Na ARCO­ma­drid o fu­tu­ro se­rá feminino e bra­si­lei­ro (e de­pois pe­ru­a­no)

Sem um país con­vi­da­do, mas com um “te­ma con­vi­da­do”, a edi­ção que abre na pró­xi­ma se­ma­na te­rá 15 ga­le­ri­as por­tu­gue­sas

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Ar­te con­tem­po­râ­nea Isa­bel Sa­le­ma

Afi­nal, se­rão 15 as ga­le­ri­as por­tu­gue­sas pre­sen­tes na pró­xi­ma ARCO­ma­drid, a fei­ra de ar­te con­tem­po­râ­nea que abre as su­as por­tas aos pro­fis­si­o­nais já na quar­ta-fei­ra (sex­ta pa­ra o pú­bli­co não es­pe­ci­a­li­za­do), e que de­cor­re­rá até ao do­min­go se­guin­te. Não por­que te­nha ha­vi­do uma en­tra­da na­ci­o­nal de úl­ti­ma ho­ra, mas por­que a Ga­le­ria Mú­ri­as Cen­te­no, que até aqui ti­nha es­pa­ços em Lis­boa e no Por­to, se di­vi­diu em du­as, pas­san­do Nu­no Cen­te­no e Bruno Mú­ri­as a se­guir ca­mi­nhos se­pa­ra­dos. Portugal igua­la, as­sim, o nú­me­ro de ga­le­ri­as bra­si­lei­ras que par­ti­ci­pa­rão na fei­ra, e que são mais du­as do que no ano pas­sa­do. Só a Ale­ma­nha e o país an­fi­trião, a Es­pa­nha, te­rão mais stands nes­ta ARCO­ma­drid do que Portugal e o Bra­sil.

“Um ter­ço das re­pre­sen­ta­ções in­ter­na­ci­o­nais vem da Amé­ri­ca La­ti­na, des­ta­can­do-se o Bra­sil”, dis­se on­tem em con­fe­rên­cia de imprensa o em­bai­xa­dor de Es­pa­nha em Portugal, Edu­ar­do Gu­tiér­rez.

Ao to­do, es­ta­rão em Ma­drid 208 ga­le­ri­as de 29 paí­ses, 160 das quais fo­ram es­co­lhi­das pa­ra o programa ge­ral. De Portugal, cons­tam des­se sec­tor 11 ga­le­ri­as: as lis­bo­e­tas 3+1, Ba­gins­ki, Cristina Guer­ra, Fi­lo­me­na So­a­res, Ca­ro­li­ne Pagès, Bruno Mú­ri­as e Ve­ra Cor­tês; as por­tu­en­ses Pe­dro Ce­ra, Qu­a­dra­do Azul e Nu­no Cen­te­no e Pe­dro Oli­vei­ra.

O em­bai­xa­dor es­pa­nhol lem­brou que es­te ano a ARCO­ma­drid não tem um país con­vi­da­do, co­mo é ha­bi­tu­al, mas “um con­cei­to con­vi­da­do” — o fu­tu­ro. Mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, um te­ma-con­cei­to que é uma lon­ga fra­se: O fu­tu­ro não é o que vai acon­te­cer, mas sim o que va­mos fa­zer. E “não é um fu­tu­ro hi­per-tec­no­ló­gi­co”, nem cheio de fu­tu­ris­mos, co­mo ex­pli­cou o di­rec­tor da fei­ra, Carlos Ur­roz, na Em­bai­xa­da de Es­pa­nha. “É mais uma ideia de sus­ten­ta­bi­li­da­de, o ver­ná­cu­lo fren­te ao glo­bal.”

Com cu­ra­do­ria de Chus Mar­tí­nez, que já co­mis­sa­ri­ou a Do­cu­men­ta de Carlos Ur­roz Di­rec­tor da ARCO­ma­drid Kas­sel, es­ta sec­ção es­pe­ci­al, co­mo to­das as ou­tras da fei­ra que têm cu­ra­do­ria, fun­ci­o­na por con­vi­tes. E co­mo Mar­tí­nez, ex­pli­cou Carlos Ur­roz ao PÚ­BLI­CO, fez ques­tão de só ter mu­lhe­res a as­sis­ti-la, es­te ano to­da a equi­pa de cu­ra­do­ria da fei­ra es­pa­nho­la é fe­mi­ni­na: “Não foi pre­me­di­ta­do. Nós tra­ba­lha­mos mui­to com cu­ra­do­ras mu­lhe­res, que há mui­tas na ar­te con­tem­po­râ­nea. Pelo pró­prio rit­mo de ro­ta­ção de cu­ra­do­res nas ou­tras sec­ções, acon­te­ceu.” Mas não deixa de ser um aca­so sig­ni­fi­ca­ti­vo, acres­cen­tou: “Co­mo creio que o fu­tu­ro vai ser feminino, a ARCO­ma­drid es­tá na van­guar­da.”

Na sec­ção Fu­tu­ro, es­ta­rão 19 ga­le­ri­as, ne­nhu­ma por­tu­gue­sa, em­bo­ra se en­con­trem no­mes de ar­tis­tas na­ci­o­nais co­mo Pe­dro Ne­ves Mar­ques e Hugo Ca­noi­las, cu­jo tra­ba­lho se­rá exi­bi­do por ga­le­ri­as de ou­tros paí­ses. A sec­ção, adi­an­tou Carlos Ur­roz, não es­ta­rá di­vi­di­da em stands in­di­vi­du­a­li­za­dos, mas or­ga­ni­za­da co­mo uma ex­po­si­ção, num tra­ba­lho “mui­to pe­cu­li­ar” do ar­qui­tec­to es­pa­nhol An­drés Ja­que.

Na sec­ção Diá­lo­gos, con­ti­nu­am as cu­ra­do­ras Ma­ría Cor­ral, Lo­re­na Mar­tí­nez de Cor­ral e Ca­ta­li­na Lo­ran­zo, ten­do si­do se­lec­ci­o­na­da a Ga­le­ria Gra­ça Bran­dão, que cru­za o tra­ba­lho de um no­me his­tó­ri­co, Ana Vi­ei­ra (1940-2016), com o de Nu­no Sousa Vi­ei­ra, nas­ci­do em 1971. Já a Ope­ning, com cu­ra­do­ria de Ste­fa­nie Hes­s­ler e Ila­ria Gi­an­ni, de­di­ca­da às ga­le­ri­as mais no­vas, con­ta com mais três por­tu­gue­sas: Fran­cis­co Fi­no, Ma­dra­goa e Pe­dro Al­fa­ci­nha.

Co­mo “há um in­te­res­se do ga­le­ris­mo em ins­ta­lar-se em Lis­boa”, su­bli­nhou Ur­roz, se con­tar­mos com as ga­le­ri­as es­tran­gei­ras que pas­sa­ram a ter um es­pa­ço co­mer­ci­al em Portugal ain­da so­be o nú­me­ro de pre­sen­ças na­ci­o­nais: há que acres­cen­tar à lis­ta a Mo­ni­tor (Ro­ma) e a Mais­ter­ra­val­bu­e­na (Ma­drid), além da Ma­dra­goa, na prá­ti­ca uma ga­le­ria ita­lo-por­tu­gue­sa.

Pa­ra Ve­ra Cor­tês, a ga­le­ris­ta por­tu­gue­sa que faz par­te do co­mi­té de se­lec­ção do programa ge­ral, es­ta­mos a atra­ves­sar um bom momento pa­ra o mercado das ar­tes, re­fle­xo da re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e tam­bém da in­fluên­cia da ARCO­lis­boa, a ver­são lis­bo­e­ta da fei­ra es­pa­nho­la que em Maio te­rá a sua ter­cei­ra edi­ção. So­bre se mudou al­gu­ma coi­sa com a che­ga­da de ga­le­ri­as in­ter­na­ci­o­nais, Ve­ra Cor­tês diz ao PÚ­BLI­CO que só po­de ver o fe­nó­me­no com bons olhos: “É sem­pre bom quan­do che­gam ga­le­ri­as in­ter­na­ci­o­nais, co­mo acon­te­ceu nou­tras ci­da­des, co­mo Ber­lim. Cri­am-se si­ner­gi­as mui­to in­te­res­san­tes.”

Pa­ra o ano, a ARCO­ma­drid vol­ta­rá a ter um país con­vi­da­do. Se­rá anun­ci­a­do pa­ra a se­ma­na, mas é já o se­gre­do mais mal guar­da­do do mun­do das ar­tes plás­ti­cas la­ti­no­a­me­ri­ca­nas. De­ve­rá ser o Pe­ru, es­cre­veu o diá­rio ABC, in­si­nu­an­do que no mun­do glo­bal as na­ções tam­bém po­dem ser o fu­tu­ro.

Co­mo creio que o fu­tu­ro vai ser feminino, a ARCO­ma­drid es­tá na van­guar­da

is@pu­bli­co.pt

RUI GAUDÊNCIO

Carlos Ur­roz, o di­rec­tor da ARCO­ma­drid, e a ga­le­ris­ta Ve­ra Cor­tês, que in­te­gra o co­mi­té de se­lec­ção da fei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.