Cons­ti­tu­ci­o­nal chum­ba ta­xa de Pro­tec­ção Ci­vil de Se­tú­bal

De­ci­são é idên­ti­ca à to­ma­da pa­ra Lis­boa e Gaia. Ta­xa é in­cons­ti­tu­ci­o­nal por se tra­tar de um im­pos­to

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Fran­cis­co Al­ves Ri­to

A Câ­ma­ra de Se­tú­bal aguar­da pe­la no­ti­fi­ca­ção pa­ra se pro­nun­ci­ar so­bre es­te acór­dão do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal

A Ta­xa Mu­ni­ci­pal de Pro­tec­ção Ci­vil (TMPC) de Se­tú­bal foi chum­ba­da pelo Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal (TC), que con­cluiu tra­tar-se de um im­pos­to que não po­de ser cri­a­do pelo le­gis­la­dor mu­ni­ci­pal por ser ma­té­ria de re­ser­va le­gal da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca.

Em acór­dão de dia 31 de Ja­nei­ro, o TC de­ci­diu a fa­vor de uma em­pre­sa, que im­pug­nou a co­bran­ça da ta­xa pelo Mu­ni­cí­pio de Se­tú­bal con­si­de­ran­do que a TMPC não reúne as pro­pri­e­da­des de uma ta­xa, mas sim de um im­pos­to, sen­do, por is­so, o seu lan­ça­men­to in­com­pa­tí­vel com a re­ser­va re­la­ti­va de com­pe­tên­cia da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca que cons­ta da alí­nea i) do n.º 1 do ar­ti­go 165.º da Cons­ti­tui­ção.

Nes­ta de­ci­são re­la­ti­va a Se­tú­bal, os juí­zes do TC de­cal­cam “em par­te” a fun­da­men­ta­ção de­sen­vol­vi­da nos acór­dãos an­te­ri­o­res, so­bre Lis­boa e Vi­la No­va de Gaia, por en­ten­de­rem que “é fá­cil de ve­ri­fi­car que ne­la se con­têm, em tra­ços ge­rais, os cri­té­ri­os con­vo­cá­veis pa­ra a ca­rac­te­ri­za­ção” da ta­xa no mu­ni­cí­pio sa­di­no.

Em­bo­ra idên­ti­ca no es­sen­ci­al às ou­tras ta­xas de pro­tec­ção ci­vil mu­ni­ci­pais já apre­ci­a­das cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te, a ta­xa de Se­tú­bal tem as­pec­tos es­pe­cí­fi­cos, de­sig­na­da­men­te o fac­to de ser co­bra­da não a to­dos os pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis, em ge­ral, mas ape­nas aos de imó­veis de­vo­lu­tos e a em­pre­sas da in­dús­tria e co­mér­cio, ten­do em con­ta a “na­tu­re­za dos ris­cos as­so­ci­a­dos a cer­tos imó­veis ou a de­ter­mi­na­das in­fra-es­tru­tu­ras ou ac­ti­vi­da­des”.

Com ba­se nes­tes as­pec­tos es­pe­cí­fi­cos, a Câ­ma­ra de Se­tú­bal sus­ten­ta exis­tir a si­na­lag­ma­ti­ci­da­de — cor­res­pon­dên­cia en­tre a ta­xa pa­ga e um ser­vi­ço ou be­ne­fí­cio in­di­vi­du­al e con­cre­to pres­ta­do pelo mu­ni­cí­pio — que dis­tin­gue as ta­xas dos im­pos­tos ar­gu­men­tan­do que a ta­xa de pro­tec­ção ci­vil se des­ti­na a ser “a ser apli­ca­da em fun­ção do grau de ris­co de ca­da em­pre­sa” e que o re­gu­la­men­to per­mi­te a afe­ri­ção do va­lor da ta­xa em fun­ção ao grau de ris­co, que va­ria en­tre re­du­zi­do, in­fe­ri­or e ele­va­do”.

O TC re­jei­ta es­ta ar­gu­men­ta­ção, con­cluin­do, co­mo já ti­nha fei­to no ca­so de Lis­boa, que a ne­ces­si­da­de efec­ti­va de in­ter­ven­ção dos ser­vi­ços de pro­tec­ção ci­vil não “apa­re­ce nem se de­ter­mi­na” em fun­ção do grau de ris­co de ca­da imó­vel ou ac­ti­vi­da­de. “E mui­to me­nos a afe­ri­ção des­se ris­co, em si mes­mo con­si­de­ra­do, po­de re­pre­sen­tar ou subs­ti­tuir, con­for­me sus­ten­ta­do pelo mu­ni­cí­pio, ‘a con­tra­pres­ta­ção do ser­vi­ço’ ne­ces­sá­ria à ca­rac­te­ri­za­ção do tri­bu­to co­mo ta­xa”, re­fe­re o acór­dão.

No en­ten­der dos juí­zes, o tri­bu­to lan­ça­do pe­la au­tar­quia sa­di­na des­ti­na-se a fi­nan­ci­ar os ser­vi­ços mu­ni­ci­pais de pro­tec­ção ci­vil “ge­ne­ri­ca­men­te” e “in­dis­tin­ta­men­te”, não exis­tin­do re­la­ção di­rec­ta en­tre o cus­to da ta­xa pa­ga e o ser­vi­ço con­cre­ta­men­te pres­ta­do a ca­da em­pre­sa ou pro­pri­e­tá­rio.

Es­ta ta­xa é co­bra­da em Se­tú­bal des­de 2012. No pro­ces­so ju­di­ci­al que o TC ago­ra apre­ci­ou, a câ­ma­ra es­ti­ma em 4,5 mi­lhões de eu­ros o cus­to com o ser­vi­ço de pro­tec­ção ci­vil e so­cor­ro, sen­do que a ta­xa co­bra­da não che­ga a um mi­lhão de eu­ros. Em 2016, se­gun­do a pres­ta­ção de con- tas do mu­ni­cí­pio, o va­lor ar­re­ca­da­do com a TMPC foi de 873 mil eu­ros.

Con­tac­ta­do pelo PÚ­BLI­CO, o ve­re­a­dor da Pro­tec­ção Ci­vil de Se­tú­bal re­me­teu uma po­si­ção pa­ra mais tar­de. “A câ­ma­ra não foi ain­da ofi­ci­al­men­te no­ti­fi­ca­da do acór­dão. Lo­go que te­nha­mos opor­tu­ni­da­de de o ana­li­sar to­ma­re­mos po­si­ção so­bre o as­sun­to”, dis­se fon­te do ga­bi­ne­te de Carlos Ra­ba­çal.

Já em 20 de De­zem­bro pas­sa­do, após o acór­dão re­la­ti­vo a Lis­boa, o ve­re­a­dor dis­se que a au­tar­quia se­tu­ba­len­se iria ava­li­ar a fun­da­men­ta­ção pa­ra de­ci­dir so­bre a ma­nu­ten­ção da ta­xa de Se­tú­bal. As ta­xas de pro­tec­ção ci­vil mu­ni­ci­pais de Vi­la No­va de Gaia e de Lis­boa tam­bém já fo­ram de­cla­ra­das in­cons­ti­tu­ci­o­nais pelo TC, res­pec­ti­va­men­te, em Se­tem­bro e De­zem­bro do ano pas­sa­do.

No ca­so de Lis­boa, o au­tar­ca Fer­nan­do Me­di­na pron­ti­fi­cou-se, de ime­di­a­to, a de­vol­ver o va­lor pa­go pe­los mu­ní­ci­pes, de cer­ca de 90 eu­ros por pro­pri­e­tá­rio, num to­tal de 58 mi­lhões de eu­ros co­bra­dos des­de 2015, ano em que a ta­xa foi lan­ça­da. Já em Gaia, a ta­xa, que era apli­ca­da so­men­te a em­pre­sas des­de 2011 e ren­dia 800 mil eu­ros aos co­fres mu­ni­ci­pais, foi ofi­ci­al­men­te re­vo­ga­da pelo mu­ni­cí­pio a 9 de Ja­nei­ro pas­sa­do.

As de­ci­sões do TC so­bre as ta­xas de pro­tec­ção ci­vil es­tão a ter efei­tos nou­tros con­ce­lhos. No Mon­ti­jo, por exem­plo, o exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal de­ci­diu, em De­zem­bro, lo­go que foi co­nhe­ci­do o acór­dão so­bre Lis­boa, sus­pen­der a apli­ca­ção da ta­xa nes­te ano de 2018, ape­sar de o res­pec­ti­vo re­gu­la­men­to já es­tar apro­va­do pe­la as­sem­bleia mu­ni­ci­pal.

PE­DRO CU­NHA

A Câ­ma­ra de Se­tú­bal gas­ta anu­al­men­te 4,5 mi­lhões de eu­ros com os ser­vi­ços de pro­tec­ção ci­vil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.