“Es­ta­mos a fa­zer do PSD um no­vo Blo­co e um no­vo PCP”

Vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Cas­cais, Mi­guel Pin­to Luz, dis­cor­da da es­tra­té­gia de “der­ro­ta” de­se­nha­da por Rui Rio e quer cla­ri­fi­ca­ção no con­gres­so

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - En­tre­vis­ta So­fia Ro­dri­gues sro­dri­gues@pu­bli­co.pt

O vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Cas­cais dis­cor­da da es­tra­té­gia de “der­ro­ta” de­se­nha­da na cam­pa­nha de Rui Rio e exi­ge cla­ri­fi­ca­ção no pró­xi­mo con­gres­so em que vai par­ti­ci­par. Com 40 anos, na­tu­ral de Lis­boa, Mi­guel Pin­to Luz ga­ran­te não es­tar ao ser­vi­ço de ne­nhu­ma ou­tra fi­gu­ra do par­ti­do. Por­que es­co­lheu es­te ti­ming pa­ra es­cre­ver a car­ta a Rio? O ti­ming é es­te por­que é o ti­ming do con­gres­so. Por­que o PSD não tem con­gres­sos de acla­ma­ção. Tem con­gres­sos pa­ra apro­var a mo­ção glo­bal do lí­der. Eu não es­tou a pôr em ques­tão es­ta li­de­ran­ça. Foi le­gi­ti­ma­men­te e de­mo­cra­ti­ca­men­te elei­ta. Ca­be ago­ra ao con­gres­so vo­tar — a pa­la­vra é vo­tar, não é por acla­ma­ção — uma mo­ção de es­tra­té­gia glo­bal. A mi­nha pre­o­cu­pa­ção tem que ver com o po­si­ci­o­na­men­to do PSD co­mo um to­do. É o pro­jec­to que o PSD tem pa­ra apre­sen­tar ao país e por is­so eu te­nho de ques­ti­o­nar o pre­si­den­te do par­ti­do. A per­gun­ta que po­de ser fei­ta é: en­tão por­que fez nu­ma car­ta aber­ta? Por­que ob­jec­ti­va­men­te o de­ba­te tem de acon­te­cer. É sau­dá­vel. Mui­tas ve­zes so­mos cri­ti­ca­dos por­que não é de­ba­te in­ter­no, por­que não há di­a­léc­ti­ca, por­que não há di­ver­gên­cia, não há una­ni­mis­mos e qu­an­do apa­re­ce al­guém no mo­men­to cer­to a pe­dir cla­ri­fi­ca­ção é lo­go ape­li­da­do de di­vi­si­o­nis­ta. Na car­ta diz que es­te re­sul­ta­do não con­fe­re man­da­to a Rio pa­ra en­con­tros in­for­mais com a li­de­ran­ça do PSD pa­ra re­e­di­tar um blo­co cen­tral. Qua­se su­ge­re que há um acor­do se­cre­to pa­ra is­so. Acre­di­ta que há? De­pois da mi­nha car­ta, vá­ri­os lí­de­res e di­ri­gen­tes vi­e­ram a ter­rei­ro re­a­fir­mar is­to. Du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral as­sis­ti de fo­ra, qua­se per­ple­xo, a es­te dis­cur­so de apro­xi­ma­ção ao PS qua­se jus­ti­fi­ca­ti­vo de uma der­ro­ta do PSD e ao co­lo­car do PSD co­mo um par­ti­do-mu­le­ta. Es­se não é o po­si­ci­o­na­men­to do PSD, o PSD par­te pa­ra qual­quer elei­ção pa­ra ga­nhar. É um par­ti­do mo­bi­li­za­dor da so­ci­e­da­de. Es­se é o PSD que co­nhe­ço e com o qual me iden­ti­fi­co. Pe­ran­te es­se dis­cur­so am­bí­guo, não fi­cou cla­ro. O PSD tem de se apre­sen­tar com um pro­jec­to mo­bi­li­za­dor — de­pois de du­as vi­tó­ri­as elei­to­rais le­gis­la­ti­vas —, é es­se le­ga­do que ca­be ao PSD de­fen­der. Não exis­te man­da­to pa­ra es­te lí­der, após a cam­pa­nha elei­to­ral que fez, após os de­ba­tes e os es­cla­re­ci­men­tos que fez aos mi­li­tan­tes, fa­zer uma apro­xi­ma­ção ao PS. Nem tão-pou­co, co­mo di­go na car­ta, pon­de­rar uma vi­a­bi­li­za­ção do Or­ça­men­to do Es­ta­do (OE). Re­pro­vá­mos o OE du­ran­te três anos, co­mo é que os por­tu­gue­ses com­pre­en­de­ri­am que, no úl­ti­mo ano, an­tes das le­gis­la­ti­vas, no fim do man­da­to, nós fôs­se­mos vi­a­bi­li­zar um OE com o qual não con­cor­da­mos? Is­so ca­re­ce de cla­ri­fi­ca­ção. Se ele qui­ser cla­ri­fi­car, a le­gi­ti­mi­da­de po­de vir do con­gres­so. Es­sa es­tra­té­gia que es­tá a cri­ti­car foi le­gi­ti­ma­da elei­to­ral­men­te nas di­rec­tas. Não me pa­re­ce. Pa­ra qu­em as­sis­tiu aos de­ba­tes e às ses­sões de es­cla­re­ci­men­to, nun­ca foi cla­ra a po­si­ção. No ca­so de Rio per­der as le­gis­la­ti­vas, não tem con­di­ções pa­ra con­ti­nu­ar, de­ve sair? Al­guns co­le­gas seus di­zem que “Mi­guel Pin­to Luz já pe­de a de­mis­são qu­an­do ain­da o lí­der não to­mou pos­se”. Que fi­que cla­ro: não es­tou a pe­dir a de­mis­são de nin­guém. Fez-me con­fu­são qu­an­do o pro­fes­sor Da­vid Jus­ti­no, pes­soa por qu­em te­nho mui­to apre­ço, dis­se que “se per­der­mos as elei­ções não te­mos de dei­tar um lí­der fo­ra”. Até po­de­mos pen­sá-lo, mas ex­te­ri­o­ri­zar es­te ti­po de po­si­ci­o­na­men­to, qu­an­do ain­da não se par­tiu pa­ra uma ba­ta­lha, pa­re­ce-me uma es­tra­té­gia per­de­do­ra à par­ti­da. Te­mos de par­tir pa­ra es­te ci­clo de dois anos, que vai cul­mi­nar nas le­gis­la­ti­vas, com um pro­jec­to mo­bi­li­za­dor. Que re­sul­ta­do se­ria uma vi­tó­ria nas le­gis­la­ti­vas? Só há um: é ga­nhar as elei­ções. Mas po­de ga­nhar e não go­ver­nar. Te­mos de lu­tar por um re­sul­ta­do que nos ga­ran­ta a ca­pa­ci­da­de de go­ver­na­ção. Não acha que o PSD e o PS se de­vi­am en­ten­der em cer­tas ma­té­ri­as es­tru­tu­rais, co­mo ain­da es­te fim-de-se­ma­na de­fen­deu Pe­dro Du­ar­te? E co­mo de­fen­de Luís Mar­ques Men­des, co­mo eu de­fen­di. Há pac­tos de re­gi­me que têm de ser fei­tos. Sa­be­mos que há ma­té­ri­as que pre­ci­sam de mai­o­ri­as qua­li­fi­ca­das, os par­ti­dos da al­ter­nân­cia de­mo­crá­ti­ca têm de se en­ten­der. Is­so não tem na­da a ver com um po­si­ci­o­na­men­to de blo­co cen­tral, de re­cen­tra­men­to do PSD. O que o pre­o­cu­pa é um blo­co cen­tral? O que me pre­o­cu­pa é o PSD par­tir pa­ra umas elei­ções der­ro­ta­do à par­ti­da. Não o con­ven­ce o ar­gu­men­to de que o PSD, ao vi­a­bi­li­zar um go­ver­no PS, es­tá a afas­tar o PCP e o BE da go­ver­na­ção? Não. É exac­ta­men­te o con­trá­rio. Com um ar­gu­men­to des­ses es­ta­mos a fa­zer do PSD um no­vo Blo­co e um no­vo PCP. O PSD não é o Blo­co de Es­quer­da, não é o PCP. Não é um par­ti­do-mu­le­ta. Po­dia abrir es­pa­ço ao cen­tro. Es­se dis­cur­so de re­cen­trar o PSD tem dois pro­ble­mas. Um é con­jun­tu­ral: nu­ma al­tu­ra em que foi o PS a ali­ar-se a par­ti­dos ra­di­cais de es­quer­da, an­ti­eu­ro­peís­tas e an­ti-NATO e a fa­vor das na­ci­o­na­li­za­ções, di­zer que nós é que te­mos de nos re­cen­trar é dar de ban­de­ja o que o PS quer. Não ali­nho nes­se dis­cur­so. Foi Go­ver­no de Pas­sos Coelho que au­men­tou as pen­sões mí­ni­mas, que ga­ran­tiu sub­sí­dio de de­sem­pre­go pa­ra os re­ci­bos ver­des, foi o Go­ver­no de Pas­sos Coelho, com as su­as po­lí­ti­cas a ní­vel la­bo­ral, que le­vou a que te­nha­mos o de­sem­pre­go que te­mos ho­je. Há tam­bém um pro­ble­ma es­tru­tu­ral nes­te dis­cur­so: nós não po­der­mos ofe­re­cer à so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa do sé­cu­lo XXI o mes­mo pro­jec­to de so­ci­al-de­mo­cra­cia que ofe­re­ce­mos na dé­ca­da de 70, de 80 ou de 90. Tem de ser ac­tu­a­li­za­do. Acha que o dis­cur­so de Rio es­tá de­sac­tu­a­li­za­do? Não lhe di­go is­so. Di­go é que a mo­ção de es­tra­té­gia glo­bal, que li, é bem es­cri­ta, bem es­tru­tu­ra­da,

Pen­so e de­ci­do pe­la mi­nha ca­be­ça. (...) Fa­lo com Mi­guel Rel­vas, Luís Mon­te­ne­gro, Pe­dro Du­ar­te, Luís Mar­ques Men­des, Car­los Mo­e­das. Di­zer-se que es­tou ao ser­vi­ço de A, B ou C é não me co­nhe­cer

mas diz no iní­cio “aten­ção que is­to são li­nhas ge­rais que têm de ser apro­fun­da­das”. Ora, eu en­ten­do que uma mo­ção glo­bal tem de ser es­tra­té­gi­ca mas não po­de ser tão va­ga tão va­ga que per­mi­ta tu­do. Aqui­lo que li pa­re­ceu-me de­ma­si­a­do va­go e por is­so é que ques­ti­o­nei. Es­tá qua­se a con­cor­dar com Pas­sos Coelho, que dis­se, na se­ma­na pas­sa­da, que não é pre­ci­so re­cen­trar o par­ti­do por­que o PSD é o que sem­pre foi. Es­sa dis­cus­são de es­quer­da/ di­rei­ta é ab­so­lu­ta­men­te es­té­ril. O PSD tem uma van­ta­gem ob­jec­ti­va fa­ce aos ou­tros par­ti­dos. A nos­sa ide­o­lo­gia são as pes­so­as, é o país re­al. É cen­tra­da na pes­soa hu­ma­na, cen­tra­da num hu­ma­nis­mo mui­to for­te e co­e­so e, por­tan­to, po­de­mos im­ple­men­tar po­lí­ti­cas que re­sol­vam os pro­ble­mas das pes­so­as, não es­tan­do tão pre­o­cu­pa­dos se a me­di­da é mais à es­quer­da, mais à di­rei­ta, mais ao cen­tro, mais li­be­ral ou con­ser­va­do­ra. Não, nós apre­sen­ta­mos po­lí­ti­cas pa­ra as pes­so­as. So­mos o par­ti­do das pes­so­as re­ais. Pe­dro Du­ar­te diz que exi­gir a Rio que ga­nhe as le­gis­la­ti­vas é dei­tar uma cas­ca de ba­na­na. Co­mo é que vê es­sa afir­ma­ção? O meu po­si­ci­o­na­men­to foi mui­to ge­nuí­no. As pes­so­as ten­tam fa­zer lei­tu­ras de po­si­ci­o­na­men­to pa­ra o fu­tu­ro, de tac­ti­cis­mo. Tam­bém gos­to de pen­sar que o pen­sa­men­to dos ou­tros foi ge­nuí­no. É nes­sa li­ber­da­de de ex­pres­são que in­ter­pre­to a opi­nião de Pe­dro Du­ar­te, meu ami­go. O fac­to de não se ter can­di­da­ta­do à li­de­ran­ça não lhe re­ti­ra le­gi­ti­mi­da­de pa­ra fa­zer es­te ti­po de exi­gên­ci­as ao lí­der? Se me per­mi­te res­pon­der, di­go por­que é que me can­di­da­tei. Fui pre­si­den­te da dis­tri­tal do PSD de Lis­boa du­ran­te seis anos, mas mui­to fo­ca­do no apoio à ac­ção po­lí­ti­ca de Pas­sos Coelho. Qu­an­do ele dis­se que não avan­ça­ria — se ele ti­ves­se avan­ça­do eu es­ta­ria ine­qui­vo­ca­men­te ao la­do de­le — apa­re­ce­ram dois can­di­da­tos, ho­mens que mui­to pre­zo e que já de­ram mui­to ao par­ti­do. É pre­ci­so o PSD fo­car-se no Por­tu­gal de ho­je e ser ca­paz de ge­rar no­vos pro­ta­go­nis­tas — não fa­lo em no­vas ge­ra­ções — te­nham que ida­de te­nham. Foi nes­sas con­di­ções que pon­de­rei avan­çar. Por­que é que de­ci­di não avan­çar? Por­que a de­ci­são me­re­ce pre­pa­ra­ção e, co­mo lhe dis­se, es­ta­va fo­ca­do na aju­da a um go­ver­no di­fí­cil de Pas­sos Coelho. Pre­ci­sa­va de uma pre­pa­ra­ção pa­ra uma pon­de­ra­ção. Ou­tros que ti­ve­ram uma pre­pa­ra­ção de­vi­am ter avan­ça­do e não avan­ça­ram. Fa­la de Luís Mon­te­ne­gro? Não in­te­res­sa ago­ra fu­la­ni­zar. Co­mo é que res­pon­de qu­an­do o acu­sam de ser res­pon­sá­vel por der­ro­tas em Lis­boa nas úl­ti­mas du­as au­tár­qui­cas? É in­te­res­san­te que, qu­an­do se fa­la nes­se as­sun­to, não se fa­la, por exem­plo, nas vi­tó­ri­as nas le­gis­la­ti­vas em 2011 e 2015. Em 2013, co­mo é que eu vi­vi es­se mo­men­to? Mui­to sim­ples. De­mo­cra­ti­ca­men­te apre­sen­tei a mi­nha de­mis­são e apre­sen­tei-me no­va­men­te a vo­tos. Ga­nhei ou­tra vez com uma mai­o­ria vas­tís­si­ma. Olho pa­ra es­sas der­ro­tas co­mo um pro­ces­so de cres­ci­men­to. Ou­tra crí­ti­ca que lhe fa­zem é di­zer que es­tá ao ser­vi­ço de Mi­guel Rel­vas. Co­mo vê is­so? Te­nho 40 anos e há uma ca­rac­te­rís­ti­ca que te­nho des­de sem­pre: pen­so e de­ci­do pe­la mi­nha ca­be­ça. Te­nho mui­tos ami­gos no PSD: fa­lo com Mi­guel Rel­vas, com Luís Mon­te­ne­gro, com Pe­dro Du­ar­te, Luís Mar­ques Men­des, Car­los Mo­e­das. Di­zer-se que es­tou ao ser­vi­ço de A, B ou C é não me co­nhe­cer.

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.