Go­ver­no vai au­to­ri­zar dou­to­ra­men­tos nos po­li­téc­ni­cos

Uni­ver­si­da­des per­dem ex­clu­si­vo, mas re­gras pa­ra atri­buir grau fi­cam mais aper­ta­das • Vai ha­ver no­vos mes­tra­dos de ape­nas um ano • Pro­pos­tas são apro­va­das hoje em Con­se­lho de Mi­nis­tros

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - En­si­no su­pe­ri­or Sa­mu­el Sil­va

Vai aca­bar a ex­clu­si­vi­da­de das uni­ver­si­da­des na atri­bui­ção de dou­to­ra­men­tos. O Go­ver­no apro­va hoje, no Con­se­lho de Mi­nis­tros, uma al­te­ra­ção le­gis­la­ti­va que au­to­ri­za os po­li­téc­ni­cos a te­rem cur­sos que con­fe­rem es­se grau, uma so­lu­ção de­fen­di­da pe­la Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e o De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co (OCDE), no re­la­tó­rio de ava­li­a­ção que foi apre­sen­ta­do na se­ma­na pas­sa­da. Em con­tra­par­ti­da, as re­gras pa­ra a apro­va­ção de dou­to­ra­men­tos fi­cam mais rí­gi­das.

A no­vi­da­de que o Go­ver­no se pre­pa­ra pa­ra con­cre­ti­zar vai fa­zer de­pen­der a acre­di­ta­ção de dou­to­ra­men­tos da ava­li­a­ção da ca­pa­ci­da­de ci­en­tí­fi­ca da ins­ti­tui­ção de en­si­no su­pe­ri­or e não do sub­sis­te­ma em que es­ta se in­te­gra. É es­ta al­te­ra­ção que per­mi­ti­rá aos ins­ti­tu­tos po­lí­téc­ni­cos pas­sa­rem a ter cur­sos que con­fe­rem o grau de dou­to­ra­men­to.

As re­gras pa­ra a apro­va­ção de um dou­to­ra­men­to passam, no en­tan­to, a ser mais exi­gen­tes pa­ra to­das as ins­ti­tui­ções. As uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos te­rão de de­mons­trar que pro­du­zem ci­ên­cia na área em que que­rem abrir es­sa for­ma­ção e as uni­da­des de in­ves­ti­ga­ção as­so­ci­a­das têm de ter a clas­si­fi­ca­ção mí­ni­ma de Mui­to Bom na ava­li­a­ção da Fun­da­ção pa­ra a Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia (FCT).

A so­lu­ção era de­fen­di­da no re­la­tó­rio da OCDE e ti­nha si­do bem re­ce­bi­da pe­los res­pon­sá­veis dos po­li­téc­ni­cos. Há um ano e meio, o mi­nis­tro do En­si­no Su­pe­ri­or, Ma­nu­el Hei­tor, che­gou a ad­mi­tir es­ta pos­si­bi­li­da­de, mas de­pois dos pro­tes­tos das uni­ver­si­da­des, aca­bou por re­cu­ar. Em de­cla­ra­ções ao PÚ­BLI­CO, o mi­nis­tro Ma­nu­el Hei­tor clas­si­fi­ca ago­ra es­ta re­for­ma co­mo “mui­to im­por­tan­te” pa­ra a mo­der­ni­za­ção do sec­tor. O go­ver­nan­te es­pe­ra que a mes­ma re­ce­ba pa­re­cer fa­vo­rá­vel dos par­cei­ros, uma vez que as me­di­das têm vin­do a ser ne­go­ci­a­das in­for­mal­men­te “nos úl­ti­mos no­ve meses” com os re­pre­sen­tan­tes das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das de en­si­no su­pe­ri­or e tam­bém com a Agên­cia de Ava­li­a­ção e Acre­di­ta­ção, a quem com­pe­te apro­var os no­vos cur­sos.

A re­for­ma dos dou­to­ra­men­tos pre­vis­ta pelo Go­ver­no reforça ain­da a com­po­nen­te de in­ves­ti­ga­ção nes­tas for­ma­ções em de­tri­men­to da com­po­nen­te cur­ri­cu­lar, “per­mi­tin­do a sua re­a­li­za­ção em qual­quer am­bi­en­te de pro­du­ção de co­nhe­ci­men­to fo­ra do en­si­no su­pe­ri­or”. O Go­ver­no quer per­mi­tir uma me­lhor in­te­gra­ção de dou­to­ra­dos em ins­ti­tui­ções e em­pre­sas, ul­tra­pas­san­do um dos pro­ble­mas de­tec­ta­dos pe­la OCDE: o bai­xo nú­me­ro de dou­to­ra­men­tos em em­pre­sa que ac­tu­al­men­te são de­sen­vol­vi­dos no país.

As mu­dan­ças nos dou­to­ra­men­tos são uma das al­te­ra­ções ao re­gi­me ju­rí­di­co de graus e di­plo­mas do en­si­no su­pe­ri­or que é apro­va­da no Con­se­lho de Mi­nis­tros e fa­zem par­te de um pa­co­te mais alar­ga­do de me­di­das le­gis­la­ti­vas apre­sen­ta­das em res­pos­ta à ava­li­a­ção da OCDE.

Du­pli­car in­ves­ti­men­to

A con­clu­são cen­tral des­se re­la­tó­rio é a de que Portugal tem de du­pli­car o in­ves­ti­men­to pú­bli­co no sec­tor ao lon­go dos pró­xi­mos 12 anos. Do Con­se­lho de Mi­nis­tros de hoje não sai­rá ne­nhum com­pro­mis­so prá­ti­co quan­to ao fi­nan­ci­a­men­to do en­si­no su­pe­ri­or e da ci­ên­cia nos pró­xi­mos anos. As pro­pos­tas que são apro­va­das hoje des­ti­nam-se a cum­prir um ou­tro com­pro­mis­so de con­ver­gên­cia com a Eu­ro­pa: ga­ran­tir que 60% dos jo­vens com 20 anos es­tão no en­si­no su­pe­ri­or em 2030 e que 50% da po­pu­la­ção en­tre os 30 e os 34 anos têm um di­plo­ma su­pe­ri­or, al­go que o pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, su­bli­nhou on­tem, an­te­ci­pan­do o Con­se­lho de Mi­nis­tros.

Nes­se sen­ti­do, pas­sa a ser au­to­ri­za­do um no­vo ti­po de mes­tra­dos, com ori­en­ta­ção pro­fis­si­o­nal e sus­ten­ta­dos em par­ce­ri­as com em­pre­sas, com du­ra­ção de um ano. O Go­ver­no tam­bém pre­ten­de “re­du­zir ao mí­ni­mo in­dis­pen­sá­vel” os mes­tra­dos in­te­gra­dos, que passam a ser li­mi­ta­dos a cur­sos pa­ra pro­fis­sões em que há uma nor­ma eu­ro­peia que im­pli­que uma for­ma­ção — de 300 cré­di­tos ou mais — pa­ra que es­ta pos­sa ser exer­ci­da, co­mo são exem­plo Me­di­ci­na, En­fer­ma­gem ou Ar­qui­tec­tu­ra.

Es­ta al­te­ra­ção vai dei­xar de fo­ra a ge­ne­ra­li­da­de das en­ge­nha­ri­as. Os mes­tra­dos in­te­gra­dos ac­tu­al­men­te exis­ten­tes têm um pe­río­do tran­si­tó­rio de dois anos pa­ra se di­vi­di­rem em li­cen­ci­a­tu­ra e mes­tra­do.

A tu­te­la tor­na ain­da mais cur­tos os cur­sos téc­ni­cos su­pe­ri­o­res pro­fis­si­o­nais, que são lec­ci­o­na­dos em ex­clu­si­vo nos ins­ti­tu­tos po­li­téc­ni­cos. Pa­ra es­tu­dan­tes com ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal, es­sa for­ma­ção po­de­rá pas­sar a ter ape­nas um ano, em lu­gar dos ac­tu­ais dois, uma vez que o per­cur­so pro­fis­si­o­nal dos es­tu­dan­tes pas­sa a ser va­lo­ri­za­do. sa­mu­el.sil­va@pu­bli­co.pt

ADRI­A­NO MIRANDA

Uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos te­rão de de­mons­trar que pro­du­zem ci­ên­cia na área em que que­rem abrir os cur­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.