As de­ci­sões di­fí­ceis são pa­ra to­mar an­tes das eleições eu­ro­pei­as, de­fen­de Junc­ker

Lí­der da Co­mis­são Eu­ro­peia an­te­ci­pou o de­ba­te da pró­xi­ma ci­mei­ra e avan­çou idei­as pa­ra a se­lec­ção do seu su­ces­sor

Edição Público Lisboa - - MUNDO - UE Ri­ta Si­za, Bru­xe­las

As eleições eu­ro­pei­as só são em Maio de 2019, mas a men­sa­gem que a Co­mis­são Eu­ro­peia quer trans­mi­tir aos lí­de­res dos Es­ta­dos-mem­bros da União é de que o tem­po das de­ci­sões, no que diz res­pei­to à de­fi­ni­ção do pró­xi­mo qua­dro fi­nan­cei­ro plu­ri­a­nu­al, ou à es­co­lha do pró­xi­mo pre­si­den­te da Co­mis­são, é já ago­ra.

“Te­mos de agir em tem­po útil pa­ra não re­pe­tir os er­ros do pas­sa­do”, afir­mou Je­an-Clau­de Junc­ker, que con­si­de­ra fun­da­men­tal que os elei­to­res eu­ro­peus co­nhe­çam os can­di­da­tos de ca­da fa­mí­lia po­lí­ti­ca ao car­go de pre­si­den­te da Co­mis­são an­tes de irem às ur­nas, ou que os be­ne­fi­ciá­ri­os das po­lí­ti­cas eu­ro­pei­as sai­bam exac­ta­men­te com que ver­bas po­dem con­tar pa­ra to­ma­rem as su­as de­ci­sões de in­ves­ti­men­to.

To­man­do po­si­ção na gre­lha de par­ti­da do de­ba­te po­lí­ti­co so­bre as ques­tões or­ça­men­tais e ins­ti­tu­ci­o­nais que se vai ini­ci­ar já na pró­xi­ma se­ma­na nu­ma ci­mei­ra in­for­mal de che­fes de Es­ta­do e go­ver­no da União Eu­ro­peia, em Bru­xe­las, o pre­si­den­te da Co­mis­são avan­çou al­gu­mas pro­pos­tas que es­tão em ro­ta de co­li­são com as idei­as dos lí­de­res de vá­ri­os paí­ses. Por exem­plo, pa­ra a se­lec­ção do seu su­ces­sor no car­go, Junc­ker de­fen­de a ma­nu­ten­ção do sis­te­ma de no­me­a­ção de ca­be­ças de lis­ta pe­los gru­pos po­lí­ti­cos do Par­la­men­to Europeu (spit­zen­kan­di­da­ten) — um pro­ces­so que, re­co­nhe­ceu, não foi re­ce­bi­do com sim­pa­tia e continua a sus­ci­tar re­ser­vas ou até for­te opo­si­ção, no­me­a­da­men­te do Pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron.

“Es­ta ino­va­ção não pas­sou com fa­ci­li­da­de em 2014. As coi­sas não cor­re­ram exac­ta­men­te co­mo eu de­se­ja­va”, ad­mi­tiu Junc­ker, o pri­mei­ro spit­zen­kan­di­dat em fun­ções. Mas o fac­to de ter si­do “tri­pla­men­te elei­to” (pe­los ci­da­dãos, pelo Par­la­men­to Europeu e pelo Con­se­lho) per­mi­te­lhe ac­tu­ar com to­tal in­de­pen­dên­cia. “Não sou es­cra­vo de uns nem ser­vo de ou­tros”, ob­ser­vou Junc­ker, pa­ra quem a de­ci­são so­be­ra­na de­ve es­tar na mão dos elei­to­res. Além dis­so, lem­brou, “as pes­so­as não gos­tam de vo­tar em ga­tos par­dos”, uma far­pa di­ri­gi­da a Ma­cron, que ain­da não de­fi­niu em que gru­po po­lí­ti­co do par­la­men­to pre­ten­de in­se­rir o seu mo­vi­men­to, Em Mar­cha.

Já na com­po­nen­te or­ça­men­tal, o pre­si­den­te da Co­mis­são pre­pa­rou-se pa­ra um con­fron­to com os paí­ses que são be­ne­fi­ciá­ri­os lí­qui­dos da UE, ao aler­tar pa­ra a ine­vi­ta­bi­li­da­de de cor­tes nas ver­bas des­ti­na­das às po­lí­ti­cas de agri­cul­tu­ra e de co­e­são, “de for­ma a cum­prir to­das as pri­o­ri­da­des” da agenda pós-2020. A ma­nu­ten­ção dos ac­tu­ais en­ve­lo­pes des­sas po­lí­ti­cas é uma li­nha ver­me­lha pa­ra vá­ri­os paí­ses, en­tre os quais Portugal.

“Sou um ami­go da po­lí­ti­ca de co­e­são, pe­la qual me ba­ti des­de o pri­mei­ro ‘pa­co­te De­lors’ no fim dos anos 80. E não sou a fa­vor de cor­tes ce­gos”, jus­ti­fi­cou Junc­ker, lem­bran­do que no pró­xi­mo qua­dro fi­nan­cei­ro plu­ri­a­nu­al a Co­mis­são te­rá mai­o­res ne­ces­si­da­des de fi­nan­ci­a­men­to e me­nos ver­bas dis­po­ní­veis, em fun­ção do “Bre­xit”. “Não é pos­sí­vel con­ti­nu­ar co­mo dan­tes, mas es­tou con­vic­to que con­se­gui­re­mos che­gar a acor­do so­bre um or­ça­men­to que irá re­ver­ter, em ter­mos lí­qui­dos, em be­ne­fí­cio de to­dos”.

As ne­go­ci­a­ções ain­da es­tão em cur­so e a pro­pos­ta da Co­mis­são pa­ra o pró­xi­mo qua­dro plu­ri­a­nu­al só se­rá di­vul­ga­da em Maio. No en­tan­to, on­tem já fo­ram avan­ça­das al­gu­mas idei­as que es­ta­rão no do­cu­men­to: a de que as con­tri­bui­ções na­ci­o­nais pa­ra o or­ça­men­to da UE pre­ci­sa­rão de cres­cer pa­ra mais de 1,1% do Ren­di­men­to Na­ci­o­nal Bru­to; a de só ha­ve­rá in­ves­ti­men­to em pro­jec­tos com “va­lor acres­cen­ta­do europeu” ou a pos­sí­vel in­tro­du­ção de uma con­di­ção pa­ra re­ce­ber ver­bas. Um Es­ta­do mem­bro só te­rá di­rei­to a ver­bas da UE se res­pei­tar os va­lo­res do Es­ta­do de di­rei­to — uma ideia que é re­jei­ta­da pe­los paí­ses de Les­te. rsi­za@pu­bli­co.pt

STEPHANIE LECOCQ/EPA

“Não sou es­cra­vo de uns nem ser­vo de ou­tros”, diz Junc­ker

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.