Gul­ben­ki­an per­deu 22% de pa­tri­mó­nio en­tre 2006 e 2016

Cri­se do sub­pri­me e que­da do pe­tró­leo afec­ta­ram fun­da­ção, que vê em 2006 um ano “anor­mal­men­te al­to” • Jar­dim da Gul­ben­ki­an ex­pan­de-se • Ins­ti­tu­to de Ci­ên­cia quer ser dos mais con­cei­tu­a­dos do mun­do

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Lur­des Fer­rei­ra

Adé­ca­da de mui­tos ris­cos que se vi­veu en­tre 2006 e 2016 re­ve­lou-se amar­ga pa­ra a Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an. Nes­tes anos, per­deu 22% do seu pa­tri­mó­nio em ter­mos re­ais, se­gun­do cál­cu­los a par­tir dos seus re­la­tó­ri­os e con­tas anu­ais.

No ano de 2006, pon­to de par­ti­da pa­ra es­ta aná­li­se, o fun­do de ca­pi­tal si­tu­a­va-se em 2767 mi­lhões de eu­ros. Se se ti­ves­se man­ti­do es­te va­lor, ac­tu­a­li­za­do ape­nas pe­la in­fla­ção, o fun­do de ca­pi­tal em 2016 de­ve­ria che­gar a 3149 mi­lhões de eu­ros, mas fi­cou nos 2532 mi­lhões, por­tan­to 22% me­nos de pa­tri­mó­nio do que uma dé­ca­da an­tes, em ter­mos re­ais.

A com­pa­ra­ção per­mi­te tam­bém ver uma ten­dên­cia con­sis­ten­te de que­da anu­al do fun­do de ca­pi­tal nes­te pe­río­do, es­pe­ci­al­men­te em 2008 e 2015, anos mar­ca­dos pe­la cri­se do sub­pri­me, a que­da das co­ta­ções e do pe­tró­leo. Por es­tes cál­cu­los, em ne­nhum ano a fun­da­ção con­se­guiu re­cu­pe­rar pa­tri­mó­nio fa­ce a 2006. E 2014 é o úni­co nes­te pe­río­do em que se ate­nua vi­si­vel­men­te o rit­mo de per­da.

A fun­da­ção, con­tac­ta­da pe­lo PÚ- BLICO, con­tra­põe atra­vés de fon­te ofi­ci­al que o pe­río­do es­co­lhi­do não con­ta to­da a his­tó­ria. “O pon­to de par­ti­da de 2006 é um pon­to anor­mal­men­te al­to, já que apa­nha um cres­ci­men­to ele­va­do da car­tei­ra que vai de 2002 a pre­ci­sa­men­te 2006”, re­fe­re. Nes­tes qua­tro anos an­te­ri­o­res, acres­cen­ta, o fun­do de ca­pi­tal “pas­sou de 2117 mi­lhões de eu­ros (a pre­ços cor­ren­tes) pa­ra 2767 mi­lhões”. Ao ad­vo­gar que se alar­gue a aná­li­se a mais es­tes qua­tro anos, “o va­lor do fun­do man­tém-se sen­si­vel­men­te inal­te­ra­do”.

Sus­ten­ta tam­bém que uma par­te da que­bra se de­veu a mu­dan­ças de cri­té­ri­os con­ta­bi­lís­ti­cos “que ti­ve­ram um efei­to ne­ga­ti­vo me­ra­men­te con­ta­bi­lís­ti­co de cer­ca de cem mi­lhões de eu­ros. Ou se­ja, ex­cluin­do o efei­to con­ta­bi­lís­ti­co, o fun­do de ca­pi­tal su­biu em ter­mos re­ais des­de 2002”.

Sen­do o ano de 2016 o úl­ti­mo com con­tas pu­bli­ca­das, a Fun­da­ção Gul­ben­ki­an, pre­si­di­da ac­tu­al­men­te por Isa­bel Mota, an­te­ci­pa que em 2017 “o fun­do de ca­pi­tal su­biu sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te”, apon­tan­do pa­ra cer­ca de cem mi­lhões de eu­ros mais. Ad­mi­te­se, as­sim, um ano de re­cu­pe­ra­ção pa­ra a mai­or fun­da­ção por­tu­gue­sa li­ga­da des­de sem­pre ao ren­di­men­to da ac­ti­vi­da­de pe­tro­lí­fe­ra e que se pre­pa­ra pa­ra se di­vor­ci­ar de­le, uma mu­dan­ça ra­di­cal de­se­nha­da ain­da du­ran­te a an­te­ri­or pre­si­dên­cia, de Ar­tur San­tos Sil­va.

Dois pre­si­den­tes, dois pon­tos

Tan­to San­tos Sil­va, que es­te­ve à fren­te da Gul­ben­ki­an en­tre 2011 e 2016, co­mo Rui Vi­lar, que o an­te­ce­deu, dei­xa­ram tes­te­mu­nhos de ba­lan­ço dos fac­to­res ex­ter­nos que mais per­tur­ba­ram a ins­ti­tui­ção nes­tes anos. O pon­to co­mum que atra­ves­sou as du­as pre­si­dên­ci­as foi a cri­se do sub­pri­me e o seu con­tá­gio à eco­no­mia mun­di­al em 2008, e que afec­tou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a car­tei­ra de ac­ti­vos fi­nan­cei­ros da Gul­ben­ki­an.

A gran­de di­fe­ren­ça en­tre ambos foi a po­si­ção em re­la­ção ao pe­tró­leo. Nu­ma boa par­te do tex­to de des­pe­di­da que as­si­nou no re­la­tó­rio e con­tas de 2016, San­tos Sil­va vi­ria a ar­gu­men­tar que o pe­tró­leo ren­dia me­nos do que os ac­ti­vos fi­nan­cei­ros, dan­do o ti­ro de par­ti­da pa­ra a ven­da da Par­tex. Nes­se mes­mo do­cu­men­to, in­vo­ca­va ain­da fac­to­res com im­pac­to ne­ga­ti­vo no pa­tri­mó­nio “mas de me­nor es­ca­la”, des­de a adop­ção de cri­té­ri­os con­ta­bi­lís­ti­cos in­ter­na­ci­o­nais, à que­da do pe­tró­leo a par­tir de 2014, até ao re­co­nhe­ci­men­to de im­pa­ri­da­des nos in­ves­ti­men­tos pe­tro­lí­fe­ros no Bra­sil e no Ca­za­quis­tão.

Se­gun­do San­tos Sil­va, nos cin­co anos do seu con­su­la­do, a car­tei­ra de ac­ti­vos fi­nan­cei­ros ti­nha ti­do “um de­sem­pe­nho sa­tis­fa­tó­rio”, com “um ren­di­men­to mé­dio anu­al de 8,3%”, en­quan­to a Par­tex ti­ve­ra “uma ren­ta­bi­li­da­de mé­dia anu­al ne­ga­ti­va de 3,2%”, ape­sar de ter “atri­buí­do à fun­da­ção, du­ran­te o pe­río­do, cer­ca de 300 mi­lhões de eu­ros em di­vi­den­dos, cer­ca de me­ta­de dos quais pa­gos com a trans­fe­rên­cia de ac­ti­vos re­la­ci­o­na­dos com ener­gi­as re­no­vá­veis”.

Em 2011, ao fim de 16 anos à fren­te da Gul­ben­ki­an, Rui Vi­lar re­co­nhe­cia o “pe­río­do de gran­de tur­bu­lên­cia que obri­gou a fun­da­ção a ex­pe­ri­men­tar va­ri­a­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas no va­lor de mer­ca­do dos seus ac­ti­vos e a re­pen­sar a sua in­ter­ven­ção fa­ce à ra­di­cal al­te­ra­ção que o con­tex­to so­ci­al, po­lí­ti­co e cul­tu­ral co­nhe­ceu”. O mun­do es­ta­va na res­sa­ca da cri­se do sub­pri­me e co­me­ça­va o res­ga­te fi­nan­cei­ro da troi­ka em Por­tu­gal. A pri­o­ri­da­de de Vi­lar foi pa­ra a re­du­ção de cus­tos fi­xos e de efec­ti­vos, pou­pan­ça nos cur­sos ope­ra­ci­o­nais e na me­lho­ria das ins­ta­la­ções de Lon­dres e Pa­ris, o que tra­du­ziu nu­ma “prá­ti­ca de­fen­si­va e an­ti­cí­cli­ca”.

No fio do tem­po de dez anos de re­la­tó­ri­os e con­tas em aná­li­se, ve­ri­fi­ca-se que as ac­ti­vi­da­des pe­tro­lí­fe­ras de­ram mais re­tor­no do que as apli­ca­ções fi­nan­cei­ras, uma ten­dên­cia mes­mo vi­sí­vel sem o im­pac­to da in­fla­ção, ten­do re­pre­sen­ta­do 61% do con­jun­to dos dois re­tor­nos. O re­tor­no pe­tro­lí­fe­ro des­tes anos so­mou 1103,9 mi­lhões de eu­ros, en­quan­to o re­tor­no fi­nan­cei­ro foi de 694,9 mi­lhões, sen­do que o ac­ti­vo pe­tro­lí­fe­ro é in­fe­ri­or ao fi­nan­cei­ro.

“Re­a­fir­ma­mos que, nos úl­ti­mos dez anos, a ren­ta­bi­li­da­de da Par­tex tem um his­to­ri­al de re­tor­no em li­nha ou in­fe­ri­or ao ob­ti­do com a car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos”, res­pon­de a mes­ma fon­te, con­si­de­ran­do que o va­lor de “re­tor­no pe­tro­lí­fe­ro [no re­la­tó­rio e con­tas] cor­res­pon­de à mar­gem bru­ta das ven­das an­tes de aba­ter to­dos os res­tan­tes cus­tos ope­ra­ci­o­nais”, pe­lo que “não re­flec­te o re­sul­ta­do ob­ti­do pe­los ne­gó­ci­os pe­tro­lí­fe­ros”.

Ou­tros in­di­ca­do­res ilus­tram o de­sem­pe­nho des­ta ins­ti­tui­ção com dois mu­seus, uma bi­bli­o­te­ca, uma or­ques­tra e um co­ro e um ins­ti­tu­to de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, que tem co­mo pi­la­res es­ta­tu­tá­ri­os a pro­mo­ção da ar­te, da be­ne­fi­cên­cia, da edu­ca­ção e da ci­ên­cia. Nos seus pri­mei­ros anos de vi­da ex­por­tou até mais bens e serviços do que a Au­to­eu­ro­pa.

En­tre 2006 e 2016, o seu pas­si­vo au­men­tou mais do que o ac­ti­vo, o que em ter­mos re­ais equi­va­leu a uma per­da de qua­se 500 mi­lhões de eu­ros em ac­ti­vos. Tam­bém gas­tou mais com cus­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos e ope­ra­ci­o­nais en­quan­to as ver­bas pa­ra as dis­tri­bui­ções e ac­ti­vi­da­des di­rec­tas, que abran­gem a ac­ti­vi­da­de de be­ne­fi­cên­cia, caí­ram. Em 2016, fo­ram 11 mi­lhões de eu­ros me­nos do que em 2006. lur­des.fer­rei­ra@pu­bli­co.pt

A Gul­ben­ki­an tem co­mo ex­pres­são fí­si

GON­ÇA­LO SAN­TOS

ica dois mu­seus, uma bi­bli­o­te­ca, uma or­ques­tra e um co­ro e um cen­tro de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.