En­tre­vis­ta ao pre­si­den­te da Par­tex, An­tó­nio Cos­ta Sil­va

”De­ci­di­mos não in­ves­tir mais em Por­tu­gal. Não va­le a pe­na” “Há uma de­mo­ni­za­ção do pe­tró­leo e do gás e nin­guém fa­la do ele­fan­te na sa­la, que é o car­vão” No­vo ac­ci­o­nis­ta chi­nês “é uma es­pé­cie de re­nas­ci­men­to”

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ana Bri­to e Luís Vil­la­lo­bos

One­gó­cio ain­da não es­tá fe­cha­do, mas o pre­si­den­te da Par­tex es­tá con­fi­an­te de que é só uma ques­tão de tem­po. Do la­do do ven­de­dor es­tá a Fun­da­ção Gul­ben­ki­an e do com­pra­dor o gru­po CEFC, con­glo­me­ra­do chi­nês que quer tam­bém os se­gu­ros do Mon­te­pio. Com o no­vo ac­ci­o­nis­ta, que tem vin­do a cres­cer no pe­tró­leo e no gás (é ac­ci­o­nis­ta do gi­gan­te rus­so Ros­neft e en­trou em mer­ca­dos co­mo Abu Dha­bi), a em­pre­sa te­rá ca­pa­ci­da­de pa­ra che­gar a no­vas ge­o­gra­fi­as e vol­tar às re­no­vá­veis. Cos­ta Sil­va, que se tem reu­ni­do com o no­vo ac­ci­o­nis­ta, diz que os re­cur­sos hu­ma­nos são “uma das con­di­ções cru­ci­ais do con­tra­to”. O no­vo in­ves­ti­dor quer “a equi­pa, as va­lên­ci­as, o knowhow, a tec­no­lo­gia”, diz, além das par­ti­ci­pa­ções da em­pre­sa que, se­gun­do da­dos pre­li­mi­na­res, su­biu as ven­das pa­ra 320 mi­lhões de dó­la­res e o re­sul­ta­do lí­qui­do pa­ra 67 mi­lhões. Pa­ra a ges­tão da Par­tex é um “de­sa­fio ali­ci­an­te” tra­ba­lhar com uma com­pa­nhia “que vai es­tar no cen­tro da ge­o­po­lí­ti­ca mun­di­al, da ge­o­e­co­no­mia e das trans­for­ma­ções ener­gé­ti­cas”.

A Par­tex vai ser ven­di­da a um in­ves­ti­dor chi­nês, a CEFC. O que é que fal­ta pa­ra se ofi­ci­a­li­zar o ne­gó­cio?

A ne­go­ci­a­ção, com­ple­xa, es­tá a de­cor­rer. Nes­ta al­tu­ra es­tão-se a dis­cu­tir os ter­mos do acor­do. Acho que há uma gran­de pro­ba­bi­li­da­de de se con­cre­ti­zar. De­pois, após o acor­do, tem de ha­ver a no­ti­fi­ca­ção a to­das as com­pa­nhi­as ope­ra­do­ras on­de es­ta­mos, e há al­gu­mas con­ces­sões em que é ne­ces­sá­rio con­sul­tar tam­bém os par­cei­ros por cau­sa dos di­rei­tos de pre­fe­rên­cia.

Co­nhe­ce o com­pra­dor? On­de é que es­tá pre­sen­te?

Não gos­to mui­to de fa­lar so­bre os meus ac­ci­o­nis­tas, quer o ac­tu­al, quer o po­ten­ci­al fu­tu­ro. É uma com­pa­nhia chi­ne­sa, um gran­de con­glo­me­ra­do, que co­me­çou na par­te do downs­tre­am, na re­fi­na­ção, ter­mi­nais, lo­gís­ti­ca. Re­cen­te­men­te en­tra­ram no ups­tre­am [ex­plo­ra­ção e pro­du­ção], no Mé­dio Ori­en­te, na Rús­sia, e ele­ge­ram a Par­tex co­mo uma es­pé­cie de pla­ta­for­ma pa­ra in­ves­ti­men­tos no ups­tre­am, glo­bal­men­te, on­de eles não têm mui­tas va­lên­ci­as e que­rem po­ten­ci­ar o va­lor da com­pa­nhia.

Vai fi­car à fren­te da em­pre­sa, sen­do es­sa a von­ta­de do ac­ci­o­nis­ta?

Eu ti­nha um man­da­to que ter­mi­na­va em 2019 com o ac­ci­o­nis­ta ac­tu­al. Mas, apa­ren­te­men­te, nas con­ver­sa­ções en­tre o ven­de­dor e o com­pra­dor, uma das ques­tões que ele pôs foi a de a equi­pa con­ti­nu­ar. Não só a equi­pa de ges­tão, mas tam­bém

a equi­pa téc­ni­ca. É uma das con­di­ções cru­ci­ais do con­tra­to, por­que, mais do que os ac­ti­vos, es­tão in­te­res­sa­dos na equi­pa da Par­tex, que tem gran­de in­fluên­cia, so­bre­tu­do no Mé­dio Ori­en­te, e uma di­men­são e ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca ele­va­da. Os nos­sos en­ge­nhei­ros, geó­lo­gos, ge­o­fí­si­cos são mui­to com­pe­ten­tes, ao ní­vel dos me­lho­res no mun­do. E eles que­rem pre­ser­var es­sa for­ça de tra­ba­lho.

En­tão, fi­ca­rá à fren­te da em­pre­sa?

Não gos­to de aban­do­nar os bar­cos a meio, sou um com­ba­ten­te. E, se qui­se­rem, es­te vai ser um com­ba­te pa­ra trans­for­mar a Par­tex. Têm uma vi­são mui­to cla­ra, de trans­for­mar a Par­tex nu­ma pla­ta­for­ma glo­bal e, pa­ra mim, pa­ra os meus co­le­gas de ges­tão, é um de­sa­fio ali­ci­an­te. Va­mos tra­ba­lhar com uma com­pa­nhia e um país que vão es­tar no cen­tro da ge­o­po­lí­ti­ca mun­di­al, da ge­o­e­co­no­mia e das trans­for­ma­ções ener­gé­ti­cas. Aliás, uma das ra­zões pe­las quais es­co­lhe­ram a Par­tex foi por ve­ri­fi­car que os ac­ti­vos da em­pre­sa se­guem a ro­ta da se­da: nós es­ta­mos na Ásia cen­tral, no Ca­za­quis­tão — on­de, no fu­tu­ro, po­de­rá ha­ver um gran­de pó­lo, en­vol­ven­do tam­bém o Tur­que­me­nis­tão e ou­tros paí­ses —; es­ta­mos no Mé­dio Ori­en­te, on­de eles en­tra­ram nu­ma das con­ces­sões his­tó­ri­cas. Já es­ta­mos em Abu Dha­bi, na GASCO, eles es­tão nou­tra con­ces­são, pe­lo que po­de ha­ver si­ner­gi­as in­te­res­san­tes. Tam­bém es­tão com a ape­tên­cia de en­trar em Omã, on­de a Par­tex é mui­to for­te e tem gran­de par­te dos ac­ti­vos; e de­pois es­ta­mos em Por­tu­gal, que vêem co­mo uma ba­se tec­no­ló­gi­ca pa­ra apoi­ar o Mé­dio Ori­en­te e as ou­tras ope­ra­ções mas tam­bém pa­ra in­ter­vir nos paí­ses de ex­pres­são por­tu­gue­sa. Que­rem che­gar ao Bra­sil e a An­go­la, on­de a Par­tex já es­tá, pro­va­vel­men­te Mo­çam­bi­que, e a paí­ses co­mo a Ar­gé­lia. Pen­so que a nos­sa equi­pa es­tá pre­pa­ra­da pa­ra is­so, mas, pa­ra res­pon­der a es­ta es­ca­la glo­bal, va­mos ter de em­pre­en­der trans­for­ma­ções pro­fun­das na com­pa­nhia, na di­nâ­mi­ca, no mo­de­lo ope­ra­ci­o­nal.

Os re­cur­sos hu­ma­nos são en­tão um ac­ti­vo mais im­por­tan­te do que as par­ti­ci­pa­ções?

Não te­nho dú­vi­da ne­nhu­ma. É uma afir­ma­ção que fa­zem de for­ma re­pe­ti­da, des­de a pri­mei­ra reu­nião. Eles que­rem a equi­pa, as va­lên­ci­as, o a tec­no­lo­gia. know-how, A Par­tex va­le, en­tão, mais do que o va­lor que es­tá ins­cri­to no ba­lan­ço. So­bre is­so não vou fa­zer co­men­tá­ri­os. As com­pa­nhi­as po­dem ter mui­tos ac­ti­vos, mas se não ti­ve­rem pes­so­as não fun­ci­o­nam. Es­ta com­pa­nhia faz 80 anos, foi cri­a­da em 1938 pe­lo se­nhor Ca­lous­te Gul­ben­ki­an, e há 62 anos que é pa­tri­mó­nio da Fun­da­ção Gul­ben­ki­an, de­sem­pe­nhan­do um pa­pel cru­ci­al na obra fi­lan­tró­pi­ca ao lon­go do tem­po. O se­nhor Gul­ben­ki­an, co­mo ele di­zia, era um “ar­qui­tec­to de ne­gó­ci­os”, não era um ho­mem de ne­gó­ci­os. Ele cri­ou e de­sen­vol­veu um mo­de­lo no­vo, em que con­se­guiu aglu­ti­nar as com­pa­nhi­as oci­den­tais, os paí­ses do Mé­dio Ori­en­te, pa­ra pro­du­zir pe­tró­leo. Es­se mo­de­lo de ne­gó­cio ain­da es­tá em vi­gor, e foi ele que o in­ven­tou, no cé­le­bre

“Red Li­ne” Agre­e­ment, em que de­se­nhou um pe­rí­me­tro ge­o­grá­fi­co em que as em­pre­sas, em vez de com­pe­ti­rem en­tre si, co­la­bo­ra­vam. Es­se mo­de­lo ain­da vi­go­ra, não só na in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra mas tam­bém na in­dús­tria ae­ro­es­pa­ci­al. Te­mos es­te le­ga­do, de um ho­mem ex­tra­or­di­ná­rio, que foi um vi­si­o­ná­rio, e a com­pa­nhia pro­cu­ra adap­tar-se a to­dos os ci­clos. Nós va­mos co­me­çar um no­vo ci­clo, é uma es­pé­cie de re­nas­ci­men­to da com­pa­nhia.

A CEFC vai aglu­ti­nar na Par­tex os ac­ti­vos ener­gé­ti­cos que já de­tém, ou o in­ver­so?

Eu es­tou já em con­tac­to pro­fun­do com o no­vo ac­ci­o­nis­ta, mas, em ter­mos de mo­de­lo ope­ra­ti­vo, is­so ain­da não es­tá cla­ro. O que es­tá cla­ro é que eles que­rem usar a Par­tex co­mo a pla­ta­for­ma pa­ra o ups­tre­am, pa­ra ser o cen­tro, mas têm ou­tras ope­ra­ções e es­tão es­pa­lha­dos pe­lo mun­do. Mas, no ups­tre­am, a ex­plo­ra­ção e pro­du­ção de pe­tró­leo e gás, con­si­de­ram que va­mos ser a ba­se des­sas va­lên­ci­as tec­no­ló­gi­cas.

Sen­te que, em ter­mos glo­bais, es­tá à fren­te de uma mi­cro­em­pre­sa que se vai tor­nar nu­ma gran­de em­pre­sa?

Sin­to. Com to­do o res­pei­to que te­mos pe­lo nos­so ac­ci­o­nis­ta, a Fun­da­ção Gul­ben­ki­an tem um de­ter­mi­na­do per­fil, de in­ter­ven­ção e de in­ves­ti­men­to, e tem re­gras mui­to cla­ras. Es­ta­mos a ini­ci­ar um no­vo ci­clo de re­no­va­ção das con­ces­sões no Mé­dio Ori­en­te, pro­ces­so que co­me­çou há dois anos, com a re­no­va­ção da ADCO em Abu Dha­bi. A Par­tex po­de­ria ter en­tra­do, mas o pro­ces­so exi­gia um in­ves­ti­men­to à ca­be­ça de al­gu­mas cen­te­nas de mi­lhões de dó­la­res. A fun­da­ção pe­sou mui­to bem es­se in­ves­ti­men­to e con­si­de­rou que ia du­pli­car a sua ex­po­si­ção ao pe­tró­leo e gás. Só que tem cer­tas li­nhas, cer­tas re­gras, e não que­ria is­so, mas si­mul­ta­ne­a­men­te não que­ria cor­tar as asas à Par­tex. Com­pre­en­deu que a em­pre­sa pre­ci­sa­va de in­ves­ti­men­tos pa­ra con­ti­nu­ar a ser um player in­ter­na­ci­o­nal e re­for­çar­se. Foi nes­sa ba­se que a fun­da­ção se abriu pa­ra um pro­ces­so de aber­tu­ra de ca­pi­tal da Par­tex, ini­ci­al­men­te par­ci­al, pa­ra cap­tar ou­tros ac­ci­o­nis­tas ca­pa­zes de in­ves­tir. Só que apa­re­ce­ram vá­ri­os in­te­res­sa­dos, e al­guns que­ri­am a aqui­si­ção to­tal da com­pa­nhia. Há aqui uma ar­ti­cu­la­ção dos in­te­res­ses da fun­da­ção, em ter­mos da ges­tão do seu pa­tri­mó­nio e das re­gras mui­to cla­ras que tem pa­ra não pas­sar um cer­to li­mi­ar na ex­po­si­ção ao pe­tró­leo e gás, com a pos­si­bi­li­da­de de a Par­tex en­con­trar uma via pa­ra se de­sen­vol­ver.

Que con­ces­sões é que se es­tão a re­no­var e qu­an­do?

Hou­ve es­sa con­ces­são [Abu Dha­bi], e nor­mal­men­te as re­no­va­ções são por mais 30 a 40 anos. Há ou­tra que se­rá re­no­va­da em 2024, em Omã, e te­mos em 2028, em Abu Dha­bi.

Omã é a gran­de fon­te de re­cei­tas da Par­tex. E o de Abu Dha­bi, foi re­no­va­do?

Não. Cu­ri­o­sa­men­te, o nos­so po­ten­ci­al ac­ci­o­nis­ta fi­cou [na ope­ra­ção], pe­lo que va­mos ti­rar si­ner­gi­as mui­to gran­des daí.

Um dos des­ti­nos pos­sí­veis da Par­tex com o no­vo ac­ci­o­nis­ta é Mo­çam­bi­que, ten­do em vis­ta a ex­plo­ra­ção de gás?

Nes­ta al­tu­ra, es­ta­mos a dis­cu­tir as ori­en­ta­ções ge­rais e as áre­as de in­ter­ven­ção.

Mas é uma pos­si­bi­li­da­de re­al?

É uma pos­si­bi­li­da­de. Os chi­ne­ses va­lo­ri­zam mui­to os paí­ses de ex­pres­são por­tu­gue­sa. Aliás, não é por aca­so que es­co­lhe­ram Lis­boa co­mo a sua ba­se fi­nan­cei­ra e even­tu­al­men­te vão ter tam­bém aqui a ba­se tec­no­ló­gi­ca do ups­tre­am. E uma das ra­zões é pa­ra che­gar aos paí­ses de ex­pres­são por­tu­gue­sa. Há um po­ten­ci­al enor­me de gás no Nor­te de Mo­çam­bi­que, com fá­cil li­ga­ção pa­ra a Ásia. A Chi­na, em 2017, im­por­tou mais 20% de pe­tró­leo e mais 50% de gás. É um co­los­so ex­tra­or­di­ná­rio, que es­tá num pro­ces­so de gran­de trans­for­ma­ção e re­quer re­cur­sos ener­gé­ti­cos a uma es­ca­la sem pre­ce­den­tes. Já pas­sou os Es­ta­dos Uni­dos (EUA) co­mo o pri­mei­ro im­por­ta­dor mun­di­al de pe­tró­leo, e no gás es­tão em ex­pan­são ace­le­ra­da. Eles com­pre­en­de­ram bem o que é que os Es­ta­dos Uni­dos es­tão a fa­zer, ao subs­ti­tuir, com a re­vo­lu­ção do sha­le [pe­tró­leo e gás de xis­to] — que é a pri­mei­ra gran­de re­vo­lu­ção ener­gé­ti­ca do sé­cu­lo XXI (só a Eu­ro­pa é que ain­da não com­pre­en­deu is­so) — as cen­trais a car­vão por cen­trais a gás. As emis­sões de CO2 são 60% in­fe­ri­o­res, e os chi­ne­ses es­tão a se­guir o mes­mo ca­mi­nho.

A Chi­na tem uma ne­ces­si­da­de mais im­pe­ra­ti­va do que a Eu­ro­pa, pro­va­vel­men­te.

Tem to­da a ra­zão. Os chi­ne­ses iden­ti­fi­ca­ram a ques­tão am­bi­en­tal co­mo uma das que po­dem ini­bir o seu de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. Eles têm cer­ca de 15 ci­da­des en­tre as 20 mais po­luí­das do mun­do. Ago­ra es­tão a di­mi­nuir o con­su­mo de car­vão. Em 2015, a des­ci­da foi de 2%, e de 2,2% em 2016, e as emis­sões de CO2 na Chi­na es­tão a cair. Nos EUA ain­da é mais es­pec­ta­cu­lar: o con­su­mo de car­vão des­ceu 13% em 2015 e 8,8% em 2016. Du­ran­te 30 anos, as emis­sões au­men­ta­ram ao ní­vel do pla­ne­ta, 1,6% ao ano, com to­dos os ana­lis­tas a di­zer que até 2040 era im­pos­sí­vel es­ta­bi­li­zar, e pe­la pri­mei­ra vez nos úl­ti­mos anos te­mos es­sa es­tag­na­ção e a pos­si­bi­li­da­de de re­ver­são. E de on­de é que vem a so­lu­ção? Da com­bi­na­ção do gás com as ener­gi­as re­no­vá­veis. Os chi­ne­ses são o mai­or in­ves­ti­dor do mun­do em ener­gi­as

Acre­di­to que as com­pa­nhi­as no fu­tu­ro têm de ser de mul­ti­e­ner­gia, de apos­tar nas vá­ri­as for­mas de ener­gia

re­no­vá­veis. In­ves­tem cem mil mi­lhões de dó­la­res por ano, mais do que os Es­ta­dos Uni­dos e a União Eu­ro­peia jun­tas. To­do es­te pro­ces­so se in­se­re nu­ma gran­de trans­for­ma­ção ener­gé­ti­ca que vai usar mui­to me­nos car­vão, ajus­tar o con­su­mo de pe­tró­leo e usar mui­to mais gás e ener­gi­as re­no­vá­veis.

Sen­te que es­tá à fren­te de uma em­pre­sa que é su­ja, não ami­ga do am­bi­en­te? Por­que a mensagem que o seu ac­tu­al ac­ci­o­nis­ta dá é a de que es­tá ori­en­ta­do pa­ra a sus­ten­ta­bi­li­da­de, lo­go, tem de se des­fa­zer da Par­tex...

Co­mo vos dis­se, não co­men­to as de­ci­sões do ac­ci­o­nis­ta. O que lhe pos­so di­zer é que com­pre­en­do per­fei­ta­men­te que o ac­ci­o­nis­ta tem os seus pro­jec­tos, as ques­tões de sus­ten­ta­bi­li­da­de, tem as su­as idei­as e há mui­to de­ba­te no mun­do, mas a ques­tão ful­cral é que nós não po­de­mos só emi­tir opi­niões, te­mos de es­tu­dar o mer­ca­do de ener­gia. Os fac­tos são ir­re­fu­tá­veis. Re­pa­re que es­ta­mos num pla­ne­ta que há 30 anos es­ta­va a au­men­tar as emis­sões de CO2, e is­so tem a ver com o mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. Em 1950, eram 5000 mi­lhões de to­ne­la­das de CO2, per­fei­ta­men­te aco­mo­dá­vel. Só que no fim do sé­cu­lo XX eram 25.000 mi­lhões, au­men­tan­do cin­co ve­zes em 50 anos. O pro­ble­ma não é o das em­pre­sas de pe­tró­leo e gás, é do mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e da trans­for­ma­ção que é ne­ces­sá­ria. Nes­sa trans­for­ma­ção, te­nho de­fen­di­do sem­pre is­so, te­mos de pen­sar fo­ra do bar­ril, e as com­pa­nhi­as de ener­gia têm de es­tar à fren­te das trans­for­ma­ções. Há uns anos, qu­an­do Emí­lio Rui Vi­lar era pre­si­den­te da fun­da­ção, pe­diu um do­cu­men­to à equi­pa de ges­tão so­bre o fu­tu­ro e fi­ze­mos uma re­co­men­da­ção pa­ra trans­for­mar a Par­tex nu­ma com­pa­nhia de mul­ti­e­ner­gi­as. Apos­tar me­nos no pe­tró­leo, apos­tar mais no gás, abrir a apos­ta das ener­gi­as re­no­vá­veis. Co­mo es­tá es­sa ideia? O ob­jec­ti­vo era che­gar aos 50% de pe­tró­leo, 30% a 40% no gás e o res­to re­no­vá­veis. Sim, era es­se o pla­no. En­tre­tan­to is­so mu­dou. As ener­gi­as re­no­vá­veis, qu­an­do Ar­tur San­tos Sil­va en­trou pa­ra a fun­da­ção, pas­sa­ram ou­tra vez pa­ra a fun­da­ção só co­mo in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro. Eu acre­di­to que as com­pa­nhi­as no fu­tu­ro têm de ser de mul­ti­e­ner­gia, de apos­tar nas vá­ri­as for­mas de ener­gia. Pa­ra cor­res­pon­der­mos aos de­síg­ni­os da Con­fe­rên­cia da Pa­ris, e evi­tar­mos que a tem­pe­ra­tu­ra au­men­te dois graus Cel­sius, te­mos que con­su­mir, da­qui até 2040, me­nos 40% de car­vão, me­nos 15% de pe­tró­leo, e au­men­tar 15% de gás e 40% de ener­gi­as re­no­vá­veis. E is­to é plau­sí­vel, te­mos a tec­no­lo­gia e as con­di­ções pa­ra o fa­zer. Por is­so é que acho o pro­jec­to com o no­vo ac­ci­o­nis­ta chi­nês in­te­res­san­te, por­que tem es­sa vi­são mul­ti­e­ner­gé­ti­ca.

Acha que vão que­rer re­for­çar nas re­no­vá­veis?

A Chi­na é o mai­or apos­ta­dor do mun­do nas ener­gi­as re­no­vá­veis. Não me sin­to na­da tó­xi­co. O pe­tró­leo, na tran­si­ção do sé­cu­lo, de­sem­pe­nhou um pa­pel cru­ci­al. O mo­tor de com­bus­tão in­ter­na, de­pois com o car­ro, com o avião, a elec­tri­ci­da­de, os com­pu­ta­do­res, o te­le­fo­ne, es­sas gran­des tec­no­lo­gi­as que fo­ram des­co­ber­tas e de­sen­vol­vi­das no sé­cu­lo XX, fo­ram as gran­des res­pon­sá­veis pe­lo cres­ci­men­to es­pec­ta­cu­lar da ri­que­za no pla­ne­ta. Por­que ti­ve­ram um im­pac­to bru­tal so­bre a pro­du­ti­vi­da­de. Is­so é que ex­pli­ca o avan­ço ex­po­nen­ci­al do PIB no sé­cu­lo XX. Tu­do aqui­lo que te­mos ho­je, o pa­tri­mó­nio acu­mu­la­do da ci­vi­li­za­ção, em ter­mos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais, es­tá ba­se­a­do nis­so. Mas é mui­to im­por­tan­te fa­zer es­ta trans­for­ma­ção, e is­so não se faz com pen­sa­men­to po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to, com idei­as que não são ba­se­a­das nos fac­tos, com a re­tó­ri­ca com­ple­ta­men­te se­pa­ra­da dos me­ca­nis­mos de mer­ca­do. É só ver o que se pas­sa na Eu­ro­pa. Há a Eu­ro­pa, cam­peã da re­du­ção das emis­sões de CO2, pen­sa­men­to po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to, que re­nun­ci­ou ao gás a co­me­çar por Por­tu­gal, co­mo se fos­se uma coi­sa tó­xi­ca. E sa­be o que é que es­tá a acon­te­cer? O car­vão ba­ra­to que so­bra dos EUA es­tá a ser ex­por­ta­do pa­ra a Eu­ro­pa. Vá­ri­os paí­ses eu­ro­peus, en­tre eles Por­tu­gal, es­tão a con­su­mir ca­da vez mais car­vão (com mais emis­sões de CO2). To­da a gen­te fa­la do pe­tró­leo e gás, e há uma es­pé­cie de de­mo­ni­za­ção, e nin­guém fa­la do gran­de ele­fan­te que es­tá na sa­la, o car­vão.

Vê a Par­tex a apos­tar no­va­men­te nas re­no­vá­veis?

Ve­jo. Nós te­mos mui­tos con­tac­tos no mun­do, e is­so é uma das coi­sas que nos dis­tin­guem. Te­mos, por exem­plo, con­tac­tos mui­to es­trei­tos com a no­ru­e­gue­sa Sta­toil, que es­tá a apos­tar em ener­gi­as re­no­vá­veis, e já nos con­vi­dou vá­ri­as ve­zes. Ob­vi­a­men­te que qu­an­do o ac­ci­o­nis­ta li­mi­tou os in­ves­ti­men­tos, não era plau­sí­vel, mas já o é no no­vo con­tex­to. Ain­da não es­tá de­fi­ni­do o no­vo mo­de­lo pa­ra o fu­tu­ro, mas é al­go pa­ra que nós olha­mos e que eu de­fen­do. Te­mos a ener­gia eó­li­ca, que ho­je é com­pe­ti­ti­va, e na ener­gia so­lar os cus­tos de pro­du­ção de pai­néis re­du­zi­ram-se 75% nos úl­ti­mos seis anos. A ener­gia so­lar vai ser uma das gran­des ener­gi­as des­te sé­cu­lo, por­que ca­da dia que pas­sa re­ce­be­mos do sol oi­to mil ve­zes mais ener­gia do que to­da a que o pla­ne­ta con­so­me. Mas aten­ção: as ener­gi­as re­no­vá­veis têm uma den­si­da­de ener­gé­ti­ca fra­ca qu­an­do com­pa­ra­das com o pe­tró­leo e com o gás. Tem de ha­ver uma com­bi­na­ção. E de­pois são in­ter­mi­ten­tes. Is­so é uma das gran­des ques­tões, por­que não po­de­mos de­sen­vol­ver uma ba­se tec­no­ló­gi­ca, uma ci­vi­li­za­ção di­gi­tal, avan­ça­da, de­pen­den­te só de fon­tes in­ter­mi­ten­tes.

So­bre o pe­tró­leo, com co­ta­ções a to­car os 70 dó­la­res, che­gá­mos ao fim da era de pre­ços bai­xos?

Pen­so que es­ta­mos num ci­clo de re­cu­pe­ra­ção dos pre­ços e que eles ten­de­rão a au­men­tar. Se olhar­mos pa­ra re­ser­vas es­tra­té­gi­cas, que são um in­di­ca­dor mui­to im­por­tan­te, es­tão a di­mi­nuir de for­ma ace­le­ra­da nas úl­ti­mas dez, 12 se­ma­nas. O que é que is­so sig­ni­fi­ca? Sig­ni­fi­ca que o mer­ca­do es­tá a en­trar em equi­lí­brio. Des­de 2014 e até me­a­dos de 2017 ti­ve­mos no mer­ca­do mun­di­al um ex­ces­so de pro­du­ção de dois mi­lhões de bar­ris por dia. E is­so de­veu-se so­bre­tu­do à pro­du­ção dos EUA, do sha­le oil [pe­tró­leo de xis­to]. Ca­da uma das três gran­des ba­ci­as que exis­tem ho­je nos Es­ta­dos Uni­dos sig­ni­fi­ca um país do Gol­fo Pér­si­co a pro­du­zir den­tro do ter­ri­tó­rio ame­ri­ca­no e é is­to que es­tá a mu­dar to­da a ge­o­po­lí­ti­ca do pe­tró­leo.

O bar­ril a 70 dó­la­res não vai po­ten­ci­ar o pe­tró­leo de xis­to?

Vai. O que es­tá a pres­si­o­nar os pre­ços em al­ta ho­je é cla­ra­men­te a des­ci­da das re­ser­vas e a su­bi­da da pro­cu­ra mun­di­al, que no ano pas­sa­do, em mé­dia, foi de 1,6 mi­lhões de bar­ris por dia e, pa­ra 2018, se es­pe­ra que se­ja de dois mi­lhões de bar­ris por dia. Is­to por­que a Chi­na es­tá a con­su­mir mui­to mais pe­tró­leo, e tam­bém mui­to mais gás, e tam­bém por cau­sa da re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia mun­di­al. E es­tes fac­to­res es­tão co­li­ga­dos com ou­tro que é a OPEP. A po­lí­ti­ca da Ará­bia Sau­di­ta, que le­vou to­da a OPEP atrás, de ten­tar mi­nar a pro­du­ção dos EUA pro­du­zin­do ao má­xi­mo e lu­tan­do pe­la quo­ta de mer­ca­do, es­ta­va des­ti­na­da a fa­lhar. Só qu­em não co­nhe­ce os ame­ri­ca­nos. Qu­an­do co­me­ça­ram es­ta re­vo­lu­ção do sha­le oil e do sha­le gas, de­mo­ra­vam dois me­ses a fu­rar um po­ço e ho­je es­tão a fu­rar em 12 di­as. A OPEP vol­tou atrás e a par­tir de Novembro de 2016, com um no­vo se­cre­tá­rio-ge­ral [Moham­med Bar­kin­do], que é uma pes­soa que eu acho ad­mi­rá­vel, um di­plo­ma­ta ni­ge­ri­a­no, es­tá a con­se­guir mi­la­gres. Pe­la pri­mei­ra vez con­se­guiu um acor­do que li­ga os paí­ses OPEP aos paí­ses não-

To­da a gen­te fa­la do pe­tró­leo e do gás, e há uma es­pé­cie de de­mo­ni­za­ção, e nin­guém fa­la do gran­de ele­fan­te que es­tá na sa­la, o car­vão

OPEP, com a Rús­sia à ca­be­ça, e já anun­ci­ou que o acor­do se vai man­ter até ao fi­nal de 2018 e que cri­a­rá um me­ca­nis­mo pa­ra o pro­lon­gar. E, cu­ri­o­sa­men­te, tam­bém anun­ci­ou que já es­ta­va a fa­lar com os EUA, pa­ra eles ade­ri­rem, o que acho mui­to di­fí­cil. Mas o pre­ço, su­bin­do, re­ac­ti­va a pro­du­ção nor­te-ame­ri­ca­na e, se re­ac­ti­var mui­to — e ela es­tá a su­bir —, is­so po­de con­ter os pre­ços. Por is­so, es­pe­ro uma re­cu­pe­ra­ção mo­de­ra­da, na or­dem dos 70 a 72 dó­la­res até ao fi­nal do ano.

Co­mo vê a mu­dan­ça de re­gi­me em An­go­la e o re­po­si­ci­o­na­men­to da So­nan­gol nos úl­ti­mos me­ses?

An­go­la tem um po­ten­ci­al enor­me, [o pre­si­den­te João Lou­ren­ço] tem é de en­con­trar ma­nei­ra de pôr a eco­no­mia a fun­ci­o­nar. Pen­so que os si­nais da­dos na So­nan­gol são mui­to po­si­ti­vos, de ir bus­car pes­so­as que co­nhe­cem o ne­gó­cio. Ob­vi­a­men­te te­rá mui­tas di­fi­cul­da­des, por­que a So­nan­gol es­ta­va com­ple­ta­men­te pa­ra­li­sa­da.

MI­GUEL MANSO

O gru­po CEFC quer usar a Par­tex “pa­ra ser o cen­tro” das ope­ra­ções de ex­plo­ra­ção e pro­du­ção de pe­tró­leo e gás

MI­GUEL MANSO

MI­GUEL MANSO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.