Jus­ti­ça sul-afri­ca­na começa ajus­te de con­tas com os Gup­tas

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Cla­ra Ba­ra­ta

per­der em meu no­me”, avi­sou.

An­tes, de ma­nhã, ti­nha dei­xa­do pa­la­vras que dei­xa­ram no ar um tom de ame­a­ça, no­ta­do com de­sa­gra­do por vá­ri­os ob­ser­va­do­res. “Acho que es­ta­mos a ser le­va­dos pa­ra uma cri­se. Os meus lí­de­res [do ANC] vão-se ar­re­pen­der dis­to. Al­guns dos meus com­pa­nhei­ros po­dem não gos­tar”, ati­rou. A Áfri­ca do Sul é um país com ele­va­dos ní­veis de vi­o­lên­cia, não ne­ces­sa­ri­a­men­te de ori­gem po­lí­ti­ca.

O dia que se trans­for­mou no dia “D” de Zu­ma — ou “Ze­xit”, em alu­são ao “Bre­xit”, uma ex­pres­são que se tor­nou po­pu­lar en­tre os sul-afri­ca­nos — co­me­çou de for­ma pou­co aus­pi­ci­o­sa pa­ra Ja­cob zu­ma, com as bus­cas que a uni­da­de es­pe­ci­al pa­ra cri­mes gra­ves da po­lí­cia sul-afri­ca­na fez na re­si­dên­cia da fa­mí­lia Gup­ta em Jo­a­nes­bur­go. Cy­ril Ra­mapho­sa, vi­ce-pre­si­den­te e lí­der do ANC des­de De­zem­bro, sem­pre quis evi­tar a hi­pó­te­se da mo­ção de des­con­fi­an­ça, pois dei­xa­ria a opo­si­ção li­de­rar o pro­ces­so de des­ti­tui­ção de Zu­ma. Além dis­so, po­de­ria p uma di­vi­são ain­da mai­or no seio do par­ti­do e re­la­ti­va­men­te à ain­da for­te ba­se de apoio que o Pre­si­den­te de­tém no elei­to­ra­do.

Nas úl­ti­mas du­as se­ma­nas Cy­ril Ra­mapho­sa ten­tou en­ve­re­dar por to­dos os ca­mi­nhos pos­sí­veis de for­ma a des­ti­tuir pa­ci­fi­ca­men­te Zu­ma, cu­jo man­da­to ter­mi­na no pró­xi­mo ano. O ob­jec­ti­vo do vi­ce-pre­si­den­te des­de que foi elei­to lí­der do ANC era ter­mi­nar o mais ce­do pos­sí­vel com a go­ver­na­ção de Zu­ma, que nos úl­ti­mos no­ve anos foi mar­ca­da por sus­pei­tas de cor­rup­ção e por ins­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca, pa­ra su­bir ao po­der e apro­vei­tar o tem­po que res­ta até às eleições de 2019 pa­ra lim­par a ima­gem do par­ti­do, que es­tá no po­der des­de 1994, e im­pe­dir que se­ja cas­ti­ga­do nas ur­nas.

No iní­cio des­te mês, a li­de­ran­ça do par­ti­do ten­tou con­ven­cer Zu­ma a afas­tar-se vo­lun­ta­ri­a­men­te. Pe­ran­te a pri­mei­ra re­cu­sa, foi mar­ca­do um co­mi­té exe­cu­ti­vo. Mas, de­pois de se ini­ci­a­rem ne­go­ci­a­ções di­rec­tas en­tre Ra­mapho­sa e Zu­ma, a reu­nião do ór­gão par­ti­dá­rio foi can­ce­la­da, bem co­mo o dis­cur­so so­bre o es­ta­do da Na­ção. Tu­do is­to in­di­ca­va que te­ri­am al­can­ça­do um acor­do.

No en­tan­to, no úl­ti­mo fim­de-se­ma­na, tu­do vol­tou atrás e as con­ver­sa­ções caí­ram. Na se­gun­da-fei­ra ocor­reu mes­mo um en­con­tro de ur­gên­cia do co­mi­té exe­cu­ti­vo do ANC em que foi da­da or­dem a Zu­ma pa­ra apre­sen­tar a de­mis­são, en­quan­to re­pre­sen­tan­te elei­to pelo par­ti­do.

Ba­ra­ta com Cla­ra

ma­nu­el.lou­ro@ pu­bli­co.pt O to­que de al­vo­ra­da do dia da que­da de Ja­cob Zu­ma co­me­çou com uma dú­zia de po­lí­ci­as de uma uni­da­de es­pe­ci­al, os Hawks (fal­cões), a en­trar na man­são da fa­mí­lia Gup­ta em Sa­xonwold, um su­búr­bio ri­co de Jo­a­nes­bur­go. A in­ves­ti­ga­ção so­bre o di­nhei­ro de apoi­os es­ta­tais a uma quin­ta de pro­du­ção de lei­te que aca­bou na con­ta de um dos ir­mãos Gup­ta, e foi usa­da pa­ra pagar um ca­sa­men­to, é a cau­sa di­rec­ta des­te rai­de.

A que­da em des­gra­ça des­ta fa­mí­lia de em­pre­sá­ri­os in­di­a­nos que se impôs na eco­no­mia sul-afri­ca­na te­cen­do uma pe­ri­go­sa teia de cum­pli­ci­da­des com o Pre­si­den­te e o seu fi­lho, Du­du­za­ne, bem co­mo com ou­tras fi­gu­ras da ad­mi­nis­tra­ção, li­ga­das ao Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no (ANC), te­rá o efei­to de tem­pes­ta­de de la­ma na Áfri­ca do Sul.

A car­ri­nha da po­lí­cia que saiu da man­são le­va­ria lá den­tro Ajay Gup­ta, um dos ir­mãos. Ajay es­tá de­ti­do e o ir­mão Atul es­tá a ser in­ter­ro­ga­do, no­ti­ci­a­va o si­te sul-afri­ca­no News24.

A cau­sa pró­xi­ma des­ta ac­ção policial, no mes­mo dia em que o Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no ten­tou for­çar o Pre­si­den­te Zu­ma a de­mi­tir­se, foi o re­la­tó­rio apre­sen­ta­do na se­ma­na pas­sa­da pe­la Pro­ve­do­ra de Jus­ti­ça Bu­siswe Mkhwe­ba­ne so­bre a Quin­ta Vre­de.

Um apoio es­ta­tal de cer­ca de 15 mi­lhões de eu­ros (200 mi­lhões de rands), que de­via ter si­do usa­do pa­ra aju­dar agri­cul­to­res ne­gros na pro­vín­cia Es­ta­do Li­vre foi ca­na­li­za­do pa­ra con­tas dos Gup­ta no es­tran­gei­ro e aca­bou por ser usa­do pa­ra pagar um ca­sa­men­to da fa­mí­lia em 2013. O ca­so foi re­ve­la­do na fu­ga de in­for­ma­ção de 2017 co­nhe­ci­da co­mo #Gup­taLe­aks, em que fo­ram di­vul­ga­dos 200 mil e-mails e ou- tros do­cu­men­tos re­la­ci­o­na­dos com a fa­mí­lia Gup­ta.

O re­la­tó­rio de Mkhwe­ba­ne é con­tro­ver­so, por­que não acu­sa di­rec­ta­men­te a em­pre­sa da fa­mí­lia Gup­ta que di­ri­gia o pro­jec­to — re­co­men­da an­tes que o en­tão pri­mei­ro-mi­nis­tro da pro­vín­cia e ac­tu­al se­cre­tá­rio-ge­ral do ANC, Ace Ma­gashu­le, to­mas­se me­di­das con­tra os ele­men­tos da sua ad­mi­nis­tra­ção en­vol­vi­dos no ca­so. Em­bo­ra o pró­prio Ma­gashu­le tam­bém es­ti­ves­se im­pli­ca­do. Era tu­do mui­to con­fu­so, e an­tes da ac­tu­al cri­se, es­ta­va agen­da­do que a pro­ve­do­ra pres­tas­se es­cla­re­ci­men­tos no Par­la­men­to on­tem.

Em Ja­nei­ro, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co sul-afri­ca­no ti­nha já ob­ti­do um man­da­do pa­ra con­ge­lar cer­ca de 106 mi­lhões eu­ros nas con­tas da mul­ti­na­ci­o­nal nor­te-ame­ri­ca­na McKin­sey e da em­pre­sa Tril­li­an, li­ga­da aos Gup­ta, de­vi­do a um con­tra­to sus­pei­to que li­ga es­tas du­as en­ti­da­des à em­pre­sa pú­bli­ca de elec­tri­ci­da­de Es­kom, cu­ja ges­tão foi de­sas­tro­sa, no­ti­ci­ou o Le Mon­de. Ao to­do, fo­ram aber­tas 17 in­ves­ti­ga­ções so­bre em­pre­sas li­ga­das aos Gup­ta, na ten­ta­ti­va de re­cu­pe­rar 3,3 mil mi­lhões de eu­ros de di­nhei­ro pú­bli­co.

O fac­to de a fa­mí­lia Gup­ta es­tar a ser cha­ma­da a pres­tar con­tas na Jus­ti­ça, após mui­tos anos de de­nún­ci­as e ca­sos — com Du­du­za­ne Zu­ma, o fi­lho do Pre­si­den­te, a ocu­par car­gos de di­rec­ção em vá­ri­as em­pre­sas da hol­ding des­de me­a­dos dos anos 2000 - es­tá a ser vis­to co­mo pro­va de que al­go es­tá a mu­dar des­de que Cy­ril Ram­paho­sa foi elei­to pa­ra a di­rec­ção do ANC, em De­zem­bro. “O Es­ta­do pa­re­ce es­tar a fun­ci­o­nar ou­tra vez”, co­men­tou Adri­an Bas­son, edi­tor do si­te News24.

E so­bre as cul­pas de Zu­ma, Bas­son não he­si­ta: “Não ha­ja dú­vi­das de que Zu­ma sé­ni­or foi o Padrinho nes­ta or­ga­ni­za­ção cri­mi­nal. A pi­lha­gem nas em­pre­sas es­ta­tais não te­ria si­do pos­sí­vel se ele não o ti­ves­se fa­ci­li­ta­do no­me­an­do mi­nis­tros com­pla­cen­tes que aju­da­ram os Gup­tas”. cba­ra­ta@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.