Di­rec­tor da Ox­fam que or­ga­ni­zou or­gi­as no Hai­ti ti­nha si­do de­nun­ci­a­do na Li­bé­ria

Bel­ga saiu da Mer­lin e foi con­tra­ta­do pe­la Ox­fam. De­vi­do à fal­ta de aler­tas, ain­da tra­ba­lhou na Ac­ti­on Against Hun­ger

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Rei­no Uni­do Ale­xan­dre Mar­tins

A or­ga­ni­za­ção hu­ma­ni­tá­ria Ox­fam continua no cen­tro de um es­cân­da­lo de abu­sos co­me­ti­dos por al­guns dos seus fun­ci­o­ná­ri­os em zo­nas afec­ta­das por guer­ras ou ca­tás­tro­fes na­tu­rais, e há um no­me que sur­ge co­mo pivô nas acu­sa­ções. O bel­ga Ro­land van Hauwer­mei­ren, que se de­mi­tiu em 2011 de­pois de uma in­ves­ti­ga­ção in­ter­na so­bre se­xo com pros­ti­tu­tas, já ti­nha si­do de­nun­ci­a­do nu­ma si­tu­a­ção se­me­lhan­te na Li­bé­ria quan­do tra­ba­lha­va na Mer­lin — mes­mo as­sim, vi­ria a ser di­rec­tor da Ox­fam no Cha­de e no Hai­ti e da Ac­ti­on Against Hun­ger no Ban­gla­desh.

Van Hauwer­mei­ren saiu da Ox­fam em 2011, du­ran­te a ope­ra­ção no Hai­ti. De­pois de uma in­ves­ti­ga­ção in­ter­na, ad­mi­tiu que pa­gou por se­xo com mu­lhe­res, no meio de uma ca­tás­tro­fe re­sul­tan­te do ter­ra­mo­to que ti­nha dei­xa­do o país em ruí­nas.

O bel­ga saiu da or­ga­ni­za­ção pelo seu pé e a Ox­fam apro­vou nes­sa al­tu­ra um có­di­go de con­du­ta mais ex­plí­ci­to, mas não te­rá aler­ta­do ou­tras or­ga­ni­za­ções so­bre o pa­drão de com­por­ta­men­tos do an­ti­go fun­ci­o­ná­rio — de­pois da Ox­fam, Van Hauwer­mei­ren foi con­tra­ta­do pe­la fran­ce­sa Ac­ti­on Against Hun­ger pa­ra li­de­rar a or­ga­ni­za­ção no Ban­gla­desh.

Mas as ques­tões so­bre a for­ma co­mo a Ox­fam e ou­tras or­ga­ni­za­ções ge­ri­ram as quei­xas con­tra Van Hauwer­mei­ren e ou­tros fun­ci­o­ná­ri­os abran­gem um pe­río­do mais lar­go — sa­be-se ago­ra que o bel­ga já ti­nha si­do de­nun­ci­a­do em 2004, quan­do era di­rec­tor da Mer­lin na Li­bé­ria; e em 2008, quan­do, já na Ox­fam, re­ce­beu 750 mil dó­la­res do Go­ver­no su­e­co pa­ra um programa no Cha­de.

On­tem, uma su­e­ca que tra­ba­lhou com o bel­ga na Mer­lin, na Li­bé­ria, con­tou à agên­cia IRIN que Van Hauwer­mei­ren e mais três fun­ci­o­ná­ri­os or­ga­ni­za­vam or­gi­as com mu­lhe­res nas re­si­dên­ci­as pa­gas pe­la or­ga­ni­za­ção, e trans­por­ta­vam-nas em car­ros tam­bém pa­gos pe­la Mer­lin. O bel­ga aca­ba­ria por sair da or­ga­ni­za­ção após uma in­ves­ti­ga­ção in­ter­na, mas Ami­ra Ma­lik Mil­ler dis­se que fi­cou “aba­la­da” quan­do sou­be que ele ti­nha con­ti­nu­a­do a tra­ba­lhar em or­ga­ni­za­ções de aju­da hu­ma­ni­tá­ria.

Em 2008, quan­do es­ta­va a ler o pe­di­do de fi­nan­ci­a­men­to da Ox­fam ao Go­ver­no su­e­co, Mil­ler re­pa­rou que o bel­ga di­ri­gia a or­ga­ni­za­ção no Cha­de, e aler­tou os seus su­pe­ri­o­res. Mes­mo as­sim, o programa re­ce­beu 750 mil dó­la­res pa­ra “tra­ba­lhar com mu­lhe­res nas su­as co­mu­ni­da­des pa­ra per­mi­tir que te­nham um va­lor re­co­nhe­ci­do na fa­mí­lia me­di­an­te um ca­pi­tal so­ci­al e fi­nan­cei­ro acres­ci­do” — um pro­jec­to que es­tá tam­bém a ser mar­ca­do por de­nún­ci­as de se­xo com pros­ti­tu­tas quan­do Van Hauwer­mei­ren era o seu lí­der. ale­xan­dre.mar­tins@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.