, re­vo­lu­ci­o­na­rá a po­lí­ti­ca ex­ter­na so­vié­ti­ca e for­ça­rá o fim da Guer­ra Fria. Irá pôr ter­mo ao to­ta­li­ta­ris­mo, li­qui­dan­do o mo­no­pó­lio po­lí­ti­co e ide­o­ló­gi­co do par­ti­do le­ni­nis­ta. Abri­rá um con­tra­di­tó­rio pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção que de­pres­sa se ra­di­ca­li­za­rá, con­tri­buin­do mais tar­de pa­ra a sua pró­pria per­da. Fez tu­do pa­ra sal­var a URSS, que ele en­ten­dia co­mo um país e não co­mo um im­pé­rio, aca­ban­do por as­sis­tir à sua li­qui­da­ção, em 1991.

Ao mes­mo tem­po, as “de­mo­cra­ci­as po­pu­la­res” do Les­te, com a Po­ló­nia e a Hun­gria na van­guar­da, co­me­çam um pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção que cul­mi­na na que­da do Mu­ro de Ber­lim no dia 9 de No­vem­bro de 1989. Es­te pro­ces­so de­sem­bo­ca em 1990 na reu­ni­fi­ca­ção ale­mã, que mu­da ra­di­cal­men­te a ge­o­po­lí­ti­ca eu­ro­peia. Mos­co­vo que­ria man­ter o Les­te mas per­deu o con­tro­lo dos acon­te­ci­men­tos.

O pa­pel de Gor­bat­chov foi “dei­xar fa­zer”, re­cu­san­do a ame­a­ça de in­ter­ven­ções mi­li­ta­res — co­mo Bu­da­pes­te em 1956 ou Pra­ga em 1968.

A li­qui­da­ção do le­ni­nis­mo

Foi um per­cur­so si­nu­o­so. Ele era um es­pe­ci­a­lis­ta em fa­zer po­lí­ti­ca aos zi­gue­za­gues, de for­ma a ocu­par o cen­tro e não fi­car em mi­no­ria. A 31 de Ju­lho de 1986, diz num dis­cur­so: “Pe­res­troi­ka é um con­cei­to mui­to vas­to. Eu iden­ti­fi­ca­ria a pa­la­vra com re­vo­lu­ção.” Porquê es­te in­só­li­to sal­to? “A res­pos­ta é sim­ples: Cher­no­bil”, co­men­tou An­dré Fon­tai­ne, di­rec­tor do Le Mon­de. A catástrofe nu­cle­ar (26 de Abril) e os seus mi­lha­res de mor­tos põem a nu a mi­sé­ria téc­ni­ca so­vié­ti­ca e a in­dig­ni­da­de dos di­ri­gen­tes. O Go­ver­no só foi avi­sa­do a

28. A po­pu­la­ção ucra­ni­a­na não foi ime­di­a­ta­men­te pre­ve­ni­da “pa­ra não es­tra­gar as fes­tas do 1.º de Maio”. Cher­no­bil é um ace­le­ra­dor. A

glas­nost vai dar lu­gar a um pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção. Os dis­si­den­tes re­gres­sam do exí­lio. Há uma qua­se to­tal aber­tu­ra na im­pren­sa, on­de a nor­ma pas­sa a ser: “Tu­do o que não é proi­bi­do é au­to­ri­za­do.” Di­rá “Gorby” ao co­mi­té cen­tral em 1989: “Nu­ma pri­mei­ra eta­pa, [a pe­res­troi­ka] foi de­ter­mi­na­da por ini­ci­a­ti­vas vin­das de ci­ma. (…) Ago­ra é ca­rac­te­ri­za­da por um po­de­ro­so im­pul­so vin­do de bai­xo.” Os ci­da­dãos des­per­ta­vam.

A 26 de Mar­ço de 1989, re­a­li­zam-se le­gis­la­ti­vas, “par­ci­al­men­te de­mo­crá­ti­cas mas in­tei­ra­men­te li­vres”. Um ope­rá­rio per­gun­ta: “Mas que fa­zer qu­an­do o apa­re­lho man­da ele­ger o seu can­di­da­to?” Res­pon­de o se­cre­tá­rio-ge­ral: “Não o ele­jam.” O re­sul­ta­do foi uma vi­tó­ria ma­ci­ça dos re­for­ma­do­res con­tra o apa­re­lho. As pri­mei­ras ses­sões da no­va as­sem­bleia são aten­ta­men­te se­gui­das pe­la te­le­vi­são. Nas­cia um par­la­men­to. “Era co­mo se to­da a po­pu­la­ção so­vié­ti­ca apren­des­se ao mes­mo tem­po a an­dar de bi­ci­cle­ta e a pa­ti­nar no ge­lo”, es­cre­veu o jornalista ame­ri­ca­no Bob Kai­ser.

O ou­tro mar­co é a li­qui­da­ção ofi­ci­al do le­ni­nis­mo, no ple­ná­rio do co­mi­té cen­tral de 5 de Fe­ve­rei­ro de 1990. Gor­bat­chov for­ça a abo­li­ção do Ar­ti­go 6.º da Cons­ti­tui­ção: “O Par­ti­do Co­mu­nis­ta da União So­vié­ti­ca é a for­ça que di­ri­ge e ori­en­ta a so­ci­e­da­de so­vié­ti­ca, é o nú­cleo do seu sis­te­ma po­lí­ti­co, dos or­ga­nis­mos de Es­ta­do e dos or­ga­nis­mos so­ci­ais.” Era a tra­ve-mes­tra do sis­te­ma. Re­vo­gá-lo era abo­lir a na­tu­re­za mar­xis­ta-le­ni­nis­ta do Es­ta­do.

Até ao fim do ano se­rão le­ga­li­za­dos os par­ti­dos e se­rá edi­ta­do O Ar­qui­pé­la­go Gu­lag, de Sol­je­nit­sin. Em 1988-1989, a URSS já não é um Es­ta­do co­mu­nis­ta. O puts­ch ne­o­co­mu­nis­ta de Agos­to de 1991 vai ser anu­la­do pe­la mo­bi­li­za­ção po­pu­lar nas ru­as de Mos­co­vo.

Era ine­vi­tá­vel?

O his­to­ri­a­dor Wal­ter La­queur faz (em 1994) a per­gun­ta fun­da­men­tal: era o co­mu­nis­mo re­for­má­vel? Re­su­me o de­ba­te da épo­ca: “Al­guns acre­di­ta­vam que o sis­te­ma so­vié­ti­co não só não es­ta­va em mu­dan­ça co­mo era imu­tá­vel — ex­cep­to no ca­so de vi­o­len­to ca­ta­clis­mo. O com­ba­te en­tre os dois sis­te­mas [ca­pi­ta­lis­mo e so­ci­a­lis­mo] pro­lon­gar-se-ia por dé­ca­das, se­não sé­cu­los, e não se po­de­ria es­tar se­gu­ro quan­to ao seu des­fe­cho.”

Do la­do opos­to, os “re­vi­si­o­nis­tas”, so­bre­tu­do his­to­ri­a­do­res, vi­am si­nais de trans­for­ma­ção no sis­te­ma, uma so­ci­e­da­de ci­vil em­bri­o­ná­ria e até in­dí­ci­os de gra­du­al li­be­ra­li­za­ção. Mas eram “re­pro­va­dos pe­los acon­te­ci­men­tos”, diz La­queur. A URSS in­va­dia o Afe­ga­nis­tão. Ins­ta­la­va os eu­ro­mís­seis. E a su­ces­são de lí­de­res co­mo Brej­nev, An­dro­pov e Tcher­nen­ko era de­sa­ni­ma­do­ra.

Ga­nha­mos em dei­xar a so­vi­e­to­lo­gia e for­mu­lar a ques­tão de um pon­to de vis­ta his­tó­ri­co: que co­mu­nis­mo des­truiu Gor­bat­chov? A URSS de 1985 era di­fe­ren­te da de Es­ta­li­ne. Com Kh­rust­chov, aca­bou o ter­ror: os ex­ter­mí­ni­os em mas­sa, o Gu­lag, as de­por­ta­ções de po­vos, as pur­gas san­gren­tas no par­ti­do. Mas per­ma­ne­ceu a “di­ta­du­ra ab­so­lu­ta”.

Ins­ta­lou-se aqui­lo a que se cha­mou o “to­ta­li­ta­ris­mo mo­le”, bem des­cri­to por Grat­chov. O par­ti­do man­ti­nha o con­tro­lo da vi­da so­ci­al. O apa­re­lho om­ni­pre­sen­te do KGB ve­la­va pe­la obe­di­ên­cia. Os dis­si­den­tes já não eram fu­zi­la­dos mas re­me­ti­dos pa­ra o exí­lio ou en­cer­ra­dos em hos­pi­tais psi­quiá­tri­cos. O co­mi­té cen­tral as­se­gu­ra­va a “do­pa­gem ide­o­ló­gi­ca de mi­lhões de pes­so­as pe­la ab­sor­ção, em al­tas do­ses, de uma com­ple­xa mis­tu­ra de mi­tos, pre­con­cei­tos e es­pe­ran­ças não re­a­li­za­das [o que] per­mi­tia con­ser­var a es­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma e ga­ran­tir o seu fun­ci­o­na­men­to”. Com o fim das pur­gas, “a no­men­kla­tu­ra en­ve­lhe­ce sem so­bres­sal­tos”, ob­ser­va Grat­chov. “O to­ta­li­ta­ris­mo con­cen­tra-se so­bre ob­jec­ti­vos mais mo­des­tos: sus­ten­tar a ilu­são de que a di­rec­ção con­ti­nu­a­va a go­ver­nar efec­ti­va­men­te o país, ga­ran­tir um mí­ni­mo de le­al­da­de da po­pu­la­ção, gra­ças à inér­cia do me­do her­da­da de Es­ta­li­ne e à in­di­fe­ren­ça das pes­so­as, que não cri­am na pos­si­bi­li­da­de de mu­dar as su­as vi­das.”

É tam­bém nes­ta fa­se que par­te da eli­te to­ma cons­ci­ên­cia de que a economia so­vié­ti­ca es­tá em de­clí­nio e é in­ca­paz de en­fren­tar a ter­cei­ra re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca

O “aci­den­te his­tó­ri­co” deriva da com­bi­na­ção en­tre de­clí­nio e “to­ta­li­ta­ris­mo mo­le”. É o que per­mi­te a Gor­bat­chov abrir uma bre­cha. Propôs-se mo­der­ni­zar a URSS e tra­var o de­clí­nio. Fa­lhou na economia e não sal­vou a União So­vié­ti­ca. Mas te­ve su­ces­so na­qui­lo que pa­re­cia do do­mí­nio do im­pos­sí­vel: o fim do co­mu­nis­mo so­vié­ti­co.

Na Chi­na, Deng Xi­a­o­ping fa­rá, a par­tir de 1989, a op­ção in­ver­sa: uma mar­cha con­tro­la­da pa­ra o ca­pi­ta­lis­mo sob re­gi­me au­to­ri­tá­rio. Den­tro do seu pon­to de vis­ta, Deng ti­nha ra­zão. O co­lap­so do co­mu­nis­mo não era uma fa­ta­li­da­de. Foi pos­sí­vel re­for­mar a economia sob o mo­no­pó­lio po­lí­ti­co do par­ti­do. A Chi­na de Xi Jin­ping é uma fi­lha bas­tar­da das li­ções que Deng ti­rou da pe­res­troi­ka.

Que é que foi de­ter­mi­nan­te no “aci­den­te his­tó­ri­co” rus­so? Os po­la­cos fa­lam em João Pau­lo II, ou­tros em Re­a­gan e na “Guer­ra das Es­tre­las”, ou­tros nu­ma fa­tal im­plo­são.

De­ci­si­vo foi o “fac­tor Gor­bat­chov” su­bli­nha o his­to­ri­a­dor Ar­chie Brown. Qua­se to­dos os “rus­só­lo­gos” pen­sam o mes­mo. Sem Le­ni­ne não te­ria ha­vi­do Ou­tu­bro de 1917. Sem “Gorby” não te­ria ha­vi­do 1989. Vi­a­ches­tav Ni­ko­nov, bió­gra­fo (e ne­to) de Mo­lo­tov, su­bli­nha o tri­vi­al: “Na Rús­sia, nun­ca se de­ve su­bes­ti­mar o pa­pel da per­so­na­li­da­de do prin­ci­pal di­ri­gen­te. (...) A po­lí­ti­ca de­pen­de mais da von­ta­de do prín­ci­pe ou do se­cre­tá­rio-ge­ral do que das ins­ti­tui­ções e gru­pos de pres­são.”

Na­da foi fa­tal. Di­rá “Gorby”, em 1993, ao po­la­co Adam Mi­ch­nik: “O sis­te­ma co­me­çou a de­fen­der-se co­mo uma hi­dra. Cor­tas uma ca­be­ça e ou­tras sur­gem no seu lu­gar. É por is­so que a in­tro­du­ção de re­for­mas era um pro­jec­to de al­to ris­co.”

Em 1991, Gor­bat­chov per­deu a ba­ta­lha do po­der pa­ra Bo­ris Ielt­sin e, com ela, a URSS. Mas sem san­gue — as tra­gé­di­as acon­te­ce­ram na pe­ri­fe­ria du­ran­te a de­sin­te­gra­ção do im­pé­rio — fez pas­sar à His­tó­ria a Guer­ra Fria e o co­mu­nis­mo. Co­mo? Ora por von­ta­de, ora por ne­ces­si­da­de, foi des­truin­do o mo­no­pó­lio po­lí­ti­co do PCUS, gra­ças ao po­der que ti­nha co­mo se­cre­tá­rio-ge­ral do par­ti­do le­ni­nis­ta. Uma obra de ar­te.

Al­guns acre­di­ta­vam que o sis­te­ma so­vié­ti­co era imu­tá­vel, ex­cep­to em ca­so de vi­o­len­to ca­ta­clis­mo. A lu­ta [en­tre ca­pi­ta­lis­mo e so­ci­a­lis­mo] pro­lon­gar-se-ia por sé­cu­los, es­cre­veu o his­to­ri­a­dor Wal­ter La­queur

DENNIS PAQUIN/REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.