O ou­tro la­do da Revolução (II)

A revolução é so­bre­tu­do fru­to de con­di­ções de ur­gên­cia e cres­cen­tes des­con­ten­ta­men­tos co­lec­ti­vos

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Elí­sio Es­tan­que

Se a aten­ção de­di­ca­da à Revolução Rus­sa por oca­sião do seu pri­mei­ro cen­te­ná­rio foi uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a rein­ter­pre­ta­ção des­se le­ga­do, o mes­mo po­de­rá vir a ocor­rer es­te ano, a pro­pó­si­to do cin­quen­te­ná­rio do Maio de 68 ou até do pró­xi­mo aniversário do 25 de Abril de 1974, te­mas em que, evi­den­te­men­te, a ideia de revolução po­de, na sua po­lis­se­mia, ade­quar-se a no­vas aná­li­ses e re­fle­xões. E, por is­so, se­rão cer­ta­men­te em bre­ve ob­je­to de aná­li­se.

Dan­do sequên­cia a um tex­to an­te­ri­or, pre­ten­do ago­ra ex­plo­rar o pró­prio con­cei­to de “revolução” e o seu sig­ni­fi­ca­do ao lon­go dos tem­pos. Nos seus pri­mór­di­os mais lon­gín­quos, a no­ção de mu­ta­tio re­rum (‘mu­dar as coi­sas’) abriu ca­mi­nho ao pen­sa­men­to ló­gi­co so­bre a mudança so­ci­al e o seu rit­mo. Nos tem­pos do im­pé­rio ro­ma­no e de guer­ra ci­vil da pó­lis gre­ga tor­nou-se co­nhe­ci­da a no­ção pla­tó­ni­ca de trans­mu­ta­ção, ou se­ja, co­mo ex­pli­cou Han­nah Arendt (On Re­vo­lu­ti­on, 1963), a pas­sa­gem de uma for­ma de go­ver­no a ou­tra. Na sua ori­gem la­ti­na, a pa­la­vra — re­vo­lutìo ónis — sig­ni­fi­ca uma trans­for­ma­ção rá­pi­da da so­ci­e­da­de ou vi­ra­gem abrup­ta no po­der po­lí­ti­co. A mudança po­lí­ti­ca e a vi­o­lên­cia que lhe é mui­tas ve­zes ine­ren­te já eram ca­rac­te­rís­ti­cas co­nhe­ci­das na An­ti­gui­da­de, mas nem uma nem ou­tra eram as­so­ci­a­das ao sur­gi­men­to de al­go in­tei­ra­men­te no­vo. Aris­tó­te­les e Pla­tão re­fe­ri­am-se à im­por­tân­cia da “mo­ti­va­ção eco­nó­mi­ca” co­mo jus­ti­fi­ca­ção pa­ra o der­ru­be de go­ver­nos ou pe­los ri­cos pa­ra ins­tau­rar oli­gar­qui­as ou pe­los po­bres pa­ra ins­tau­rar de­mo­cra­ci­as. Já na­que­la épo­ca os le­tra­dos sa­bi­am que, por re­gra, os ti­ra­nos ace­dem ao po­der com o apoio da ple­be e que a me­lhor for­ma de o pre­ser­var é pro­me­ter aos po­bres a igual­da­des de con­di­ções. Mas é só na era mo­der­na que a “ques­tão so­ci­al” en­tra ver­da­dei­ra­men­te em ce­na, e é en­tão — quan­do a po­bre­za deixa de ser con­si­de­ra­da ine­ren­te à con­di­ção hu­ma­na — que a cli­va­gem ri­cos/po­bres emer­ge co­mo prin­ci­pal fon­te de in­jus­ti­ça, sus­ci­tan­do a de­nún­cia de se­to­res cres­cen­tes da po­pu­la­ção, em es­pe­ci­al aque­les que es­ta­vam condenados à mi­sé­ria.

Mes­mo an­tes do triun­fo da Revolução Fran­ce­sa e da di­fu­são em lar­ga es­ca­la das pro­mes­sas pro­gres­sis­tas do Ilu­mi­nis­mo, já os de­síg­ni­os da mo­der­ni­da­de eu­ro­peia vis­lum­bra­vam si­nais eman­ci­pa­tó­ri­os de uma hi­po­té­ti­ca revolução so­ci­al: pri­mei­ro, sob in­fluên­cia do li­be­ra­lis­mo, em que às clas­ses tra­ba­lha­do­ras se ofe­re­cia a uto­pia de que se po­de­ri­am li­ber­tar dos gri­lhões da po­bre­za atra­vés do em­pre­en­de­do­ris­mo in­di­vi­du­al, à ima­gem de um El­do­ra­do oriun­do do con­ti­nen­te ame­ri­ca­no. Nu­ma pri­mei­ra fa­se da mo­der­ni­da­de, a eman­ci­pa­ção dos po­bres na Eu­ro­pa, cu­ri­o­sa­men­te, en­con­trou na Revolução Ame­ri­ca­na o mai­or exem­plo de pros­pe­ri­da­de. Exem­plo es­se que ofe­re­ceu aos clás­si­cos da eco­no­mia eu­ro­peia (co­mo John Loc­ke e Adam Smith) o ar­gu­men­to pa­ra afir­ma­rem a im­por­tân­cia do la­bor e do tra­ba­lho du­ro co­mo via pa­ra o en­ri­que­ci­men­to in­di­vi­du­al e já não ape­nas co­mo si­nó­ni­mo de ex­plo­ra­ção. Mas, ape­sar da per­me­a­bi­li­da­de do exem­plo ame­ri­ca­no nos mei­os fi­lo­só­fi­cos do Ve­lho Con­ti­nen­te, as no­vas re­be­liões das mas­sas tra­ba­lha­do­ras e os seus mo­vi­men­tos ig­no­ra­ram es­sa via.

Ao lon­go do sé­cu­lo XIX sur­gi­ri­am no­vas cor­ren­tes ide­o­ló­gi­cas e lu­tas so­ci­ais, mui­tas de­las já sob a in­fluên­cia do mar­xis­mo e, a par­tir das pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo XX, ani­ma­das tam­bém pe­la vi­tó­ria dos bol­che­vi­ques de 1917. Os pro­tes­tos ope­rá­ri­os de Chi­ca­go em 1 de Maio de 1886 ti­ve­ram o efei­to de con­tá­gio que atra­ves­sou o Atlân­ti­co com as pri­mei­ras lu­tas ope­rá­ri­as da in­dús­tria mo­der­na dos EUA, mar­ca­das pe­la vi­o­lên­cia. To­da­via, co­mo é sa­bi­do, o ví­rus do 1.º de Maio en­quan­to momento de re­vol­ta do tra­ba­lho con­tra o ca­pi­tal pro­pa­gou-se, não nos EUA mas na ve­lha Eu­ro­pa. En­tre­tan­to, os im­pac­tos da Revolução In­dus­tri­al in­gle­sa abri­am ca­mi­nho a um for­te mo­vi­men­to ope­rá­rio e sin­di­cal, dan­do ex­pres­são po­lí­ti­ca às prin­ci­pais cor­ren­tes re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as. Com as ide­o­lo­gi­as da épo­ca a di­gla­di­a­rem-se en­tre si, re­for­ma ou revolução, so­ci­al-de­mo­cra­cia, as­sis­ten­ci­a­lis­mo, anar­quis­mo, so­ci­a­lis­mo utó­pi­co ou co­mu­nis­mo for­ne­ce­ram ao ope­ra­ri­a­do in­dus­tri­al europeu to­da uma pa­nó­plia de re­fe­ren­ci­ais de mudança ra­di­cal. Mas, à luz das te­o­ri­as que a ins­pi­ra­ram, a “Revolução pro­le­tá­ria” aca­bou por acon­te­cer no lu­gar “er­ra­do”, en­quan­to o ca­pi­ta­lis­mo oci­den­tal co­me­ça­va a ce­der e a adap­tar-se aos cla­mo­res po­pu­la­res por jus­ti­ça so­ci­al e de­mo­cra­cia.

Uma ex­plo­são só ocor­re quan­do não exis­tem vál­vu­las de es­ca­pe, ou se­ja, o plu­ra­lis­mo po­lí­ti­co e a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do con­fli­to na Eu­ro­pa do pós-guer­ra per­mi­ti­ram subs­ti­tuir as re­be­liões de mas­sas por mu­dan­ças re­for­mis­tas, mui­to em­bo­ra se pos­sa con­cluir que sem o im­pul­so dos mo­vi­men­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os os pro­gra­mas so­ci­ais-de­mo­cra­tas, o key­ne­si­a­nis­mo e mui­tas das con­quis­tas ci­vi­li­za­ci­o­nais que hoje co­nhe­ce­mos não te­ri­am si­do al­can­ça­das. Uma li­de­ran­ça ca­ris­má­ti­ca e um bom dis­cur­so de­ma­go­go po­dem sem­pre ser de­ci­si­vos. To­da­via, a revolução é so­bre­tu­do fru­to de con­di­ções de ur­gên­cia e cres­cen­tes des­con­ten­ta­men­tos co­le­ti­vos; não prin­ci­pal­men­te re­sul­ta­do do tra­ba­lho or­ga­ni­za­ti­vo de “re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os pro­fis­si­o­nais” ou de uma qual­quer “van­guar­da”. Em que con­di­ções po­de en­tão ocor­rer uma revolução? His­to­ri­a­do­res e ci­en­tis­tas so­ci­ais — co­mo The­da Skoc­pol (Sta­tes and So­ci­al Re­vo­lu­ti­ons, 1979), en­tre ou­tros — re­por­tam-se à Revolução co­mo um pro­ces­so em que se con­ju­gam di­ver­sas re­vol­tas po­pu­la­res, incluindo con­fli­tos de in­te­res­ses en­vol­ven­do o Es­ta­do, as eli­tes e as clas­ses tra­ba­lha­do­ras e que tem co­mo re­sul­ta­do uma al­te­ra­ção pro­fun­da das es­tru­tu­ras de clas­se e da so­ci­e­da­de. A revolução só po­de triun­far, afir­mou Le­ni­ne, quan­do os de bai­xo não que­rem e os de ci­ma não po­dem con­ti­nu­ar a vi­ver co­mo dan­tes. Na de­fi­ni­ção de Char­les Tilly (From Mo­bi­li­za­ti­on to Re­vo­lu­ti­on, 1978), há três con­di­ções pa­ra se po­der fa­lar de re­vo­lu­ções: (1) quan­do exis­tem cla­ras dis­cre­pân­ci­as en­tre o que os go­ver­nos exi­gem dos seus ci­da­dãos mais bem or­ga­ni­za­dos e a sua ca­pa­ci­da­de pa­ra fa­zê-los cum­prir; (2) quan­do os go­ver­nos im­põem exi­gên­ci­as que ame­a­çam as iden­ti­da­des co­le­ti­vas ou vi­o­lam di­rei­tos as­so­ci­a­dos a es­sas iden­ti­da­des; e (3) quan­do o po­der da eli­te do­mi­nan­te vi­si­vel­men­te di­mi­nui em re­la­ção à for­ça cres­cen­te dos seus opo­si­to­res.

Um co­nhe­ci­do so­ció­lo­go fran­cês que se ce­le­bri­zou pe­los mui­tos es­tu­dos so­bre mo­vi­men­tos so­ci­ais (Alain Tou­rai­ne) afir­mou que o po­der trans­for­ma­dor de uma revolução nun­ca se tra­du­ziu na subs­ti­tui­ção das clas­ses do­mi­nan­tes pe­las do­mi­na­das, an­tes abriu es­pa­ço a uma mudança na es­tru­tu­ra de clas­ses, na qual, não ra­ra­men­te, se trans­for­mou an­ti­gos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os em no­vos oli­gar­cas. A aco­mo­da­ção às ca­dei­ras do po­der e o des­lum­bra­men­to pe­ran­te o no­vo sta­tus ten­dem a sub­ver­ter as in­ten­ções ini­ci­ais (ain­da que es­tas se­jam as mais ge­ne­ro­sas). O pró­prio Fri­e­dri­ch En­gels já aler­ta­va em fi­nais do sé­cu­lo XIX, a pro­pó­si­to da revolução, pa­ra o ris­co de di­vór­cio en­tre a te­o­ria e a prá­ti­ca, ra­zão pe­la qual “os re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os des­co­brem no dia se­guin­te que a revolução que fi­ze­ram não era aque­la que de­vi­am ter fei­to”. Em su­ma, é a ur­gên­cia da eman­ci­pa­ção que abre ca­mi­nho à revolução — ou se­ja, se é ver­da­de que “as re­vo­lu­ções começam sem­pre num be­co sem saí­da”, o efei­to li­ber­tá­rio e eman­ci­pa­tó­rio não es­tá ne­ces­sa­ri­a­men­te do la­do de lá do mu­ro, mas no pró­prio ato de sal­tar. Pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Eco­no­mia e in­ves­ti­ga­dor do Cen­tro de Es­tu­dos So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de de Coimbra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.