Por­tu­gal sai da clas­si­fi­ca­ção de “li­xo” após se­te anos

Mo­ody’s co­lo­cou o país com o ra­ting em “ní­vel de in­ves­ti­men­to”

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Sér­gio Aní­bal ser­gio.ani­bal@pu­bli­co.pt

Es­ta­va-se em Ju­lho de 2011, com a troi­ka aca­ba­da de che­gar ao país, e a Mo­ody’s pas­sou re­pen­ti­na­men­te a ser um no­me fa­mo­so em Por­tu­gal, quan­do se tor­nou a pri­mei­ra agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal a co­lo­car o ra­ting (clas­si­fi­ca­ção de ris­co) por­tu­guês no ní­vel “li­xo”. Com as ta­xas de ju­ro da dí­vi­da ime­di­a­ta­men­te a su­bi­rem pa­ra ní­veis ain­da mais in­com­por­tá­veis e as ou­tras agên­ci­as a ame­a­ça­rem fa­zer o mes­mo, po­lí­ti­cos de to­dos os qua­dran­tes pro­tes­ta­ram, as re­des so­ci­ais in­dig­na­ram-se e até uma no­va es­ta­tu­e­ta do Zé Po­vi­nho foi cri­a­da pa­ra tor­nar mais fá­cil o pro­tes­to con­tra a agên­cia.

On­tem, mais de se­te anos de­pois, a Mo­ody’s, que con­ti­nu­ou a ser a agên­cia mais cép­ti­ca em re­la­ção à re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e or­ça­men­tal, deu si­nais de ter vol­ta­do a con­fi­ar no país: co­lo­cou o ra­ting no­va­men­te em “ní­vel de in­ves­ti­men­to”, e Por­tu­gal dei­xou de ter qual­quer das três prin­ci­pais agên­ci­as mun­di­ais a clas­si­fi­car a sua dí­vi­da co­mo “li­xo”.

A três di­as da apre­sen­ta­ção do Or­ça­men­to pa­ra 2019, o ra­ting da Mo­ody’s pas­sou de Ba1 pa­ra Baa3, o pri­mei­ro con­si­de­ra­do “não es­pe­cu­la­ti­vo”. O mes­mo pas­so já ti­nha si­do da­do em Se­tem­bro do ano pas­sa­do pe­la Stan­dard & Po­or’s e em De­zem­bro pe­la Fit­ch. A Mo­ody’s, a mais con­ser­va­do­ra de to­das na for­ma co­mo ava­lia as dí­vi­das so­be­ra­nas da zo­na eu­ro, ti­nha há 13 me­ses si­na­li­za­do que po­de­ria su­bir o ra­ting por­tu­guês, quan­do pas­sou a sua ten­dên­cia de “es­tá­vel” pa­ra “po­si­ti­va”. Mas só ago­ra, de­pois de ter pas­sa­do os úl­ti­mos me­ses a “es­pe­rar pa­ra ver”, re­co­nhe­ceu es­tar mais con­ven­ci­da de que a me­lho­ria dos in­di­ca­do­res eco­nó­mi­cos e or­ça­men­tais em Por­tu­gal não são um fe­nó­me­no pas­sa­gei­ro, mas sim o re­sul­ta­do de mu­dan­ças es­tru­tu­rais no país.

Na no­ta em que ex­pli­ca as ra­zões da­das pa­ra a de­ci­são, os res­pon­sá­veis da agên­cia des­ta­cam em par­ti­cu­lar que a dí­vi­da pú­bli­ca es­tá ago­par­te ra a apre­sen­tar uma ten­dên­cia que, “em­bo­ra ain­da gra­du­al”, é “de­cres­cen­te e sus­ten­tá­vel”. E mos­tram-se con­fi­an­tes de que as pos­si­bi­li­da­des de uma re­ver­são da ten­dên­cia nos pró­xi­mos tem­pos são “li­mi­ta­das”. A Mo­ody’s de­fen­de mes­mo que o ajus­ta­men­to or­ça­men­tal re­a­li­za­do em Por­tu­gal “foi es­tru­tu­ral”, as­si­na­lan­do que o país foi mais lon­ge do que Es­pa­nha ou Fran­ça na re­du­ção do dé­fi­ce es­tru­tu­ral, su­pe­ran­do tam­bém aqui­lo que é exi­gi­do pe­las re­gras eu­ro­pei­as.

Ou­tra mu­dan­ça que a Mo­ody’s diz ago­ra que veio pa­ra fi­car é uma mai­or re­sis­tên­cia da eco­no­mia por­tu­gue­sa a ad­ver­si­da­des. No re­la­tó­rio lê-se que “a di­ver­si­fi­ca­ção dos mo­to­res de cres­ci­men­to de Por­tu­gal e uma me­lho­ria da po­si­ção ex­ter­na au­men­ta­ram a re­si­li­ên­cia eco­nó­mi­ca”.

Cla­ro que, de­pois de fa­lar das me­lho­ri­as, a Mo­ody’s tam­bém re­fe­riu a exis­tên­cia de fra­gi­li­da­des e tor­nou cla­ro quais são os seus prin­ci­pais re­cei­os. Afi­nal de con­tas, o ra­ting por­tu­guês, ape­nas um ní­vel aci­ma de “li­xo”, con­ti­nua a ser um dos mais bai­xos da zo­na eu­ro e o prin­ci­pal mo­ti­vo apre­sen­ta­do pa­ra is­so é o ní­vel de en­di­vi­da­men­to mui­to ele­va­do que se re­gis­ta quer no sec­tor pú­bli­co, quer no sec­tor pri­va­do. “Por­tu­gal vai con­ti­nu­ar mais sen­sí­vel do que a mai­or dos seus par­cei­ros eu­ro­peus a cho­ques de con­fi­an­ça”, diz.

A Mo­ody’s tam­bém dei­xa cla­ro que aqui­lo que po­de­ria fa­zer re­gres­sar o ra­ting por­tu­guês a um ní­vel “li­xo” se­ria a exis­tên­cia de si­nais de que “o com­pro­mis­so do Go­ver­no em re­la­ção à con­so­li­da­ção or­ça­men­tal e à dí­vi­da” se es­ta­ria a es­ba­ter. E mos­tra que ain­da re­ceia o ti­po de po­lí­ti­cas que po­dem re­sul­tar das elei­ções, fa­lan­do tam­bém na pos­si­bi­li­da­de de des­ci­da de ra­ting, se “o apoio a uma po­lí­ti­ca or­ça­men­tal pru­den­te não exis­tir a se­guir às elei­ções”.

Pa­ra Por­tu­gal, a de­ci­são da Mo­ody’s tem um po­ten­ci­al im­pac­to po­si­ti­vo na ca­pa­ci­da­de de o país se fi­nan­ci­ar nos mer­ca­dos. Ao dei­xar de ter ra­tings de ní­vel “li­xo” en­tre as três gran­des agên­ci­as, os tí­tu­los de dí­vi­da pú­bli­ca pas­sam a po­der ser ad­qui­ri­dos por um le­que mais lar­go de in­ves­ti­do­res. Em par­ti­cu­lar, Por­tu­gal pas­sa a po­der es­tar pre­sen­te em to­dos os ín­di­ces de obri­ga­ções mais re­le­van­tes (fal­ta­va o da JP Mor­gan) e fun­dos de pen­sões mais con­ser­va­do­res dei­xam tam­bém de es­tar li­mi­ta­dos na aqui­si­ção de dí­vi­da por­tu­gue­sa. Um ra­ting mais al­to e mais in­ves­ti­do­res dis­po­ní­veis pa­ra com­prar po­de re­sul­tar em ju­ros mais bai­xos.

Fon­te: Reu­ters PÚ­BLI­CO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.