A dan­ça quer es­tar mais tem­po em ce­na e es­te fes­ti­val vai tra­tar dis­so

A se­gun­da edi­ção em ple­no do Fes­ti­val Cum­pli­ci­da­des apos­ta em car­rei­ras mais lon­gas. E abre ao pú­bli­co de Lis­boa cem au­las de dan­ça

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Dan­ça Gon­ça­lo Fro­ta

A meio da sua in­ter­ven­ção na apre­sen­ta­ção do Cum­pli­ci­da­des 2018, ter­cei­ra edi­ção (se con­tar­mos com o nú­me­ro zero de 2015, ain­da sem a com­po­nen­te in­ter­na­ci­o­nal) do fes­ti­val de dan­ça con­tem­po­râ­nea que ha­bi­ta Lis­boa en­tre 10 a 16 de Mar­ço, Fran­cis­co Ca­ma­cho pe­ga num pos­tal com a ima­gem des­te ano pa­ra exem­pli­fi­car a for­ma co­mo, a ca­da no­va apa­ri­ção, o Cum­pli­ci­da­des ten­ta ser um fes­ti­val di­fe­ren­te. Há “um olhar re­no­va­do a ca­da edi­ção”, po­ten­ci­a­do gra­ças à es­tra­té­gia de con­vi­dar sem­pre di­fe­ren­tes pro­gra­ma­do­res que vão “re­pen­san­do o fes­ti­val e di­ver­si­fi­can­do os olha­res so­bre o que es­tá a acon­te­cer”, ex­pli­ca o di­rec­tor da EIRA, es­tru­tu­ra que ar­ris­cou pôr de pé es­te even­to “no au­ge da cri­se”. Na al­tu­ra, diz, tra­tou-se de “um ac­to de re­sis­tên­cia e mi­li­tân­cia”. A pos­tu­ra, de cer­ta for­ma, man­tém-se.

Pa­ra o Cum­pli­ci­da­des 2018, a EIRA con­vi­dou o es­pa­nhol Abraham Hur­ta­do pa­ra as­se­gu­rar a pro­gra­ma­ção in­ter­na­ci­o­nal, en­quan­to a se­lec­ção de ar­tis­tas por­tu­gue­ses fi­cou a car­go de Tâ­nia Car­va­lho. E mui­to em li­nha com a sua pre­dis­po­si­ção ma­te­má­ti­ca pa­ra tra­ba­lhar a dan­ça, a co­reó­gra­fa — que ac­tu­al­men­te apre­sen­ta um ex­ten­so ci­clo de­di­ca­do à sua obra em três sa­las de Lis­boa — propôs um programa de­se­nha­do a par­tir do nú­me­ro se­te. Se­te cri­a­do­res na­ci­o­nais apre­sen­ta­rão as su­as pe­ças (es­trei­as ab­so­lu­tas ou cri­a­ções iné­di­tas em Lis­boa) em se­te sa­las dis­tin­tas em to­dos os se­te di­as do fes­ti­val: Au­ro­ra Pi­nho no Ne­gó­cio ZDB, Vi­ta­li­na Sousa no Te­a­tro da Trin­da­de, Bruno Se­nu­ne na Bi­bli­o­te­ca de Mar­vi­la, Inês Cam­pos no Es­pa­ço Al­kan­ta­ra, Flo­ra De­traz no CAL — Pri­mei­ros Sin­to­mas, o Bal­let Con­tem­po­râ­neo do Nor­te no Te­a­tro Ibé­ri­co e Vas­co Di­o­go na Rua das Gai­vo­tas6.

A pro­pos­ta de Tâ­nia Car­va­lho caiu es­pe­ci­al­men­te bem jun­to do Cum­pli­ci­da­des. Se des­de a edi­ção zero que é apre­go­a­da a mis­são de Fran­cis­co Ca­ma­cho Di­rec­tor do fes­ti­val con­quis­tar no­vos pú­bli­cos pa­ra a dan­ça e con­se­guir vi­si­bi­li­da­de pa­ra ar­tis­tas mais ar­re­da­dos das gran­des sa­las, tor­na-se uma ati­tu­de “po­lí­ti­ca” es­ta de es­ten­der as car­rei­ras dos es­pec­tá­cu­los no âm­bi­to de um fes­ti­val. “A dan­ça quer es­tar mais tem­po em ce­na; a dan­ça quer ter a pos­si­bi­li­da­de de ser vis­ta”, sen­ten­cia Fran­cis­co Ca­ma­cho.

Uma cri­a­ção ne­go­ci­a­da

Abraham Hur­ta­do quis tam­bém fu­gir ao mo­de­lo clás­si­co do pro­gra­ma­dor que es­co­lhe pe­ças em cir­cu­la­ção ou que en­co­men­da no­vas cri­a­ções. Em vez dis­so, pre­fe­riu cen­trar to­da a sua aten­ção num só es­pec­tá­cu­lo, a apre­sen­tar su­ces­si­va­men­te nas mes­mas se­te sa­las. A diferença de fun­do en­con­tra-se no mo­de­lo se­gui­do pa­ra che­gar a es­te es­pec­tá­cu­lo: a par­tir de uma open call, à qual res­pon­de­ram 200 ar­tis­tas, se­lec­ci­o­na­ram-se 25. Es­se gru­po re­du­zi­do apre­sen­tou pro­pos­tas pa­ra uma cri­a­ção que de­pois os pró­pri­os vo­ta­ram. Os cin­co que reu­ni­ram mai­or con­sen­so, Gi­zem Ak­su (Tur­quia), Myr­to Cha­ra­lam­pous (Gré­cia), Shi­ra Evi­a­tar (Is­ra­el), Ma­tías Da­por­ta (Es­pa­nha) e Ori­a­na Had­dad (Egip­to/Itá­lia), es­tão ago­ra a mon­tar a pe­ça (O Ter­ri­tó­rio dos Cor­pos) que irá emer­gir da ne­go­ci­a­ção en­tre as di­fe­ren­tes idei­as.

O fo­co nes­te ca­so foi, des­de lo­go, di­ri­gi­do pa­ra o Me­di­ter­râ­neo, pro­cu­ran­do po­ten­ci­ar sin­to­ni­as e fric­ções po­lí­ti­cas e so­ci­ais, dan­do res­pos­ta a ou­tra das pre­o­cu­pa­ções do Cum­pli­ci­da­des des­de a pri­mei­ra ho­ra: “Per­mi­tir um olhar so­bre o ou­tro mais des­pro­vi­do de pre­con­cei­tos”. Ou­tro dos atrac­ti­vos de O Ter­ri­tó­rio dos Cor­pos se­rá per­ce­ber a adap­ta­ção de uma mes­ma pe­ça a vá­ri­os es­pa­ços e ob­ser­var a sua qua­li­da­de mu­tan­te.

Pa­ra lá dos es­pec­tá­cu­los, es­te ano o Cum­pli­ci­da­des inau­gu­ra um programa pa­ra­le­lo, de 3 a 10 de Mar­ço, com cem au­las aber­tas (da dan­ça clás­si­ca e con­tem­po­râ­nea às mais va­ri­a­das dan­ças tra­di­ci­o­nais, ao lindy-hop ou às dan­ças de sa­lão) dis­tri­buí­das por 15 fre­gue­si­as lis­bo­e­tas, pa­ra le­var a dan­ça até on­de ela é me­nos fre­quen­te ou vi­sí­vel. No sen­ti­do con­trá­rio, o tam­bém inau­gu­ral pro­jec­to edu­ca­ti­vo ten­ta­rá fa­ci­li­tar o aces­so da co­mu­ni­da­de es­tu­dan­til aos es­pec­tá­cu­los atra­vés de uma abor­da­gem di­rec­ta a es­co­las do en­si­no se­cun­dá­rio, uni­ver­si­da­des e es­co­las do en­si­no ar­tís­ti­co.

Tu­do pa­ra que, co­mo diz o di­rec­tor da EIRA, a dan­ça te­nha mais pos­si­bi­li­da­des de ser vis­ta em Lis­boa.

A dan­ça quer es­tar mais tem­po em ce­na; a dan­ça quer ter a pos­si­bi­li­da­de de ser vis­ta

JO­SÉ CALDEIRA

He­te­rop­te­ra, de Au­ro­ra Pi­nho, es­ta­rá se­te di­as no Ne­gó­cio ZDB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.