Cai o mi­nis­tro que nun­ca con­se­guiu a con­fi­an­ça dos mi­li­ta­res

Azeredo Lo­pes de­mi­tiu-se após to­ma­da de pos­se da PGR • Mar­ce­lo man­ti­nha pres­são, mas aguar­da­va mais fac­tos • Mi­li­ta­res sou­be­ram pe­la te­le­vi­são • Os bas­ti­do­res da ope­ra­ção que fez cair o mi­nis­tro

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Le­o­ne­te Bo­te­lho com He­le­na Pe­rei­ra, Lu­ci­a­no Al­va­rez e Nu­no Ri­bei­ro

Azeredo Lo­pes ain­da as­sis­tiu à cerimónia de pos­se da no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, ao iní­cio da tar­de, no ple­no exer­cí­cio das fun­ções de mi­nis­tro da De­fe­sa. Mas lo­go de­pois de dei­xar o Pa­lá­cio de Be­lém, en­tre­gou a car­ta de de­mis­são ao pri­mei­ro-mi­nis­tro, que a acei­tou de ime­di­a­to. A de­ci­são foi co­nhe­ci­da pou­co de­pois das 17h, e o mo­men­to es­co­lhi­do foi jus­ti­fi­ca­do pe­lo pró­prio na car­ta di­zen­do que quis aguar­dar pe­la fi­na­li­za­ção da pro­pos­ta de Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019 pa­ra “não per­tur­bar” es­se pro­ces­so com a sua saí­da.

Azeredo Lo­pes jus­ti­fi­cou a sua saí­da com a ne­ces­si­da­de de evi­tar que as For­ças Ar­ma­das se­jam “des­gas­ta­das pe­lo ata­que po­lí­ti­co” e pe­las “acu­sa­ções” de que dis­se es­tar a ser al­vo por cau­sa do pro­ces­so de Tan­cos. “Não po­dia, e di­go-o de for­ma sen­ti­da, dei­xar que, no que de mim de­pen­des­se, as mes­mas For­ças Ar­ma- das fos­sem des­gas­ta­das pe­lo ata­que po­lí­ti­co ao mi­nis­tro que as tu­te­la”, re­fe­riu Azeredo Lo­pes na car­ta en­vi­a­da ao pri­mei­ro-mi­nis­tro, di­vul­ga­da pe­la Lu­sa. O mi­nis­tro ces­san­te vol­tou a ne­gar que te­nha ti­do co­nhe­ci­men­to, “di­rec­to ou in­di­rec­to, so­bre uma ope­ra­ção em que o en­co­bri­men­to se te­rá des­ti­na­do a pro­te­ger o ou um dos au­to­res do fur­to”.

Uma hora an­tes de ser co­nhe­ci­do pu­bli­ca­men­te o pe­di­do de de­mis­são, o ga­bi­ne­te do mi­nis­tro en­trou em con­tac­to com al­guns par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar a quem co­mu­ni­cou a de­mis­são. Os che­fes mi­li­ta­res, por seu la­do, com quem a re­la­ção nem sem­pre foi fá­cil, sou­be­ram da no­tí­cia pe­la te­le­vi­são, sou­be o PÚ­BLI­CO.

A de­mis­são de Azeredo Lo­pes acon­te­ce nu­ma al­tu­ra pe­cu­li­ar do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co: lo­go a se­guir à da to­ma­da de pos­se da no­va res­pon­sá­vel pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e nas vés­pe­ras da apre­sen­ta­ção do Or­ça­men­to do Es­ta­do (OE). Dois acon­te­ci­men­tos que ocu­pa­ram e pre­o­cu­pa­ram os ac­to­res po­lí­ti­cos e que es­ta­ri­am a con­di­ci­o­nar uma de­ci­são em re­la­ção ao ti­ming de saí­da do mi­nis­tro da De­fe­sa, ca­so não to­mas­se ele pró­prio a ini­ci­a­ti­va. Tan­to o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca co­mo mem­bros do Go­ver­no já de­fen­di­am a sua saí­da, mas ain­da nin­guém se sen­tia au­to­ri­za­do pa­ra o fa­zer pu­bli­ca­men­te.

Em re­la­ção ao OE, a so­lu­ção aca­bou por ser sim­ples: Azeredo Lo­pes apre­sen­ta a sua re­nún­cia na vés­pe­ra do Con­se­lho de Mi­nis­tros ex­tra­or­di­ná­rio pa­ra fe­char a pro­pos­ta do Go­ver­no, mas o pri­mei­ro-mi­nis­tro não o subs­ti­tui de ime­di­a­to, per­mi­tin­do que ele par­ti­ci­pe nes­sa reu­nião e fe­che aí o ci­clo. Na no­ta pu­bli­ca­da no si­te da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, é cla­ra­men­te di­to que o pri­mei­ro-mi­nis­tro “opor­tu­na­men­te pro­po­ria o no­me de um subs­ti­tu­to”.

No que à Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca diz res­pei­to, já ha­via na Pre­si­dên­cia e no Go­ver­no a con­vic­ção de que os pro­cu­ra­do­res res­pon­sá­veis pe­la in­ves­ti­ga­ção ao ca­so de Tan­cos iri­am pros­se­gui-la sem so­bres­sal­tos de­pois da saí­da de Jo­a­na Mar­ques Vi­dal.

Na cerimónia de pos­se de Lu­cí­lia Ga­go, o te­ma de Tan­cos aca­bou por es­tar su­ge­ri­do nos dois dis­cur­sos, ain­da que de for­ma sub­til. “O po­der não é uma pro­pri­e­da­de pes­so­al, é um ser­vi­ço aos ou­tros. En­ten­dê-lo im­pli­ca, an­tes de mais, pre­ve­nir a ile­ga­li­da­de, a ili­ci­tu­de e a cor­rup­ção. Pre­ve­nir é o mes­mo que di­zer con­de­nar o con­de­ná­vel, subs­ti­tuir o fa­ci­li­tis­mo, o fa­vor, o com­pa­drio, pe­la ho­nes­ti­da­de, o ri­gor, a res­pon­sa­bi­li­da­de”, dis­se Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa.

Já a no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca ma­ni­fes­tou o de­se­jo que en­tre as di­fe­ren­tes po­lí­ci­as im­pe­ras­se uma “co­o­pe­ra­ção sã e le­al”, e su­bli­nhou que o pa­pel da Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria no com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de com­ple­xa e al­ta­men­te or­ga­ni­za­da a co­lo­ca “ne­ces­sa­ri­a­men­te, nu­ma po­si­ção de re­le­vo”. Um su­bli­nha­do que não po­dia dei­xar de ser li­do co­mo uma re­fe­rên­cia ao con­fli­to pú­bli­co en­tre a PJ e a PJM na in­ves­ti­ga­ção de Tan­cos. Azeredo Lo­pes ou­viu com aten­ção, ten­tan­do man­ter-se im­pá­vi­do e se­re­no.

Na cerimónia de on­tem em Be­lém es­ta­va tam­bém pre­sen­te o che­fe de Es­ta­do-Mai­or do Exér­ci­to (CEME), Ro­vis­co Du­ar­te, que re­sis­te e não de­ve­rá imi­tar o ges­to de Azeredo Lo­pes, apu­rou o PÚ­BLI­CO. O ge­ne­ral, que ter­mi­na fun­ções em Abril, já sa­be que não de­ve­rá ver o man­da­to re­no­va­do, de­pois das de­cla­ra­ções fei­tas há um mês do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Mar­ce­lo, aliás, cum­pri­men­tou-o de ras­pão no fim da cerimónia, es­ten­den­do-lhe uma mão apres­sa­da pa­ra lo­go a ti­rar e ir dar um abra­ço aper­ta­do a Jo­a­na Mar­ques Vi­dal.

Mar­ce­lo à es­pe­ra de fac­tos

A in­ter­ven­ção de Ro­vis­co Du­ar­te ao lon­go des­te pro­ces­so já lhe va­leu con­tes­ta­ção in­ter­na e le­vou à de­mis­são de dois ge­ne­rais de três es­tre­las. Um de­les, o ge­ne­ral Fa­ria de Me­ne­zes, que era co­man­dan­te ope­ra­ci­o­nal das For­ças Ter­res­tres, re­a­giu as­sim à de­mis­são do mi­nis­tro: “Saú­do com gran­de ener­gia es­ta ini­ci­a­ti­va que re­pre­sen­ta o re­gres­so a uma cul­tu­ra de res­pon­sa­bi­li­za­ção po­lí­ti­ca que com cer­te­za irá con­tri­buir pa­ra uma sa­lu­tar se­re­ni­da­de e mai­or cre­di­bi­li­da­de na ins­ti­tui­ção es­tru­tu­ran­te do Es­ta­do

que são as For­ças Ar­ma­das”, afir­mou ao PÚ­BLI­CO.

Azeredo Lo­pes che­gou à con­clu­são da sua in­sus­ten­ta­bi­li­da­de no car­go, mas an­tes Mar­ce­lo já ti­nha ma­ni­fes­ta­do a Cos­ta a sua pre­o­cu­pa­ção com o des­gas­te do mi­nis­tro e as con­sequên­ci­as no pres­tí­gio das For­ças Ar­ma­das, sa­be o PÚ­BLI­CO. Mas, des­ta vez, o che­fe de Es­ta­do foi mui­to cau­te­lo­so e não quis pre­ci­pi­tar a que­da do mi­nis­tro. A ava­li­a­ção fei­ta em Be­lém era que es­te ca­so era mui­to di­fe­ren­te do ocor­ri­do com a ex-mi­nis­tra da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na, Cons­tan­ça Ur­ba­no de Sou­sa. Aqui, ti­nha ha­vi­do uma tra­gé­dia com ví­ti­mas mor­tais a que nin­guém fi­cou in­di­fe­ren­te, en­quan­to em Tan­cos se es­ta­va pe­ran­te um pro­ble­ma po­lí­ti­co re­la­ci­o­na­do com ques­tões de so­be­ra­nia e com o me­lin­dro­so sec­tor das For­ças Ar­ma­das. Ape­sar da sua im­por­tân­cia, o te­ma não cri­ou pro­pri­a­men­te um cla­mor pú­bli­co, co­mo acon­te­ceu com os in­cên­di­os.

Por ou­tro la­do, a in­su­fi­ci­ên­cia de fac­tos con­cre­tos so­bre o que re­al­men­te acon­te­ceu em Tan­cos e a exis­tên­cia de ver­sões con­tra­di­tó­ri­as tor­na­vam a ges­tão des­te dos­si­er mui­to mais ar­ris­ca­da. Nin­guém, nem mes­mo os par­ti­dos, qui­se­ram fa­zer lei­tu­ras po­lí­ti­cas de­fi­ni­ti­vas, ar­ris­can­do vi­rem a ser des­men­ti­dos pe­los fac­tos — ou pe­la au­sên­cia de­les. Fac­tos que só co­me­ça­ram a sur­gir nas úl­ti­mas se­ma­nas, al­tu­ra em que o CDS de­ci­diu avan­çar com uma co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to — pa­ra a qual o Pre­si­den­te aca­bou por dar uma aju­di­nha, quan­do dis­se que não ha­via pro­ble­ma ne­nhum em co­e­xis­tir com a in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, por­que is­so já acon­te­ce­ra em Ca­ma­ra­te e não ti­nha si­do obs­tá­cu­lo.

Mar­ce­lo aguar­da­va, pois, a evo­lu­ção dos acon­te­ci­men­tos. Em­bo­ra de­se­jas­se a saí­da de Azeredo Lo­pes, sa­bia que não ti­nha o po­der da ini­ci­a­ti­va e es­pe­ra­va pa­ra ver quem da­va o pas­so em fren­te. Tan­to Cos­ta co­mo Mar­ce­lo sa­bi­am que ha­ve­ria um pre­ço a pa­gar pe­lo ar­ras­ta­men­to da si­tu­a­ção, e que a de­mis­são se­ria ine­vi­tá­vel ca­so Azeredo Lo­pes fos­se cons­ti­tuí­do ar­gui­do na fa­se de inqué­ri­to.

Num mo­men­to em que es­sa pos­si­bi­li­da­de era já le­va­da a sé­rio, hou- ve quem lem­bras­se que tam­bém os três se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do que vi­a­ja­ram a ex­pen­sas da Galp pa­ra as­sis­tir a jo­gos do Eu­ro 2016 apre­sen­ta­ram a sua de­mis­são pou­co an­tes de se­rem cons­ti­tuí­dos ar­gui­dos no pro­ces­so. Qu­es­ti­o­na­da so­bre se Azeredo Lo­pes é ar­gui­do no pro­ces­so ou po­de­rá vir a ser, a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca dis­se que, quan­to a es­te ca­so, não há “na­da a acres­cen­tar à in­for­ma­ção já pres­ta­da” e que o inqué­ri­to-cri­me man­tém os “no­ve ar­gui­dos cons­ti­tuí­dos”.

A pres­são do Pre­si­den­te

Co­mo co­man­dan­te Su­pre­mo das For­ças Ar­ma­das, o Pre­si­den­te en­vol­veu­se des­de o iní­cio do ca­so quan­do, na sequên­cia da no­tí­cia do de­sa­pa­re­ci­men­to do ma­te­ri­al mi­li­tar, fez ques­tão de ir a Tan­cos, le­van­do o mi­nis­tro atrás num mo­men­to em que o pri­mei­ro-mi­nis­tro se en­con­tra­va de fé­ri­as. Des­se epi­só­dio vi­ria a di­zer ter ido “ao li­mi­te das su­as com­pe­tên­ci­as”. Mas nos bas­ti­do­res fez mui­to mais.

Em­pe­nhou-se pes­so­al­men­te no pros­se­gui­men­to da in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, que de­cor­ria aos so­la­van­cos de­vi­do às ri­va­li­da­des en­tre a Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria e a sua con­gé­ne­re mi­li­tar. Adop­tou um per­fil mui­to cons­tan­te e per­sis­ten­te, fa­zen­do uma pres­são con­tí­nua mas cui­da­do­sa, pa­ra não pre­ju­di­car a in­ves­ti­ga­ção. Da qual, aliás, co­nhe­cia os da­dos es­sen­ci­ais, sa­be o PÚ­BLI­CO. Não foi por aca­so que, a 10 de Se­tem­bro, cer­ca de du­as se­ma­nas an­tes de ser co­nhe­ci­da a Ope­ra­ção Húbris, o che­fe do Es­ta­do de­cla­rou “ter uma for­te es­pe­ran­ça” de que as con­clu­sões da in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal a Tan­cos se­ri­am co­nhe­ci­das “den­tro de di­as ou de se­ma­nas — e não de me­ses”.

Dois di­as de­pois, dis­se es­tar a acom­pa­nhar “com to­do o in­te­res­se” a in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, re­cor­dan­do que sem­pre in­sis­tiu no apu­ra­men­to “do que se pas­sou”, tan­to no mo­men­to do de­sa­pa­re­ci­men­to das ar­mas, em Ju­nho, co­mo de­pois no seu apa­re­ci­men­to em Ou­tu­bro — por aca­so no mes­mo dia em que se de­mi­te a mi­nis­tra da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na. Na se­ma­na pas­sa­da in­sis­tiu nes­te pon­to do es­cla­re­ci­men­to dos dois mo­men­tos, por­que con­si­de­ra que são as­sun­tos in­dis­so­ciá­veis.

RUI GAUDÊNCIO

MI­GUEL MANSO

Dois di­as de­pois de ser apoi­a­do por An­tó­nio Cos­ta, o mi­nis­tro da De­fe­sa sai do Go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.