Cor­po de me­ni­na lu­so-des­cen­den­te en­con­tra­do em local “bas­tan­te re­mo­to”

Sus­pei­to ga­ran­tiu on­tem que mor­te da me­ni­na foi in­vo­lun­tá­ria, mas re­cu­sou-se a ex­pli­car as cir­cuns­tân­ci­as do in­ci­den­te

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Fran­ça

As au­to­ri­da­des fran­ce­sas en­con­tra­ram on­tem o cor­po de Maëlys de Araú­jo, a me­ni­na lu­so-des­cen­den­te de no­ve anos de­sa­pa­re­ci­da des­de fi­nal de Agos­to do ano pas­sa­do. O prin­ci­pal sus­pei­to é Nor­dahl Le­lan­dais, um ex-mi­li­tar de 34 anos, que já es­ta­va em pri­são pre­ven­ti­va.

A bus­ca pelo cor­po da me­ni­na du­rou to­do o dia. A que­da de ne­ve e o local “bas­tan­te re­mo­to” on­de o cor­po foi dei­xa­do di­fi­cul­tou as ope­ra­ções, de­ta­lhou Je­an-Yves Co­quil­lat, pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca em Gre­no­ble. “A ne­ve não fa­ci­li­tou o tra­ba­lho dos cães, mas eles per­mi­ti­ram que se des­co­bris­se há pou­cos mi­nu­tos um crâ­nio de uma cri­an­ça e um os­so lon­go, não sei ain­da de que par­te do cor­po”, dis­se Je­an-Yves Co­quil­lat.

“Nor­dahl Le­lan­dais dis­se que ma­tou Maëlys in­vo­lun­ta­ri­a­men­te e se li­vrou do cor­po”, acres­cen­tou o pro­cu­ra­dor fran­cês. “Ele ma­tou a cri­an­ça e en­ter­rou-a num lu­gar per­to de sua ca­sa, vol­tou pa­ra o ca­sa­men­to, de­pois pe­gou no cor­po no­va­men­te e le­vou-o pa­ra a flo­res­ta.”

Até ago­ra, “Nor­dahl Le­lan­dais re­cu­sou-se a ex­pli­car co­mo a mor­te ocor­reu e dis­se que ex­pli­ca­ria mais tar­de”, adi­an­tou Je­an-Yves Co­quil­lat. Du­ran­te o dia, Le­lan­dais te­rá pe­di­do pa­ra fa­lar com as au­to­ri­da­des e es­ta­va a “co­o­pe­rar”, avan­ça­va a agên­cia de no­tí­ci­as Fran­ce Pres­se (AFP). O ho­mem foi le­va­do pa­ra uma zo­na a cer­ca de dez qui­ló­me­tros do local on­de a me­ni­na te­rá de­sa­pa­re­ci­do e, se­gun­do o jor­nal Le Pa­ri­si­en, pe­diu pa­ra ser ou­vi­do pe­los ma­gis­tra­dos de­pois de te­rem si­do en­con­tra­dos ves­tí­gi­os de san­gue que per­ten­ce­rão a Maëlys no por­ta-ba­ga­gens do seu car­ro.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do das Co­mu­ni­da­des Por­tu­gue­sas, se­gun­do fon­te do seu ga­bi­ne­te, es­tá a “acom­pa­nhar os trá­gi­cos de­sen­vol­vi­men­tos do pro­ces­so, que se en­con­tra sob a al­ça­da das au­to­ri­da­des po­li­ci­ais fran­ce­sas”. Se­gun­do o ad­vo­ga­do do sus­pei­to e au­to­ri­da­des fran­ce­sas, foi o pró­prio Nor­dahl Le­lan­dais que con­du­ziu a po­lí­cia ao local. Alain Ja­ku­bowicz, o ad­vo­ga­do, adi­an­tou: “Quan­do ele es­con­deu o cor­po, era noi­te. Ele não es­ta­va seguro de que iria en­con­trar es­se lu­gar. Fo­mos por uma es­tra­da, de­pois por ou­tra. A da­da al­tu­ra, vi­mos que ele es­ta­va a re­lem­brar o lu­gar. Cla­ro que al­gu­mas pes­so­as pen­sa­vam que ele es­ta­va a en­ga­nar-nos. Quan­do ele in­di­cou o lu­gar, co­me­çá­mos a des­cer to­dos e a cer­to pon­to ele dis­se que que­ria re­gres­sar e caiu de jo­e­lhos a cho­rar.” O ad­vo­ga­do la­men­tou ain­da o fac­to de “lhe cha­ma­rem um as­sas­si­no em sé­rie quan­do não há pro­vas”.

Es­ta foi a pri­mei­ra vez, des­de que co­me­ça­ram as in­ves­ti­ga­ções, que Le­lan­dais acei­tou fa­lar. Até aqui ne­gou sem­pre qual­quer en­vol­vi­men­to tan­to no rap­to co­mo na mor­te de Maëlys.

Nor­dahl Le­lan­dais, que foi acu­sa­do da mor­te de Maëlys em Se- tem­bro, é des­de De­zem­bro o prin­ci­pal sus­pei­to de ou­tro ho­mi­cí­dio, o do ca­bo Arthur Noyer, ocor­ri­do em Abril. Es­tá de­ti­do há cin­co meses e, a 9 de Fe­ve­rei­ro, viu ser-lhe ne­ga­do o pe­di­do pa­ra aguar­dar o jul­ga­men­to em li­ber­da­de por um tri­bu­nal de re­cur­so de Gre­no­ble.

O ad­vo­ga­do da fa­mí­lia de Arthur Noyer, Ber­nard Boul­loud, dis­se en­tre­tan­to à pu­bli­ca­ção fran­ce­sa Dauphi­né Li­bé­ré que “es­ta mudança na es­tra­té­gia da de­fe­sa de Nor­dahl Le­land dá es­pe­ran­ça à fa­mí­lia, que ain­da es­tá à es­pe­ra da iden­ti­fi­ca­ção do as­sas­si­no do fi­lho e das con­di­ções em que ele mor­reu”. “No se­gui­men­to da sua con­fis­são, es­pe­ra­mos que Nor­dahl Le­lan­dais co­la­bo­re da mes­ma for­ma com a Jus­ti­ça de Cham­béry. Ele ain­da é con­si­de­ra­do ino­cen­te, mas há se­me­lhan­ças per­tur­ba­do­ras nos pro­ce­di­men­tos”, acres­cen­tou.

PÚ­BLI­CO

STEPHANE MAHE/REUTERS

O sus­pei­to con­du­ziu a po­lí­cia ao local on­de foi en­con­tra­do o cor­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.