Zu­ma re­sis­tiu mas de­mi­tiu-se fa­ce a mo­ção de cen­su­ra do ANC

Co­me­çou o dia a di­zer que na­da ti­nha fei­to de mal. Mas aca­bou a aca­tar a dis­ci­pli­na par­ti­dá­ria, e deu por ter­mi­na­da uma pre­si­dên­cia re­che­a­da de sus­pei­tas de cor­rup­ção

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Áfri­ca do Sul Ma­nu­el Lou­ro

Num dis­cur­so di­fí­cil, com a gar­gan­ta se­ca, fei­to já tar­de na noi­te de Pre­tó­ria, Ja­cob Zu­ma aca­bou por ce­der à pres­são que sur­giu de to­do o la­do nas úl­ti­mas du­as se­ma­nas e apre­sen­tou a de­mis­são. Pôs fim a uma go­ver­na­ção de no­ve anos mar­ca­da por sus­pei­tas de cor­rup­ção e fra­co de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co. “Che­guei à de­ci­são de me de­mi­tir do car­go de Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca com efei­tos ime­di­a­tos”, afir­mou.

Foi uma de­ci­são anun­ci­a­da ao fim de um dia em que o seu par­ti­do, o Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no (ANC, na si­gla em in­glês), de­sis­tiu de ten­tar ne­go­ci­ar a sua saí­da e se jun­tou à opo­si­ção pa­ra mar­car uma mo­ção de cen­su­ra pa­ra hoje. Com o apoio do ANC a es­ta mo­ção, as hi­pó­te­ses de so­bre­vi­vên­cia do ago­ra ex-Pre­si­den­te da Áfri­ca do Sul se­ri­am pra­ti­ca­men­te nu­las. O ANC pro­me­teu que até sex­ta-fei­ra ha­ve­ria um no­vo Pre­si­den­te na Áfri­ca do Sul.

Ain­da as­sim, Zu­ma man­te­ve o sus­pen­se du­ran­te a mai­or par­te do dis­cur­so. “Não te­nho me­do de ne­nhu­ma mo­ção de des­con­fi­an­ça”, afir­mou, fa­zen­do sus­pei­tar que ia man­ter a ati­tu­de de de­sa­fio.

Mas, com a de­mis­são de Zu­ma, a ad­mi­nis­tra­ção man­tém-se e Cy­ril Ra­mapho­sa, o vi­ce-pre­si­den­te e lí­der do ANC, so­be au­to­ma­ti­ca­men­te ao car­go de Pre­si­den­te. Aí per­ma­ne­ce­rá até pelo me­nos às eleições de 2019, pe­río­do du­ran­te o qual te­rá a ár­dua ta­re­fa de vol­tar a unir o par­ti­do e lim­par a sua ima­gem pa­ra que não se­ja cas­ti­ga­do nas ur­nas pe­los po­lé­mi­cos anos de pre­si­dên­cia de Zu­ma.

Só o fu­tu­ro di­rá o pre­ço que o his­tó­ri­co ANC — que do­mi­na o po­der des­de 1994 e foi pe­ça-cha­ve pa­ra o fim do Apartheid — te­rá de pagar por es­ta guer­ra com Ja­cob Zu­ma.

A se­cre­tá­rio-ge­ral ad­jun­ta do ANC, Jes­sie Duarte, afir­mou que a de­ci­são de Zu­ma foi uma “con­tri­bui­ção in­crí­vel” pa­ra o país, ga­ran­tin­do que o ex-Pre­si­den­te con­ti­nu­a­rá a tra­ba­lhar com o par­ti­do. Ape­sar de re­co­nhe­cer e acei­tar os er­ros de Zu­ma, Duarte diz que o ANC agra­de­ce o le­ga­do dei­xa­do.

Os mer­ca­dos re­a­gi­ram fa­vo­ra­vel­men­te: a co­ta­ção do rand fa­ce ao dó­lar su­biu a ní­veis que não se vi­am des­de Mar­ço de 2015.

Zu­ma ga­ran­tiu que não fez na­da de er­ra­do pa­ra ser obri­ga­do a de­mi­tir-se e que propôs ao lí­der do par­ti­do sair em Ju­nho, nu­ma en­tre­vis­ta trans­mi­ti­da on­tem de ma­nhã pelo ca­nal de te­le­vi­são SABC, que aca­bou por se trans­for­mar num qua­se mo­nó­lo­go.

“Qual é a pres­sa?”

“Nin­guém veio ter co­mi­go e dis­se: ‘Is­to foi o que vo­cê fez’”, afir­mou, ex­pli­can­do as con­ver­sa­ções que man­te­ve com a li­de­ran­ça do seu par­ti­do e acres­cen­tan­do que o pe­di­do pa­ra que se afas­te do po­der é “in­jus­to”.

O ain­da Pre­si­den­te re­ve­lou tam­bém que propôs a Ra­mapho­sa apre­sen­tar a de­mis­são de­pois de Ju­nho, re­fe­rin­do que es­pe­ra­va pre­si­dir à dé­ci­ma con­fe­rên­cia dos BRICS (Bra­sil, Rús­sia, Ín­dia, Chi­na, e Áfri­ca do Sul), que de­cor­re em Jo­a­nes­bur­go, e apro­vei­tar a oca­sião pa­ra apre­sen­tar Ra­mapho­sa aos ou­tros lí­de­res: “Eu gos­ta­ria de me de­mi­tir de­pois de Ju­nho. A ra­zão? Es­te país tem re­la­ção com mui­tos ou­tros paí­ses”.

A re­al pos­si­bi­li­da­de de ter de res­pon­der pe­ran­te a jus­ti­ça por cau­sa das cen­te­nas de ca­sos de cor­rup­ção em que o seu no­me sur­ge — tan­to an­tes de ser Pre­si­den­te co­mo de­pois, mui­tas de­las em re­la­ção com a fa­mí­lia Gup­ta, ex­tre­ma­men­te odi­a­da na Áfri­ca do Sul — se­rá a gran­de pre­o­cu­pa­ção de Ja­cob Zu­ma.

“Qual é a pres­sa?”, ques­ti­o­nou Zu­ma, des­ta­can­do que fal­tam ape­nas 18 meses pa­ra que o seu se­gun­do e der­ra­dei­ro man­da­to ter­mi­ne. “Achei mui­to es­tra­nho que me dis­ses­sem Ja­cob Zu­ma re­sis­tiu mui­to mas aca­bou por ce­der e de­mi­tir-se num dis­cur­so à na­ção ‘tem que ir em­bo­ra’, por­que es­tá a ca­mi­nho um no­vo Pre­si­den­te. Is­to é não é a po­lí­ti­ca do ANC”, acres­cen­tou.

Su­ges­tões de vi­o­lên­cia

A des­ti­tui­ção for­ça­da pelo Par­la­men­to se­ria sem­pre vis­ta co­mo uma hu­mi­lha­ção pa­ra Zu­ma, o que não agra­da­ria aos seus apoi­an­tes. Por is­so o Pre­si­den­te jogou a car­ta­da da vi­ti­mi­za­ção, pa­ra ten­tar di­rec­ci­o­nar pa­ra o par­ti­do as res­pon­sa­bi­li­da­des pe­la cri­se po­lí­ti­ca sem pre­ce­den­tes que to­mou con­ta da Áfri­ca do Sul nas du­as úl­ti­mas se­ma­nas — mas que na ver­da­de re­sul­ta dos anos de ca­sos de cor­rup­ção que mar­ca­ram os seus dois man­da­tos.

No dis­cur­so da noi­te, dis­se ter fi­ca­do as­sus­ta­do com a pos­si­bi­li­da­de vi­o­lên­cia pelo seu afas­ta­men­to. “Ne­nhu­ma vi­da se de­ve

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.