O que te­ria ele com­pos­to se não mor­res­se tão ce­do ?

Cem anos após a mor­te de An­tó­nio Fra­go­so aos 21 anos, o fas­cí­nio man­tém-se

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Mú­si­ca Cris­ti­na Fer­nan­des

No dia 13 de Ou­tu­bro de 1918, há pre­ci­sa­men­te cem anos, na al­deia da Po­ca­ri­ça (per­to de Can­ta­nhe­de), mor­ria su­bi­ta­men­te o com­po­si­tor e pi­a­nis­ta An­tó­nio Fra­go­so com ape­nas 21 anos, ví­ti­ma da epi­de­mia de gri­pe pneu­mó­ni­ca. Nes­se ano fa­tí­di­co, a mes­ma do­en­ça ti­rou a vi­da a três dos seus ir­mãos, ao pin­tor Ama­deo de Sou­za-Car­do­so, ao ma­es­tro e vi­o­lon­ce­lis­ta Da­vid de Sou­sa e a mais de uma cen­te­na de mi­lha­res de por­tu­gue­ses.

Ape­sar da sua curta exis­tên­cia, Fra­go­so dei­xou um con­jun­to de obras que tem exer­ci­do gran­de fas­cí­nio jun­to dos mú­si­cos e me­ló­ma­nos e que o co­lo­ca en­tre as fi­gu­ras de re­le­vo da his­tó­ria da mú­si­ca em Por­tu­gal dos iní­ci­os do sé­cu­lo XX. Foi o cri­a­dor de pá­gi­nas pi­a­nís­ti­cas ad­mi­rá­veis co­mo a Pe­ti­te Sui­te e os Se­te Pre­lú­di­os, de re­fi­na­dís­si­mas can­ções (co­mo as Can­ções do Sol Po­en­te e os Poè­mes Sa­tur­ni­ens,a par­tir de Paul Ver­lai­ne) e de vá­ri­as obras ins­tru­men­tais de câ­ma­ra, que têm des­per­ta­do cres­cen­te in­te­res­se por par­te dos in­tér­pre­tes e que fo­ram ob­jec­to de es­pe­ci­al aten­ção no âm­bi­to da pro­gra­ma­ção co­me­mo­ra­ti­va do cen­te­ná­rio, pro­mo­vi­da pe­la As­so­ci­a­ção An­tó­nio Fra­go­so (AAF).

Cri­a­da em 2009 pe­los her­dei­ros do com­po­si­tor e pre­si­di­da por Edu­ar­do Fra­go­so Mar­tins, es­ta as­so­ci­a­ção pro­mo­veu no úl­ti­mo ano con­cer­tos e con­fe­rên­ci­as em mais de 40 lo­ca­li­da­des de Por­tu­gal, as­sim co­mo o lan­ça­men­to de um CD com a in­te­gral da obra pa­ra can­to e pi­a­no pe­la so­pra­no Car­la Ca­ra­mu­jo e pe­lo pi­a­nis­ta João Pau­lo San­tos. O con­cer­to de en­cer­ra­men­to das co­me­mo­ra­ções, que se re­a­li­za es­ta noi­te (às 21h) em Coim­bra, no Gran­de Au­di­tó­rio do Con­ven­to de São Fran­cis­co, par­te da eter­na ques­tão: “Que mú­si­ca po­de­ria ter Fra­go­so es­cri­to se ti­ves­se vi­vi­do mais tem­po?”

En­fim, faz pe­na, mas te­nho es­pe­ran­ça [de] que lá pa­ra o ano 2000, pou­co mais ou me­nos, o pú­bli­co por­tu­guês es­te­ja ca­paz de gos­tar de mú­si­ca mo­der­na

Nes­sa pers­pec­ti­va, vá­ri­os com­po­si­to­res fo­ram de­sa­fi­a­dos a fa­zer adap­ta­ções sin­fó­ni­cas de al­gu­mas das me­lho­res pá­gi­nas do com­po­si­tor, que se­rão in­ter­pre­ta­das por Inês An­dra­de (pi­a­no), por Ta­mi­la Kha­ram­bu­ra (vi­o­li­no) e pe­lo En­sem­ble MPMP, di­ri­gi­do por Pe­dro Ne­ves. O pro­gra­ma é cons­ti­tuí­do por La vil­le Au­tom­ne (ar­ran­jo de Sér­gio Aze­ve­do), Pe­ti­te Sui­te (ar­ran­jo de Edward Luiz Ay­res d’Abreu), Con­cer­to Ro­mân­ti­co (ar­ran­jo de Sér­gio Aze­ve­do), Noc­tur­no (ver­são or­ques­tral do pró­prio A. Fra­go­so) e So­na­ta em mi me­nor (ar­ran­jo de Rui Pau­lo Tei­xei­ra). Ain­da no âm­bi­to do cen­te­ná­rio, foi re­a­li­za­do por Lau­rent Fi­li­pe o do­cu­men­tá­rio A Vi­da Bre­ve de An­tó­nio Fra­go­so, que irá ser trans­mi­ti­do em bre­ve pe­la RTP2.

“Um lu­to sem fim”

O fac­to de não ter ti­do tem­po pa­ra ama­du­re­cer em ple­no a sua lin­gua­gem con­tri­buiu pa­ra a cri­a­ção de um mi­to em tor­no de An­tó­nio Fra­go­so e ali­men­tou a nos­tal­gia de um su­pos­to gé­nio da mú­si­ca por­tu­gue­sa, cu­jo ta­len­to e cu­ri­o­si­da­de pe­las cor­ren­tes es­té­ti­cas eu­ro­pei­as do seu tem­po po­de­ri­am ter aber­to no­vos ca­mi­nhos. Es­sa ideia sau­do­sis­ta An­tó­nio Fra­go­so (1897-2018) Com­po­si­tor e pi­a­nis­ta per­cor­re a re­cep­ção do seu le­ga­do e en­con­tra-se ex­pli­ci­ta­men­te no tí­tu­lo da pri­mei­ra mo­no­gra­fia que lhe foi de­di­ca­da: An­tó­nio Fra­go­so: um gé­nio fei­to sau­da­de (1968), de Le­o­nar­do Jor­ge.

Con­for­me as­si­na­la o mu­si­có­lo­go Pau­lo Fer­rei­ra de Cas­tro no li­vro An­tó­nio Fra­go­so e o Seu Tem­po (CESEMAAF, 2010), Fra­go­so con­ver­teu-se ao lon­go do úl­ti­mo sé­cu­lo nu­ma “fi­gu­ra de cul­to” e no “ob­jec­to de um lu­to sem fim, que pa­re­ce por ve­zes es­ten­der-se à pró­pria mú­si­ca por­tu­gue­sa no seu to­do”.

Ape­sar das ini­ci­a­ti­vas que têm pro­mo­vi­do o es­tu­do da sua obra e da sua per­so­na­li­da­de de for­ma mais dis­tan­ci­a­da, com des­ta­que pa­ra o co­ló­quio re­a­li­za­do em 2008 na Cul­tur­gest, con­ti­nua a ser di­fí­cil fu­gir à ten­ta­ção da es­pe­cu­la­ção so­bre a mú­si­ca que Fra­go­so não te­ve tem­po de es­cre­ver. “Se pa­ra al­guns a mú­si­ca de Fra­go­so se iden­ti­fi­ca com o Ro­man­tis­mo que não che­gá­ra­mos a ter (tor­nan­do-a por is­so mes­mo vul­ne­rá­vel à sus­pei­ta de um re­la­ti­vo ana­cro­nis­mo), ou­tros ha­ve­ri­am de rei­vin­di­car a sua obra co­mo em­ble­ma de uma ân­sia de ac­tu­a­li­za­ção das re­fe­rên­ci­as téc­ni­cas e es­té­ti­cas no do­mí­nio da com­po­si­ção no li­mi­ar do sé­cu­lo XX”, re­fe­re Pau­lo Fer­rei­ra de Cas­tro.

Pa­ra es­te mu­si­có­lo­go, ac­tu­al­men­te co­or­de­na­dor do de­par­ta­men­to de Ci­ên­ci­as Mu­si­cais da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, Fra­go­so foi “uma per­so­na­li­da­de di­vi­di­da en­tre di­co­to­mi­as múl­ti­plas e pul­sões con­tra­di­tó­ri­as — na­ci­o­na­lis­mo e cos­mo­po­li­tis­mo, me­lan­co­lia e mo­der­ni­da­de, cul­to pla­tó­ni­co do ab­so­lu­to mu­si­cal e cons­ci­ên­cia da his­to­ri­ci­da­de da ar­te”, mas tam­bém “um es­pí­ri­to ávi­do de cul­tu­ra e par­ti­cu­lar­men­te in­cli­na­do à re­fle­xão”, uma ati­tu­de pou­co vul­gar en­tre os mú­si­cos por­tu­gue­ses da sua ge­ra­ção e um si­nal de ma­tu­ri­da­de in­te­lec­tu­al.

Nas­ci­do a 17 de Ju­nho de 1897 no seio de uma fa­mí­lia li­ga­da à ma­gis­tra­tu­ra, An­tó­nio Fra­go­so ma­ni­fes­tou des­de a pri­mei­ra in­fân­cia for­te

in­cli­na­ção pa­ra a mú­si­ca, ten­do ini­ci­a­do a sua for­ma­ção mu­si­cal com o seu tio, An­tó­nio dos San­tos To­vin, mé­di­co de pro­fis­são e ama­dor de mú­si­ca en­tu­si­as­ta. De­pois de com­ple­tar a ins­tru­ção pri­má­ria, foi vi­ver pa­ra o Por­to a fim de fre­quen­tar o li­ceu, e con­ti­nu­ou os es­tu­dos mu­si­cais co­mo alu­no de pi­a­no de Er­nes­to Maia.

Ce­den­do à pres­são da fa­mí­lia, fre­quen­tou o cur­so su­pe­ri­or de co­mér­cio, mas aca­ba­ria por o aban­do­nar dois anos de­pois. Fi­xou-se en­tão em Lis­boa e ins­cre­veu-se no con­ser­va­tó­rio, on­de es­tu­dou com To­más Bor­ba (har­mo­nia), Luís de Frei­tas Bran­co (acom­pa­nha­men­to e lei­tu­ra de par­ti­tu­ras) e Mar­cos Ga­rin (pi­a­no).

Pi­a­nis­ta do­ta­do e com­po­si­tor de ta­len­to, apre­sen­tou-se pe­la pri­mei­ra vez em pú­bli­co em 1916, na Aca­de­mia de Ama­do­res de Mú­si­ca, num con­cer­to in­te­gral­men­te pre­en­chi­do com obras da sua au­to­ria. Quan­do mor­reu, ti­nham ape­nas pas­sa­do três me­ses após a con­clu­são do cur­so su­pe­ri­or de pi­a­no com a no­ta má­xi­ma de 20 va­lo­res.

No en­tan­to, o con­ser­va­tó­rio cau­sou-lhe im­pres­sões con­tra­di­tó­ri­as, quer pe­los re­sul­ta­dos pou­co sa­tis­fa­tó­ri­os ob­ti­dos no exa­me de har­mo­nia quer pe­lo am­bi­en­te ro­ti­nei­ro e pro­pen­so a fa­vo­ri­tis­mos. Nu­ma car­ta ao pai (22-3-1916) ex­pres­sa­va a sua vontade em “sair da­que­la ilus­tre agre­mi­a­ção de mú­si­cos cu­ja in­te­li­gên­cia (com ra­ras ex­cep­ções) é ab­so­lu­ta­men­te in­com­pa­tí­vel com a ideia de pro­gres­so, da evo­lu­ção da Ar­te, e cu­jo es­pí­ri­to é sim­ples­men­te mes­qui­nho”.

Nal­gu­mas das su­as no­tas pes­so­ais per­ten­cen­tes ao seu es­pó­lio, mas tam­bém em ar­ti­gos e car­tas, Fra­go­so mos­tra pou­cas ilu­sões a res­pei­to do meio mu­si­cal lis­bo­e­ta, que acu­sa­rá oca­si­o­nal­men­te de pe­dan­tis­mo e ig­no­rân­cia: “En­fim, faz pe­na, mas te­nho es­pe­ran­ça [de] que lá pa­ra o ano 2000, pou­co mais ou me­nos, o pú­bli­co por­tu­guês es­te­ja ca­paz de gos­tar de mú­si­ca mo­der­na.”

Re­ve­la-se tam­bém cép­ti­co em re­la­ção ao tra­ta­men­to eru­di­to de te­mas po­pu­la­res por­tu­gue­ses de­vi­do à sua insuficiente va­ri­e­da­de har­mó­ni­ca, ao con­trá­rio do que su­ce­dia com as mú­si­cas tra­di­ci­o­nais hún­ga­ras, no­ru­e­gue­sas ou es­pa­nho­las, que ti­nham ins­pi­ra­do Liszt, Gri­eg ou Al­bé­niz. Che­ga mes­mo a es­cre­ver num ar­ti­go no jor­nal Cor­reio de

Can­ta­nhe­de, pu­bli­ca­do pou­cos di­as an­tes da sua mor­te, que os com­po­si­to­res por­tu­gue­ses “nun­ca po­de­rão ser­vir-se dos te­mas po­pu­la­res pa­ra ba­se das su­as com­po­si­ções, sem caí­rem num ri­dí­cu­lo es­tú­pi­do e nu­ma ba­na­li­da­de cha­ta”.

Nos seus úl­ti­mos anos de vi­da, Fra­go­so de­sen­vol­veu uma in­ten­sa ac­ti­vi­da­de cri­a­ti­va e uma cu­ri­o­si­da­de in­sa­ciá­vel pe­las cor­ren­tes mu­si­cais es­tran­gei­ras da épo­ca, so­bre­tu­do as de ori­gem fran­ce­sa. Com raí­zes na ex­pres­são ro­mân­ti­ca, a sua lin­gua­gem mu­si­cal ca­rac­te­ri­za-se por at­mos­fe­ras poé­ti­cas e tex­tu­ras de­li­ca­das, mos­tran­do afi­ni­da­des com os pri­mór­di­os do Im­pres­si­o­nis­mo. Com­po­si­to­res co­mo De­bus­sy, Ra­vel e Fau­ré exer­ce­ram um for­te fas­cí­nio so­bre o jo­vem com­po­si­tor, que du­ran­te os pou­cos anos em que vi­veu não fa­zia mais do que “es­tu­dar mú­si­ca, fa­lar de mú­si­ca, comer mú­si­ca, dor­mir mú­si­ca e pen­sar em mú­si­ca”, con­for­me es­cre­veu nu­ma car­ta à ir­mã (a 27 de Ja­nei­ro de 1915). Com a ex­cep­ção das To­a­das na

Mi­nha Al­deia (can­to e pi­a­no), a obra de Fra­go­so foi pro­du­zi­da em ape­nas qua­tro anos (1915-1918). Compôs um trio pa­ra pi­a­no, vi­o­li­no e vi­o­lon­ce­lo, uma so­na­ta pa­ra vi­o­li­no e pi­a­no (in­com­ple­ta), obras co­rais, uma de­ze­na de Li­e­der e cer­ca de trin­ta pe­ças pa­ra pi­a­no. En­tre as su­as obras pi­a­nís­ti­cas mais re­pre­sen­ta­ti­vas en­con­tra-se a já re­fe­ri­da Pe­ti­te Sui­te, Pen­sées Ex­ta­ti­ques, Pre­lú­di­os, Noc­tur­nos e a So­na­ta em mi me­nor. En­tre as pe­ças pa­ra can­to e pi­a­no, des­ta­cam-se as Can­ções do Sol Po

en­te (so­bre po­e­mas de An­tó­nio Cor­reia de Oliveira) e as me­lo­di­as so­bre po­e­mas de Ver­lai­ne Fê­tes Ga­lan­tes e Poè­mes Sa­tur­ni­ens, re­fle­xo da sua ade­são ao uni­ver­so sim­bo­lis­ta co­mo fon­te de ins­pi­ra­ção. Es­tas úl­ti­mas são pá­gi­nas de gran­de sub­ti­le­za, mar­ca­das por uma re­la­ção tex­to­mú­si­ca cui­da­da que ti­ra par­ti­do das par­ti­cu­la­ri­da­des fo­né­ti­cas e da sen­su­a­li­da­de da lín­gua fran­ce­sa.

DR

An­tó­nio Fra­go­so dei­xou um con­jun­to de obras que tem exer­ci­do gran­de fas­cí­nio jun­to de me­ló­ma­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.