O prin­cí­pio do fim de ‘Bi­bi’, um ‘mágico’ ca­da vez com me­nos tru­ques na man­ga

Ne­tanyahu ten­ta de­sa­cre­di­tar as in­ves­ti­ga­ções que os seus ali­a­dos des­cre­vem co­mo um “gol­pe” e pro­me­te não de­sis­tir. O pro­cu­ra­dor-ge­ral te­rá de de­ci­dir se o acu­sa de cor­ru­ção, frau­de e abu­so de con­fi­an­ça

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Is­ra­el So­fia Lo­re­na

Pa­ra já, os seus co­le­gas de go­ver­no não têm in­te­res­se em dei­xá-lo cair. “Qu­e­ro ga­ran­tir-vos, a co­li­ga­ção es­tá es­tá­vel”, dis­se Ben­ja­min Ne­tanyahu, ho­ras de­pois de ter des­cri­to co­mo “cheio de bu­ra­cos, co­mo quei­jo suí­ço” um re­la­tó­rio da po­lí­cia no qual se re­co­men­da que se­ja acu­sa­do de cor­rup­ção, frau­de e abu­so de con­fi­an­ça.

Ne­tanyahu, pres­tes a tor­nar-se no po­lí­ti­co com mais tem­po no po­der em Is­ra­el, ba­ten­do o fun­da­dor do Es­ta­do, Da­vid Ben-Gu­ri­on, re­a­giu às re­co­men­da­ções da po­lí­cia co­mo li­da des­de sem­pre com o te­ma — ne­gan­do e ten­tan­do de­sa­cre­di­tar as in­ves­ti­ga­ções. Mas tal­vez se­ja tar­de pa­ra es­sa es­tra­té­gi­ca, com a opo­si­ção a pe­dir que se de­mi­ta e jor­nais ha­bi­tu­al­men­te críticos (e pró­xi­mos do cen­tro-es­quer­da) a su­ge­rir que “co­me­çou a con­ta­gem de­cres­cen­te pa­ra a par­ti­da de Ne­tanyahu” (Ha’aretz) ou que es­tá “de saí­da e por bai­xo” (Ye­di­ot Ah­ro­not).

Ain­da há quem acre­di­te que o ho­mem que quer con­cor­rer a um ter­cei­ro man­da­to se­gui­do em 2019 (de­pois de ter che­fi­a­do o exe­cu­ti­vo de 1996 a 1999) se sal­va­rá, co­mo ha­bi­tu­al­men­te. Afi­nal, ele con­se­guiu qua­se con­fun­dir-se com Is­ra­el. Mas são me­nos, de­pois do dis­cur­so de “Bi­bi”, di­mi­nu­ti­vo pa­ra um po­lí­ti­co que tem co­mo al­cu­nha “O mágico”, pre­ci­sa­men­te pe­la re­sis­tên­cia po­lí­ti­ca e sur­pre­en­den­te ha­bi­li­da­de pa­ra se li­vrar das si­tu­a­ções mais com­pli­ca­das. É que a in­ter­ven­ção em que enu­me­rou os seus fei­tos mi­li­ta­res e a sua de­di­ca­ção ao “bem do país”, uma “mis­são sa­gra­da” que nun­ca ven­de­ria “por uns quan­tos cha­ru­tos”, pa­re­cia qua­se uma des­pe­di­da, só que não o foi.

Meses até à de­ci­são

Tão im­pro­vá­vel co­mo a sua pri­mei­ra vi­tó­ria, con­tra Shi­mon Pe­res, se­ria li­vrar-se des­ta si­tu­a­ção. Ago­ra, o seu des­ti­no es­tá nas mãos do pro­cu­ra­dor-ge­ral, Avi­chaï Man­del­blit, que o pró­prio aju­dou a su­bir na car­rei­ra. É ele que te­rá de de­ci­dir se um pri­mei­ro-mi­nis­tro em fun­ções se­rá pe­la pri­mei­ra vez acu­sa­do pe­la Jus­ti­ça, e po­de le­var meses a fa­zê-lo.

Em Is­ra­el de­ba­te-se se Man­del­blit te­rá co­ra­gem. Par­te da dis­cus­são cen­tra-se no fac­to de es­te ser um país sem­pre em es­ta­do de aler­ta: pa­ra al­guns, a se­gu­ran­ça tem pri­o­ri­da­de e Ne­tanyahu de­ve fi­car; ou­tros con­si­de­ram que Is­ra­el não po­de ar­ris­car ter um pri­mei­ro-mi­nis­tro dis­traí­do nas su­as pró­pri­as ba­ta­lhas le­gais.

Ehud Ol­mert, an­te­ces­sor de “Bi­bi”, de­mi­tiu-se pa­ra evi­tar es­ta si­tu­a­ção, em 2008, uma se­ma­na de­pois de a po­lí­cia re­co­men­dar que fos­se acu­sa­do de su­bor­nos, que­bra de con­fi­an­ça e la­va­gem de di­nhei­ro. Aca­bou por ser con­de­na­do e es­te­ve na pri­são até ao ano pas­sa­do. Na al­tu­ra, Ne­tanyahu exi­giu-lhe que se afas­tas­se.

O que os jor­nais de on­tem es­cre- vem, a par­tir do re­la­tó­rio policial e ao con­trá­rio do que in­sis­te o pri­mei­ro-mi­nis­tro, é que fi­cou cla­ro que em cau­sa es­tá mui­to mais do que “uns cha­ru­tos ofe­re­ci­dos”. Ao to­do, há qua­tro pro­ces­sos que en­vol­vem di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te Ne­tanyahu, a sua mu­lher (que em bre­ve se­rá le­va­da a tri­bu­nal por gas­tos na re­si­dên­cia do ca­sal in­de­vi­da­men­te co­bra­dos ao Es­ta­do no va­lor de 84 mil eu­ros), fi­lho e co­la­bo­ra­do­res pró­xi­mos.

As re­co­men­da­ções da po­lí­cia ba­sei­am-se só em dois, “dos­si­er 1000” e “dos­si­er 2000”, cu­jas in­ves­ti­ga­ções es­tão mais avan­ça­das: no pri­mei­ro, o lí­der do Go­ver­no, a sua mu­lher, Sa­ra, e o fi­lho, Yaïr, são sus­pei­tos de re­ce­be­rem cen­te­nas de mi­lha­res de eu­ros em cha­ru­tos, cham­pa­nhe, jói­as ou vi­a­gens pelo pa­ga­men­to de fa­vo­res. Só em jói­as pa­ra Sa­ra, o pro­du­tor de Hollywo­od Ar­non Mil­chan e o em­pre­sá­rio aus­tra­li­a­no Ja­mes Pac­ker te­rão in­ves­ti­do 240 mil eu­ros.

“Bi­bi” fa­la em “pren­das de amigos”, a imprensa es­cre­ve que as ofer­tas cor­res­pon­di­am a en­co­men­das pre­ci­sas fei­tas pe­la fa­mí­lia. No ca­so de Mil­chan, Ne­tanyahu ter-lhe-á pro­me­ti­do aju­da na ex­ten­são do seu vis­to ame­ri­ca­no e na pro­mo­ção dos seus in­te­res­ses no mercado de te­le­vi­são. Pac­ker que­ria uma au­to­ri­za­ção de re­si­dên­cia em Is­ra­el.

O fim de uma era?

“A era Ne­tanyahu aca­bou”, diz o lí­der do La­bour, Avi Gabby, na opo­si­ção

O ca­so “2000” en­vol­ve a ale­ga­da ten­ta­ti­va de Ne­tanyahu su­bor­nar o pro­pri­e­tá­rio do mai­or jor­nal do país, Ye­di­ot Ah­ro­not, pa­ra me­lho­rar a co­ber­tu­ra do seu Go­ver­no em tro­ca de leis pa­ra pre­ju­di­car o ta­blói­de de dis­tri­bui­ção gra­tui­ta Is­ra­el Hanyom, fi­nan­ci­a­do pelo mul­ti­mi­li­o­ná­rio ame­ri­ca­no Shel­don Adel­son.

“A era Ne­tanyahu aca­bou”, diz o lí­der do La­bour, na opo­si­ção, Avi Gabby. “Qual­quer figura pú­bli­ca de­cen­te tem o de­ver de for­ta­le­cer a po­lí­cia e a lei e pôr fim ao ca­mi­nho do Go­ver­no li­de­ra­do por Ne­tanyahu”, acres­cen­tou. A ali­an­ça de cen­tro­es­quer­da con­si­de­ra que as con­clu­sões da po­lí­cia são “cla­ras, du­ras e con­clu­si­vas”.

Quem com ele es­tá no po­der não pa­re­ce pre­ten­der que o Go­ver­no caia já: o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Naf­ta­li Ben­nett (lí­der do par­ti­do de ex­tre­ma­di­rei­ta Ca­sa Ju­dai­ca), um dos pi­la­res da frá­gil co­li­ga­ção, diz que o pri­mei­ro-mi­nis­tro “é um ho­mem ho­nes­to” que de­ve fi­car; Moshe Kah­lon, mi­nis­tro das Fi­nan­ças e ou­tro pi­lar (mas do seu par­ti­do, Li­kud), es­cre­veu no Fa­ce­bo­ok que só o pro­cu­ra­dor­ge­ral po­de to­mar uma de­ci­são. Já o mi­nis­tro do Tu­ris­mo, igual­men­te do Li­kud, com­pa­rou o re­la­tó­rio da po­lí­cia a “um gol­pe”.

Pa­ra além das ques­tões le­gais, e da in­se­gu­ran­ça de Is­ra­el, que nos úl­ti­mos di­as lan­çou uma sé­rie de ata­ques con­tra a Sí­ria (em res­pos­ta ao der­ru­be de um F-16 is­ra­e­li­ta), há quem lem­bre ou­tro cri­té­rio a ter em con­ta des­te de­ba­te. É que a vi­da lu­xu­o­sa do ca­sal Ne­tanyahu (Sa­ra te­rá ins­ti­tuí­do co­mo re­gu­la­res as re­fei­ções de cor­don bleu, an­tes um pri­vi­lé­gio pa­ra con­vi­da­dos de Es­ta­do) es­tá bem dis­tan­te do com­por­ta­men­to dos pri­mei­ros lí­de­res e con­tra­diz va­lo­res que pas­sa­vam por cri­ar um no­vo Es­ta­do e uma no­va so­ci­e­da­de, igua­li­tá­ria e sem cor­rup­ção. slo­re­na@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.