“Nun­ca o amor ro­mân­ti­co po­de jus­ti­fi­car a vi­o­lên­cia”

UMAR in­qui­riu mais de 4000 jo­vens, com 15 anos, em mé­dia. Pa­ra um em ca­da qua­tro a vi­o­lên­cia se­xu­al no na­mo­ro é “na­tu­ral”. Há mais a re­la­ta­rem te­rem si­do ví­ti­mas de vi­o­lên­cia e mais a le­gi­ti­ma­rem-na

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Jo­vens Mar­ga­ri­da Da­vid Car­do­so e An­dreia San­ches

“Ele per­se­gue-me por­que gos­ta mui­to de mim. Ela vê as mi­nhas men­sa­gens no Fa­ce­bo­ok por­que não me quer per­der.” Es­tas jus­ti­fi­ca­ções são al­gu­mas das que a pre­si­den­te da União de Mu­lhe­res Al­ter­na­ti­va e Res­pos­ta (UMAR), Ma­ria Jo­sé Magalhães, e as téc­ni­cas do programa Art’The­mis+ des­ta or­ga­ni­za­ção ou­vem nos vá­ri­os con­tac­tos que têm com jo­vens — no­me­a­da­men­te nas 78 tur­mas com quem tra­ba­lham di­rec­ta­men­te. Per­cep­ções que já ti­nham e vi­ram plas­ma­das no se­gun­do inqué­ri­to na­ci­o­nal so­bre vi­o­lên­cia no na­mo­ro.

“Na ado­les­cên­cia, acha­mos sem­pre que o amor ro­mân­ti­co jus­ti­fi­ca tu­do e os jo­vens de­fen­dem inú­me­ras si­tu­a­ções com es­te ide­al de que fa­ze­mos tu­do por amor. Mas ele nun­ca, nun­ca po­de jus­ti­fi­car a vi­o­lên­cia.” É o aler­ta que Ma­ria Jo­sé Magalhães deixa, em de­cla­ra­ções ao PÚ­BLI­CO, de­pois de ter apre­sen­ta­do on­tem os re­sul­ta­dos de um inqué­ri­to na­ci­o­nal a mais de 4000 jo­vens. Um em ca­da qua­tro acha “na­tu­ral” que en­tre na­mo­ra­dos ha­ja vi­o­lên­cia se­xu­al — for­çar bei­jos em pú­bli­co, pres­si­o­nar ou co­a­gir pa­ra ter re­la­ções se­xu­ais, por exem­plo.

Os in­qui­ri­dos têm 15 anos em mé­dia. Pa­ra mui­tos (40%), se al­guém im­pe­de o na­mo­ra­do ou na­mo­ra­da de se ves­tir de de­ter­mi­na­da for­ma, is­so não é vi­o­lên­cia. Se nu­ma dis­cus­são en­tre os dois há in­sul­tos, is­so não é vi­o­lên­cia (25%). E tam­bém não o é uma agres­são cor­po­ral se de­la não re­sul­ta uma fe­ri­da ou mar­ca (8%).

Is­to é o que mui­tos jo­vens acham de di­fe­ren­tes si­tu­a­ções que lhes são apre­sen­ta­das em te­o­ria. Tu­do so­ma­do, “68,5% do to­tal de jo­vens acei­tam co­mo na­tu­ral pelo me­nos uma das for­mas de vi­o­lên­cia na in­ti­mi­da­de”. O que, pa­ra Ma­ria Jo­sé Magalhães, es­pe­lha uma “le­gi­ti­ma­ção so­ci­al mui­to gran­de da vi­o­lên­cia”. Agra­va­da com o fac­to des­ta na­tu­ra­li­za­ção ser ain­da mais fre­quen­te na­que­les que já fo­ram ví­ti­mas (76,9%).

Mas na prá­ti­ca, se aten­der­mos ape­nas aos cer­ca de 3000 jo­vens da amos­tra que di­zem já ter ti­do “uma re­la­ção de in­ti­mi­da­de”, mais de me­ta­de (56%) so­fre­ram ac­tos que con­fi­gu­ram a vi­o­lên­cia no na­mo­ro.

Tam­bém on­tem, Dia dos Na­mo­ra­dos, a As­so­ci­a­ção Pla­no i apre­sen­tou os da­dos do Ob­ser­va­tó­rio da Vi­o­lên­cia no Na­mo­ro que já ti­nha adi­an­ta­do ao PÚ­BLI­CO: des­de Abril re­ce­beu 128 de­nún­ci­as de jo­vens uni­ver­si­tá­ri­os, so­bre­tu­do ra­pa­ri­gas, on­de uma em ca­da dez ví­ti­mas foi ame­a­ça­da de mor­te por ex ou ac­tu­ais na­mo­ra­dos. Os da­dos ago­ra re­ve­la­dos pe­la UMAR “ilus­tram uma es­pé­cie de pri­mei­ro momento des­tas si­tu­a­ções abu­si­vas”, ob­ser­va Ma­ria Jo­sé Magalhães, tam­bém pro­fes­so­ra na Fa­cul­da­de de Psi­co­lo­gia e de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção da Uni­ver­si­da­de do Por­to.

Nas re­des so­ci­ais

Os dois ter­ços de jo­vens dos 4652 in­qui­ri­dos que de­cla­ram já ter ti­do um “re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so” e que po­dem fa­lar da sua ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al di­zem is­to: 18% re­la­tam ter si­do al­vo por par­te do par­cei­ro de si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca; 11% re­por­tam “con­tro­lo” so­ci­al (proi­bi­ção de fa­lar com cer­tos amigos ou ami­gas, ou de ves­tir al­gum ti­po de rou­pa, por exem­plo); 6% de­cla­ram ter si­do al­vo de vi­o­lên­cia fí­si­ca.

E, “ape­sar de, nes­te es­tu­do, par­ti­ci­pa­rem pes­so­as com ida­des mui­to jo­vens, a pre­va­lên­cia mé­dia de vi­o­lên­cia se­xu­al é de 7%”, lê-se na pu­bli­ca­ção que re­su­me os re­sul­ta­dos Mais de me­ta­de dos jo­vens que di­zem já ter ti­do “uma re­la­ção de in­ti­mi­da­de” so­fre­ram al­gum ti­po de vi­o­lên­cia no na­mo­ro ob­ti­dos. “Nu­ma per­cen­ta­gem pre­o­cu­pan­te”, 5% dos jo­vens re­fe­rem já ter si­do pres­si­o­na­dos pelo com­pa­nhei­ro pa­ra ter re­la­ções se­xu­ais.

Tam­bém a vi­ti­ma­ção nas re­des so­ci­ais tem da­dos “alar­man­tes”, que de­vem cha­mar a aten­ção pa­ra es­ta “no­va for­ma de vi­o­lên­cia num re­la­ci­o­na­men­to, que po­de atin­gir um gran­de nú­me­ro de pes­so­as, sem gran­des fil­tros”, no­ta Ma­ria Jo­sé Magalhães. Fo­ram 12% os in­qui­ri­dos que di­zem ter si­do ví­ti­mas. O mais fre­quen­te é en­trar na con­ta de uma re­de so­ci­al sem au­to­ri­za­ção da ví­ti­ma (20%). E “fo­ram tam­bém co­lo­ca­das ques­tões so­bre a par­ti­lha on­li­ne de con­teú­dos ín­ti­mos sem au­to­ri­za­ção” (4%).

Pre­ven­ção nas es­co­las

Pa­ra to­dos os ti­pos de vi­o­lên­cia, o cer­ne da ques­tão é a pre­ven­ção pri­má­ria, diz a pre­si­den­te da UMAR. Co­mo? Nas es­co­las, atra­vés da edu­ca­ção pa­ra a ci­da­da­nia, edu­ca­ção pa­ra a saú­de e in­ter­ven­ção de pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos na ma­té­ria. “Se as cri­an­ças não cres­ce­rem com no­ções de res­pei­to e de igual­da­de, se­rão tam­bém jo­vens sem for­ma­ção crí­ti­ca, sem uma ca­pa­ci­da­de de aná­li­se e de ques­ti­o­nar a vi­o­lên­cia”, afir­ma. Aos edu­ca­do­res, diz, ca­be es­ta­rem aten­tos, “per­ce­ber que es­ta po­de ser uma si­tu­a­ção mui­to gra­ve” e pro­cu­rar aju­da jun­to das or­ga­ni­za­ções e en­ti­da­des com­pe­ten­tes. O que é vá­li­do tan­to pa­ra a ví­ti­ma, co­mo pa­ra o po­ten­ci­al agres­sor.

Um acom­pa­nha­men­to es­pe­ci­a­li­za­do é fun­da­men­tal, vin­ca. “Não va­le a pe­na dar ra­lhe­tes. É pre­ci­so ir ao fun­do da­que­la pes­soa. Ca­so con­trá­rio a ví­ti­ma com 15 anos — que ama mui­to e des­cul­pa sem­pre o na­mo­ra­do — po­de per­pe­tu­ar com­por­ta­men­tos até ser uma ví­ti­ma de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. E o ra­paz que a mal­tra­ta po­de ga­nhar-lhe o gos­to e ser agres­sor o res­to da vi­da”, aler­ta Ma­ria Jo­sé Magalhães.

Eles le­gi­ti­mam mais

Pre­o­cu­pan­te continua tam­bém a ser a le­gi­ti­ma­ção da vi­o­lên­cia, es­pe­ci­al­men­te acen­tu­a­da nos ra­pa­zes, so­bre­tu­do no que diz res­pei­to à vi­o­lên­cia se­xu­al. Por exem­plo: en­quan­to 6% das jo­vens ra­pa­ri­gas não iden­ti­fi­ca a pres­são pa­ra ter re­la­ções se­xu­ais co­mo um com­por­ta­men­to vi­o­len­to, 22% dos ra­pa­zes tam­bém não.

“Is­to é a in­te­ri­o­ri­za­ção por par­te dos jo­vens da­qui­lo que é a cul­tu­ra pa­tri­ar­cal, se­xis­ta, mi­só­gi­na pre­sen­te na so­ci­e­da­de, não só na por­tu­gue­sa, da qual ain­da não nos con­se­gui­mos afas­tar. Pa­ra além de te­rem es­te com­por­ta­men­to, eles — ra­pa­zes — são mais re­sis­ten­tes à mudança”, afir­ma a in­ves­ti­ga­do­ra.

E dá co­mo exem­plo uma das dis­cus­sões que a UMAR le­vou pa­ra uma das tur­mas com quem tra­ba­lha. “Ou­vi­mos mui­to os ra­pa­zes di­ze­rem que ‘as mu­lhe­res gos­tam de se­xo à bru­ta’. E per­gun­ta­mos às ra­pa­ri­gas se é ver­da­de, elas di­zem que não e os ra­pa­zes res­pon­dem: ‘Vo­cês não per­ce­bem na­da’. Is­to é uma for­ma de des­va­lo­ri­zar a pa­la­vra e uma for­ma de não res­pei­tar as mu­lhe­res que so­bre­vi­ve.”

É-lhe, ain­da as­sim, ób­vio que es­tes pre­con­cei­tos não se fa­zem sen­tir da mes­ma for­ma que há qua­ren­ta ou trin­ta anos. “Al­gu­mas coi­sas es­tão a mu­dar. E o fac­to de al­guns dos jo­vens re­co­nhe­ce­rem que fo­ram ví­ti­mas po­de sig­ni­fi­car que es­tão mais cons­ci­en­tes e aten­tos — é co­mo a ques­tão das de­nún­ci­as de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca”, de­fen­de. mar­ga­ri­da.car­do­so@pu­bli­co.pt asan­ches@pu­bli­co.pt

FER­NAN­DO VELUDO/NFACTOS

Pre­si­den­te da UMAR Ma­ria Jo­sé Magalhães cri­ti­ca a “le­gi­ti­ma­ção so­ci­al mui­to gran­de da vi­o­lên­cia”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.