Es­pe­ci­a­lis­tas de­fen­dem es­tra­té­gia glo­bal pa­ra a Bai­xa

Co­lo­ca­ção de azu­le­jos nas fa­cha­das da Pra­ça da Fi­guei­ra é vis­ta co­mo me­di­da “de­sar­ti­cu­la­da” e “ca­suís­ti­ca”

Edição Público Lisboa - - LOCAL - Lis­boa João Pe­dro Pin­cha

O apa­re­ci­men­to de azu­le­jos na fa­cha­da do quar­tei­rão da Suí­ça, na lis­bo­e­ta Pra­ça da Fi­guei­ra, é en­ca­ra­do com per­ple­xi­da­de por al­guns ar­qui­tec­tos e his­to­ri­a­do­res. Nu­ma reu­nião on­tem de ma­nhã, vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas ques­ti­o­na­ram a re­le­vân­cia da in­ter­ven­ção e de­fen­de­ram a exis­tên­cia de um pla­no glo­bal pa­ra a Bai­xa, em vez de ope­ra­ções iso­la­das.

Na Con­fei­ta­ria Na­ci­o­nal, com vis­ta pa­ra os azu­le­jos, a ve­re­a­ção do PSD pro­mo­veu um pe­que­no-al­mo­ço de de­ba­te do pro­jec­to de Da­ci­a­no da Cos­ta. De­se­nha­do em 2001 e re­a­vi­va­do pe­la câ­ma­ra mu­ni­ci­pal no fim de 2017, pre­vê que as fa­cha­das da pra­ça se­jam re­ves­ti­das a azu­le­jos. Os pri­mei­ros já es­tão num dos to­pos.

“Co­me­çou-se por es­te sem ex­pli­car tu­do o res­to”, la­men­tou João Pau­lo Mar­tins, co-au­tor do pro­jec­to. O ar­qui­tec­to ex­pli­cou que a ideia sem­pre foi ter os quar­tei­rões di­fe­ren­ci­a­dos en­tre si: nuns apli­car-se-iam azu­le­jos azuis e bran­cos, cri­an­do um efei­to dé­gra­dé; nou­tros, os azu­le­jos se­ri­am to­dos azuis; no quar­tei­rão da Suí­ça, fi­cou de­se­nha­do — e cum­priu-se — que os azu­le­jos se­ri­am mais cla­ros.

“O pro­jec­to ti­nha es­te pres­su­pos­to: é ne­ces­sá­rio fa­zer al­gu­ma coi­sa na Pra­ça da Fi­guei­ra”, lem­brou João Pau­lo Mar­tins. O ate­li­er de Da­ci­a­no foi con­vi­da­do pelo exe­cu­ti­vo de João So­a­res, em 1999, a apre­sen­tar uma pro­pos­ta de in­ter­ven­ção quan­do “es­ta­va já a de­cor­rer a cons­tru­ção do par­que de es­ta­ci­o­na­men­to sub­ter­râ­neo”, dis­se. “Foi is­so que foi en­co­men­da­do, um chão pa­ra a pra­ça. Mas lá no ate­li­er per­ce­beu-se que um chão não che­ga­va”, acres­cen­tou. “[A pra­ça te­ve um mercado du­ran­te dé­ca­das e] as fa­cha­das fo­ram sen­do con­ce­bi­das com uma pers­pec­ti­va que nós hoje não te­mos [, pois o mercado de­sa­pa­re­ceu].”

Daí sur­giu a per­gun­ta: “Co­mo fa­zer dis­to uma uni­da­de?” E a res­pos­ta veio na for­ma de azu­le­jos. João Pau­lo Mar­tins, que saiu do ate­li­er de Da­ci­a­no em 2002, afir­mou que “des­de 1999 Nu­no Vas­sa­lo e Sil­va Ex-di­rec­tor-ge­ral do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral tem ha­vi­do de­ba­te pú­bli­co so­bre es­ta ques­tão” e que “não hou­ve na­da es­con­di­do”. Ain­da as­sim, não põe as mãos no fo­go pelo que ago­ra foi fei­to. Em 2004, um pa­re­cer iden­ti­fi­cou os azu­le­jos e pro­ce­di­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra que as pa­re­des con­ti­nu­as­sem “a res­pi­rar”. A câ­ma­ra dis­se en­tão que os azu­le­jos pro­du­zi­dos em 2001 não ser­vi­am. Mas a au­tar­quia dis­se ao PÚ­BLI­CO que as pe­ças ago­ra apli­ca­das são pre­ci­sa­men­te as que fo­ram da­das co­mo inap­tas há 14 anos. “Não sei até que pon­to se res­pei­ta­ram as ques­tões téc­ni­cas”, dis­se João Pau­lo Mar­tins. “Se me per­gun­ta­rem se o re­sul­ta­do que aqui es­tá era o que eu ti­nha na mi­nha ca­be­ça há 18 anos...”, co­me­çou, mas não con­cluiu a fra­se.

Pa­ra João Ro­deia, ex-pre­si­den­te da Or­dem dos Ar­qui­tec­tos e do Ins­ti­tu­to Por­tu­guês do Pa­tri­mó­nio Ar­qui­tec­tó­ni­co (Ip­par), es­ta obra “é ca­suís­ti- ca”. “Eu pre­fe­ri­ria que hou­ves­se uma vi­são mais glo­bal.” E lem­brou que exis­te uma can­di­da­tu­ra des­ta zo­na a Pa­tri­mó­nio da UNESCO. “Sa­ben­do que a ava­li­a­ção das can­di­da­tu­ras é ma­té­ria sen­sí­vel, eu per­gun­to-me se a con­ti­nu­a­ção de in­ter­ven­ções ca­suís­ti­cas não põe em cau­sa a ins­cri­ção da Bai­xa na lis­ta de pa­tri­mó­nio.”

Nu­no Vas­sal­lo e Sil­va, ex-di­rec­tor­ge­ral do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral, ques­ti­o­nou: “Qual a opor­tu­ni­da­de des­ta in­ter­ven­ção em 2018? Em 1999, a Bai­xa vi­via uma de­ca­dên­cia tre­men­da. O pa­no­ra­ma já não é o mes­mo”, dis­se. “Ver es­ta in­ter­ven­ção de­sar­ti­cu­la­da de to­da a Bai­xa pa­re­ce-me al­go pre­o­cu­pan­te. Não sei se es­te pro­jec­to hoje te­rá o lu­gar ou a jus­ti­fi­ca­ção que ti­nha há 18 anos.”

Xa­na Cam­pos, do fó­rum de dis­cus­são Ar­qui­tec­tu­ra Per­to, ma­ni­fes­tou­se “cho­ca­da”. “Por­que é que há es­te ti­po de in­ter­ven­ção? Ex­pli­quem-me lá qual é a ideia, a van­ta­gem. A uni­da­de não se con­se­gue por o re­ves­ti­men­to ser to­do o mes­mo.”

O ar­qui­tec­to Vic­tor Lopes dos San­tos cri­ti­cou a câ­ma­ra por im­por os azu­le­jos aos pro­pri­e­tá­ri­os, so­bre­tu­do sem um pla­no mai­or. “Pre­o­cu­pa-me fa­zer­mos uma in­ter­ven­ção de re­de­se­nho de um es­pa­ço sem sa­ber o que fa­zer pa­ra o re­vi­ta­li­zar. De que va­le pin­tar os pré­di­os, pô-los de ca­ra la­va­da, se nin­guém os vai uti­li­zar?”

To­dos de­fen­de­ram a cri­a­ção de uma es­tru­tu­ra pa­ra pen­sar a Bai­xa co­mo um to­do — João Pe­dro Cos­ta, do PSD, com­pro­me­teu-se a pro­por is­so na câ­ma­ra.

Em 1999, a Bai­xa vi­via uma de­ca­dên­cia tre­men­da. O pa­no­ra­ma já não é o mes­mo

jo­ao.pin­cha@pu­bli­co.pt

SEBASTIÃO ALMEIDA

PSD jun­tou es­pe­ci­a­lis­tas num de­ba­te ao pe­que­no-al­mo­ço, na pra­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.