Wes An­der­son abre uma Ber­li­na­le “a mar­car pas­so”

Fes­ti­val ar­ran­ca com Is­le of Dogs, ani­ma­ção do au­tor de Grand Bu­da­pest Ho­tel, à som­bra da car­ta aber­ta de 79 ci­ne­as­tas pe­din­do “um no­vo iní­cio” pa­ra Ber­lim. Mas te­rá de se es­pe­rar pe­la saí­da do pre­si­den­te Di­e­ter Kos­s­lick

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Jorge Mou­ri­nha

Da úl­ti­ma vez que Wes An­der­son es­te­ve em Ber­lim, em 2014, cou­be­lhe abrir o fes­ti­val com o seu Grand Bu­da­pest Ho­tel — cin­co anos de­pois, o ame­ri­ca­no vol­ta a ter hon­ras de aber­tu­ra ofi­ci­al de Ber­lim com Ilha dos Cães,a sua no­va ex­pe­ri­ên­cia no ci­ne­ma de ani­ma­ção de­pois do Fan­tás­ti­co Sr. Ra­po­so. Mas que Ilha dos Cães se­ja a aber­tu­ra de Ber­lim 2018 — e que se­ja, ao mes­mo tem­po, um dos pou­cos fil­mes de pe­so nu­ma com­pe­ti­ção que se adi­vi­nha mui­to mor­na — pa­re­ce ape­nas su­bli­nhar os pro­ble­mas que a imprensa ale­mã já apon­ta há anos e que “trans­bor­da­ram” no fi­nal de 2017, quan­do a revista Der Spi­e­gel pu­bli­cou uma car­ta aber­ta de 79 ci­ne­as­tas ale­mães pe­din­do um “no­vo co­me­ço” pa­ra o fes­ti­val.

Um dos re­a­li­za­do­res que as­si­nou a car­ta, Ch­ris­ti­an Pet­zold (Bar­ba­ra; Pho­e­nix), es­tá es­te ano na com­pe­ti­ção ofi­ci­al, com Tran­sit; um dos que não as­si­nou, Tom Tykwer (Cor­re, Lo­la, Cor­re; O Per­fu­me), é pre­si­den­te do jú­ri. Mui­tos dos sig­na­tá­ri­os da car­ta fo­ram pre­mi­a­dos ao lon­go da his­tó­ria do fes­ti­val, e vão de ci­ne­as­tas jo­vens co­mo Ma­ren Ade (To­ni Erd­mann), Fa­tih Akin (Do Ou­tro La­do) ou Se­bas­ti­an Schip­per (Vic­to­ria) a ve­te­ra­nos co­mo Ed­gar Reitz, Vol­ker Schlön­dorff ou Mar­ga­rethe von Trot­ta. Mas es­tas qua­tro de­ze­nas de no­mes não pe­dem a ca­be­ça de Di­e­ter Kos­s­lick, o exe­cu­ti­vo que di­ri­ge o cer­ta­me des­de 2001, que o tor­nou num even­to de “pas­sa­dei­ra ver­me­lha” e num pon­to obri­ga­tó­rio do ca­len­dá­rio da in­dús­tria (atra­vés do Mercado Europeu do Filme). Kos­s­lick já tem saí­da mar­ca­da, após a edi­ção 2019, e o que os sig­na­tá­ri­os pe­dem é que o seu subs­ti­tu­to — cu­jo man­da­to te­rá iní­cio em 2020, ano do 70.º aniversário do fes­ti­val — fa­ça um es­for­ço pa­ra, nas pa­la­vras da car­ta, “re­no­var e fa­zer re­vi­ver a Ber­li­na­le”.

A car­ta as­su­me pu­bli­ca­men­te a frus­tra­ção sen­ti­da du­ran­te a di­rec­ção de Kos­s­lick, acu­sa­do de ter dei­xa­do o cer­ta­me “fi­car pa­ra trás” com as su­as es­co­lhas mais con­ven­ci­o­nais, e de ter per­di­do de­ma­si­a­dos fil­mes pa­ra Can­nes e Ve­ne­za (fi­cou cé­le­bre o ca­so de Fi­lho de Saul, o Ós­car de Me­lhor Filme Es­tran­gei­ro em 2016 que Ber­lim per­deu pa­ra Can­nes por não o ter qu­e­ri­do na com­pe­ti­ção prin­ci­pal).

Ao mes­mo tem­po, re­flec­te a sen­sa­ção de Ber­lim ter vol­ta­do a “per­der o ru­mo” de­pois de um par de anos em que a se­lec­ção pa­re­cia ter fei­to um es­for­ço de ac­tu­a­li­za­ção (com a cha­ma­da a con­cur­so de no­mes co­mo Pa­blo Lar­raín, An­drew Haigh, Lav Di­az ou Mia Han­sen-Lø­ve). A com­pe­ti­ção de 2018 pa­re­ce, pelo me­nos no pa­pel, dar ra­zão aos críticos. Não deixa de ha­ver fil­mes que dão água na bo­ca — um re­ma­ke por Be­noît Jac­quot do Eva de Jo­seph Lo­sey, com Isa­bel­le Hup­pert no pa­pel que foi há meio sé­cu­lo de Je­an­ne Mo­re­au; o filme de Ch­ris­ti­an Pet­zold, uma das fi­gu­ras mais im­por­tan­tes do ac­tu­al ci­ne­ma europeu; Do­vla­tov, do de­ma­si­a­do ra­ro rus­so Ale­xei Ger­man Jr; Se­a­son of the De­vil, a ópe­ra rock de qua­tro ho­ras do fi­li­pi­no Di­az.

Mas, ain­da as­sim, ne­nhum des­tes ci­ne­as­tas é des­co­nhe­ci­do ou ines­pe­ra­do; e por ca­da um de­les, a com­pe­ti­ção abre es­pa­ço pa­ra o fran­cês Cé­dric Kahn, a po­la­ca Mal­gor­za­ta Szu­mows­ka ou o no­ru­e­guês Erik Pop­pe, au­to­res de “se­gun­da li­nha” que vão so­bre­vi­ven­do sem bri­lho no cir­cui­to de fes­ti­vais. É sem­pre pos­sí­vel que al­gum de­les as­si­ne um gran­de filme, mas as ex­pec­ta­ti­vas não vão al­tas. (Pop­pe, cu­ja Es­co­lha do Rei foi no­me­a­da pa­ra o Ós­car no ano pas­sa­do, traz à com­pe­ti­ção Utøya 11. Ju­li, so­bre os aten­ta­dos de 11 de Ju­lho de 2011 per­pe­tra­dos pelo ex­tre­mis­ta An­ders Brei­vik que cau­sa­ram 77 mor­tos, filme que pa­re­ce ta­lha­do à me­di­da de Ber­lim en­quan­to fes­ti­val “do te­ma”.)

Já nem a re­la­ção com o fes­ti­val ame­ri­ca­no de Sun­dan­ce aju­da: se es­te ano se apro­vei­tam o úl­ti­mo filme de Gus van Sant, Don’t Wor­ry, He Won’t Go Far on Fo­ot, e o qua­sewes­tern Dam­sel, com Ro­bert Pat­tin­son e Mia Wa­si­kows­ka, a apos­ta em Sun­dan­ce per­deu-se quan­do se per­ce­beu o pou­co im­pac­to des­sa pro­du­ção cor­ren­te nos mer­ca­dos eu­ro­peus. A Chi­na ou a Amé­ri­ca La­ti­na, fo­cos im­por­tan­tes de des­co­ber­ta nos anos 2000, par­ti­ram pa­ra ou­tras pa­ra­gens. O de­sa­fio, ago­ra, pa­ra Ber­lim se­rá ten­tar re­cu­pe­rar o ter­re­no per­di­do pa­ra Lo­car­no, fes­ti­val que “re­nas­ceu” co­mo pon­to de en­con­tro do ci­ne­ma no­vo sem dei­xar de ape­lar ao gran­de pú­bli­co, ao mes­mo tem­po que Ber­lim se dei­xa­va cair na mo­dor­ra. E pa­ra is­so se­rá pre­ci­sa ou­tra pes­soa que não Di­e­ter Kos­s­lick.

A re­so­lu­ção do que­bra-ca­be­ças não é im­pos­sí­vel, nem é a pri­mei­ra vez que Ber­lim en­fren­ta es­ta dú­vi­da. Foi de uma si­tu­a­ção se­me­lhan­te que nasceu o Fo­rum, cri­a­do em 1971 em res­pos­ta às cri­ses e con­tro­vér­si­as co­mo uma ma­ni­fes­ta­ção pa­ra­le­la que abria es­pa­ço ao ci­ne­ma no­vo (e es­te ano, tal co­mo em anos an­te­ri­o­res, vol­ta a ser no Fo­rum que es­tá a pro­gra­ma­ção mais in­te­res­san­te). Mas não se­rá a cri­a­ção de uma no­va sec­ção a re­sol­ver o pro­ble­ma des­ta vez (há quem se quei­xe que a Ber­li­na­le já tem, as­sim co­mo as­sim, de­ma­si­a­das sec­ções) — e os 300 mil bi­lhe­tes ven­di­dos anu­al­men­te pa­ra o fes­ti­val, que va­li­dam até cer­to pon­to a abor­da­gem de Kos­s­lick, não tor­nam a so­lu­ção fá­cil. Ber­lim 2018 abre a mar­car pas­so; a ver va­mos co­mo fe­cha.

CLEMENS BILAN/EPA

Es­te ano, tal co­mo em anos an­te­ri­o­res, vol­ta a ser no Fo­rum que es­tá a pro­gra­ma­ção mais in­te­res­san­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.