A mais im­por­tan­te re­for­ma da Zo­na Eu­ro?

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Ri­car­do Ca­bral

Nu­ma car­ta aber­ta, subs­cri­ta em par­ti­cu­lar por pro­e­mi­nen­tes aca­dé­mi­cos en­tre os quais Tho­mas Pi­ketty, são so­li­ci­ta­das mu­dan­ças no pro­ces­so de no­me­a­ção da co­mis­são exe­cu­ti­va do Ban­co Cen­tral Europeu (BCE). A co­mis­são exe­cu­ti­va do BCE, cons­ti­tuí­da por seis mem­bros incluindo o pre­si­den­te e o vi­ce­pre­si­den­te do BCE, tem de fac­to imen­so po­der. A co­mis­são exe­cu­ti­va in­te­gra o con­se­lho de go­ver­no do BCE, dis­pon­do ca­da um dos seus mem­bros de um vo­to nes­te con­se­lho. Os 19 go­ver­na­do­res dos Ban­cos Cen­trais Na­ci­o­nais da zo­na eu­ro, que fa­zem par­te do mes­mo con­se­lho, pos­su­em um to­tal de 15 vo­tos, atri­buí­dos de for­ma “ro­ta­ti­va”.

De­cor­re des­ta ar­qui­tec­tu­ra que a co­mis­são exe­cu­ti­va do BCE e, em par­ti­cu­lar o seu pre­si­den­te, pos­su­em um gran­de pe­so e in­fluên­cia no pro­ces­so de de­ci­são do con­se­lho de go­ver­no do BCE.

Na car­ta aber­ta aci­ma re­fe­ri­da ar­gu­men­ta­se que o BCE é hoje um ban­co cen­tral mui­to di­fe­ren­te do que era an­tes da cri­se de 20082009, sen­do um dos prin­ci­pais, se­não o prin­ci­pal, cen­tro de po­der exe­cu­ti­vo na Zo­na Eu­ro no que res­pei­ta a: po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria; po­lí­ti­ca or­ça­men­tal e su­as re­gras; aces­so de paí­ses à li­qui­dez do Eu­ro­sis­te­ma (e.g., Gré­cia); res­ga­tes aos paí­ses mem­bros; sis­te­ma ban­cá­rio em ge­ral; e a ban­cos em con­cre­to so­bre os quais de­tém, mes­mo, po­der de “vi­da ou de mor­te”.

Aten­den­do a que, nos pró­xi­mos dois anos, qua­tro dos seis mem­bros da co­mis­são exe­cu­ti­va che­ga­rão ao fim do seu man­da­to e se­rão subs­ti­tuí­dos incluindo o pre­si­den­te Ma­rio Draghi e o vi­ce-pre­si­den­te Ví­tor Cons­tân­cio, os subs­cri­to­res da car­ta aber­ta de­fen­dem que não é acei­tá­vel que a no­me­a­ção dos mem­bros da co­mis­são exe­cu­ti­va con­ti­nue a ser fei­ta nos bas­ti­do­res, es­sen­ci­al­men­te em ne­go­ci­a­ções no seio do Eu­ro­gru­po, em­bo­ra a no­me­a­ção dos mem­bros da co­mis­são exe­cu­ti­va do BCE se­ja for­mal­men­te com­pe­tên­cia do Con­se­lho Europeu ou se­ja, dos che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no dos paí­ses mem­bros da zo­na eu­ro. Os subs­cri­to­res da car­ta aber­ta de­fen­dem que o pro­ces­so de no­me­a­ção da co­mis­são exe­cu­ti­va do BCE de­ve­ria ser mais trans­pa­ren­te e de­mo­crá­ti­co, en­vol­ven­do mais a so­ci­e­da­de ci­vil, os par­la­men­tos na­ci­o­nais e o Par­la­men­to Europeu.

A car­ta aber­ta é per­ti­nen­te por­que, num momento em que se fa­la de re­for­ma da Zo­na Eu­ro:

- Lem­bra aos de­ci­so­res e ao pú­bli­co em ge­ral que exis­tem te­mas mui­to mais im­por­tan­tes do que os cons­tan­tes das prin­ci­pais pro­pos­tas de re­for­ma da zo­na eu­ro, ac­tu­al­men­te em dis­cus­são;

- E, lem­bra ain­da que o fu­tu­ro da Zo­na Eu­ro pas­sa mui­to mais por sa­ber quem se­rão os su­ces­so­res de Draghi, Cons­tân­cio, Pe­ter Pra­et e Be­noît Cou­ré na co­mis­são exe­cu­ti­va do que, por exem­plo, as dé­ci­mas de PIB que se dis­cu­tem pa­ra o or­ça­men­to co­mu­ni­tá­rio após a saí­da do Rei­no Uni­do, o no­vo car­go de mi­nis­tro das fi­nan­ças europeu, a cri­a­ção do Fun­do Mo­ne­tá­rio Europeu, ou ain­da o apro­fun­da­men­to da União Ban­cá­ria.

Is­to ocor­re, afi­gu­ra-se, não só por­que o BCE con­cen­tra de­ma­si­a­dos po­de­res so­bre a ban­ca e so­bre os Es­ta­dos-mem­bros, mas tam­bém por­que, des­de 2012, adop­tou uma po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria não con­ven­ci­o­nal “agres­si­va” pa­ra sal­var o eu­ro — o programa de ex­pan­são quan­ti­ta­ti­va —, que con­tri­buiu de­ci­si­va­men­te pa­ra a re­du­ção das ta­xas de ju­ro da dí­vi­da so­be­ra­na de to­dos os paí­ses mem­bros, em par­ti­cu­lar dos paí­ses di­tos pe­ri­fé­ri­cos, bem co­mo pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co con­se­cu­ti­vo dos úl­ti­mos 18 tri­mes­tres da Zo­na Eu­ro. A for­ma co­mo for de­se­nha­da e im­ple­men­ta­da a saí­da do programa de ex­pan­são quan­ti­ta­ti­va do BCE po­de­rá, ou não, re­ver­ter aqui­lo que foi con­se­gui­do des­de 2012 — es­ta­bi­li­zar a Zo­na Eu­ro, sal­van­do-a da im­plo­são. Por is­so, é fun­da­men­tal pa­ra a eco­no­mia da Zo­na Eu­ro es­co­lher com cui­da­do, pon­de­ra­ção e su­fi­ci­en­te es­cru­tí­nio pú­bli­co os no­vos mem­bros da co­mis­são exe­cu­ti­va do BCE e, em par­ti­cu­lar, o no­vo pre­si­den­te do BCE.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.