Os de­sa­fi­os da so­ci­al-de­mo­cra­cia

Só a de­fe­sa de um Es­ta­do so­ci­al for­te e uni­ver­sal po­de ga­ran­tir li­ber­da­de pa­ra to­dos, e não ape­nas pa­ra al­guns

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Pe­dro Nu­no San­tos

1.Em 2015 deu-se uma vi­ra­gem his­tó­ri­ca em Portugal: pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria da nos­sa de­mo­cra­cia a es­quer­da en­ten­di­a­se pa­ra for­mar uma mai­o­ria que sus­ten­tas­se um go­ver­no. Ga­nhou a re­pre­sen­ta­ção de­mo­crá­ti­ca: te­mos uma de­mo­cra­cia mais plu­ral, com mais con­fi­gu­ra­ções par­la­men­ta­res dis­po­ní­veis e sem ne­nhum par­ti­do ex­cluí­do, por de­fi­ni­ção, da es­fe­ra go­ver­na­ti­va. O nos­so sis­te­ma po­lí­ti­co tem hoje dois pó­los dis­tin­tos, o que pro­mo­ve a di­a­lé­ti­ca en­tre vi­sões di­fe­ren­tes da so­ci­e­da­de, fa­ci­li­ta a es­co­lha do elei­to­ra­do e tor­na mais di­fí­cil a emer­gên­cia de ex­tre­mis­mos.

Ga­nhou tam­bém o país: es­te Go­ver­no e es­ta mai­o­ria es­tão a mos­trar que é pos­sí­vel vi­ver me­lhor em Portugal e a im­pri­mir mu­dan­ças pro­fun­das nas po­lí­ti­cas pú­bli­cas. O que es­ta­mos a fa­zer na po­lí­ti­ca or­ça­men­tal e de ren­di­men­tos, na tra­je­tó­ria do sa­lá­rio mí­ni­mo, no alar­ga­men­to de di­rei­tos e mí­ni­mos so­ci­ais, na re­cu­pe­ra­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos ou na di­ver­si­fi­ca­ção do fi­nan­ci­a­men­to da Se­gu­ran­ça So­ci­al é mes­mo di­fe­ren­te do que um go­ver­no apoi­a­do nu­ma mai­o­ria de di­rei­ta fa­ria.

Ga­nhou, por fim, o PS: com es­ta so­lu­ção go­ver­na­ti­va, au­men­tou a sua au­to­no­mia es­tra­té­gi­ca. Não es­tá im­pe­di­do de pro­cu­rar com­pro­mis­sos alar­ga­dos em áre­as es­pe­cí­fi­cas (co­mo as de so­be­ra­nia), mas dei­xou de es­tar obri­ga­do a go­ver­nar com a di­rei­ta.

Há al­gum tem­po que, na Eu­ro­pa, exis­te um ex­ces­so de pres­são pa­ra o con­sen­so en­tre os gran­des par­ti­dos dos sis­te­mas po­lí­ti­cos. Es­se con­sen­so tra­duz-se no pa­ra­dig­ma das “re­for­mas es­tru­tu­rais”, que se impôs co­mo programa de ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais na de­fe­sa da ra­di­cal pri­va­ti­za­ção de em­pre­sas e ser­vi­ços pú­bli­cos, li­be­ra­li­za­ção de mer­ca­dos (a co­me­çar pelo la­bo­ral) e des­re­gu­la­ção ge­ne­ra­li­za­da de ati­vi­da­des eco­nó­mi­cas.

A he­ge­mo­nia do ne­o­li­be­ra­lis­mo man­tém-se in­to­ca­da e a sua for­ça é ex­pres­sa de di­ver­sas for­mas, a co­me­çar pe­la lin­gua­gem. A di­rei­ta ne­o­li­be­ral apro­pri­ou-se de con­cei­tos fun­da­men­tais pa­ra a es­quer­da e deu-lhe no­vos sig­ni­fi­ca­dos. Pre­ci­sa­mos de ser ca­pa­zes de os res­ga­tar e re­de­fi­nir:

— pri­mei­ro, a lin­gua­gem das “re­for­mas”.

2.

Hou­ve um tem­po em que, à es­quer­da, re­for­mas fo­ram a edi­fi­ca­ção de um Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de, a cons­tru­ção da es­co­la pú­bli­ca, a cri­a­ção e su­bi­da do sa­lá­rio mí­ni­mo ou a in­tro­du­ção do sub­sí­dio de de­sem­pre­go. Quan­do hoje nos são pe­di­das re­for­mas, sa­be­mos que nos es­tão a pe­dir a fa­ci­li­ta­ção dos des­pe­di­men­tos ou o pla­fo­na­men­to da Se­gu­ran­ça So­ci­al. As “re­for­mas” têm de vol­tar a sig­ni­fi­car o que sem­pre sig­ni­fi­ca­ram pa­ra nós: pro­gres­so so­ci­al, con­cre­ti­za­ção de di­rei­tos e au­men­to de bem-es­tar.

— se­gun­do, a ideia de “li­ber­da­de”. A di­rei­ta con­se­guiu re­du­zir o ide­al de li­ber­da­de ao dos mais for­tes na are­na eco­nó­mi­ca. O ris­co de es­ta vi­são trans­for­mar a li­ber­da­de num bem cu­ja dis­tri­bui­ção fi­ca­ria de­pen­den­te do po­der eco­nó­mi­co e so­ci­al de ca­da um é enor­me. Por is­so é que só a de­fe­sa de um Es­ta­do so­ci­al for­te e uni­ver­sal po­de ga­ran­tir li­ber­da­de pa­ra to­dos, e não ape­nas pa­ra al­guns: só um sis­te­ma de saú­de pú­bli­co e uni­ver­sal ga­ran­te a to­dos, do nascimento até ao fim da vi­da, cui­da­dos in­de­pen­den­te­men­te do seu ren­di­men­to; só um sis­te­ma pú­bli­co de pen­sões ga­ran­te que nin­guém che­ga à re­for­ma de­pen­den­te de ter­cei­ros ou da es­ta­bi­li­da­de dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros; só a le­gis­la­ção la­bo­ral po­de pro­te­ger os tra­ba­lha­do­res da even­tu­al dis­cri­ci­o­na­ri­e­da­de dos em­pre­ga­do­res;.

O pe­río­do que an­te­ce­deu as eleições in­ter­nas do PSD foi po­bre em de­ba­te pro­gra­má­ti­co, e pou­co sa­be­mos da vi­são que Rui Rio tem pa­ra o país ou das re­for­mas que de­fen­de. Nas mo­ções en­tre­gues ao con­gres­so, po­rém, há uma que ar­ris­ca apon­tar um ca­mi­nho: Com­ba­ter a De­si­gual­da­de, subs­cri­ta por Pe­dro Duarte e Carlos Mo­e­das.

De­pois de ana­li­sar o im­pac­to das mu­dan­ças tec­no­ló­gi­cas so­bre o em­pre­go e as de­si­gual­da­des, a mo­ção pe­de um no­vo “con­tra­to so­ci­al” que ques­ti­o­ne “a jus­ti­ça da atu­al pro­gres­si­vi­da­de fis­cal”, es­tu­de o ren­di­men­to bá­si­co uni­ver­sal e equa­ci­o­ne “no­vas po­lí­ti­cas ati­vas de em­pre­go, dan­do a fle­xi­bi­li­da­de que a no­va eco­no­mia exi­ge”. Tem o mé­ri­to de elen­car pre­o­cu­pa­ções le­gí­ti­mas e de­sa­fi­os es­sen­ci­ais a que to­dos te­re­mos de res­pon­der. Ao mes­mo tem­po, apon­ta um ca­mi­nho que, as­sen­te em con­tra­di­ções in­sa­ná­veis, co­lo­ca em cau­sa avan­ços ci­vi­li­za­ci­o­nais em no­me de so­lu­ções fal­sa­men­te ino­va­do­ras e/ou má­gi­cas.

Por um la­do, é di­fí­cil per­ce­ber co­mo se­ria pos­sí­vel re­dis­tri­buir ren­di­men­to — es­sen­ci­al pa­ra re­du­zir as de­si­gual­da­des que são a ra­zão de ser da mo­ção — di­mi­nuin­do a pro­gres­si­vi­da­de fis­cal. Afi­nal, são os im­pos­tos pro­gres­si­vos que as­se­gu­ram a re­dis­tri­bui­ção ver­ti­cal de ren­di­men­to e

3.

ga­ran­tem (aos que me­nos têm) o aces­so a ser­vi­ços e pres­ta­ções que não po­di­am ser fi­nan­ci­a­dos sem o es­for­ço de ci­da­da­nia exi­gi­do a quem tem mai­or ca­pa­ci­da­de con­tri­bu­ti­va. A pro­gres­si­vi­da­de fis­cal não ser­ve só pa­ra re­dis­tri­buir di­nhei­ro: pelo ne­xo de de­ve­res que im­põem e di­rei­tos que fi­nan­ci­am, os im­pos­tos aju­dam a cons­truir a co­mu­ni­da­de po­lí­ti­ca.

Por ou­tro la­do, es­tá lon­ge de ser ób­vio que a au­to­ma­ti­za­ção te­nha o im­pac­to de­vas­ta­dor no mercado de tra­ba­lho que se an­te­vê. Mes­mo que daí re­sul­te uma dra­má­ti­ca di­mi­nui­ção do em­pre­go, po­rém, a pri­o­ri­da­de po­lí­ti­ca de­ve­rá pas­sar sem­pre por com­pa­ti­bi­li­zar a re­dis­tri­bui­ção do ren­di­men­to com a do em­pre­go (atra­vés da re­du­ção do ho­rá­rio de tra­ba­lho), e não ape­nas do ren­di­men­to, acei­tan­do a ex­clu­são de mui­tos do aces­so ao em­pre­go. Qual­quer re­dis­tri­bui­ção de ren­di­men­to to­tal­men­te des­li­ga­da do tra­ba­lho (atra­vés de um ren­di­men­to bá­si­co) re­du­zi­ria a di­nâ­mi­ca de re­ci­pro­ci­da­de de que vi­ve uma co­mu­ni­da­de e pro­du­zi­ria uma so­ci­e­da­de ato­mi­za­da. Es­sa ato­mi­za­ção se­ria ain­da re­for­ça­da por uma mai­or des­re­gu­la­ção la­bo­ral que a mo­ção de­fen­de sob a ca­pa da “fle­xi­bi­li­da­de que a no­va eco­no­mia exi­ge”.

Vis­to com aten­ção, o pa­co­te “fim da pro­gres­si­vi­da­de fis­cal-ren­di­men­to bá­si­co uni­ver­sal-fle­xi­bi­li­da­de la­bo­ral” não é a no­va so­ci­al-de­mo­cra­cia: é o ve­lho li­be­ra­lis­mo eco­nó­mi­co re­no­va­do e in­ten­si­fi­ca­do.

O de­sa­fio da so­ci­al-de­mo­cra­cia não é hoje mui­to di­fe­ren­te do pas­sa­do: ga­ran­tir, num mun­do em rá­pi­da mudança, a li­ber­da­de, a igual­da­de e a pros­pe­ri­da­de dos ci­da­dãos nu­ma co­mu­ni­da­de po­lí­ti­ca que as­sen­ta num den­so te­ci­do de di­rei­tos e de de­ve­res, de va­lo­res morais de jus­ti­ça e de co­o­pe­ra­ção e de la­ços de in­ter­de­pen­dên­cia e de re­ci­pro­ci­da­de. Na res­pos­ta a es­te de­sa­fio, a gra­má­ti­ca po­lí­ti­ca e mo­ral que dis­tin­gue a es­quer­da da di­rei­ta continua a as­sen­tar:

— na de­fe­sa do pa­pel do Es­ta­do no de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia atra­vés do in­ves­ti­men­to pú­bli­co e de po­lí­ti­cas de ino­va­ção, e na re­dis­tri­bui­ção do ren­di­men­to atra­vés da pro­vi­são de ser­vi­ços pú­bli­cos e de pres­ta­ções so­ci­ais.

— na pro­tec­ção e no re­co­nhe­ci­men­to do va­lor do tra­ba­lho: do sa­lá­rio que pa­ga, da dig­ni­da­de pes­so­al que con­fe­re e da in­te­gra­ção so­ci­al que per­mi­te.

É em tor­no des­tes prin­cí­pi­os que a so­ci­al-de­mo­cra­cia de­ve en­fren­tar os de­sa­fi­os do sé­cu­lo XXI. É tam­bém em no­me de­les que de­ve­mos ga­ran­tir que a mudança po­lí­ti­ca con­se­gui­da em 2015 se­ja uma efe­ti­va vi­ra­gem e não ape­nas um pa­rên­te­ses na his­tó­ria do PS e da de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa.

4.

Se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos As­sun­tos Par­la­men­ta­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.