Ran­gel proi­bi­do de sair do país por ha­ver pe­ri­go de fu­ga

Du­pla na­ci­o­na­li­da­de do juiz ex­pli­ca de­ci­são. Ran­gel e mu­lher proi­bi­dos de con­tac­tar de­ze­nas de pes­so­as

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ma­ri­a­na Oli­vei­ra com Ana Hen­ri­ques me­o­li­vei­ra@pu­bli­co.pt

Foi o pe­ri­go de fu­ga que jus­ti­fi­cou que o juiz do Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lis­boa Rui Ran­gel te­nha fi­ca­do proi­bi­do de sair do país sem au­to­ri­za­ção, apu­rou o PÚ­BLI­CO. Se qui­ser fa­zê­lo, te­rá de pe­dir um aval pré­vio ao tri­bu­nal. Es­ta é uma das me­di­das de co­ac­ção de­cre­ta­das on­tem por um juiz do Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, no âm­bi­to da Ope­ra­ção Lex, que tem aque­le ma­gis­tra­do co­mo prin­ci­pal ar­gui­do.

A me­di­da de co­ac­ção foi con­fir­ma­da por uma no­ta da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR), que não adi­an­ta, con­tu­do, que pe­ri­gos fun­da­men­ta­ram a de­ci­são do juiz de ins­tru­ção. O PÚ­BLI­CO pe­diu ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co in­for­ma­ção so­bre es­sa ques­tão e so­bre as me­di­das de co­ac­ção que ti­nham si­do so­li­ci­ta­das pelo pro­cu­ra­dor Pau­lo Sousa, mas até ao iní­cio da noi­te de on­tem não ob­te­ve res­pos­ta.

Rui Ran­gel e a sua mu­lher, Fá­ti­ma Ga­lan­te, tam­bém juí­za da Re­la­ção de Lis­boa, es­tão ain­da sus­pen­sos de fun­ções e proi­bi­dos de con­tac­ta­rem a mai­o­ria dos ar­gui­dos e ou­tros en­vol­vi­dos no ca­so, uma lis­ta com vá­ri­as de­ze­nas de pes­so­as.

Se­gun­do o ad­vo­ga­do de Ran­gel, João Na­bais, a proi­bi­ção de saí­da do país jus­ti­fi­ca-se ape­nas pelo fac­to de o juiz pos­suir du­pla na­ci­o­na­li­da­de por­tu­gue­sa e an­go­la­na, o que não su­ce­de com Fá­ti­ma Ga­lan­te, que não foi su­jei­ta a es­sa me­di­da. O ad­vo­ga­do ad­mi­tiu que os pas­sa­por­tes do juiz da Re­la­ção ti­ves­sem si­do apre­en­di­dos nas bus­cas de que foi al­vo, ga­ran­tin­do, de qual­quer for­ma, que o cli­en­te ia res­pei­tar as de­ter­mi­na­ções do tri­bu­nal.

O pro­ble­ma re­si­de no fac­to de An­go­la não ex­tra­di­tar ci­da­dãos na­ci­o­nais, o que sig­ni­fi­ca­ria que se o juiz se re­fu­gi­as­se na­que­le país não po­de­ria ser en­tre­gue às au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas. Há, aliás, um ca­so que continua a ge­rar al­gu­ma ten­são en­tre as au­to­ri­da­des es­pa­nho­las e as an­go­la­nas e que en­vol­ve um ci­da­dão por­tu­guês que ob­te­ve ci­da­da­nia an­go­la­na. Em 2016, o diá­rio El Mun­do fa­zia man­che­te com o ca­so no­ti­ci­an­do que o por­tu­guês/an­go­la­no, acu­sa­do de um des­fal­que de cem mi­lhões de eu­ros li­ga­do a um ne­gó­cio de ven­da de ar­mas a An­go­la, se en­con­tra­va em Lu­an­da, pro­te­gi­do pe­las au­to­ri­da­des an­go­la­nas.

À saí­da do Su­pre­mo, João Na­bais re­al­çou que o cli­en­te, nes­te momento, não es­tá in­di­ci­a­do nem por cri­mes de cor­rup­ção, nem por re­ce­bi­men­to in­de­vi­do de van­ta­gem. “É im­por­tan­te que is­to fi­que cla­ro”, su­bli­nhou, sem ex­pli­car por que mo­ti­vo os cri­mes re­fe­ri­dos nos man­da­dos de bus­cas te­ri­am “caí­do”. O ad­vo­ga­do ad­mi­tiu, con­tu­do, que as im­pu­ta­ções in­clu­em trá­fi­co de in­fluên­cia, bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e frau­de fis­cal.

Na no­ta, a PGR continua a re­fe­rir de for­ma ge­né­ri­ca que nes­te inqué­ri­to se in­ves­ti­gam “sus­pei­tas de cri­mes de trá­fi­co de in­fluên­cia, de cor­rup­ção/re­ce­bi­men­to in­de­vi­do de van­ta­gem, de bran­que­a­men­to e de frau­de fis­cal”, sem pre­ci­sar so­bre quem re­cai ca­da uma das sus­pei­tas. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co adi­an­ta ain­da que o pro­ces­so tem 13 ar­gui­dos cons­ti­tuí­dos e que na in­ves­ti­ga­ção es­tão a co­la­bo­rar a Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria e a Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria.

Os dois juí­zes já se en­con­tra­vam sus­pen­sos de fun­ções des­de dia 2 des­te mês, no âm­bi­to do pro­ces­so dis­ci­pli­nar aber­to pelo Con­se­lho Su­pe­ri­or da Ma­gis­tra­tu­ra. Ape­sar de em ter­mos prá­ti­cos a me­di­da ter o mes­mo ob­jec­ti­vo, a sus­pen­são pre­ven­ti­va de­ter­mi­na­da pelo ór­gão de dis­ci­pli­na dos juí­zes tem li­mi­ta­ções tem­po­rais, que não se apli­cam às me­di­das de co­ac­ção de­cre­ta­das no âm­bi­to dos pro­ces­sos-crime.

O pro­ble­ma re­si­de no fac­to de An­go­la não ex­tra­di­tar ci­da­dãos na­ci­o­nais, o que sig­ni­fi­ca­ria que se o juiz se re­fu­gi­as­se na­que­le país não po­de­ria ser en­tre­gue às au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas

Na pas­sa­da-sex­ta-fei­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co in­for­mou o tri­bu­nal so­bre as me­di­das de co­ac­ção que con­si­de­ra­va ade­qua­das, ten­do a de­fe­sa dos dois juí­zes ti­do até es­ta se­gun­da-fei­ra pa­ra se pro­nun­ci­ar. On­tem, o juiz­con­se­lhei­ro Pi­res da Gra­ça anun­ci­ou a sua de­ci­são.

Na pas­sa­da quin­ta-fei­ra os dois juí­zes da Re­la­ção es­ti­ve­ram no Su­pre­mo, mas op­ta­ram por não pres­tar de­cla­ra­ções no pri­mei­ro in­ter­ro­ga­tó­rio ju­di­ci­al. Es­sa de­ci­são foi jus­ti­fi­ca­da pe­las de­fe­sas de­vi­do ao fac­to de o juiz de ins­tru­ção ter dado ape­nas uma ho­ra aos ad­vo­ga­dos pa­ra con­sul­ta­rem o des­pa­cho do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co com o re­su­mo das im­pu­ta­ções e os ele­men­tos que as sus­ten­tam.

ENRIC VIVES-RUBIO

Rui Ran­gel co­nhe­ceu on­tem as me­di­das de co­ac­ção de­cre­ta­das por um juiz do Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, no âm­bi­to da Ope­ra­ção Lex

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.