A tra­di­ção do B.Le­za faz as pa­zes com os rit­mos da En­chu­fa­da

Era ra­ro ou­vir-se ku­du­ro ou afro-hou­se no B.Le­za, rei­no do sem­ba ou da mor­na. En­tre­tan­to, mui­ta coi­sa mudou. E a par­tir de hoje ha­ve­rá ali noi­tes men­sais da En­chu­fa­da, a ca­sa dos Bu­ra­ka Som Sis­te­ma

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Mú­si­ca Ví­tor Be­lan­ci­a­no

Há cer­ca de 14 anos, quan­do a edi­to­ra En­chu­fa­da, em­brião da­qui­lo que vi­ri­am a ser mais tar­de os Bu­ra­ka Som Sis­te­ma, da­va os pri­mei­ros pas­sos, o B.Le­za ain­da era no Lar­go do Con­de Ba­rão, em San­tos, Lis­boa. Hoje fi­ca no Cais da Ri­bei­ra No­va, Ar­ma­zém B, jun­to ao rio. O es­pa­ço fí­si­co é ou­tro. Mas o seu sig­ni­fi­ca­do sim­bó­li­co continua a ser o mes­mo. Quan­do se pen­sa em mis­ci­ge­na­ção cul­tu­ral, é im­pos­sí­vel não fo­car o pa­pel do B.Le­za. Des­de sem­pre que os cor­pos ali ba­lan­çam sen­su­al­men­te ao rit­mo do sem­ba an­go­la­no ou do fu­na­ná ca­bo-ver­di­a­no, foi ali que mui­tas car­rei­ras de mú­si­cos afro­des­cen­den­tes se vi­ram im­pul­si­o­na­das.

Ao lon­go dos anos, o B.Le­za as­su­miu-se co­mo uma es­pé­cie de gu­ar­dião de uma cer­ta tra­di­ção mu­si­cal afri­ca­na, fos­se ela sim­bo­li­za­da pe­los sem­bas, pe­las mor­nas, pe­las co­la­de­ras ou pelo fu­na­ná. Pelo con­trá­rio, to­dos os mais re­cen­tes de­sen­vol­vi­men­tos mu­si­cais que per­mi­ti­ram a emer­gên­cia da ideia de uma cul­tu­ra glo­bal ne­gra, cor­po­ri­za­da pelo hiphop, pelo ku­du­ro ou pe­la ki­zom­ba, sem­pre te­ve ali, sal­vo vá­ri­as ex­cep­ções, mais di­fi­cul­da­des de aco­lhi­men­to. Ora, as se­gun­das e ter­cei­ras ge­ra­ções da imi­gra­ção pro­ve­ni­en­te dos paí­ses afri­ca­nos de ex­pres­são por­tu­gue­sa es­tão mui­tas ve­zes mais pró­xi­mas das ex­pres­sões globais do que das raí­zes pa­ren­tais. Pa­re­cia exis­tir um va­zio, um di­vór­cio ge­ra­ci­o­nal. Daí que se­ja um momento es­pe­ci­al a noi­te men­sal da En­chu­fa­da que se ini­cia hoje no B.Le­za, in­ti­tu­la­da Na Sur­ra.

“Es­se di­vór­cio exis­tia sim”, re­co­nhe­ce Ma­da­le­na Sau­da­de, a prin­ci­pal res­pon­sá­vel pelo B.Le­za, “e não sei se já te­rá si­do su­pe­ra­do”, ri-se ela, por­que “con­ti­nu­am a exis­tir pes­so­as com uma vi­são ex­tre­ma­da”. E ex­pli­ca: “Vêm aqui mú­si­cos que me fa­zem re­co­men­da­ções acer­ca de tu­do o que não se­jam mor­nas ou sem­bas. Mas exis­tem ca­da vez mais no­vas mis­tu­ras, e é pre­ci­so per­ce­ber que is­so não é re­ne­gar a tra­di­ção, por is­so não me pa­re­ce que fa­ça sen­ti­do re­jei­tar mú­si­cas ac­tu­ais, dan­çá­veis e de rua.”

Se o sem­ba e a mor­na, ao ní­vel dos dis­cur­sos, re­pre­sen­tam uma cer­ta ideia de au­ten­ti­ci­da­de, ou a Áfri­ca que fi­cou, o ku­du­ro ou o afro-hou­se, abor­da­dos nas ses­sões da En­chu­fa­da, cons­ti­tu­em um de­sa­fio a es­sas no­ções. São bri­co­la­gem. Tan­to de­sa­fi­am idei­as ro­man­ti­za­das de Áfri­ca co­mo a tec­ni­ci­da­de oci­den­tal. “Te­mos consciência des­ses con­fli­tos”, diz-nos João Pe­dro, ou se­ja Ras­tro­naut, que, ao la­do de João Bar­bo­sa (Bran­ko), Pe­dro, Do­to­ra­do Pro e Pro­gres­si­vu (na fo­to), se­rá um dos ali­cer­ces das noi­tes Na Sur­ra. “A ideia é ten­tar en­con­trar um equi­lí­brio en­tre es­sa elec­tró­ni­ca de dan­ça, que po­de ser es­tra­nha a uma par­te do pú­bli­co clás­si­co do B.Le­za, e as in­fluên­ci­as de al­gu­mas so­no­ri­da­des de An­go­la ou de Ca­bo Ver­de.”

Du­ran­te se­te anos, a En­chu­fa­da pro­du­ziu as Hard Ass Ses­si­ons no Lux. “Ago­ra ha­via von­ta­de de ex­pe­ri­men­tar coi­sas di­fe­ren­tes nou­tro local”, con­ta João. “O B.Le­za é um local com his­tó­ria e sen­ti­mos que faz o mes­mo ti­po de co­ne­xões, em­bo­ra num con­tex­to de mú­si­ca ao vi­vo, en­quan­to nós es­ta­mos mais vi­ra­dos pa­ra mú­si­ca elec­tró­ni­ca de clu­be.”

Da par­te do B.Le­za, se­gun­do Ma­da­le­na Sau­da­de, a ex­pec­ta­ti­va é al­ta. “Quan­do con­ver­sá­mos pe­la pri­mei­ra vez per­ce­bi de ime­di­a­to que do ou­tro la­do ti­nha pes­so­as que fa­zem acon­te­cer. Por ou­tro la­do, sen­do o B.Le­za uma ca­sa de ac­tu­a­ções ao vi­vo e da tra­di­ção, gos­to de pen­sar ne­la co­mo sen­do tam­bém um cal­dei­rão on­de exis­te es­pa­ço pa­ra mui­ta coi­sa acon­te­cer, e por is­so sin­to-me con­ten­te por es­ta ca­sa que trans­pi­ra his­tó­ria po­der ago­ra Ma­da­le­na Sau­da­de Res­pon­sá­vel pelo B.Le­za en­con­trar a mú­si­ca elec­tró­ni­ca.” Não é ape­nas o ku­du­ro que en­tra ago­ra pe­la por­ta da fren­te do B.Le­za. A ki­zom­ba tam­bém ali é dan­ça­da nas tar­des de do­min­go. “Não sou fã de ki­zom­ba, mas res­pei­to o fe­nó­me­no mun­di­al. É al­go que jun­ta to­das as ge­ra­ções e is­so é dig­no de apre­ço. Lis­boa mudou mui­to nos úl­ti­mos anos e com is­so tam­bém as pes­so­as e a mú­si­ca. Es­tra­nha-se no iní­cio, ten­ta-se com­pre­en­der de­pois, e a coi­sa acaba por fluir pa­ra o cor­po.” Is­so mes­mo foi o que acon­te­ceu quan­do a En­chu­fa­da e os Bu­ra­ka le­gi­ti­ma­ram so­no­ri­da­des até aí pou­co vi­sí­veis. Ape­sar do su­ces­so e da ava­li­a­ção mun­di­al po­si­ti­va, em Portugal con­ti­nu­am a sen­tir-se di­fe­ren­tes ve­lo­ci­da­des na for­ma co­mo o fe­nó­me­no é apre­en­di­do. “Te­mos aqui uma ce­na mu­si­cal pró­pria, im­pul­si­o­na­da pe­los Bu­ra­ka e pe­la En­chu­fa­da e de­pois pe­la Prín­ci­pe Dis­cos e ou­tros, e ao mes­mo tem­po exis­te um gran­de in­te­res­se do ex­te­ri­or so­bre o que aqui se pas­sa; mas pa­ra além de nós, com re­gu­la­ri­da­de, exis­te ape­nas a noi­te da Prín­ci­pe no Mu­sicBox, o que é pou­co”, diz João. “Ou se­ja, há ca­da vez mais pes­so­as a ou­vir es­ta mú­si­ca, em al­ter­na­ti­va a lin­gua­gens es­ta­be­le­ci­das co­mo o hou­se ou o tec­no, mas ain­da há mui­to por fa­zer. Es­ta noi­te quer con­tri­buir pa­ra is­so.” O B.Le­za mudou-se pa­ra a no­va mo­ra­da há seis anos. O an­ti­go edi­fí­cio é en­ca­ra­do por Ma­da­le­na co­mo uma es­pé­cie de “ca­sa-mãe”. Mas ago­ra “é pre­ci­so olhar por es­te”, afir­ma. “E es­ta quin­ta-fei­ra [hoje] vai ser mais um momento im­por­tan­te na nos­sa his­tó­ria.” E lan­ça, en­tre ri­sos: “Não te­nho pa­ci­ên­cia pa­ra aque­las pes­so­as que só se lem­bram que al­go exis­te de­pois de de­sa­pa­re­cer. É pre­ci­so va­lo­ri­zar o pre­sen­te.”

Exis­tem ca­da vez mais no­vas mis­tu­ras, e é pre­ci­so per­ce­ber que is­so não é re­ne­gar a tra­di­ção. Não me pa­re­ce que fa­ça sen­ti­do re­jei­tar mú­si­cas ac­tu­ais, dan­çá­veis e de rua

vi­tor.be­lan­ci­a­no@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.