Rio par­te pa­ra con­gres­so com li­de­ran­ça da ban­ca­da em aber­to

Anún­cio da de­mis­são de Hugo So­a­res não caiu bem no gru­po par­la­men­tar, so­bre­tu­do en­tre os apoi­an­tes de San­ta­na. Que Rui Rio já con­vi­dou pa­ra en­ca­be­çar a lis­ta ao Con­se­lho Na­ci­o­nal

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - PSD So­fia Rodrigues

Rui Rio pre­pa­ra-se pa­ra pro­ta­go­ni­zar um con­gres­so com um lí­der par­la­men­tar de saí­da, mas em fun­ções, com a ban­ca­da di­vi­di­da so­bre a sua con­ti­nui­da­de e com vo­zes já a avi­sar que não vão vo­tar nas pró­xi­mas eleições pa­ra o no­vo lí­der do gru­po par­la­men­tar. De um la­do tur­bu­lên­cia, do ou­tro um si­nal de união: Rio con­vi­dou Pe­dro San­ta­na Lopes pa­ra li­de­rar a lis­ta ao Con­se­lho Na­ci­o­nal.

No pró­xi­mo do­min­go, quan­do fo­rem anun­ci­a­dos os no­vos ór­gãos na­ci­o­nais do PSD, quem su­bi­rá ao pal­co co­mo lí­der par­la­men­tar? Po­de ser Hugo So­a­res que ain­da es­tá em fun­ções, mas que não se­rá o ver­da­dei­ro ti­tu­lar do car­go. Es­se — um can­di­da­to ain­da des­co­nhe­ci­do — irá a vo­tos na quin­ta-fei­ra, dia 22, de­pois do con­gres­so, em eleições on­tem con­vo­ca­das pelo ain­da lí­der par­la­men­tar.

Foi uma reu­nião de ban­ca­da al­go quen­te, de­pois de Hugo So­a­res ter anun­ci­a­do aos de­pu­ta­dos que iria con­vo­car eleições pa­ra a li­de­ran­ça do gru­po par­la­men­tar. A de­ci­são sur­ge de­pois de Rui Rio lhe ter trans­mi­ti­do a von­ta­de de tra­ba­lhar com ou­tra di­rec­ção. Nes­sa con­ver­sa, no sá­ba­do, Rio te­rá ale­ga­do que fo­ram ou­vi­dos al­guns de­pu­ta­dos e que, sal­vo al­gu­mas ex­cep­ções, to­dos es­ta­vam con­tra a con­ti­nui­da­de de Hugo So­a­res. Es­sa in­for­ma­ção en­fu­re­ceu os par­la­men­ta­res so­ci­ais-de­mo­cra­tas. Hou­ve de­pois vá­ri­as in­ter­ven­ções — co­mo de Jo­sé Ma­tos Cor­reia, Carlos Cos­ta Ne­ves, Pau­la Tei­xei­ra da Cruz — que con­si­de­ra­ram um er­ro a mudança do lí­der da ban­ca­da pa­ra um ou­tro que es­te­ja sub­ju­ga­do ao pre­si­den­te do par­ti­do, co­lo­can­do em cau­sa a au­to­no­mia do gru­po par­la­men­tar.

Uma das in­ter­ven­ções mais du­ras foi a de Pe­dro Pin­to, lí­der da dis­tri­tal de Lis­boa, que anun­ci­ou que não vo­ta­rá nas eleições da pró­xi­ma quin­ta­fei­ra. Ou­tros po­de­rão se­guir o exem­plo, se­gun­do fon­tes con­tac­ta­das pelo PÚ­BLI­CO, o que po­de tor­nar a elei­ção de um su­ces­sor a Hugo So­a­res uma dor de ca­be­ça pa­ra Rui Rio. As mes­mas fon­tes con­si­de­ram que não é ad­mis­sí­vel que Rui Rio to­me uma de­ci­são so­bre a di­rec­ção da ban­ca­da, ou­vin­do ape­nas al­guns de­pu­ta­dos e de for­ma in­di­rec­ta. Hugo So­a­res não o dis­se, mas mui­tos in­ter­pre­ta­ram que es­sas opi­niões fo­ram co­lhi­das num jan­tar re­a­li­za­do na se­ma­na pas­sa­da, com um gru­po de apoi­an­tes do lí­der elei­to e que foi con­vo­ca­do por Sal­va­dor Ma­lhei­ro, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Ovar e di­rec­tor de cam­pa­nha de Rui Rio.

Qua­se to­das as in­ter­ven­ções de apoio a Hugo So­a­res — ou con­tra al­ter­na­ti­vas — vi­e­ram de an­ti­gos apoi­an­tes de Pe­dro San­ta­na Lopes. Emí­dio Gu­er­rei­ro, apoi­an­te de Rui Rio, fa­lou pa­ra agra­de­cer ao ain­da lí­der par­la­men­tar. De res­to, os que es­ti­ve­ram ao la­do do lí­der elei­to fi­ca­ram em si­lên­cio, o que tam­bém foi re­gis­ta­do por aque­les que es­tão a fa­vor da con­ti­nui­da­de de Hugo So­a­res.

O cer­to é que Hugo So­a­res não se­rá can­di­da­to e co­mu­ni­cou is­so mes­mo aos de­pu­ta­dos na reu­nião da ban­ca­da após o de­ba­te quin­ze­nal com o pri­mei­ro-mi­nis­tro. Aos jor­na­lis­tas, Hugo So­a­res re­fe­riu que há se­te meses ob­te­ve 85% dos vo­tos. Re­cu­sou es­tar de­si­lu­di­do e dis­se es­tar “mui­to or­gu­lho­so do tra­ba­lho” fei­to pe­la ban­ca­da nos úl­ti­mos meses. Qu­es­ti­o­na­do so­bre se a au­to­no­mia do gru­po par­la­men­tar fi­ca em cau­sa com es­ta ati­tu­de de Rio, Hugo So­a­res dis­se não ter dú­vi­das de que a ban­ca­da con­ti­nu­a­rá a “ser uma for­te opo­si­ção ao PS”.

Quan­to à sua pró­pria po­si­ção, o ain­da lí­der dis­se que es­ta­rá “na li­nha da fren­te no com­ba­te” aos so­ci­a­lis­tas. E re­cu­sou fa­zer in­ter­pre­ta­ções so­bre o si­nal que re­flec­te es­ta ati­tu­de do lí­der elei­to. Mas cha­mou a si a res­pon­sa­bi­li­da­de da de­ci­são. “A de­ci­são é mi­nha e eu é que te­nho de per­ce­ber se da par­te do dou­tor Rui Rio há ou não há con­fi­an­ça po­lí­ti­ca e von­ta­de de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar com a ac­tu­al di­rec­ção par­la­men­tar”, afir­mou.

Ao “de­vol­ver a pa­la­vra aos co­le­gas de­pu­ta­dos”, co­mo dis­se o ain­da lí­der da ban­ca­da, a ques­tão não pa­re­ce de fá­cil so­lu­ção, já que não há ne­nhum no­me con­sen­su­al em ci­ma da me­sa pa­ra a su­ces­são. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, nem mes­mo en­tre os apoi­an­tes de Rio se tem as­sis­ti­do a uma con­ver­gên­cia so­bre o su­ces­sor de Hugo So­a­res, com mui­tos de­pu­ta­dos a de­fen­der a con­ti­nui­da­de des­te. Fer­nan­do Ne­grão, que é um dos no­mes apon­ta­dos, não é vis­to co­mo a me­lhor so­lu­ção, so­bre­tu­do pa­ra pro­ta­go­ni­zar o du­e­lo com o pri­mei­ro-mi­nis­tro nos de­ba­tes quin­ze­nais.

A tur­bu­lên­cia na ban­ca­da sen­tiu­se lo­go na ma­nhã de on­tem, quan­do Carlos Abreu Amo­rim con­fir­mou a no­tí­cia do i, de que se de­mi­ti­ra da vi­ce-pre­si­dên­cia da ban­ca­da, por dis-

Rio co­mu­ni­cou no sá­ba­do a Hugo So­a­res — elei­to há se­te meses com 85% dos vo­tos dos de­pu­ta­dos do PSD — que

DA­NI­EL ROCHA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.