Dia dos Na­mo­ra­dos

Com Luís Se­ve­ro e Col­le­en Gre­en não há amo­res per­fei­tos

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Má­rio Lopes ma­rio.lopes@pu­bli­co.pt

Já se sa­be vai ser uma azá­fa­ma dos di­a­bos, uma can­sei­ra. A cor­re­ria pa­ra com­prar a pren­da por­que tem de ser, data “ofi­ci­al” é pa­ra ser cum­pri­da, e as do­res de ca­be­ça pa­ra en­con­trar um sí­tio pa­ra jan­tar, por­que es­tão sem­pre chei­os nes­te dia e, con­se­quen­te­men­te, é pro­vá­vel que dei­xar a re­ser­va pa­ra a úl­ti­ma ho­ra não dê bom re­sul­ta­do. Co­mo é que se vai ex­pli­car de­pois que te­mos mes­mo de fi­car pe­la piz­za no so­fá, en­quan­to es­tá to­da a gen­te a tro­car pren­das de olhar em­be­ve­ci­do (e ali­vi­a­do) nos res­tau­ran­tes re­ser­va­dos com a de­vi­da an­te­ce­dên­cia, com ban­da so­no­ra ro­mân­ti­ca co­mo em pa­no de fun­do?

Dia 14 de Fe­ve­rei­ro. É dia de São Va­len­tim, o már­tir cris­tão e pa­tro­no dos na­mo­ra­dos, e sen­te-se a pres­são so­ci­al no ar. Dia 14 de Fe­ve­rei­ro, Dia dos Na­mo­ra­dos, dia de con­cer­to. Boa data pa­ra mar­car um, “afi­nal, as pes­so­as gos­tam de gas­tar di­nhei­ro nes­ta data”, ri Luís Se­ve­ro, fi­gu­ra des­ta­ca­da en­tre os nos­sos can­tau­to­res con­tem­po­râ­ne­os, au­tor de Ca­ra d’An­jo e de um ál­bum ho­mó­ni­mo, edi­ta­do em 2017, con­si­de­ra­do pe­lo Íp­si­lon um dos me­lho­res do ano. Se­ve­ro so­be ho­je ao pal­co do Mu­sic­box, em Lis­boa, pa­ra as­si­na­lar a fes­ti­vi­da­de (22h30, 10€).

Boa Com­pa­nhia — Luís Se­ve­ro e Con­vi­da­dos foi o no­me que o can­tor de me­lo­dia cer­tei­ra e pa­la­vra bem ver­se­ja­da deu ao con­cer­to. Uma noi­te de du­e­tos com “amor e ami­za­de” pa­ra os quais con­vi­dou Cristina Bran­co, Jú­lia Reis, das Pe­ga Mons­tro, Ro­dri­go Araú­jo (Vai­a­praia & As Rai­nhas do Bai­le), Di­o­go Ro­dri­gues e Bernardo Ál­va­res. “São pes­so­as que sen­ti que in­flu­en­ci­a­ram po­si­ti­va­men­te a mi­nha evo­lu­ção ao lon­go des­ta dé­ca­da”, diz ao PÚ­BLI­CO, an­tes de aler­tar, “mas não vou fa­zer bem o que se es­ta­ria à es­pe­ra que fi­zes­se”, ten­do em con­ta a data. Não, ho­je, o es­pí­ri­to de São Va­len­tim se­rá ou­tro. E pro­lon­gar-se-á um dia mais.

Ama­nhã, no An­jos 70, em Lis­boa, a pro­mo­to­ra Ma­ter­ni­da­de tam­bém mon­ta­rá a sua fes­ta pa­ra o Dia dos Na­mo­ra­dos. O cen­tro das aten­ções se­rá a ame­ri­ca­na Col­le­en Gre­en, au­to­ra de I Want to Grow Up (2015), o seu ál­bum mais re­cen­te, pé­ro­la de rock mui­to só­ni­co, nu­ma li­nha que li­ga os Ra­mo­nes às Bre­e­ders, es­tas às Elas­ti­ca, es­tes to­dos aos Wav­ves, um punk di­rec­to com me­lo­di­as tão es­cor­rei­tas quan­to são com­ple­xos os sen­ti­men­tos que can­ta — o de­se­jo de ali­e­na­ção, a mi­san­tro­pia e a cul­pa que lhe vem as­so­ci­a­da, a com­ple­xi­da­de das re­la­ções, o di­fí­cil que é o amor. “I’m sick of being dumb / sick of being numb”, gri­ta ela em “I want to grow up”; “From an early age / TV is my fri­end / And it has be­en always the­re for me / In my ti­me of ne­ed”, con­fes­sa sem pu­dor, com hu­mor, em TV; “And I’m won­de­ring if I’m even the mar­rying kind / How can I gi­ve you my li­fe / When I know you’re just gon­na die?”, per­gun­ta na do­ri­da De­e­per than lo­ve.

Col­le­en Gre­en, 33 anos, nas­ci­da em Los An­ge­les, se­rá o cen­tro da noi­te (con­cer­to às 21h, bi­lhe­tes a 5€). “Ela cap­tu­ra mui­to ques­tões de vul­ne­ra­bi­li­da­de, cri­an­do mú­si­ca na pri­mei­ra pes­soa em que abor­da mui­to, em vá­ri­as di­rec­ções, as ques­tões afec­ti­vas e os re­la­ci­o­na­men­tos”, des­cre­ve Ro­dri­go Araú­jo, fun­da­dor da Ma­ter­ni­da­de e ros­to de Vai­a­praia & As Rai­nhas do Bai­le (con­vi­da­do de Luís Se­ve­ro no su­pra­ci­ta­do con­cer­to que es­te da­rá no Mu­sic­box). I Want to Grow Up, su­ces­sor de Mi­les Go To Comp­ton (2012) e Sock It To Me (2013), gra­va­do com Ja­ke Or­rall ( JEFF The Brotherho­od) e Ca­sey Weis­s­bu­ch (Di­ar­rhea Pla­net) em Nash­vil­le, é o ál­bum em que Gre­en usa de for­ma mais con­sis­ten­te a su­per­fí­cie lú­di­ca das can­ções, “jo­vem e bub­ble­gum”, nas pa­la­vras de Ro­dri­go, co­mo veí­cu­lo pa­ra abor­dar a sua com­ple­xi­da­de hu­ma­na.

Col­le­en Gre­en se­rá o pra­to for­te da noi­te, re­pe­ti­mos, mas ha­ve­rá mais: “um jan­tar com me­nu es­pe­ci­al”, ser­vi­do às 18h, se­gui­do de “um ka­ra­o­ke em que as pes­so­as se­rão con­vi­da­das a can­tar can­ções de amor”, ou se­ja, “a fa­zer aqui­lo a que se cha­ma fi­gu­ras tris­tes”, ex­pli­ca Ro­dri­go — a in­ter­pre­ta­ção de ka­ra­o­ke mais sen­ti­da, é es­se o cri­té­rio de ava­li­a­ção, re­ce­be­rá um “ca­baz cheio de coi­sas in­crí­veis” e a de­vo­lu­ção do pre­ço do bi­lhe­te. É to­do um ou­tro Dia dos Na­mo­ra­dos. “É uma data em que há uma cer­ta pres­são pa­ra se vi­ver uma re­la­ção con­ven­ci­o­nal, em que há pres­são so­bre qu­em es­tá sol­tei­ro ou ‘en­ca­lha­do”, de­fen­de Ro­dri­go. “Nós va­mos apro­vei­tar es­te con­tex­to pa­ra nos di­ver­tir­mos ques­ti­o­nan­do a re­le­vân­cia des­tes es­ta­dos afec­ti­vos, por­que há mais coi­sas. Co­mo é que li­da­mos com to­da uma pa­nó­plia de es­ta­dos, o da to­tal dis­po­ni­bi­li­da­de, a fo­bia ao com­pro­mis­so, o it’s com­pli­ca­ted das re­des so­ci­ais, o po­li­a­mor?”. En­tre um ka­ra­o­ke “de­mo­crá­ti­co” — “fun­ci­o­na a par­tir da ba­se de ka­ra­o­ke que exis­te no YouTu­be, es­tá lá tu­do e até dá pa­ra trei­nar em ca­sa” — e aqui­lo que Col­le­en Gre­en nos mos­tra­rá em voz, gui­tar­ra e cai­xa-de-rit­mos, a Ma­ter­ni­da­de con­tri­bui pa­ra a dis­cus­são.

Luís Se­ve­ro, vol­te­mos a ele, ho­mem que nun­ca ce­le­brou a data, que nun­ca com­prou uma pren­da no Dia dos Na­mo­ra­dos, tam­bém não es­tá in­te­res­sa­do em “fin­gir que es­te dia é só pa­ra fa­lar de coi­sas bo­as”: “Se o que es­ta­mos a ce­le­brar nes­te dia é o amor en­tre as pes­so­as, não po­de­mos só fa­lar do que é fá­cil.” Cu­ri­o­sa­men­te, os con­vi­da­dos, a jul­gar pe­las can­ções que es­co­lhe­ram pa­ra in­ter­pre­tar com Se­ve­ro, são da mes­ma opi­nião. “Pe­ga­ram nas mais pe­sa­das, hou­ve es­sa coin­ci­dên­cia. Qu­em for ao con­cer­to [a lo­ta­ção já es­tá es­go­ta­da] po­de ser ex­pos­to a al­gum des­con­for­to, mas as pes­so­as co­nhe­cem a mi­nha mú­si­ca e sa­bem que não te­nho can­ções ex­clu­si­va­men­te po­si­ti­vas.”

Há vá­ri­as ma­ti­zes nas can­ções de Luís Se­ve­ro e é is­so que o con­cer­to ex­plo­ra­rá. Sen­do um con­cer­to de Dia dos Na­mo­ra­dos, a ideia de du­e­tos foi ime­di­a­ta. “Mas de­pois en­tra a ban­da e já não é a dois, o que é bom por­que tam­bém fi­ca in­cluí­do o po­li­a­mor. E tam­bém to­ca­rei a so­lo, as­sim qu­em es­ti­ver so­zi­nho tam­bém se sen­ti­rá in­cluí­do”, sor­ri. To­da uma ou­tra ban­da so­no­ra, to­do um ou­tro Dia dos Na­mo­ra­dos.

DR

Luís Se­ve­ro pro­me­te uma noi­te de du­e­tos com “amor e ami­za­de”; e Co­le­en Gre­en can­ta as com­ple­xi­da­des do amor

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.