Dois anos de “ge­rin­gon­ça”

Es­quer­da uni­da até qu­an­do? A troi­ka que ain­da re­sis­te

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Li­li­a­na Va­len­te, Ma­ria Lopes e Ma­ria João Lopes li­li­a­na.va­len­te@pu­bli­co.pt ma­ria.lopes@pu­bli­co.pt ma­ria.joao.lopes@pu­bli­co.p

Osu­ces­so que trans­cen­deu as ex­pec­ta­ti­vas dos pró­pri­os nes­tes pri­mei­ros dois anos po­de di­fi­cul­tar o ca­mi­nho que fal­ta per­cor­rer até ao fim da le­gis­la­tu­ra. É es­sa con­vic­ção de Pe­dro Adão e Sil­va, co­men­ta­dor e professor no ISCTE. “Uma par­te das di­fi­cul­da­des pa­ra a fren­te re­sul­ta do su­ces­so até aqui”, de­fen­de, “por­que o com­pro­mis­so e a ca­pa­ci­da­de de en­ten­di­men­to ti­nha uma ba­se mui­to con­cre­ta e que as­sen­ta­va no con­tras­te com a ex­pe­ri­ên­cia go­ver­na­ti­va an­te­ri­or”.

Pa­ra a fren­te, a de­vo­lu­ção de ren­di­men­tos de­ve­rá per­der o lu­gar cen­tral o que, em vez de aju­dar o Go­ver­no na sua re­la­ção com os par­cei­ros, ten­de­rá a di­fi­cul­tá-la. Pa­ra Adão e Sil­va “os pon­tos de en­ten­di­men­to “se­rão bem me­no­res e já não fun­ci­o­na­rá tão bem o con­tras­te com o Go­ver­no an­te­ri­or”. Mas ha­ve­rá sem­pre te­mas “in­ter­di­tos” que con­ti­nu­a­rão até ao fi­nal da le­gis­la­tu­ra.

Pe­ran­te es­te ce­ná­rio, e o fac­to de o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ter acres­cen­ta­do o com­ba­te aos in­cên­di­os co­mo um dos pon­tos de ava­li­a­ção do Go­ver­no, pa­ra Adão e Sil­va a “ge­rin­gon­ça tal co­mo exis­te não é re­pe­tí­vel. Por­que a re­pe­tir-se te­ria de ser mui­to di­fe­ren­te do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co e pro­gra­má­ti­co”, com mai­or en­vol­vi­men­to dos par­cei­ros e com ou­tras ma­té­ri­as em ci­ma da me­sa.

Pri­o­ri­da­des das es­quer­das

Os par­ti­dos não pa­re­cem te­mer o que há pa­ra vir, em­bo­ra o blo­quis­ta Fran­cis­co Lou­çã ad­mi­ta que um even­tu­al fu­tu­ro acor­do se­rá fei­to com ou­tra pres­são, não a do tem­po cur­to co­mo em 2015, mas a que vem dos re­sul­ta­dos al­can­ça­dos por es­ta so­lu­ção de Go­ver­no.

“A pri­o­ri­da­de so­ci­al é a saú­de”, as­su­me Lou­çã que — ape­sar de dei­xar cla­ro não fa­lar em no­me do Blo­co de Es­quer­da, nem da di­rec­ção do par­ti­do — lá em­bar­ca no de­sa­fio lan­ça­do pe­lo PÚ­BLI­CO de tra­çar al­gu­mas da­que­las que po­de­ri­am ser as pri­o­ri­da­des das es­quer­das nos pró­xi­mos dois anos. Pa­ra o eco­no­mis­ta, é ur­gen­te a con­tra­ta­ção de mais pro­fis­si­o­nais, a aqui­si­ção de equi­pa­men­tos, e a re­vi­são das Par­ce­ri­as Pú­bli­co-Pri­va­das.

Ape­sar de, no acor­do fir­ma­do em 2015 en­tre BE e PS, ter fi­ca­do plas­ma­da a ne­ces­si­da­de de re­for­çar o SNS “pe­la do­ta­ção dos re­cur­sos hu­ma­nos, téc­ni­cos e fi­nan­cei­ros”, o blo­quis­ta con­si­de­ra que ain­da há ca­mi­nho pa­ra tri­lhar nes­ta área.

As­sim co­mo no sec­tor dos trans­por­tes pú­bli­cos: “O me­tro­po­li­ta­no foi mui­to de­gra­da­do, há aí imen­so tra­ba­lho a fa­zer”, diz, dan­do co­mo exem­plo a ne­ces­si­da­de de bai­xar o pre­ço dos pas­ses.

A dis­cus­são de me­di­das fis­cais que ga­ran­tam que os ren­di­men­tos são ta­xa­dos de for­ma jus­ta e igua­li­tá­ria, sem be­ne­fi­ci­ar o gran­de ca­pi­tal, é ou­tro ca­mi­nho que Lou­çã vê com bons olhos, mes­mo que con­te com re­sis­tên­ci­as do Go­ver­no.

Em 2015, o pro­gra­ma do BE já pro­pu­nha uma “re­vo­lu­ção fis­cal pa­ra aca­bar com a pu­ni­ção do tra­ba­lho”. Tal pas­sa­va, en­tre ou­tros as­pec­tos, pe­la cri­a­ção de um im­pos­to so­bre gran­des for­tu­nas; por uma ta­xa agra­va­da pa­ra bens de lu­xo; e por uma ta­xa so­bre tran­sac­ções bol­sis­tas e di­vi­den­dos aos ac­ci­o­nis­tas.

Se, no ano pas­sa­do, o BE con­se­guiu le­var avan­te o cé­le­bre “im­pos­to Mor­tá­gua”, so­bre o pa­tri­mó­nio acu­mu­la­do de va­lor su­pe­ri­or a 600 mil eu­ros, es­te ano o au­men­to da der­ra­ma de IRC pa­ra em­pre­sas com lu­cro tri­bu­tá­vel su­pe­ri­or a 35 mi­lhões de eu­ros pas­sou pa­ra o de­ba­te do Or­ça­men­to na es­pe­ci­a­li­da­de. O Go­ver­no tor­ce o na­riz, te­me que po­nha em cau­sa a di­nâ­mi­ca eco­nó­mi­ca.

Ques­ti­o­na­do so­bre se no­va le­gis­la­ção

Pe­dro Adão e Sil­va, in­ves­ti­ga­dor do ISCTE, en­ten­de que “a ‘ge­rin­gon­ça’, tal co­mo exis­te, não é re­pe­tí­vel”

re­la­ti­va a offsho­res tam­bém de­via ser uma pri­o­ri­da­de das pró­xi­mas ne­go­ci­a­ções à es­quer­da, Lou­çã res­pon­de que tal de­ve ser uma ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no, a avan­çar “o mais de­pres­sa pos­sí­vel” e in­de­pen­den­te­men­te da pres­são do PCP ou do BE.

Em 2015, o BE pro­pu­nha uma vas­ta lis­ta de me­di­das, tais co­mo: obri­ga­to­ri­e­da­de de pu­bli­ca­ção pe­las ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras e gran­des em­pre­sas de to­da a es­tru­tu­ra cor­po­ra­ti­va; cri­a­ção de um re­gis­to pú­bli­co dos be­ne-

fi­ciá­ri­os úl­ti­mos de to­dos os veí­cu­los, so­ci­e­da­des, trusts e es­tru­tu­ras le­gais equi­va­len­tes a ope­rar no país; proi­bi­ção da re­a­li­za­ção de tran­sac­ções fi­nan­cei­ras com en­ti­da­des cu­jo be­ne­fi­ciá­rio úl­ti­mo se­ja des­co­nhe­ci­do ou lo­ca­li­za­das em ju­ris­di­ções offsho­re não co­o­pe­ran­tes; proi­bi­ção de con­tra­ta­ção pú­bli­ca com em­pre­sas que te­nham li­ga­ções ou in­te­grem na sua es­tru­tu­ra cor­po­ra­ti­va em­pre­sas se­di­a­das offsho­re ou com es­que­mas de pla­ne­a­men­to fis­cal agres­si­vo.

Lou­çã re­co­nhe­ce que, se to­das es­tas me­di­das — da Saú­de aos trans­por­tes, pas­san­do pe­las fis­cais — avan­ças­sem nes­tes dois anos, se­ria uma vi­tó­ria. Mas tam­bém sa­be que há uma pe­dra no sa­pa­to cha­ma­da Bru­xe­las. Que im­põe gi­nás­ti­cas fi­nan­cei­ras, man­tém uma ges­tão aper­ta­da e uma “pres­são or­ça­men­tal for­te”.

Foi a eu­ro­de­pu­ta­da do BE, Ma­ri­sa Ma­ti­as, qu­em há cer­ca de um ano de­fen­deu ser “ne­ces­sá­rio re­pen­sar no­vos ter­mos” do acor­do. Mas a ideia não te­ve eco. Lou­çã con­si­de­ra a ati­tu­de pru­den­te. Por is­to: ain­da há ma­té­ri­as com­ple­xas que im­por­ta as­se­gu­rar, tais co­mo ques­tões la­bo­rais, que in­clu­em a pro­tec­ção dos cha­ma­dos re­ci­bos ver­des e a al­te­ra­ção de re­gi­me con­tri­bu­ti­vo que lhes é apli­ca­do, ou mes­mo o au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal.

Ape­sar de en­ten­der que não de­ve ha­ver no­vos acor­dos nes­tes pró­xi­mos dois anos, o do­cen­te tam­bém con­si­de­ra que os or­ça­men­tos são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra tra­çar to­do o ma­pa de ori­en­ta­ção po­lí­ti­ca.

Há pou­co mais de uma se­ma­na, Lou­çã es­cre­veu no PÚ­BLI­CO: “Nas pró­xi­mas le­gis­la­ti­vas, a ha­ver no­vo acor­do de con­ver­gên­cia, ele te­rá de res­pon­der já não à emer­gên­cia da sal­va­ção do país de­pois da troi­ka, mas an­tes a um pro­jec­to eco­nó­mi­co e so­ci­al pa­ra o lon­go pra­zo em que se­jam en­fren­ta­das a ga­nân­cia dos mer­ca­dos e as di­fi­cul­da­des eu­ro­pei­as.” Ape­sar da afir­ma­ção, o blo­quis­ta con­si­de­ra pre­ma­tu­ro elen­car um ca­der­no exaus­ti­vo de me­di­das que fa­ri­am par­te des­se even­tu­al no­vo acor­do. 2019 é um fu­tu­ro que ain­da po­de dar mui­tas vol­tas.

Mas olhando pa­ra es­se fu­tu­ro, Lou­çã não vê em 2019 um con­tex­to eu­ro­peu mais fa­vo­rá­vel pa­ra Por­tu­gal, com as ta­xas de ju­ro a su­bi­rem. Mas tam­bém é por is­so que con­si­de­ra a re­es­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da, eter­na­men­te de­fen­di­da pe­los par­ti­dos à es­quer­da do PS, uma “ques­tão po­lí­ti­ca de enor­me ac­tu­a­li­da­de”, “mais im­por­tan­te” até “nos pró­xi­mos dois ou três anos”. Mas tam­bém sa­be que há pou­ca aber­tu­ra na União Eu­ro­peia pa­ra tal e que até o pri­mei­ro­mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, já dis­se não es­pe­rar mai­o­res fa­ci­li­da­des do fu­tu­ro go­ver­no ale­mão pa­ra que es­te pas­so se­ja da­do.

E a dí­vi­da, se­nho­res?

A ques­tão da dí­vi­da é tam­bém fun­da­men­tal pa­ra os co­mu­nis­tas, mas João Oli­vei­ra pre­fe­re co­lo­car a dis­cus­são um pou­co a mon­tan­te, nas es­tra­té­gi­as. “Há mui­tos pro­ble­mas de fun­do ain­da por re­sol­ver, a ques­tão é até on­de se con­se­gue ir — e eles não vão fi­car re­sol­vi­dos com es­ta po­si­ção po­lí­ti­ca con­jun­ta”, avi­sa o lí­der par­la­men­tar. “Es­ta não é ‘a’ so­lu­ção po­lí­ti­ca; es­ta era a so­lu­ção pos­sí­vel pa­ra es­ta cor­re­la­ção de for­ças no Par­la­men­to. A so­lu­ção do PCP é ou­tra”, su­bli­nha.

A de­vo­lu­ção dos ren­di­men­tos e di­rei­tos “é só o pri­mei­ro pas­so, não po­de ser des­va­lo­ri­za­da, mas não che­ga pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas es­tru­tu­rais” do país. Che­gou ape­nas pa­ra um “alí­vio” que per­mi­tiu um de­sa­fo­go eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro e que “cri­ou no PS uma ilu­são de que is­to é tu­do sus­ten­tá­vel” e por is­so o par­ti­do in­sis­te em não olhar pa­ra o ele­fan­te da dí­vi­da na sa­la, cri­ti­ca João Oli­vei­ra.

Se o que se fez até ago­ra não che­ga, en­tão o que fal­ta (além da re­cu­sa da dí­vi­da)? “Fal­ta o res­to da po­lí­ti­ca pa­trió­ti­ca e de es­quer­da.” O PCP não de­sar­ma e vai con­ti­nu­ar a exi­gir mais in­ves­ti­men­to pú­bli­co, uma es­tra­té­gia de apos­ta na pro­du­ção na­ci­o­nal e a re­cu­pe­ra­ção do con­tro­lo de sec­to­res es­tra­té­gi­cos da economia — se os dois pri­mei­ros prin­cí­pi­os são par­ti­lha­dos com o PS (em­bo­ra com nú­me­ros mui­to di­fe­ren­tes), nes­ta úl­ti­ma ques­tão a ne­ga é ga­ran­ti­da.

Sem que­rer usar o ter­mo re­ne­go­ci­a­ção, Car­los Bri­to, an­ti­go di­ri­gen­te do PCP e da ban­ca­da par­la­men­tar, con­si­de­ra que a cur­to pra­zo é “im­pres­cin­dí­vel um en­ten­di­men­to e uma ne­go­ci­a­ção ami­gá­vel com Bru­xe­las pa­ra a re­du­ção dos en­car­gos com a dí­vi­da”.

Es­te his­tó­ri­co, que dei­xou o par­ti­do pa­ra li­de­rar a Re­no­va­ção Co­mu­nis­ta, é um adep­to fer­re­nho da ac­tu­al so­lu­ção de Go­ver­no. De­pois do elo­gio das me­di­das de de­vo­lu­ção de ren­di­men­tos e di­rei­tos des­tes dois anos, de­fen­de que o fu­tu­ro pró­xi­mo tem que tra­zer um “re­for­ço de vá­ri­as áre­as da ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do, com es­pe­ci­al en­fo­que na re­gi­o­na­li­za­ção em si­mul­tâ­neo com a des­cen­tra­li­za­ção”, as­sim co­mo um “es­for­ço sé­rio no in­ves­ti­men­to pú­bli­co que ar­ras­te o in­ves­ti­men­to pri­va­do”.

O eco­lo­gis­ta Jo­sé Luís Fer­rei­ra olha pa­ra o do­cu­men­to e vê ali ain­da mui­to por fa­zer em di­ver­sas áre­as, so­bre­tu­do por­que o PEV tem um ane­xo com mui­tas me­di­das es­pe­cí­fi­cas que fal­tam con­cre­ti­zar. São os ca­sos da apos­ta na fer­ro­via, do IVA a 13% em to­da a res­tau­ra­ção, da re­vi­são da Con­ven­ção de Al­bu­fei­ra, do re­for­ço de ver­bas e de fis­ca­li­za­ção da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa do Am­bi­en­te, ou do in­ves­ti­men­to nos ser­vi­ços pú­bli­cos de trans­por­tes.

ENRIC VI­VES-RUBIO

An­tó­nio Cos­ta no Par­la­men­to, no dia em que o pro­gra­ma do se­gun­do Go­ver­no de Pas­sos e Por­tas é re­jei­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.